quinta-feira, 26 de maio de 2016

Porque o aposentado não vota



Marcos Cordeiro de Andrade
Curitiba (PR), 26/05/16.
Caros colegas.

Aliado ao descrédito nas gestões passadas, saltam aos olhos os motivos que contribuem para a disparidade de votos computados por ativos e aposentados nas eleições para nossas Caixas.

Se de um lado persiste a afluência maciça do pessoal da ativa nas votações, os aposentados e pensionistas cada vez mais se afastam desse cenário com justificadas razões.

No caso dos ativos explica-se sua presença com a quase obrigatoriedade imposta pelo BB via SISBB, aliada à propaganda de peso subvencionada pelas grandes associações - atuantes como situacionistas. Estas, notoriamente, não têm limites de gastos para propaganda com dinheiro extraído de suas milionárias arrecadações. E ainda contam com a condescendente contribuição no uso do acervo de endereços dos sócios. Já aí nota-se porque chapas menores, ditas de oposição, concorrem em reconhecida desvantagem. Acrescente-se a agravante de que essa concorrência se avulta pela existência de funcionários nas dependências do Banco atuando em nome de sindicatos, da CUT, e de Entidades como a ANABB, COOPERFORTE e outras afinadas com os interesses do patrocinador.

Mas não é só isso que caracteriza a “abstinência eleitoral” dos inativos. Há também explicações óbvias que a justifiquem, tais como a insistente inscrição de figuras carimbadas gerando desconfiança pelo acúmulo de cargos exercidos simultaneamente, como contumazes integrantes de chapas passadas, que pouco ou nada fizeram que levem alguém a repetir o voto nesses nomes.

Junte-se irrefutáveis constatações lembrando que quase nenhuma chapa resiste ao exame de isenção partidária que zere a repulsa existente, pois há sempre um ou outro militante infiltrado nelas e, por vezes, dirigentes de Associações defensoras do BB. Também, com raríssimas exceções, encontra-se amiúde nomes comprometidos com a busca de empregos onde usa-se a condenável prática de enxertar nomes confiáveis para dar brilho a pessoas interesseiras – desqualificadas, enfim.

Além do mais, é constrangedor constatar que os formadores de chapas ditas “independentes” tripudiam da capacidade de discernimento dos eleitores visados, ao praticar frouxos argumentos para impor nomes tirados do rol do compadrio.

Para atingir objetivos eleitoreiros, se imiscuem nos assuntos internos e soberanos das Associações exigindo apoio aos seus desígnios. Esquecendo convenientemente que os sócios são maiores de 60 anos, alfabetizados em grau elevado e profundos conhecedores dos males que os afligem - por conta do deficitário atendimento dispensado pelas Caixas, em que se deplora o concurso do egoísmo dos seus gestores (eleitos ou nomeados). Nesse sentido, bem agem as Associações ao fazer ouvidos de mercador a essas investidas, em respeito ao livre arbítrio dos integrantes do quadro social de cada uma delas.

Nessa linha de raciocínio, sobram argumentos para justificar a abstinência eleitoral dos aposentados e pensionistas. Vale lembrar que, mais recentemente, o encerramento da CPI dos Fundos trouxe à tona nomes de peso envolvidos em falcatruas no âmbito da PREVI, que atuaram contra os interesses dos participantes sem que os eleitos desempenhassem seu papel fiscalizador.

Para fechar o círculo que leva à comentada fuga das urnas, alie-se a tudo isto a constrangedora constatação de que o nosso voto servirá para eleger alguém, talvez de duvidosa competência, para ocupar cargos com escandalosos e multiplicados ganhos (em muitas vezes superiores aos nossos benefícios previdenciários), notadamente nesta época de crise em que tudo nos falta.

Com esse entendimento, não indiquei chapas ou candidatos. E não admito que alguém use o meu nome com essa finalidade como vem ocorrendo.
Mesmo assim, reconheço a existência de pessoas altamente capazes registradas em algumas das chapas concorrentes, mas isso não é suficiente para modificar os conceitos que aqui exprimo.

Dou ênfase ao fato de que deixei essas considerações para o final do prazo da eleição, para evitar ser acusado de defender interesses de quem quer que seja. E confesso que tenho simpatia por certos nomes inscritos, mas, entendo que a simpatia transita por uma via de mão dupla, e, sendo assim, nesta campanha estacionei meu caminhãozinho à margem da estrada esperando a poeira assentar. O que me move é o intuito de alertar os “fabricantes de chapas” para o repetitivo erro de avaliação, quando cuidam só e exclusivamente dos seus interesses.

Por fim, lembrando que aposentados e pensionistas merecem respeito, imploro que parem de nos usar como massa de manobra, pois, enquanto persistir o poder de fabricar chapas nas mãos de poucos, esse quadro não deve se modificar.

E quando alguém se arvorar no direito de ser um fabricante de chapas, não esqueça de ter à mão um gordo caderno com nomes de consultores confiáveis e não comprometidos (nem postulantes a cargos), cujas opiniões sejam levadas na devida conta.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade
Matrícula nº 6.808.340-8

Associado da PREVI desde 15/05/1962. 

www.previplano1.com.br

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Mais 56% na Aposentadoria




Curitiba (PR), 11/05/2016.

COMUNICADO nº 85 - AAPPREVI

Caros Colegas.

Já está em curso a Ação dos 56%, mais conhecida como “Ação da Vida Inteira”, impetrada com aval da AAPPREVI pelo Escritório Lima & Silva Advogados (ricardosilva@limaesilvaadv.com.br ).

Para conhecer detalhadamente os fundamentos e enquadramentos da Ação proposta acesse nosso site pelo link abaixo:


Vale ressaltar que o cálculo da revisão abrange todo o período de contribuições ao INSS, inclusive de quem aposentou antes de abril de 1967 (baseados na Circular FUNCI nº 121/1951, de 20/03/51, cujas cópias colocamos à disposição dos interessados).

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente Administrativo

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Ação Judicial FGTS - Prazo indefinido


COMUNICADO Nº 84 - AAPPREVI

Curitiba (PR) 27 de abril de 2016.

AÇÃO JUDICIAL FGTS – Prazo indefinido

Caros colegas,

Em breve o STF decidirá o tema objeto desta ação, mas não sabemos exatamente quando. A expectativa é que o julgamento ocorra ainda neste ano. Logo, não é possível determinar um prazo limite para ajuizar, o ideal é que as ações estejam em curso antes do julgamento no Supremo. 

Quando divisarmos o posicionamento do STF ajustaremos a data limite para encerramento dos nossos prazos. Até lá continuaremos recebendo normalmente a documentação dos interessados, pois, em se tratando de demandas individualizadas, novos autores poderão ser incluídos a qualquer momento.

Para conhecimento do que trata a Ação, também cuidada por outras associações, acesse o link abaixo:

http://www.aapprevi.com.br/assessoria_juridica_acao_fgts.php

Aguardamos os seus documentos.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente Administrativo


www.aapprevi.com.br
presidencia@aapprevi.com.br
aapprevi@aapprevi.com.br

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Eleições CASSI 2016




Curitiba (PR), 11/04/2016.
Caros Colegas,

No momento em que antigos líderes políticos deixam cair as máscaras, e como frágeis ídolos de barro cru se esboroam à exposição do exame crítico, torna-se difícil encontrar quem mereça nossa indicação para gerir o que quer que seja, em qualquer atividade.

Na situação presente, para concorrer a cargos eletivos no nosso meio não podemos esquecer esses lamentáveis exemplos do comportamento humano. Por um lado, é difícil dar crédito a iniciados envolvidos em correntes partidárias desacreditadas – berço de corruptos notórios. E, de igual modo, é temerário empenhar a credibilidade dos nossos nomes para pedir votos aos viciados participantes da dança das cadeiras. Em nenhum dos casos há garantias de que qualquer das correntes queira fazer alguma coisa por nós, aposentados e pensionistas do Banco do Brasil. Mas paira a suspeita de que trabalham em causa própria. Uns, tão somente em busca do primeiro cargo remunerado nas nossas Caixas. Outros, querendo juntar mais um salário ao rosário de sinecuras já ocupadas no mesmo sentido, dão lentes de aumento ao seu olho gordo. Todos, à custa do nosso utilíssimo voto, destruindo derradeiras esperanças.

Assim sendo, peço desculpas aos colegas que me procuram pedindo orientação em quem votar, mas não posso partilhar a incerteza de vir a votar mal. E não indico nenhuma chapa.

Apenas peço que cada um assuma a responsabilidade pela escolha criteriosa, recomendando confrontar os nomes concorrentes com a relação inscrita no CANAEL (www.canael.com.br)

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade
Matrícula nº 6.808.340-8

Associado da Cassi desde 15/05/1962

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Processos mais rápidos


COMUNICADO Nº 83 – 05/04/16

AAPPREVI INVESTE NA AGILIDADE DO TRÂMITE DE SEUS PROCESSOS

Percebendo a necessidade de seus associados, a AAPPREVI solicitou ao seu Assessor Jurídico, Dr. JOSÉ TADEU DE ALMEIDA BRITO, que envidasse esforços no sentido de que o trâmite dos processos promovidos por ela fosse agilizado, uma vez que os beneficiários são pessoas idosas e carentes de recursos financeiros.

Nesse contexto, informa-se que o Dr. Tadeu esteve no Rio de Janeiro nos dias 30 e 31 de março de 2016, visitando os gabinetes dos juízes da Justiça Federal de 1ª. Instância, bem como dos magistrados do Egrégio Tribunal Regional Federal da 2ª Região (2ª Instância), onde foi cordialmente atendido com a promessa de agilizar a tramitação.

Certamente, nos próximos dias, os nossos processos de IR 1/3 PREVI da Justiça Federal do RJ já começarão a tramitar mais rapidamente, uma vez que, por previsão legal, a maioria dos associados da AAPPREVI possui prioridade de tramitação.

Informa-se, ainda, que alguns dos processos de Poupança – Plano Verão que tramitam em Brasília (ajuizados em outubro de 2014) terão os seus desfechos nos próximos 120 dias, com o pagamento da diferença de rendimentos aos beneficiários.

MARCOS CORDEIRO DE ANDRADE
Presidente Administrativo


JOSÉ TADEU DE ALMEIDA BRITO
Advogado – Assessor Jurídico da AAPPREVI

sexta-feira, 25 de março de 2016

Ação FGTS - Revisão TR


Comunicado nº 82 – AAPPREVI

Curitiba (PR), 25/03/16.

AÇÃO FGTS – Revisão TR

Vários Sindicatos e Associações mantêm Ações Judiciais pedindo a correção das contas do FGTS, com pagamento de atrasados para os autores. Em todos os casos o pedido é o mesmo, mudando apenas a abordagem para ingresso envolvendo exigências diversas. Uns cobram valores a título de taxas e comissões e outros, ainda, impõem assinatura de contratos. Tudo para a mesma ação - embora com títulos diferentes, mas com fundamentação idêntica.

Também na AAPPREVI existe a AÇÃO DO FGTS tramitando em avançado estágio, contemplando até quem já sacou o montante dos depósitos em determinada época. Ela já tem quatro lotes ajuizados e o quinto está em conclusiva fase de ajuizamento.

Espera-se para breve a manifestação do STF sobre o assunto, pois, entre decisões envolvendo outros pleitos, “a Justiça Federal em São Paulo condenou, em duas decisões, a Caixa Econômica Federal a corrigir o FGTS pela inflação desde janeiro de 1999, mais juros de 3% ao ano. “. Despachos semelhantes ocorreram em MG, PR, etc.

Vale lembrar que a AAPPREVI não cobra taxas ou comissões por suas Ações, porque as despesas são custeadas com o valor da mensalidade de R$ 13,50, do início ao fim do processo. E não há exigência de contratos de fidelidade e comprometimento. 

É relevante observar que, devido à diversidade de ofertas, cabe alertar os interessados para que reflitam antes de qualquer adesão. E mesmo com a certeza de que a participação na Ação somente se efetiva com o aporte de documentos, caso alguém venha a propor ingresso com Ação idêntica por canais diferentes estará incidindo em litispendência.

Observe-se que a AAPPREVI não envia propaganda impressa com quaisquer proposições. Simplesmente disponibiliza vastas e robustas informações no seu site.

Neste particular, para conhecimento da Ação do FGTS eis a página específica:


Caso escolha essa AÇÃO DO FGTS para participar, consulte o link acima e envie os seus documentos para o endereço ali contido.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente Administrativo
presidencia@aapprevi.com.br
www.aapprevi.com.br

segunda-feira, 7 de março de 2016

AAPPREVI - Ações Judiciais



– AAPPREVI -

COMUNICADO nº 81 – Ações Judiciais

Curitiba (PR), 07/03/16

Caros associados,

No decorrer das duas próximas semanas os Advogados que cuidam das nossas Ações cumprirão agenda de trabalho junto às Comarcas respectivas (Brasília-DF, Rio de Janeiro-RJ e Curitiba-PR).

O esforço conjunto visa agilizar o trâmite dos pleitos que apresentem morosidades pontuais, e terá como característica o contato direto com outros advogados envolvidos, com serventuários da Justiça, e, na medida do possível, em entrevista pessoal com os Juízes que presidem os feitos.

No retorno, que experiências anteriores apontam para resultados altamente positivos, os relatórios gerados serão levados ao conhecimento do quadro social, em linguagem acessível e esclarecedora.

Em vista disso, pedimos aos portadores de Ações Judiciais patrocinadas pela AAPPREVI que consultem a “Área do Associado/meus processos”, do site  www.aapprevi.com.br , antes de formular pedidos de informações, pois a costumeira tempestividade na resposta poderá sofrer pequenos atrasos.

Lembramos que os processos ajuizados em nome dos sócios estão com seus registros atualizados na citada Área (que permite acesso direto aos tribunais competentes). Mesmo assim, as mensagens serão bem-vindas e atendidas no menor tempo possível.


Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente Administrativo
presidencia@aapprevi.com.br


Antônio Américo Ravacci
Vice-Presidente Financeiro
financeiro@aapprevi.com.br