terça-feira, 29 de setembro de 2009

BB compra Votorantim

ECONOMIA - Por R$ 4,2 bilhões, BB conclui a compra de 50% do Votorantim

DA REPORTAGEM LOCAL

O Banco do Brasil concluiu ontem a compra de 49,99% do Banco Votorantim, negócio anunciado no início do ano. Com a conclusão do negócio, o BB pagará R$ 3 bilhões e fará um aporte de R$ 1,2 bilhão à financeira.
O Banco do Brasil poderá agora elevar em R$ 45 bilhões seu total de ativos, que somará R$ 643,3 bilhões -antes de contabilizar a metade dos ativos do Votorantim, o BB já tinha R$ 598,8 bilhões, posição que já assegurava a liderança no país.
O negócio, aprovado no último dia 11 pelo Banco Central, também coloca o BB na terceira posição no mercado de financiamento de veículos, com participação de 18%, à frente do Santander.
Com a parceria, o Votorantim terá mais acesso a recursos para a geração de financiamentos de veículos e para outros segmentos do crédito. "A grande vantagem dessa fusão é a capacidade de geração de "funding" [captação] por um lado e o acesso aos canais do Votorantim, por outro", afirmou Paulo Caffarelli, vice-presidente de novos negócios de varejo do BB.
Além do financiamento de veículos e bens de consumo, o BB também ampliará sua atuação nos segmentos de seguros, crédito consignado, gestão de recursos e corretagem de valores mobiliários. A gestão será compartilhada.
Segundo Caffarelli, ao aprovar o negócio, o Banco Central determinou que os ganhos de eficiência resultantes da fusão deverão ser repassados aos clientes por meio da redução de tarifas.




Fonte: Folha de S.Paulo

4 comentários:

Marcos Cordeiro (André) disse...

De onde sairá o dinheiro para pagar essa conta?

Sérgio Figueiredo disse...

Todos nós sabemos qual a origem desses bilhões para a compra de quase metade do Banco Votorantim: NOSSO BOLSO!!! Mudando de assunto, acho que a primeira coisa que devemos fazer para a união de todos do plano 1 é acabar com essa "coisa" de pré e pós-97. quem mais sai perdendo com essas "briguinhas" somos todos nós, associados do plano 1! Portanto, canalizemos nossas forças para um objetivo muito maior e que beneficiará a todos, indistintamente: DISTRIBUIÇÃO JUSTA DO SUPERÁVIT! Com relação ao seu verdadeiro nome, colega Marcos, não importa. Pelo pouco que o conhecemos, seja Marcos ou André, estará sempre na linha de frente dessa luta desigual e injusta. Mas, com nossa união e organização, chegaremos a uma negociação que seja boa para todos nós! Conte sempre comigo e com meu andador. Um grande abraço...

Jorge Teixeira disse...

Colega Marcos Cordeiro,
De onde sairá o dinheiro para pagar essa conta? Ao formular essa pergunta creio que Você já tem em mente uma possível resposta, que é a mesma que logo veio a minha cabeça. Nós do PB-“1”. A cada seis meses o patrocinador vem retirando do nosso plano recursos bastante significativos, e penso que não será diferente agora no final de 2009. Podemos começar a esperar nova apropriação contábil, a ser comunicada ao mercado sob a forma de fato relevante. Isto tudo ao amparo do silêncio do órgão regulador, do espanto das entidades representativas e da revolta de todos os aposentados e as pensionistas. O discurso dos eleitos vai continuar se repetindo, qual seja: o Banco fez a apropriação contábil mas nenhum recurso saiu dos cofres da Previ. Não vejo como impedir essa manobra. Os eleitos, em seu blog, solicitam que se proteste pela derrubada do voto de minerva. “Como relator, Leal Varella propôs, em 16 de setembro passado, a rejeição do projeto pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, frustrando e preocupando as entidades representativas dos associados de fundos de pensão”. De outro lado, as entidades representativas do funcionalismo estão pleiteando a nulidade da resolução 26 do CGPC. Mas é esta resolução que, apesar de permitir ao patrocinador usufruir os recursos que até então pertenciam exclusivamente aos associados dos fundos de pensão, veta a utilização do voto de minerva nas decisões dos conselhos deliberativos das entidades fechadas de previdência complementar. O nó foi dado e está quase que impossível de ser desatado. Engessaram o nosso plano de benefícios “1”. Não tem para onde correr. Tem que negociar sim com o patrocinador, sob pena de que daqui a dez, vinte ou até mesmo mais anos, se vivos estivermos, termos que continuar assistindo essa farra que é feita com o nosso dinheiro. E a cada ano mendigando realinhamento de empréstimo simples para podermos saldar nossos compromissos. Quem viver, verá.

Anônimo disse...

O NOSSO PLANO E' PARA SER FECHADO,NO ENTANTO, FICAMOS ALERTA, POR QUE COM A COMPRA DOS OUTROS BANCOS PELO BB,NAO VAI FALTAR ALGUEM, PARA "INCLUIR OS NOVOS ASSOCIADOS". NADA CONTRA OS COLEGAS NOVOS, MAS, NAO MISTURAMOS AS COISAS.