quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Caras de pau em penca

Grave denúncia
Marcos Cordeiro de Andrade
Caros Colegas,

O Conselho Gestor do MSU emitiu Nota Oficial querendo engabelar os participantes da PREVI que suspiram por uma chapa de oposição. E na nota contendo abobrinhas, citando regulamentos inaplicáveis como querem, preparam o terreno para promover candidaturas de elementos do seu grupinho fechado, que assinam como MEMBROS DO CONSELHO. Coisa condenável, em que pese serem todas pessoas honradas e de reconhecida capacidade. Diz a nota: 
Portanto, tais dispositivos não permitem o anúncio de candidatura enquanto a chapa não for integralmente constituída e declarada inscrita após o cumprimento de todas as etapas previstas no Regulamento.
Diante disso, solicita aos apoiadores do MSU a fineza de aguardarem o desenrolar dos acontecimentos dentro das normas estabelecidas.

E com essa falácia absurda os “onze” do time do MSU vão deitar e rolar sem interferências da plebe. Trocando em miúdos, justificam seus procedimentos obscuros: fazer convites sigilosos; reunir-se em surdina; montar a chapa; inscrever a chapa; somente divulgar a chapa quando nada mais ameaçar o compadrio arregimentado.

Isso já ocorreu na eleição passada, para a ANABB, onde usaram do mesmo estratagema ao lançar a chapa de “oposição” contendo cinco dos onze que assinam hoje pelo jubilado CONSELHO GESTOR DO MSU. Desta feita abertamente fantasiados de fazedores da “sua” chapa para concorrer à eleição da PREVI.

Eis a composição desse conselho:

Antonio Roberto Andretta
Daisy Saccomandi 
Ebenezer Nascimento
Edison de Bem e Silva
José Chirivino Álvares
Macilene Rodrigues de Oliveira
Maria Cecília Stivallet
Maria Lizete da Silveira
Norton Seng Antunes dos Santos
Osvaldo Carvalho Junior
Sérgio Faraco

E eis os que se candidataram pelo mesmo MSU para a Eleição ANABB 2015:

113 - Antonio Roberto ANDRETTA;
176 - José CHIRIVINO Álvares;
202 - MACILENE R. Oliveira;
216 - NORTON SENG Antunes Santos;
322 - Maria LIZETE da Silveira.

E agora, será diferente? É muita cara de pau se a repetição se der.

Quem elegeu esse Conselho? Quem lhes deu o direito de inscreverem os próprios nomes em chapa única a ser votada por quem não tem outra opção? Onde está o respeito ao livre arbítrio? Onde entra a honestidade de propósitos?

Não alcanço as desculpas que possam dar. Porque não há nenhuma plausível no depósito das possíveis. Mas suponho que ao movimento mais interessa advogar em causa própria. O que é lamentável. E pergunto: Onde entra a ética nessa história? Ou melhor, onde ela se esconde, e por quê?

Ofereci a criação do CANACAN como processo de inclusão de quantos queiram se candidatar http://www.previplano1.com.br/2016/02/canacan-cadastro-nacional-de-candidatos.html , mas ninguém me procurou daquele lado. E note-se que não tenho pretensão a candidaturas. Somente luto por uma PREVI livre, administrada por seus verdadeiros donos. Não por subservientes mercenários vendidos em troca de empregos gordos.

Por isso, Colegas, fiquem atentos à composição dessa chapa que está no prelo e que vão nos empurrar goela abaixo. E contem quantos dos que mandam e desmandam no MSU se apresentarão como “nossos” candidatos.

Também por isso mandei um recado ao todo poderoso CONSELHO GESTOR do MSU – Movimento Semente da União (?) 

Ao Conselho Gestor do MSU.
Curitiba (PR), 11/02/2016.

A amplitude do processo democrático não ampara a tomada de decisões isoladas em nome do universo de eleitores. A abrangência da Eleição PREVI exige participação universal na escolha e apresentação de candidatos, a exemplo do sufrágio que se busca. Por isso, nenhum artigo de regulamento aplicável exige que as chapas sejam formadas e decididas entre quatro paredes, na surdina, por um grupo restrito de onze pessoas autoproclamadas como instância derradeira para tomada de decisões. Avocar esse artigo 18 como agora (ou qualquer um outro) soa como desculpa esfarrapada para eleição de um também restrito grupo de favorecidos ao gosto dos fazedores de chapas.  Ou, quem sabe, dar emprego a apadrinhados como muito se vê. É imperioso lembrar que o MSU se afigura como único opositor à vontade do Rei nessa eleição. E uma indicação sua soará como também única alternativa a quem se inclinar pelo voto contrário à situação instalada. Portanto, valer-se dessa prerrogativa não parece, nem é, postura honesta de quem se espera confiabilidade.

Por favor, MSU, se quer ser tido como Movimento honesto que demonstre parecer honesto – também.

Transparência é a tônica a se fazer presente em qualquer apresentação de nomes confiáveis num processo eleitoral.

Não queiram por freios em carroça sem rodas. Nem atar mordaça em estátua de barro.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade


Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR), 11 de fevereiro de 2015 – www.previplano1.com.br

8 comentários:

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Recebido para publicação:
Colegas, penso que a continuação do assunto Eleições Previ, deveria se processar, de agora em diante, no modo privado, restrito entre as lideranças das associações, grupos de oposição, etc. Digo isso com a visão de que a oposição não pode se dividir. Deixemos a “situação” se dividir, nós não!
De minha parte, como criador do Grupo Pré-67, me declaro estar em oposição à continuidade da dança das cadeiras. Penso que renovação de dirigentes, é uma posição democrática e saudável.
Os colegas que estão presentes no Grupo-Pré 67, o valorizam, e sendo todos independentes, votarão na chapa que desejarem, e, provavelmente, alguns estarão em alguma chapa.
No meu modesto livre pensar, concordo que após algumas derrotas, o M S U poderia começar suas articulações, nesta eleição a cargos na Previ, abordando no modo confidencial, os colegas que sempre colaboraram, desde as eleições passadas.
Olhem...foram às ruas, pediram votos, enviaram milhares de e-mails, incentivaram seus seguidores, colaboraram como puderam!
Acreditaram...não querem a continuidade de votar sempre nos mesmos “donatários”.
Penso que se o M S U tivesse lançado, no modo público, na Rede-SOS, um pedido no sentido de que colegas interessados em se candidatar a cargos na eleição CASSI, se identificassem, teria sido uma boa!
Daria para se conhecer novos nomes, novos potenciais de liderança, novas ideias, novos ideais!
Na minha já antiga luta por nossos direitos, notadamente os direitos dos colegas do PB1, conheci colegas que tem um “arsenal” de centenas de contatos. É o que nos falta para fazer nossas campanhas, uma vez que nossos recursos são escassos. ...mal temos cerca de 6 mil reais para comprar etiquetas....
Lembro que o colega Dr. Pedro Ferreira, me enviou uma lista de e-mails muito grande, no projeto “POR CIDADE “ que ele levava na época como carro chefe para atingir o maior número de colegas possível nas campanhas.
Lembro do Chirivino, montando sua equipe de oposição na forma de um exército no estilo romano...
O mesmo poderia se fazer em relação à atual eleição Previ.
Se eu obtiver algum retorno do que estou dizendo, espero que seja no modo privado, no meu e-mail, por onde me disponho a ampliar meu raciocínio.
É que em “políticas”, não se pode descartar as bases, ou seja, o pessoal que vai a campo!
Falo de dentro do meu RG 15 465 632-X, desde já agradecendo a atenção de quem leu esta humilde postagem.
ATENCIOSAMENTE
Júlio César P. Costa M ∴M ∴
Vice-Presidente para Assuntos Previdenciários da
AAPPREVI – Sede em Curitiba -PR

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


Parabéns por suas serenas e bem colocadas posições diante de tão complexo assunto, caro Júlio.


Quiçá não venhamos, MAIS UMA VEZ, nos depararmos com a opção de ESCOLHER A MENOS PIOR.

Um @abraço e boa sorte nessa sua iniciativa.


N A S S E R (BA).
==============

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


Chirivino,


Saúde e paz.
Depois de ler, reler, ler de novo, parar e pensar bastante sobre o
texto de tua resposta, continuo sem conseguir achar uma forma
de melhor responder os questionamentos e afirmações do Sr.
Marcos Cordeiro.
Parabéns.
Grande abraço


Comarú

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


De fato, Comarú,

O Chirivino soube dialogar respeitosamente com o também inteligente colega Marcos Cordeiro, de quem, todos reconhecemos, não podemos abrir mão nessa verdadeira guerra contra adversários tão poderosos.


Abraço João Octaviano

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


Bom dia meus amigos...


O Sr. Marcos Cordeiro está com toda razão, o MSU não está sendo transparente em suas decisões, inclusive não apresentaram chapa para concorrer na CASSI, afinal de contas nós somos oposição, perdendo ou ganhando não importa.
O art. 18 do regulamento das eleições da PREVI, não proibi que os candidatos se manifestem. Estamos exercendo nosso direito de associado.


MINARI

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


Recebido para publicação:
Caro Minari,
Com todo o respeito que temos pelo amigo, gostaria que, se possível, colaborasse conosco, dizendo:
1. Que grau de transparência você reclama no processo de formação de chapas das quais o MSU participa?
2. Que grau de transparência você identifica em outra qualquer formação de chapa, e que o leva a pensar que o MSU está sendo menos transparente;
3. Coloque-se no comando do processo e monte, por favor, uma rotina de formatação de chapa envolvendo as seguintes variáveis, que precisam - se é que você pretende obter algum sucesso e não participar por participar - ser contempladas de forma equilibrada:
a. Trinta dias para cumprir todas as etapas;
b. Homens e Mulheres;
c. Eleitores da Ativa e Eleitores Aposentados
d. Níveis absolutamente heterogêneo de absenteísmos entre os dois grupamentos;
e. 27 Estados com colégios eleitorais dispares e com lideranças próprias a serem cooptadas;
f. Um Grupo Pré-98 dividido em 25% ativos e 75% aposentados;
g. Um grupo Pós-98, totalmente da ativa e pressionado pelo patrão através de seus chefes - inclusive pela forma diferente de votar.
h. Seis ou mais grupamentos, sem personalidade jurídica, mas atuantes e com lideranças e objetivos que nem sempre se "conjuminam";
i. Trinta ou mais candidatos a candidatos - se chapa em aliança - indicados por esses grupos e por eles tendo os seus currículos exaltados e nem sempre bem conhecidos, como o melhor para ocupar as vagas;
j. Candidatos avulsos que não conseguiram o apoio de nenhum dos grupos mas que se apresentam insistentemente assim mesmo;
k. Onze cargos a serem preenchidos, dos quais cinco são de suplentes, abominados por qualquer candidato que se sente desprestigiados pelo simples fato de serem sondados para ocupar aquela suplência;
l. Formar essa chapa em intervalo de tempo que lhe permita ter, pelos menos 15 dias para preencher os formulários de coleta de 1.050 assinaturas originais que permitirão registrar a chapa junto à PREVI.
m. Alguns colegas que se acham, sem nenhuma evidência comprovável, desprestigiados, e que ficam reclamando tomando o tempo que você já não tem;
E, depois de harmonizar isso tudo sem permitir que as informações vazem e os seus adversários usem as informações para atrapalhar seu processo – Por exemplo: montando uma chapa fictícia e prometendo a um candidato seu um cargo mais importante, e obrigando-o a usar um candidato com menos potencial no lugar dele, para, na última hora anunciar ao seu ex-candidato que não houve acerto entre as partes e que a chapa prometida não irá mais concorrer.
Depois disso tudo, por favor, faltando 16 dias para encerrar o processo, crie algumas brechas que democratizem o processo – vale dizer: abra informações que precisam ficar restritas, à um grupo maior –.
Caro Minari, você sabe que sempre foi, é, e permanecerá sendo um excelente quadro do MSU, mas isso não quer dizer que, diante das circunstâncias, em algum momento outro nome não estará mais adequado – ou porque nos ajuda a compor com outro grupamento; ou porque o posto que temos eventualmente não estaria à sua altura.
Não creio que seja o momento de dividir. Isso só fará a alegria dos que sempre se dão bem.
Sincera e honestamente, conto com você e com aqueles que compõem o seu quadro de apoiadores.
Um forte e fraterno abraço.



JOSÉ CHIRIVINO ÁLVARES
BRASÍLIA-DF
RESPEITO SUA PRIVACIDADE
SE DESEJAR, PEÇA PARA RETIRAR
SEU EMAIL DE MINHA MALA-DIRETA

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


Caros Colegas,

Quanto mais se explica mais se complica.

É o que ocorre com o colega Chirivino. Tanto na “Resposta ao Marcos Cordeiro”, tropeçando nas próprias palavras em um vai e vem de conceitos mal trabalhados, quanto no questionário enviado ao Minari onde, ao contrário do que pretendia, confessa que não age com transparência e honestidade de propósitos ao fabricar chapas para ganhar eleições, não importando a qualidade dos candidatos manipulados e de cujo caráter tripudia.
Por favor, leiam atentamente as duas matérias repletas de colocações nada elogiáveis, como essa:

“...montando uma chapa fictícia e prometendo a um candidato seu um cargo mais importante, e obrigando-o a usar um candidato com menos potencial no lugar dele, para, na última hora anunciar ao seu ex-candidato que não houve acerto entre as partes e que a chapa prometida não irá mais concorrer. ”

Ufa! Que nojo.

Será que depois disso alguém de bom senso se prestará à manipulação, oferecendo seu honrado nome para uso do alquimista?

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

rafael campagnoli disse...

Não acredito em nenhuma representação dos mais fracos na Previ, Cassi, Anabb. Essas eleições existem apenas para cumprir formalidades. Os grupos de poder simplesmente mudam de nome, são sempre os mesmos. O certo é que aqueles que deveriam ser os maiores beneficiados desse sonho que virou pesadelo não tem voz nem vez. Atualmente, a única trincheira que nos resta é o judiciário. Mas até esse poder pode ser manipulado: teses de 20 anos são modificadas simplesmente porque uns 11 iluminados podem considerar que um pretenso direito pode "ferir o princípio da solidariedade" etc. No caso dos anencéfalos eles "determinaram" que a vida NÃO começa na concepção! Pode? Tal como no nosso sistema eleitoral viciado, os eleitores são apenas um elo necessário na corrente de ferro que pesa sobre eles mesmos. Não temos saída, em princípio.