segunda-feira, 14 de março de 2011

Nota da FAABB

Às Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil

Sr Presidente,


Diretor de Seguridade recebe Presidente da FAABB



Na manhã desta segunda-feira, dia 14, o Diretor de Seguridade da Previ, Sasseron, recebeu a Presidente da FAABB em audiência solicitada pela Federação.



A propósito da retenção do Imposto de Renda na Fonte sobre os créditos resultantes da distribuição do Superávit, o Diretor esclareceu que aguarda resposta e orientação por parte da Receita Federal sobre a possibilidade de aplicação da metodologia prevista na Instrução Normativa RFB n° 1.127, de 07 de fevereiro de 2011.



Ressaltou que, tão logo concluída a análise, será dada ampla divulgação, com a realização de eventuais ajustes no cálculo do Imposto de Renda ora retido nos moldes atuais.



As Verbas P 220 – Segundo o Diretor Sasseron, há cerca de 400 pensionistas que adquiriram tal condição antes de 1967, 200 colegas que em 1967 reuniam condições de aposentar e cerca de 6.000 outros colegas que recebem seus benefícios sob a verba P 220. Ressaltou que esses benefícios são de responsabilidade do Banco e que cabe ao BB, na condição de Patrocinador, rever o assunto e pagar o Benefício Especial Temporário a esses. Sasseron enfatizou que esse deve ser um dos temas retomados nas negociações que serão reabertas conforme prometido no Termo de Compromisso.



Abertura de negociações – Insistentemente cobrado pela FAABB, pelas Associações e pela Contraf Cut e eleitos da Previ, o Banco sinalizou que deverá chamar as reuniões ainda neste mês de março. As entidades devem começar a preparar suas mais importantes reivindicações para que possam ser levadas à mesa. A FAABB insistiu que, a priori, os temas mais importantes são os 100% para as pensionistas, os 360/360, o fim da Parcela Previ e a fixação do teto de benefícios.



A FAABB está agendando agora, encontro com a Vice-Presidência de Relações Funcionais do Banco do Brasil, para reiterar nossa insistência na reabertura das negociações e esse encontro deverá ocorrer ainda nesta semana de 14 a 18 de março.



Atenciosamente

Isa Musa de Noronha

(Mensagem recebida às 12:36 de hoje, 14/03/2011)

47 comentários:

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Prezada Isa Musa.

A AAPPREVI agradece pela deferência da participação.
Por oportuno, informamos que a "NOTA" foi publicada no Blog Previ Plano 1, às 13:19 de hoje (14/03/2011).

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

----- Original Message -----
From: FAABB Federação
To: isamusa
Sent: Monday, March 14, 2011 12:36 PM
Subject: ENCONTRO COM O DIRETOR DE SEGURIDADE


Às Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil

Sr Presidente,


Diretor de Seguridade recebe Presidente da FAABB



Na manhã desta segunda-feira, dia 14, o Diretor de Seguridade da Previ, Sasseron, recebeu a Presidente da FAABB em audiência solicitada pela Federação.



A propósito da retenção do Imposto de Renda na Fonte sobre os créditos resultantes da distribuição do Superávit, o Diretor esclareceu que aguarda resposta e orientação por parte da Receita Federal sobre a possibilidade de aplicação da metodologia prevista na Instrução Normativa RFB n° 1.127, de 07 de fevereiro de 2011.



Ressaltou que, tão logo concluída a análise, será dada ampla divulgação, com a realização de eventuais ajustes no cálculo do Imposto de Renda ora retido nos moldes atuais.



As Verbas P 220 – Segundo o Diretor Sasseron, há cerca de 400 pensionistas que adquiriram tal condição antes de 1967, 200 colegas que em 1967 reuniam condições de aposentar e cerca de 6.000 outros colegas que recebem seus benefícios sob a verba P 220. Ressaltou que esses benefícios são de responsabilidade do Banco e que cabe ao BB, na condição de Patrocinador, rever o assunto e pagar o Benefício Especial Temporário a esses. Sasseron enfatizou que esse deve ser um dos temas retomados nas negociações que serão reabertas conforme prometido no Termo de Compromisso.



Abertura de negociações – Insistentemente cobrado pela FAABB, pelas Associações e pela Contraf Cut e eleitos da Previ, o Banco sinalizou que deverá chamar as reuniões ainda neste mês de março. As entidades devem começar a preparar suas mais importantes reivindicações para que possam ser levadas à mesa. A FAABB insistiu que, a priori, os temas mais importantes são os 100% para as pensionistas, os 360/360, o fim da Parcela Previ e a fixação do teto de benefícios.



A FAABB está agendando agora, encontro com a Vice-Presidência de Relações Funcionais do Banco do Brasil, para reiterar nossa insistência na reabertura das negociações e esse encontro deverá ocorrer ainda nesta semana de 14 a 18 de março.



Atenciosamente

Isa Musa de Noronha

luiz carlos disse...

EXTRAIDO DO SITE DA PREVI, HOJE, 14.03.

Previc aprova o Mais PREVI

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar, Previc, aprovou o programa de educação previdenciária, o Mais PREVI, em 25/2. Com isso, a Superintendência sinaliza que a proposta apresentada atende as expectativas sobre o conteúdo do programa. Para a PREVI, o assunto é tão importante que o programa de educação previdenciária integra os objetivos estratégicos da Instituição para o período 2011/2014.
===================================
Essa aprovação do programa previdenciário dAS EFPC's implica em que a entidade pode deixar de remeter aos participantes o Relatório Anual(leiam o site do PREVICJA)

Anônimo disse...

QUE BOM, essa semana saimos do marasmo, começamos bem a segunda feira. Fico feliz com qualquer uma das propostas tendo prioridade.
Valeu Isa Musa.

Elisabeth

Anônimo disse...

No caso da extinção da PP - Parcela Previ e. consequentemente, da PV - Parcela Previ Valorizada (utilizada para o cálculo de quem sai ou já saiu aposentado pela Previ na modalidade de aposentadoriua antecipada)como ficariam os atuais cálculos de nossas aposentadorias?

Serião refeitos os cálculos?

Terão casos em que os funcionários serão beneficiados e em outros não?

Eventuais aumentos do INSS repercutiriam no valor que a PREVI nos paga (diminuindo o mesmo)situação hoje vivida pelos aposentados antes de 67?

Temos que analisar bem sob pena de podermos ser prejudicados. Talvez o direcionamento seria a diminuição do valor da PP e recálculo das apo0sentadorias e não a sua extinção. Lembre-se que já houve uma redução no valor da mesma em tempos atrás.

wilson luiz disse...

Caro Marcos,
Muito oportuna sua contundente resposta aos comentários do execrável "anônimo não aumentem as pensões".
Agora, minha opinião é que nós somos os culpados pela proliferação destes provocadores. O citado anônimo deve estar em suprema felicidade, com seu ego doentio inflado pelos vários comentários sobre suas inserções, mesmo que todos tenham sido de indignação.
Sugiro que todos façam como eu: quando vejo que o comentário é desagregador, ou absurdo, ou provocativo, jamais o comento.
Vamos comentar apenas o que é útil e bem-intencionado.
Quando estes que postam comentários mal intencionados virem que ninguém se incomoda com suas colocações insanas, vão, rapidamente, desaparecer de nosso convívio.
Ao "anônimo não aumentem as pensões", quero dizer que você ajudou muito a causa das pensionistas, e mais que nunca:

AUMENTO DAS PENSÕES COMO PRIMEIRA PROPOSTA, É O QUE INTERESSA, O RESTO NÃO TEM PRESSA.

Lena. disse...

Querida Isa Musa, vc não nasceu MULHER por acaso.Mostra para determinados "homens" que vc pode e vai conseguir.
Fora os maxistas!!! Alo pensionistas!! Não vamos dar boa vida prá malandro não! Vamos só 'ficando' Aguentar essas malas prá que? Homem,foram os nossos maridos,mas eles estão no céu[!] o resto é resto. O mesmo para os homens. Ninguém aqui tá morto.
Abraços Marcos. Lena.

jeanne disse...

A mim não interessa o fim da parcela previ, sem nenhum grande debate.O tiro vai sair pela culatra.Diminuir benefício pode?

Lena. disse...

Valeu colega das 12:10. Vc tem rezão. Lena.

Anônimo disse...

Amigos, foi relatado pela Sra. Isa Musa:
""...o Banco sinalizou que deverá chamar as reuniões ainda neste mês de março.""

Indago:
Por que é o Banco que deverá chamar as reuniões ?
Está errado. A meu ver a PREVI é que deve conduzir e liderar todo o processo; sendo o Banco uma das partes negociadoras.

*******REALINHAMENTO JÁ**********

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

Marcos
A luta continua:
360/360 ou 30/30(Alteração da Memória de Cálculo da Renda Mensal inicial).- Esta deverá ser a primeira.
Fim da Parcela Previ.
Aumento das Pensões para no mínimo 80%.
Correção dos benefícios para janeiro.
Correção dos benefícios pelo IGPDI.
Todas com retroatividade para 01/01/2011.
Celso Bernardes
Formiga/MG

Eduardo Köhler disse...

Marcos,

Até que enfim vão começar as negociações. As prioridades são o aumento do percentual das pensões e o enquadramento 360/360.
Quanto ao fim da parcela Previ, minha preocupação é a mesma do colega anônimo que se manifestou às 12:07h. Creio que é o caso da grande maioria agora. O benefício do INSS é maior do que a Parcela Previ. Sua redução seria mais interessante ainda.

Grande abraço

Eduardo Köhler - Rio de Janeiro

Rogério Luiz Carvalho disse...

Boa tarde amigo Marcos e blogueiros. a nossa semana começou bem, a coléga Isa Musa como Presi
dente da Faabb já se movimentou, e
o melhor de tudo, já nos colocou a par das tratativas em tempo recorde
e por tudo isso é que eu acredito
na pessoa da coléga Isa Musa. Marcos, acho acertado nós focarmos as tratativas em cima de 100% para
as pensionistas, pois temos que pensar em quem nos acompanhou, no
meu caso há quarenta e um anos de
casado, nas boas e nas ruins, sempre do nosso lado para o que der e vier, e sabendo que qualquer dia, nós poderemos ter uma pensionista em nossa casa. Abraços,
Rogério Luiz Carvalho. Pelotas.RS.

Anônimo disse...

Isa Musa,

Cuidado com o SASSERON e a "cumpanheirada" eles adoram a proposta de aumento do teto de 90% para 100%, pois os beneficia diretamente. A grande maioria dos aposentados (considerado o resto pelo Sasseron) não será beneficiada com esta proposta. Ele sabe disto, mas conta com a nossa ignorância na hora de aprovar safadezas.

José Roberto Eiras Henriques disse...

COMPLEMENTO DA PREVI: ANTES E DEPOIS DE 23/12/1997
1) Até 23/12/1997 – Para os colegas que se aposentaram até esta data e com filiação a Previ anterior a 04/03/1980, o cálculo do beneficio da Previ complementa o salário integral a partir do beneficio recebido do INSS. O índice de reajuste utilizado pela Previ é aplicado ao valor total recebido pelo beneficiário (INSS+PREVI). Quando é concedido o reajuste ao benefício do INSS, aumenta a parte do INSS e o valor do complemento Previ diminui na mesma proporção, mantendo o valor do benefício global.
2) A partir de 24/12/1997 – Os benefícios, para quem se aposentou a partir desta data, sofreram as seguintes influencias:
a) A tentativa, no Congresso Nacional, de redução do teto de benefício do INSS;
b) A criação do fator previdenciário que reduz o valor do beneficio da previdência social (INSS) face à perspectiva de sobrevida do beneficiário, em função da idade em que inicia o recebimento do benefício (quanto menor a idade ao se aposentar, menor o valor do beneficio);
c) Criação da Parcela Previ, em substituição ao valor do INSS, cujo reajuste acompanha o índice de reajuste do Complemento da Previ – à época IGP-DI, hoje INPC – que se mostrou inadequado visto que o valor do teto do INSS não foi alterado e seu reajuste não acompanhou os índices aplicados pela Previ na parcela PP, prejudicando os beneficiários. Essa disparidade foi sanada, em parte em 2007, quando a Previ reviu o valor da PP adequado-a a média de benefícios do INSS, recebidos pelos beneficiários;
d) A irrisória correção nos salários do pessoal da ativa no período compreendido entre 1994 a 2002, quando ao invés de reajustar os salários, concedeu-se abono-salarial que, por não integrar as verbas salariais, prejudicaram fortemente as contribuições para a Cassi e, principalmente, a base de calculo do salário de contribuição para Previ, utilizado para cálculo do valor do complemento pago pela Previ.
3) Finalizando:
- a extinção da Parcela Previ, poderá implicar na aplicação de outra fórmula em substituição ao teto INSS para cálculo do complemento da Previ;
- o desequilíbrio obervado entre os valores dos benefícios complementares entre os que se aposentaram até 23/12/1997 e os que se aposentaram após 24/12/ 1997, deve-se, em parte, ao contido no item 2 acima mencionado;
- a revisão do teto dos valores das pensões é questão fundamental nas novas negociações bem como os 360/360.

Anônimo disse...

Colega Paulo Motta,

Você parece que imprime objetividade em seus textos, entretanto, nesse do dia 13/03, às 15h37min, o colega abandonou a linha da seriedade, do pragmatismo e ironicamente gracejou com alguém, chamando-o de “Rei do Gado”. Seguramente esse não é o modo mais adequado para convidar e atrair uma pessoa para partilhar de um trabalho de grande alcance social que é a defesa dos aposentados. De qualquer maneira, se for possível, decline o nome verdadeiro dessa pseudo majestade e reformule o convite dentro dos padrões de estilo, onde fiquem evidentes a cortesia, a amizade e o espírito de equipe.

Anônimo disse...

A parcela previ foi criada em 1997, portanto serviu apenas para reduzir o complemento daqueles que se aposentaram após aquele ano. Quem se aposentou antes, não teve nenhuma influência no seu complemento. Este é o meu entendimento. Se eu estiver errado, alguém me corrija, por favor.

Anônimo disse...

Algum iluminado poderia explicar o quê, como, porque é esse TAL REALINHAMENTO?
Desculpem minha ignorância...
Tem algum lugar que eu possa pesquisar?

Grato

Zé Desavisado

Anônimo disse...

Os itens postos para discussão são de suma importância, principalmente no que toca às pensionistas. Achei estranho, todavia, que o/a negociador/a da parte dos funcionários já coloca em discussão TETO para os benefícios. Esse item, se eventualmente posto em discussão, deveria ser colocado pela parte contrária, e mais poderosa na negociação. Não nos esqueçamos de que contribuímos para ter o valor de benefício que temos e colocar teto é muito temerário. Todo cuidado é pouco nessa negociação. Não vamos dar milho para bode.

sergioinocencio disse...

Marcos,

aos que estavam na angustia do acerto ref ao IR,mais um prazo e enfim uma ação concreta, foi la e intimou, vai no BB e intima, só não começa se os caras não estiverem afim, asim esta correta a Federação.

Anônimo disse...

O Banco irá chamar a Previ e as associações com a finalidade exclusivas de discutir novamente algumas propostas que irão beneficiar aposentados e pensionistas.

Acredito que o ordem de quem vai chamar alguém não importa. O que queremos agora e o realinhamento de algumas terríveis injustiças que foram cometidas com o s trabalhadores do banco

wilson luiz disse...

Dona Isa Musa e a FAABB têm a obrigação de nos esclarecer, urgente, o que significa a reinvindicação "FIXAÇÃO DO TETO DE BENEFÍCIOS", inserida em sua nota desta data, como sendo de interesse dos associados. Não posso crer que seja a famigerada elevação do teto de 90 para 100%, patrocinada pela ANABB para beneficiar, novamente, os "amigos do rei", os que recebem os maiores benefícios. Se for isto, podem ter certeza que, logo logo, ela passará do quarto para o primeiríssimo lugar nas prioridades da negociação.

Anônimo disse...

Publicada Portaria sobre participação de empregados em conselho de estatais.

Tá com cheiro de coisa podre...

Anônimo disse...

Esta do aumento das pensionistas eu quero ver passar, vai ser durissimo, voces vao ver a CHORADEIRA deles.
Que batalha sera, faco ideia o que ELES vao dizer sobre aumento justo e real para as pensionistas.
Alias no que se refere a melhoria para os participantes sera um novo filme de terror.
A colega Isa Musa que se prepare!!

Vilma Prado

Anônimo disse...

Por favor, alguem me explique no meu caso que sou pos 97, e me aposentei com o mínimo(do mínimo), = 20 anos de previ, como funcionará o 360/360. me aposentei em 2002.

Eduardo Queiroz disse...

Ao Sr Wilson Luis e outros, gostaria de saber porque famigerada elevação do teto de 90 para 100%, o Sr. quando se aposentou não levou os 100%?, não recebo maiores salarios e estou torcendo que faça parte da negociação. É preciso respeitar outros colegas e não pensar somente em si. O senhor e outros sejam menos mesquinhos.

Eduardo Queiroz

Anônimo disse...

Colegas,

O aumento do teto nós já sabemos a quem beneficia é só ver a defesa veemente feita pelo SASSERN, VALMIR E A DONA CECÍCIA, quando do aumento do teto de 75% para 90%. Agora estão querendo enfiar goela baixo o aumento de 90% para 100%. A culpa é nossa que na maioria das vezes desconhecemos os estatutos da PREVI e estes malandros se aproveitam disso para nos enganar.

Anônimo disse...

Colega Eduardo Queiroz,


O aumento do teto de 90 para 100% atinge uma minoria de colegas aposentados. Na PREVI existem dois tetos de contribuição a saber:

- 75% da remuneração (hoje 90%) ou
- 136% do VP+AN.

Todos os colegas de caem no teto de 136% VP+AN (A MAIORIA) não receberão um centavo com o aumento do teto para 100%, assim como não receberam quando do aumento de 75% para 90%.

Esta proposta só interessa aos salários mais altos, ou seja aos companheiros incompetentes, que assumiram cargos melhores do BB, por serem filiados ou afiliados do Partido que completará 12 anos no poder e aparelhou o BB.

Isa Musa de Noronha disse...

Aos caros amigos do Blog, em especial Wilson.
Venho esclarecer para que não paire nenhuma dúvida. A Previ tem piso de benefícios? Sim, tem e nele está dizendo, no Regulamento do Plano de Benefícios, que ninguém receberá menos do que “x”. Então temos de nos preocupar com o teto. Se um desses dirigentes de Previ ou BB (ou Cassi) que possuem salários de AP 1 e vantagens se aposentar hoje, com quanto vão se aposentar? Qual será o benefício inicial deles? Então, se há piso, é preciso ter teto, para que não sejam altamente beneficiados os vice-presidentes do BB, os atuais detentores de cargos na Previ ou Cassi. Acham que está errado?
No Regulamento do Plano de Benefícios 1 está registrado:
“XVI. Benefício Mínimo – corresponde a um benefício que considera como valor mínimo 40% da Parcela Previ – PP ou 40% do Salário Real de Beneficio do participante, observada a proporcionalidade relativa ao tempo de filiação ao Plano.”
Reflitam: A Previ estipula um Benefício Mínimo. Então, como não ter um “ Benefício Máximo”? Ou teto de benefício. Pensem que hoje um diretor do de BB, Cassi, Previ ganha pra lá de 40.000 reais considerando VP e vantagens

Anônimo disse...

Por favor pensem nas PENSIONISTAS!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Colegas,

Sou a favor do aumento das Pensões, o egoísmo de alguns está chegando ao extremo. Vamos deixar nossas esposas e filhos em situação difícil com estes 60%.

Acho que num primeiro momento deveriamos reivindicar 80%, pois a briga vai ser feia.

Aos poucos se chega aos 100%, vamos com calma.

rafael antonio campagnoli disse...

REVISÃO DOS BENEFÍCIOS:
além do que já se disse, é urgente alterar:
a) idade-limite para filhos: hoje em dia os filhos tem ficado com os pais até mais de 35 anos !!! precisa alterar isso;
b) em caso de falecimento do funcionário e/pensionista, o saldo das reservas devem ir para os herdeiros legais;
c) criar outras possibilidades de uso da reserva/opçoes, além das 3 existentes atualmente; copiar sistema da BRASILPREV para SUCESSÃO: após demissão do Banco, o ex=funcionário poderia alterar a data de SAÍDA(aposentadoria) para 99 anos, e fazer saques avulsos (e não mensais/compulsórios) a cada 60 dias; se não precisar, os valores vão se acumulando ...
d) verificar o que foi feito com plano idêntico no Banco Itaú.
Rafael Antonio Campagnoli
Itapira-sp

Anônimo disse...

A formiguinha do site da PREVI voltou. Cada folhinha é um pedacinho de minha aposentadoria. Que falta um formicida dos bons para todas essas formiguinhas (sasseron,valmir,etc., etc., .....)

Anônimo disse...

Caros amigos, vamos devagar com o andor que o santo é de barro.

Aumento das pensões para 100% é umm pulo muito grande.
O ideal é reinvindicar 80%. Se pedir muita coisa corre-se o risco de não sair nada.

Outros ítens que devem ser pleliteados:
-cesta alimentação - para todos
-14º salário - para todos.

Os 360/360 somente irá beneficiar um pequeno número de colegas.

Anônimo disse...

Devemos tomar muito cuidado com esta reinvindicação para ser pago aos herdeiros a sobra da reserva matemática do associado e da pensionista. Tempos atrás, li uma matéria referente a fundo de pensão que iria distribuir um pouco de seu superávit baseando-se no saldo das reservas matemáticas de seus assistidos. Uma beneficiária de 94 anos chegou, toda animadinha, para ver quanto receberia. Quase caiu da cadeira quando lhe informaram que sua reserva matemática estava negativa em 47 mil reais. Ela havia vivido mais do que previa o cálculo atuarial de seu plano.
Com o aumento da expectativa de vida, se começarem a distribuir reserva matemática aos herdeiros pode faltar dinheiro para o pagamento dos benefícios normais.

elvira disse...

Sou otimista e acredito numa reunião com bons frutos.
Que deus ilumine os participantes para que as propostas sejam analisadas com senso de justiça e humanidade.
Valeu Isa.

Anônimo disse...

Caros Colegas,

Esperar que o Banco chame para uma reunião de alteração do PB1 é, no mínimo, confirmar, oficialmente, o que já se sabe: O Patão da PREVI é o BB.

E nós beneficiários? O que somos? Funcionários não somos! Somos, sim, beneficiários das migalhas de superávits.

Bom! O tempo urge!

Alguns já partiram com as suas propostas: 360 para uns; 100% para outros; 14º, 15º benefícios, e outros penduricalhos menores.

E o Banco o que leva nisso? Com a PRIMEIRA alteração no PB1 já levou 50% do Lucro. Em SEGUNDA alteração o que ficará para os beneficiários do PB1?

Colegas, são muitas interrogações!

Quem vai nos representar?

Com pequena migalha os cumpanheiros ganham qualquer eleição.

A eleção de Dezembro/2010 é o exemplo

Marcos Cordeiro, o caminho é longo e cheio de armações.

Pensemos em propostas exequiveis e, mais, que contenham a sede do Banco nos futuros superávits e no Ativo da PREVI que cobiça.

Um abraço a todos de james paiva.

Anônimo disse...

Sra. Vilma Prado 14/03 - 16:02,

Confirme, por gentileza, se o ex-marido chama-se João Della Libera.
Sem embargo do exposto, parabéns pela sua luta em prol das pensionistas.

Anônimo disse...

Gente tenho até medo de ligar para a Previ, pois respondem grosseiramente e por esse motivo não espero para avaliar como pedem. Mas pensando bem da proxima vez vou avaliar para o pior atendimento
Acorda PREVI!!!!!!!!!!!!!!!

GANDOLA DA BAHIA disse...

-alguém poderia me informar a proposota 360/360. O que vem a ser na prática? TROQUEM EM MIÚDOS, PRÁ MIM POR FAVOR.

Anônimo disse...

Colega das 18:23 que acredita que 360/360 vai beneficiar pequeno grupo de colegas: voce acha que está certo um funcionario que aposentou antes de 97 receber de beneficio o dobro daqueles que aposentaram apos esse periodo? E funcionarios que se beneficiaram do renda certa ?

Lena. disse...

Colega Rafael Antônio,das 17:37.Dia 14/03.
Filhos com 35 anos ainda com os pais? E pensão para eles? Com essa idade essas 'criancinhas'já tem por obrigação estar ajudando em casa. Já se formaram,trabalham,e já casaram. Já tem que estarem financeiramente estabilizados.Só existe razão para o que vc pede,se esse filho[a] forem considerados incapazes,ou que tenha alguma doença que os impeças de trabalharem. Fora isso colega, acho um absurdo que filhos nessa idade ainda estejam nos sugando! Sou mãe de 2 filhos que já completaram 35 e 25 anos. Mas as minhas custas, não vivem mais não.Cada um no seu quadrado. Se por algum motivo precisarem,vamos ajuda-los,mas viver ainda comigo nessa idade acho um pouco demais. Chega de filho Gangurú!! Sempre disse aqui, que os nossos filhos são benção,mas sermos explorados por filhos, não e não!! Com 25 anos na minha opinião, esses lindinhos já tem que está ''longe'' Não estou afirmando que seja o seu caso,mas existem pensionistas e aposentados que ainda carregam os filhos na ''bolsa'' Abraços. Lena.

Anônimo disse...

Ao colega das 16:39 h

Não gosto de entrar em polêmicas que fujam ao objetivo traçado por nossa associação, entretanto causou-me profundo mal-estar sua ignóbil constatação, onde se afirma que após 30 anos de trabalho ou mais, iniciados por sinal bem antes da fundação do citado Partido dos Trabalhadores, eu e diversos outros colegas, galgamos por cargos de importância no BB por sermos apadrinhados políticos e companheiros incompetentes, ora meu senhor, evite medir as pessoas por sua régua torta, e por favor não generalize.

wilson luiz disse...

Cara Isa Musa,
Grato pelo pronto esclarecimento da proposta fixação do teto de benefícios(14 março 16:46 hs.). Realmente, é necessário estabelecer-se limites à aposentadoria de diretores da PREVI e do BB. Minha sugestão é que o teto seja fixado com base na mais alta comissão acessível aos funcionários de carreira do Banco do Brasil.
Na negociação, fique atenta para não haver desvirtuamento desta proposta, pois os oportunistas de plantão estão sempre de tocaia.

Lena. disse...

Cangurú. Desculpem.Lena.

Alo Paulo M!! Entra aí Abraços.Lena.

Anônimo disse...

Pode ser que esteja recebendo bem menos do que receberia se fosse pré-97 (sou pós-97). No entanto, acho muito positivo ter meu complemento/PREVI desvinculado do INSS.
Estou com uma ação contra o INSS em avançado estágio, pela qual deverei ter um reajuste de aproximadamente R$ 1.000,00 (em valores de hoje), pois o INSS foi baixando, a partir do cálculo inicial.

Se extinta a parcela PREVI, não passaria a ter a mesma condição dos pré-97, onde cada centavo de reajuste conseguido do INSS é descontado do benefício/PREVI?

Eu prefiro os dois complementos independentes um do outro.

Abraço a todos.

Anônimo disse...

Dona Lena, não te entendi: Falaste que tinha uma criancinha ai que era o Caio.Agora os seus filhos são de maiores?

Anônimo disse...

Como muitos colegas já disseram também acho que as pensões devem melhoradas mas deve ser estudada uma forma que impeça os casos indevidos. Citaram os velhinhos que casam com as novinhas, com sobrinhos e eu trabalhei com um gay que casou com uma colega só para terem direito a Previ (nem sequer foram morar juntos). Acho que a Previ deveria seguir outras previdencias complementares que extinguem a pensão se ocorrer novo casamento conforme consta no regulamento. Essa regra tem lógica porque a(o) pensionista não é titular, é dependente, logo, se casar com outra pessoa não deveria continuar como dependente do cônjuge anterior.A pensionista não tem direito líquido e certo a pensão tanto que, se em vez de falecimento do conjuge ocorresse a separação do casal o marido pode alegar que ela não precisa, caso trabalhe ou se case de novo, e ele não terá que pagar a pensão.Se houvesse maior controle desses casos sobrariam mais benefícios inclusive para todas as pensionistas. Peço desculpas a todas as pensionistas que realmente merecem mas infelizmente existem casos que talvez nem o falecido estaria de acordo.