sexta-feira, 27 de abril de 2018

CASSI - Aposentados pagarão mais



CASSI – Aposentados pagarão mais

Curitiba (PR), 26 de abril de 2018.

Caros colegas,

Boletim do BB/DIPES, de hoje, cai como uma bomba relógio pronta para explodir no seio da Comunidade de Aposentados e Pensionistas associados da CASSI. Nesse comunicado consta que o patrocinador propõe aumento da mensalidade com a cobrança adicional por dependente desses participantes.
A íntegra do BOLETIM CASSI correspondente está reproduzida logo a seguir.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade
================= 
“Boletim BB – 26 de abril 2018

Cassi - Começamos as negociações

Colega, 

Na última terça feira, 24, por iniciativa do Banco, começaram as negociações visando a saída sustentável para a Cassi. Desde o início do ano, temos conversado com as lideranças dos associados sobre a delicada situação econômico-financeira do nosso plano de assistência à saúde. Essa situação pode ser constatada por meio da leitura do relatório anual da Cassi do ano de 2017: déficits recorrentes superiores a R$200 milhões/ano; zeramento das reservas; patrimônio líquido abaixo da margem de solvência exigida pela ANS, em quase R$240 milhões. E não apresentamos proposta, nesse tempo, para garantir isenção durante o período eleitoral da Cassi, encerrado recentemente. O que foi apresentado à mesa Cassi é uma proposta de largada, “para início de conversa”, como noticiamos no nosso último boletim. Em linhas gerais, o que foi colocado para reflexão e propositura de avanços, consiste em:
1.           a) cobrança por dependente de associado da ativa, com subsídio pelo Banco da maior parte da cobrança (60% do valor cobrado), por até o valor mínimo do Cassi Família, sem qualquer vinculação a faixa etária, limitado a 3 dependentes; obs.: a grande maioria dos ativos (75%) tem até 2 dependentes;
2.           b) cobrança por dependente de associado aposentado, também pelo valor mínimo do Cassi Família, sem qualquer vinculação a faixa etária, limitado a um dependente; obs.: a grande maioria dos aposentados (84%) tem até 1 dependente; até 2 dependentes, são 95%; c) valor simbólico de cobrança por dependente, a partir do 4º, no caso dos ativos e do 2º, no caso dos aposentados, por exigência regulatória;
3.           c) valor simbólico de cobrança por dependente, a partir do 4º, no caso dos ativos e do 2º, no caso dos aposentados, por exigência regulatória;
4.           d) limitação da cobrança total (por titular e dependente) a 10% da renda do associado; limite que constitui teto e não referência de custeio. A CONTRAF, uma das participantes da mesa, divulgou os valores. Mas eles não são o foco deste boletim, pois são provisórios e oferecem espaço para negociação por consenso e dentro das limitações do marco regulatório.
A nossa proposta inicial – passível de avanços pela via da negociação e do diálogo propositivo – está no nosso site bbnegociacaocoletiva.com.br.
A cobrança por dependente é a forma que encontramos de corrigir a deficiência de receitas, sem comprometer a competitividade em relação a outros planos de saúde, mantendo uma relação de custo/benefício muito favorável ao associado, ativo e aposentado, em conta o valor cobrado versus a cobertura assistencial oferecida. Ou seja, nossa proposta mantém o conjunto de virtudes dos serviços oferecidos pela Cassi, como a abrangência nacional e a cobertura de procedimentos que vão além do rol exigido pela ANS (exemplos: aparelho auditivo, vacinas, cuidador, PAF, PAD).
Queremos melhorar a Cassi e preservar todas as suas virtudes. A cobrança por dependente que estamos propondo não fere o chamado princípio da solidariedade. Não consta – e não constará – de nossa proposta cobrança por faixa etária e nem formas de custeio atreladas ao uso da assistência. Temos, por premissa, garantir o equilíbrio de sacrifícios entre patrocinador, associados ativos e associados aposentados, preservando as proporções observadas atualmente.
Lamentamos que a Diretoria Executiva da Cassi ainda não tenha divulgado o Diagnóstico da Accenture. Desde o dia 06/02/2018, o Banco o entregou à Cassi e fez uma apresentação às entidades, numa mesa de prestação de contas do memorando de entendimentos, ocorrida no mesmo dia, por princípio de transparência. Além disso, recomendou a seus indicados que defendessem a publicação. No dia 29/03/2018, o Conselho Deliberativo da Cassi autorizou a divulgação no portal internet da entidade, ainda pendente de publicação.
Esse é um ponto que nossa proposta inicial também aborda, qual seja, um modelo de governança que leva ao estado de “não decisão”. Ora, uma divulgação extremamente importante ao associado que, no coletivo, representa a instância máxima decisória, ainda não se efetivou, num claro prejuízo da transparência com a qual o BB sempre esteve comprometido e de que vem dando concreta demonstração.
Para a governança da Cassi, o que o BB propõe, nesta fase inicial de negociação, é adotar o voto qualificado, nos moldes do que ocorre na Previ.
Na arquitetura organizacional propomos incorporar conhecimento e experiência em planos de saúde, para atuação no core do negócio da Cassi. Mas, também aqui não fechamos questão. Estamos abertos a estudar formas alternativas que garantam o fim do estado de “não decisão” e a participação qualificada de profissionais na direção da Cassi, com conhecimento e experiência em saúde.
Temos consciência de que a proposta, do lado das receitas, não é suficiente para equilibrar o Plano de Associados. É preciso garantir também um enorme esforço de eficiência, que projeta recursos da ordem de R$3,3 bilhões, em 10 anos, numa visão mais conservadora, pelo lado da melhor gestão assistencial e operacional da Cassi. Mas, para que esses recursos sejam efetivamente capturados, governança e arquitetura organizacional adequadas serão fundamentais.
A proposta apresentada à mesa – onde, também, participaram os diretores eleitos atuais da Cassi – foi entregue, no dia 25/04/2018, aos representantes das entidades que a formam: AAFBB, ANABB, CONTRAF, CONTEC e FAABB.
É preciso salientar que essas entidades, somente no seu conjunto, representam os associados. Prevalece, para as associações, o entendimento de que a proposta só poderá ser analisada com profundidade técnica após a divulgação do Diagnóstico da Accenture e, também, que não divulgá-lo prejudica a transparência que deve haver em todo processo de diálogo e negociação.
E o que vemos neste momento? Matéria isolada que, no nosso entender, não representa o conjunto do que pensa – de forma responsável – as lideranças como um todo. O que importa agora é a sustentabilidade da Cassi, somente.
O BB aguarda uma contraproposta do conjunto das lideranças que compõem a mesa para dar continuidade ao processo negocial, até que seja possível construir uma proposta definitiva.
Aproxima-se o momento de decidir e o espírito de todos deve ser de diálogo, propósito pela preservação da Cassi, responsabilidade e senso de urgência.
Até o próximo boletim.


Dipes – Diretoria Gestão de Pessoas José Caetano de Andrade Minchillo João Batista Gimenez Gomes Diretor Gerente Executivo”

6 comentários:

Enio Bebba disse...

Prezado Marcos,

O BB está a agir como o Congresso. Só votam proposições favoráveis apenas aos seus interesses, e o povão (Nós aposentados e pensionistas) teremos que pagar o pato!! Tá igual a um país nosso conhecido...

Que Deus nos ajude!!

Grande abraço
Enio Bebba

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Essa proposta é uma falácia. Os aposentados já vêm subsidiando os da ativa. Diz o relatório que 75% dos ativos têm 2 dependentes. Os aposentados, em regra, só têm 1. Os aposentados pagam muito mais, porque o rendimento da aposentadoria é maior. Como o salário do Banco foi muito reduzido ao longo do tempo, a contribuição dos ativos, principalmente na fase inicial da carreira, é muito menor, e os gastos com dependentes é maior. Além disso, a CASSI é o único plano de saúde que tem 13 contribuições anuais. E ainda temos essa mal fadada contribuição adicional. O que querem mais? Qual a justiça dessa pretendida alteração?


Manoel de Oliveira Rosa
6.708.030-8

Aposentado

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Da Presidente da FAABB:


Colegas
Em 26 de abril, o Banco do Brasil publica seu Boletim CASSI, com suas propostas. Na mensagem remetida às Associações, sugere que a próxima Reunião da Mesa de Negociações já seja marcada para o próximo dia 3 de maio.
Salvo melhor juízo, considero prematuro, a despeito da urgência necessária, já marcar rodada de Mesa de Negociações para o próximo dia 3 de maio. É compreensível que estejamos ainda sob forte impacto das propostas emanadas do Banco e sem ainda sequer ter acesso ao Relatório Accenture, inexplicavelmente desde fevereiro acorrentado na Diretoria da CASSI, sob sabe-se lá a qual pretexto.
Reitero que, de nossa parte, estou convicta de que não podemos repetir os erros do passado e nos limitar a discutir com os associados CASSI as propostas do Banco sem apresentar nenhuma alternativa.
Nossos eleitos na CASSI, detentores de todas as informações necessárias, têm o dever de ofício de apresentar propostas que possam se contrapor as premissas do Banco e, ainda assim, assegurar a sustentabilidade da CASSI com um mínimo de sacrifício aos associados.
Antes de nova reunião da Mesa, temos necessidade de nos reunir com as Associações, juntamente com os eleitos da CASSI (os atuais e os que em breve assumirão), para em conjunto nos debruçar não só sobre a proposta do BB, mas principalmente para construir alternativas viáveis.
Isa Musa de Noronha

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

29/04/2018
Saiba quais aposentados têm atrasados do Plano Real
Clayton Castelani
do Agora

O direito de receber valores devidos pelo INSS por causa de um erro no período da implantação do Plano Real pode chegar ao fim sem que milhares de aposentados tenham cobrado a parte deles.

Os "atrasados do IRSM (Índice de Reajuste do Salário Mínimo)", como costumam ser chamados, são valores não reclamados por segurados que tiveram a revisão da URV (Unidade Real de Valor), realizada pelo INSS em 2004.

A revisão atingiu concessões entre 1º de março de 1994 e 28 de fevereiro de 1997. Aposentados e pensionistas que tiveram seus benefícios originados nesse período podem ter atrasados, diz a advogada Marceli Aparecida de Jesus da Silva. "Por ser uma revisão antiga, ela quase caiu no esquecimento", diz. "Mas quem não recebeu as diferenças na época ainda pode exigi-las.
Fonte: Jornal Agora S. Paulo.

rafa disse...

Colega Manoel, e os aposentados ainda são agravados COM A COBRANÇA ACUMULADA DO COMPLEMENTO DA PREVI COM O INSS. E mesmo os que ganham menos da PREVI quase sempre ganham um valor em torno de R$2 a 3 mil de INSS. Só o valor do INSS é quase o valor dos colegas da Ativa. Ora, SEMPRE o BB e CASSI incluiram o cônjuge e filhos menores de 21/24 anos como dependentes! Sempre! Agora, depois de mais de 30/40 e até 50 anos, vão nos cobrar pelo cônjuge, justamente quando tivemos queda brutal de rendimentos, com o fim do BET e retorno das contribuições, sem auxilio alimentação etc?
Tem alguma coisa errada nisso tudo.
PREVI
Já que a Previ tem recursos e é "nossa", uma compensação poderia advir com o fim da cobrança de contribuição para quem pagou por mais de 30 anos.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...


30/04/2018
Eleições Previ 2018: Chapa 2 vence as eleições
Com 38.154 votos, (32,31% do total de votantes), a Chapa 2 foi a vencedora

Fonte: Site PREVI - http://www.previ.com.br/menu-auxiliar/noticias-e-publicacoes/noticias/detalhes-da-noticia/eleicoes-previ-2018-chapa-2-vence-as-eleicoes.htm