sábado, 18 de maio de 2013

A PREVI e o mau caráter


 
Caros Colegas,

Custava a PREVI ter regulamentado para vigorar a partir do próximo ano a nova data do reajuste de benefícios?

Se houve enquadramento recente para que essa mudança ocorra a partir do mês de janeiro, por que o efeito retroativo? Por que não fazê-la em janeiro de 2014 se já estamos em maio de 2013? E se, mesmo assim, resolveram “cumprir” com a promessa por que não pagar tudo em que o reajuste implica? Por que deixar de fora o BET? Por que não corrigir os atrasados? Por que tanta demora em conseguir as autorizações necessárias?  

Tudo leva a crer tratar-se pura e simplesmente de manobra arquitetada para levar ou dar vantagem a outrem, uma vez que houve subtração de valores nos contracheques de aposentados e pensionistas. E o mesmo não ocorre em relação ao pessoal da ativa que não é afetado pela mudança. Serão motivações eleitoreiras?

É de se supor que houve má fé direcionada ao resultado da mudança, pois não é a primeira vez que os entraves burocráticos da obsoleta política de gestão da PREVI nos causam prejuízos. Acresce o fato de que tudo de ruim que sua política nos impõe quase sempre implica em metal sonante imediatamente surrupiado, e quando não, também pela demora em pagar valores de benefícios demagogicamente anunciados.

Lembrando que essa grita pela mudança da data vem de longe, aventada inicialmente sem pretensão de lucro com a justificativa de unificação do pagamento dos benefícios (PREVI/INSS), tudo não passou de equívoco irresponsável cometido no início.

Mesmo assim, esqueceram seus inventores que havia parâmetros a considerar, pois nem todos recebem das duas fontes. Também, correram com a desculpa de que no mês de janeiro ocorrem responsabilidades financeiras inusitadas como impostos sobre veículos, matrículas escolares, IPTU, etc. Ainda aí esquecendo que nem todos têm esses pagamentos a fazer. E para aqueles que respondem por esses encargos, pergunta-se: em que são acrescidos os seus rendimentos para suportar essa carga se a antecipação aventada carrega ínfimos índices inflacionários?

Positivamente foram ideias de jerico que nos trouxeram mais esse prejuízo no contracheque.

Lamentavelmente essa história foi inventada inconsequentemente, porque é sabido que a máquina que impulsiona a PREVI é movida por cérebros azeitados com cifras. E eles não perdem chances de transformar ingênuos pedidos em matéria prima para sacanear as nossas finanças. Tudo que ali é feito gira em torno de lucratividade falsamente direcionada aos participantes, mas que, na verdade, corre em direção ao patrocinador – último dos “beneficiários” a levar a bolada dessa loteria chamada patrimônio da PREVI, como se fora o Banco o último participante de uma corrente financeira milionária, que ao romper-se deixa tudo para quem estava no topo da lista.

Também, é muita ingenuidade acreditar que o binômio BB/PREVI se empenha em beneficiar os assistidos – tidos como coisa morta, ou em vias de findar-se. Nós, aposentados e pensionistas, pensamos em termos de anos de vida pela frente, enquanto que o patrocinador pensa em décadas como meta para usufruir do dinheiro do nosso Fundo. Tudo que pedimos e por que lutamos relaciona-se ao presente. Enquanto que o Banco trabalha com a visão no futuro - contado para ocorrer depois da morte do último dos participantes do PB1.

Mais uma vez teremos luta inglória pela frente. Mas fica o alerta. Ou a PREVI conserta a burrice que fez e nos paga o que é devido, ou a Justiça terá mais trabalho para julgar novas ações judiciais. Recorreremos a elas, sem dúvida, se preciso for.

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR), 18 de maio de 2013.

5 comentários:

rafael campagnoli disse...

Mais uma vez tenho que concordar plenamente com nosso presidente Marcos Cordeiro: a Previ faz mal para o aposentado e pensionista! Essa é a verdade. Quem é que está por trás disso, já indaguei outras vezes? Porque essa maldade com quem deu sua vida pelo Banco? Porque não pensam a nosso favor? Se para o próximo mês de junho ( que para o aposentado é uma eternidade esperar mais um mês! )teríamos uns 7% de reajuste, avisava que ia pagar o último reajuste pela regra atual e em janeiro vigoraria a nova! Com qual intenção escondida agem assim? Decididamente, a PREVI NÃO GOSTA DA GENTE!

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Semente da União

Peço que leia, analise e divulgue.

http://migre.me/eBQkS

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Leia no Blog do Ed:

259. Nada Deterá a Espada de Dâmocles
Por Edgardo Rego.

http://blogdoedear.blogspot.com.br/

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

19/05
Cópia de mensagem recebida através da REDE-SOS (Internet):

“Prezado Gilberto,
Falei com o Diretor de Seguridade da PREVI, Marcel Barros aqui no CINFAABB, em Goiânia, e solicitei explicações sobre a ocorrência relatada em diversos e-mail que temos recebido na AAFBB, a respeito do não pagamento do reajuste sobre o BET.
Ele me informou que por problemas na operacionalizacão do referido reajuste, este não foi aplicado sobre o BET.
O assunto já está sendo encaminhado a nível de Diretoria, que na próxima reunião autorizará a regularização da pendência, com a efetivação dos créditos desses valores.
Entretanto, tendo em vista que a folha de maio já foi creditada, o acerto deverá ocorrer na folha de junho.
Segundo ele me informou o valor médio dos acertos será de 200,00.
Estas são as informações que tenho sobre o assunto,
Estou à disposição.
Celia Larichia”

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Presidente Marcos

Eu nem acho que se trate de uma
má vontade contra aposentados e
pensionistas. Acho que é mesmo
incompetência dessa gente que se
diz "dirigentes da Previ".
Gente que nunca dirigiu nada que
não fosse automóvel!
Perguntem a qualquer um que tenha
sido Chefe de algum deles e verão
qual o conceito que deles fazem.
Ainda no ano passado tiveram que
contratar adidos, já aposentados,
para executarem tarefas que não
havia quem soubesse lá executar.
Estamos entregues a uma corja de
imbecís, incapazes de tomar uma
única providência que não seja em
benefício próprio.
Raul Avellar