domingo, 24 de janeiro de 2021


REAJUSTE PREVI – Repetição

Curitiba (PR), 24 de janeiro de 2021.

Caros colegas,

Pela atualidade do tema, e necessidade de se instar por providências saneadoras, peço licença para reeditar as manifestações a seguir. Com isto, e pelo descaso retratado nas evidências do momento, vale a pena ressuscitar o assunto justificando aspirações de intentos mais eficazes.

Por favor, atentem para a pertinência e contundência dos textos porque hoje, dia do aposentado, nada temos a comemorar.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

Presidente da AAPPREVI

www.aapprevi.com.br

-------------------------------------------------

PREVI - Reajuste irrisório

Curitiba (PR), 24 de janeiro de 2.019.

 

Caros Colegas.

 

O reajuste da PREVI é tema obrigatório a ser abordado com força de manifesto em todas as fontes possíveis. É lamentável o recorrente descaso com que o Fundo deliberadamente ignora o assunto, como se o estado de penúria a que estamos relegados contribuísse, sozinho, para o enriquecimento do seu patrimônio - em nome dos interesses financeiros de quem está a servir, à parte os participantes sobreviventes com as migalhas “beneficentes” distribuídas. Até parece que a questão social não lhe diz respeito, notadamente em se tratando de um instrumento criado para complementar aposentadorias e pensões. A cegueira instalada remete ao entendimento de que a PREVI trabalha contra os participantes, pois, até mesmo o complemento obrigatório é tratado sob a corrosão permitida pelo índice inflacionário utilizado nos reajustes. Estes, sabidamente nos levarão à extinção por asfixia financeira, pois nada reajustam. Ao contrário, oficializam a diminuição gradativa dos benefícios. E isto comprovadamente “agrada” à política de investimentos do Fundo, uma vez que faz o seu patrimônio crescer sem esforço no sentido.

Nesta linha de raciocínio, é oportuno divulgar a Carta endereçada ao Presidente do Conselho Deliberativo da PREVI pelo Colega EDISON DE BEM E SILVA, onde ele pede tratamento humano para cuidar do assunto, e resposta condizente abandonando a feição de “carimbo” com obviedades repetitivas.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

Presidente da AAPPREVI

www.aapprevi.com.br

 

Eis a Carta do Colega Edison de Bem e Silva (sócio da AAPPREVI desde 2011):

 

Prezado colega,

Walter Malieni Junior

Presidente do Conselho Deliberativo da PREVI.

COLEGA,

A revolta entre aposentados da PREVI, em todo o Brasil, contra o ridículo reajuste aplicado aos vencimentos, se torna ainda mais forte, quando nos damos conta de que nada está sendo feito por aqueles que detém poder, para, pelo menos, tentar algo, no sentido de minorar as necessidades sentidas pela maioria dos colegas aposentados. As diversas entidades de funcionários e aposentados parece que, também, não estão sendo ouvidas.

É LAMENTÁVEL este descaso com uma classe inteira, aposentados estão por aí, implorando novos limites de empréstimos na PREVI ou até pagando mais de 10%, ao mês, para tomar empréstimos em financeiras, com objetivo, simples, de continuar vivendo. A envelhecida população alvo da PREVI, a cada dia, sente a lépida elevação dos custos para viver, sem perceber qualquer contrapartida de quem deveria zelar pela preservação de seu poder de compra.

Foi constrangedor o, dito, reajuste e assim parece que deverá se repetir nos próximos anos, se persistirem os “técnicos” recuos inflacionários, que só aparecem no papel, ou para indexar índices, na hora de reajuste de salários de trabalhadores.

É só entrar em um supermercado para comprovar o que digo. Inexiste baixa em produtos.

Os nossos já “carcomidos” vencimentos vão continuar sendo desvalorizados, mercê de projetados índices mensais negativos do INPC, que haverão de pesar negativamente ao final do ano, deixando, assim, de cumprir a missão de preservar o poder de compra dos aposentados.

Não é possível que esse Conselho Deliberativo seja insensível as necessidades do imenso público que depende de suas decisões. E o que mais nos deprime são as frequentes declarações de que a PREVI é nossa. Se nem aqueles em quem votamos, que deveriam nos representar, demonstram preocupação com esses problemas, muito menos os indicados pelo BANCO, estes indexadores não os afetam.

MISSÃO, VISÃO, VALORES: FOCO NO ASSOCIADO-EFICIÊNCIA.

Pelo visto a DIRETORIA DA PREVI e seu CONSELHO DELIBERATIVO, sob a tranquilidade de receberem excelentes salários, fortalecidos por gratificações especiais, nem tomam conhecimento do que está ocorrendo na base.

ONDE ESTÁ O FOCO NO ASSOCIADO? E a preocupação com os seus colegas de menor renda? Onde a eficiência de sentir as dificuldades, até antes de acontecerem? E os estudos de cenários, já não mostraram tudo isso?

Pois vocês, colegas, foram ELEITOS E INDICADOS para isso, para trabalhar em favor do ASSOCIADO, já que a PREVI é nossa, cabe-lhes nos representar, projetar e resolver as possíveis dificuldades.

Ninguém está vendo qualquer movimento no sentido de encontrar soluções, até porque os caminhos a percorrer são um pouco demorados, visto que dependemos do Ministério da Economia, PREVIC- Superintendência Nacional de Previdência Complementar e Banco do Brasil, para poder alterar os parâmetros de reajuste, conseguir abonos emergenciais ou outras soluções alternativas.

O certo é que algo tem de ser feito, e urgente, dependemos da boa vontade desse Conselho e da celeridade de suas ações para oferecer alternativas a todo esse povo aposentado da PREVI.

Aguardo manifestação desse CONSELHO, mas rogo que nos respeitem, evitando respostas padrão, com as quais afastam cotidianamente todos aqueles que recorrem aos seus préstimos, focando assuntos de difícil solução.

Esperamos verdade e sinceridade, até mesmo confessando, se for o caso, impossibilidade de levar adiante o assunto, para que possamos buscar novos horizontes mais promissores.

Passo a aguardar resposta, na esperança de que já estejam providenciando alguma solução, a fim de evitar que colegas continuem passando necessidades e enfrentando sérias dificuldades para viver.

SAUDAÇÕES.                                Pelotas (RS) 21.01.2019.

EDISON DE BEM E SILVA.

APOSENTADO PREVI -

 

 


segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

CONHEÇA a AAPPREVI - II

 

Conheça a AAPPREVI – II

Caros colegas,

No próximo dia10/02 completaremos 11 (onze) anos de fundação com a satisfação do dever cumprido. Partindo da estaca zero, alcançamos modestamente todas as metas a que nos propusemos conquistar, abrindo as portas para atendimento aos colegas aposentados e pensionistas oriundos do Banco do Brasil, orgulho da nossa Classe.

Completando esse período, e usando a menor contribuição mensal do nosso meio, exibimos com imensa satisfação o rol de ações judiciais disponíveis para ingresso a todos os sócios – hoje somando 8.504 - sem ônus adicionais.

Clique aqui: https://www.aapprevi.com.br/assessoria-juridica/

A AAPPREVI segue a doutrina do cooperativismo atuando estritamente em benefício do corpo Social e respeitando o enquadramento como Empresa de fins não econômicos. Vale notar que não cobramos custas judiciais, taxas de adesão, joia nem sucumbências (jamais repassamos aos autores dos processos malsucedidos os honorários de sucumbência arbitrados, mesmo em função da mudança de entendimento jurisprudencial). Também, não recorremos a subterfúgios para extrair dinheiro dos sócios, garantindo a todos que a Associação só precisa da arrecadação das mensalidades para cumprir os compromissos assumidos. Isso porque:

1.    Nossos dez dirigentes são eleitos entre os sócios e trabalham voluntariamente sem perceber salários;

2.    Não mantemos Sede social. Trabalhamos em sala alugada;

3.    Não recorremos a pedidos de auxílios, adiantamentos, rifas e sorteios.

4.    Não cobramos pela impetração e trâmite das Ações ajuizadas, embora o pagamento aos advogados conveniados siga as normas exigidas pela OAB;

5.    Não mantemos convênios caça-níqueis, tais como: seguros, planos odontológicos, cursos ou passeios e festas comemorativas.

Deixamos de enunciar as ações vitoriosas por falta de espaço, mas o nosso site se encarrega da divulgação.

Por tudo isto, garantimos aos sócios que renovamos o propósito de bem servir com o pensamento voltado para as providências em andamento. Além da manutenção do saudável comportamento que nos rege, temos quatro Ações Judiciais em estudos da viabilidade dentro dos moldes costumeiros, enfatizando que as Ações propostas pelos sócios também são criteriosamente estudadas pelo nosso Departamento Jurídico, para emissão de parecer circunstanciado.

Lembramos, ainda, que todos os sócios são inscritos automaticamente nas ACP do BET e ACP da CASSI.

Finalizando, desejamos FELIZ ANO NOVO a todos com as bênçãos de Deus.

.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

Presidente Administrativo

Antônio Américo Ravacci

Vice-Presidente Financeiro

www.aapprevi.com.br

Conheça também:

www.revistadireitos.com.br

www.previplano1.com.br

www.canael.com.br


quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

O resplendor do Ano Novo!

 

O resplendor do Ano Novo!

Caros colegas,

A cada ano que se renova renascem as esperanças frustradas durante aquele que passou. Poder-se-ia dizer que a transição de um ano para outro não passa de um fato corriqueiro registrado no calendário da existência. Muda-se a folhinha, mas a vida segue seu curso sem mudanças abruptas, e mesmo sendo esse acontecimento o mais festejado entre os povos, para todos que o elegem é a data propícia para reafirmação dos desejos, para superação das necessidades, para renovação dos votos de amor ao próximo. É a coroação do término das festividades pelo nascimento de Cristo, e é o poder que essa lembrança tem de nos fazer agir acreditando na sinceridade dos nossos atos.

É a renovação das promessas de solidariedade, de desprendimento, de caridade e da fé cristã feitas durante a Natividade. É quando, terminada a noite, acordamos olhando para o futuro como se o passado guardasse somente as boas memórias e amenizasse as dores suportadas, mesmo não as fazendo esquecer, mas cuidando para que o tempo perseguido nos socorra trazendo junto a conformação carente no coração.

É a passagem necessária para entrarmos em um novo tempo carregando a experiência vivida, extraindo dela a essência do que deve ser repetido – e repudiando tudo que não convém refazer. Assim, com a alma repleta de bons propósitos, saibamos continuar a jornada no bom caminho, amparados pela proximidade dos mais fortes para, também, cuidar dos mais fracos à nossa volta que precisem de nós.

Assim seja!

FELIZ ANO NOVO!

Marcos Cordeiro de Andrade

cordeiro@marcoscordeiro.com.br

Curitiba(PR, 31/12/2020.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

PREVI - O Cadê Você sumiu!

 

O Cadê Você sumiu!

Marcos Cordeiro de Andrade

Nestes tempos de pandemia, a PREVI pegou pesado para nos fazer cumprir o isolamento social recomendado. Ciosa do seu compromisso para cuidar da longevidade dos assistidos sob sua guarda, não poupou esforços para bem se haver no desempenho das tarefas atinentes. Numa jogada extrema, renunciou a alguns trocados do que administra para refazer o site dando-lhe cara nova - engabelando assim os incautos que o acessam amiúde. Nessa empreitada, cuidou de fazer frente aos desejos “irresponsáveis” de comunicação entre amigos, como se bastasse a satisfação em passear pela nova versão disponibilizada. Talvez esta nasça para ser um jardim florido à contemplação, de modo que os olhos se dissociem da realidade.

Ora, tão bem se houve no exercício da censura que extrapolou na carga de providências favoráveis aos seus propósitos – a incomunicabilidade entre elas.  Além de restringir as notícias do interesse dos participantes, à vista dos parceiros comerciais (para quem o site se destina, parece), cuidou de tirar dali o bem sucedido e utilíssimo nicho “Cadê Você?”, no entendimento de que o isolamento para ser bom tem que ser radical. Afastando com isso os velhos do caminho dos jovens preferidos da PREVI, como a dizer: fora estorvo!

Antes, o pensamento era esse:

O “Cadê Você?” facilita o encontro de antigos colegas. A adesão é automática. Caso não queira participar, clique no botão “Quero sair da comunidade “Cadê você?”.

Agora, ela é que não quer ninguém participando, como atesta resposta à consulta feita:

==========

Nº de Atendimento: 82870554

e-mail: cordeiro@marcoscordeiro.com.br

Marcos,

A Seção Cadê Você não foi disponibilizada na nova versão do site, lançada em outubro de 2020.

Sua disponibilização está em processo de revisão sem previsão de conclusão.

Atenciosamente,

Gerência de Atendimento

PREVI

==========

Portanto, colegas idosos, que se contentem com os amigos do seu cadastro, evitando novos e-mails de antigos companheiros de trabalho que lhes farão divagar à frente do computador. Provavelmente o Fundo intui que o tempo que reste seja ocupado em circuito solitário como recomenda o isolamento em clausura – quanto mais só, melhor. Sobra tempo para exercer o eremitismo mesmo sem ser ermitão.

Também, para que facilitar o que pode ser complicado? Primeiro proibiram o contracheque físico, deixando nas mãos dos que têm intimidade com a internet/computador a opção de imprimi-lo do site (gastando tinta e papel). Depois, embaralharam ali as verbas em “primeira ninhada”, juntamente com outros despautérios onde o “total dos benefícios” virou “bebefícios” (assim mesmo, com “b”) - já corrigidos, ainda bem.

Mas, fazer o que? Essa é a PREVI dos tempos modernos. Feita por jovens e para os jovens, está visto.

 

Marcos Cordeiro de Andrade

- 81 anos –

Participante da PREVI desde 15/05/1962

Matrícula nº 6.808.340-8


segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Revista DIREITOS da AAPPREVI - nº 35

 Revista DIREITOS da AAPPREVI - nº 35

Caros Colegas,

Está no ar a versão digital da Revista DIREITOS nº 35 (da AAPPREVI) contendo 28 páginas de interesse dos participantes da PREVI/CASSI - e do quadro de associados, obviamente. Em destaque apresentamos a matéria publicada no O Globo do dia 26/11 e a oportuna manifestação da FAABB refletindo a reparação da verdade destorcida pelo Jornal.

Para leitura integral, acesse:

https://www.flipsnack.com/C895E8DEFB5/revista-direitos-35-edi-o.html

Curitiba (PR), 29 de novembro de 2020.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

Presidente da AAPPREVI

www.aapprevi.com.br

www.revistadireitos.com.br


segunda-feira, 23 de novembro de 2020

 

Você sabe o que é despautério?

Marcos Cordeiro de Andrade

Curitiba (PR), 23 de novembro de 2020.

Entre outras situações, é quando o empregado ganha mais que o patrão, como no caso da relação PREVI/associados reconhecida abertamente no bojo da declaração: “É o olhar dos associados, como donos, que direciona a Previ”. Isso, com todas as letras, é o reconhecimento de que, sem sombra de dúvidas nós somos os donos do fundo e os seus gestores são nossos empregados.

Em razão disso não encontro vocábulo mais apropriado para enquadrar a remuneração dos dirigentes da PREVI como sendo um despautério, haja vista que, enquanto os benefícios distribuídos aos assistidos beiram o imponderável, os administradores são aquinhoados com verdadeiras fortunas mensais comparativamente com aqueles. Aqui é bom lembrar que não basta levantar suspeitas sem a comprovação pertinente. Quanto a isso, o quadro disponibilizado no site da Previ, nas Notas Explicativas do Relatório Anual de 2019, oferece o conhecimento pleno da situação (cujos valores envolvidos deixo de publicar por questões de ética). Mas, está tudo lá, legalmente enquadrado e, como recomenda o estudioso colega Genésio Guimarães (Genésio Francisco Guimarães, auto patrocinado do PB1 da Previ, desde 01/08/1995), é só ter boa vontade para acessar a página 170 do documento, encimada pela explicação:

“Além das transações com o patrocinador, apresentamos abaixo a remuneração mensal atribuída ao Pessoal Chave da Administração, a faixa de remuneração dos funcionários cedidos pelo Patrocinador, bem como demais transações com funcionários, Conselhos, Diretoria Executiva e Comitê de Auditoria que também são considerados partes relacionadas”.

Cá entre nós, uma vez conhecidos os parâmetros é hora de buscar o equilíbrio entre os ganhos, porém sem pensar em promover a caça às bruxas – até porque elas não existem nesse envolvimento. Os comensais do momento já encontraram a mesa posta e, famintos ou não, lhes restou encher a pança agradecendo os votos que os levaram até a bonança existente.

Todavia, não é novidade que as duas partes são responsáveis pela posição do fiel da balança que se pretende utilizar. Se por um lado não é possível reduzir salários, faça-se com que aqueles que os têm maior socorram de moto próprio os desvalidos à sua sombra. Assim como a situação presente foi alcançada com o esforço de dirigentes anteriores por meio de mudanças regulamentares, e está bem assim para os ungidos de hoje, que eles se unam no sentido de diminuir a gritante distância remuneratória que há entre seus salários e os benefícios aviltantes que o Fundo distribui aos assistidos. Com relação a estes, precisam fazer uso do voto com disciplina e propriedade em eleições futuras, e exijam dos eleitos o compromisso de trabalhar em benefício dos participantes do Fundo, o que, está visto, não o fazem hoje. Isso se aplica em relação aos que já portam os talheres, e aos futuros candidatos cujas barrigas roncam de inveja. 

Por ora, para chegarmos mais perto do merecido, um bom começo a se operar será trazer de volta o índice inflacionário de reajuste dos benefícios - anterior ao que aí está - com reposição da diferença computada. Obviamente, somente falta vontade política para o alcance da medida.

Positivamente, que os dirigentes do Fundo sejam bem remunerados não se discute. Porém é constrangedor e revoltante o conhecimento que nos chega quanto aos valores envolvidos, consistindo em mais uma discriminação imputada aos assistidos idosos e demais participantes (etarismo).

 

Curitiba (PR), 23 de novembro de 2020.

Marcos Cordeiro de Andrade

- 81 anos –

Aposentado do Banco do Brasil
Matrícula nº 6.808.340-8
Associado PREVI desde 15/05/1962
Presidente da AAPPREVI
www.aapprevi.com.br


sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Novo Site da PREVI

 

.

Gaiola bonita não dá comer a canário

(Nem se deve pintar a casa com dívidas a pagar)

Marcos Cordeiro de Andrade

Curitiba (PR), 06 de novembro de 2020.

O site da PREVI está de roupagem nova. Um primor de vitrine para mostrar ao mundo que ela é um Fundo rico – o maior deles do lado de cá, comenta-se. Sabe-se, no entanto, que essas coisas não custam barato. E somente quem tem dinheiro sobrando se presta a desperdícios.

Ao contrário, em se tratando da precária situação que ela permite aos seus assistidos, melhor seria apresentar-se como um autêntico Fundo de Pensão que ampara com eficiência os que vivem na sua dependência, principalmente os idosos - como alardeia aos quatro-ventos: “É o olhar dos associados, como donos, que direciona a Previ”.

Aí, sim, poderia se dar ao luxo de esbanjar a riqueza que não lhe pertence, e que guarda a sete chaves com sovinice de avarento.

Mas, seus tecnocratas entendem do assunto e sabem que a propaganda é a alma do negócio. Principalmente de um negócio que estão a cuidar para um dono indireto – o patrocinador, herdeiro do gigantesco patrimônio amealhado durante mais de um século   à custa, primeiramente, dos mais vilipendiados, que são os idosos. Vale lembrar que é mais dono quem paga mais, e os dividendos advindos da aplicação de determinados recursos devem ser distribuídos com equidade.

Parabéns, dona PREVI, pela excelência da sua casa virtual, tão bela quanto o palácio do Mourisco, invejada morada de deuses vendidos por salários estratosféricos. Isso quando comparados às migalhas dos assistidos vergonhosamente “reajustadas”, sai ano e entra ano, por índices ao gosto de autoridades monetárias gulosas e subservientes. É assim que funciona o trato dos benefícios distribuídas aos velhinhos, que já foram chamados de trambiqueiros por dirigente do Fundo. Essa alcunha talvez tenha sido dada pela coragem de uns que se insurgem contra a discriminação cuidada. Estranhamente, bem explicada no site com o rebuscado nome de “etarismo” que diz não praticar, mas o faz como no caso do ES – formidável e lucrativa linha de crédito vedada aos mais idosos da sua “prole” (Art. 96 da Lei 10.741, de 1º/10/2003 - Estatuto do Idoso).

Enquanto isso nós, os velhos desdenhados, não sabemos se vale a pena tantos cuidados contra a Covid-19. Depois dela temos a PREVI à espreita como a dizer: “se ficar o bicho pega, se correr o bicho come”.

Valha-nos Deus, Todo Poderoso.

 

Marcos Cordeiro de Andrade

- 81 anos –

Aposentado do Banco do Brasil

Matrícula nº 6.808.340-8

Associado PREVI (15/05/1962)

www.previplano1.com.br

cordeiro@marcoscordeiro.com.br