domingo, 17 de janeiro de 2010

Maus exemplos

Caros Colegas.

A Associação que está nascendo tem antecipado neste Blog o propósito único de prestar ampla assistência aos participantes do PB1. O raio de ação que se propõe abarcar é vasto e diversificado. Vai desde a simples orientação para enfrentamento de situações rotineiras até a incursão pela esfera judicial. Este o maior encargo que teremos pela frente. Propomos tentar resolver pendências e buscar soluções para assuntos polêmicos. Todos que envolvam prejuízos provocados por má administração no âmbito da PREVI e pela impune ganância do patrocinador, amparada pela permissividade das autoridades no desvio da verdadeira destinação dos recursos do Plano.
Sem esquecer o cuidado no trato com associações e prestadores de serviços à disposição dos aposentados e pensionistas do PB1.
Com relação a este último tópico, divulgo abaixo duas recentes denúncias particulares, dirigidas com o intuito de alertar os Colegas para o desvirtuado atendimento de Entidades que alardeiam atuação séria, mas que tratam com pouco caso os anseios dos seus filiados:

Primeira denúncia, feita no Blog da Cecília:

Marcos Cordeiro (André) disse...
Colega Cecília Garcez.

A utilidade da APABB para seus associados cai no lugar comum que invalida o atendimento de todas as Associações para quem reside fora de sua Sede, ou da sua área de ação. O contribuinte simplesmente paga pelo que não usa.
Sou filiado a essa Entidade desde os primórdios de sua fundação, com desconto na FOPAG de contribuição mensal, hoje no valor de R$ 19,80.
Tenho um dependente que se enquadra no grupo que merece ser assistido pela APABB, porém reside em localidade desprovida de sua assistência. Por quatro ocasiões diferentes (e em anos diversos) perdi meu tempo dirigindo apelos escritos para a criação de um núcleo de atendimento na Cidade de João Pessoa (PB) e não recebi resposta, ao menos negativa - que dirá positiva. De se notar que por duas dessas vezes fiz apelo circunstanciado com oferecimento de encabeçar campanha a título nacional para o empreendimento com oferta, inclusive, de aporte financeiro para embasar meu pleito. Até hoje estou sem resposta. Com certeza agora, depois deste desabafo (se for publicado) serei procurado com mil desculpas pela falta de atenção.
É por isso que discordo de que Associações de âmbito nacional mantenham Sede Social com aparato direcionado ao entretenimento ou assistência ao seu corpo social, pois somente atende aos residentes nas proximidades de suas instalações. E os demais? Pagam para que uns poucos se beneficiem da sua contribuição como sócio. É o que acontece com a AAFBB, SATÉLITE Clube, APABB, etc.

Marcos Cordeiro de Andrade
6.808.340-8
marcosmca@yahoo.com.br
Curitiba (PR)
15 de janeiro de 2010 09:32

Segunda denúncia feita aqui mesmo:

Marcos Cordeiro (André) disse...
Colegas associados da OdontoANABB, procurem confirmar sua situação cadastral (e dos seus dependentes) diretamente com a ODONTOPREV. Vejam o que está acontecendo comigo:

Mensagem enviada à ANABB e respectiva resposta:

Pergunta:
Meus dependentes inscritos na OdontoANABB não constam do cadastro da ODONTOPREV, segundo informação da própria Empresa, em data de hoje, quando procurada para uso dos serviços.

Resposta:
Prezado Marcos, conforme contato telefônico realizado no dia 14/01/2009, às 12:38 h, com a atendente Rayssa Santos, informamos que foi gerada uma solicitação para verificar o motivo de o dependente não estar incluso e a tentativa de reverter a situação. Pedimos que aguarde a solução da mesma. A ANABB agradece seu contato.
Atenciosamente,

Rayssa Santos
Atendimento ao Associado
ANABB/VIREF

- Em tempo: As mensalidades são debitadas em minha conta corrente desde agosto de 2009.
- Se nada consta na ODONTOPREV, para onde está indo o meu dinheiro?
16 de janeiro de 2010 05:07

Finalizando, devo uma satisfação a todos que me lêem.
Este relato não tem por finalidade me trazer benefícios, até porque considero perdido o dinheiro gasto com a OdontoANABB. E o que dispendi com a APABB, por mais de uma década, descarto a título de contribuição destinada ao bom atendimento dos filhos de outros colegas, já que ao meu não cabe nenhum amparo vindo dessa fonte.
Move-me a intenção de alertar para a destinação que certas Entidades dão aos nossos recursos e, também, asseverar que me empenho para que outros não sejam vítimas das mesmas armadilhas. Como já dito antes, essas reclamações não terão a menor repercussão pela sua origem: um simples associado jogando palavras ao vento. Já se partissem da AAPPREVI...

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 17/01/2010.

15 comentários:

Anônimo disse...

Falando na OdontoAnabb,temos uma colega aposentada que ainda nao se desfiliou da Anabb porque estava fazendo tratamento dentario(o qual nao poderia arcar com o que ganha).Eis que em uma das visitas ao dentista lhe foi cobrado um valor absurdo(feito pelo dentista) e quando ela disse que procuraria saber na OdontoAnabb o profissional,nervoso,voltou atras lhe pedindo que nao comunicasse nada e e obvio ela nada pagou.Agora ela ja terminou o tratamento e deixara de ser socia da Anabb tambem.
Favor publicar.

Anônimo disse...

Eu contribuo com algum valor para os irmaos que sofrem no Haiti fazendo o deposito em qualquer outro banco,menos no BB.
Um banco que rouba os proprios funcionarios....quem garante que os valores apurados chegarao a eles?
Favor publicar.

Ari Zanella disse...

Quanto à APABB que nem conhecia, fico com a opinião do nosso Marcos, até pela sua experiência de sócio e usuário(ou não-usuário) dos serviços da Entidade. Quanto à Odontoprev não tenho queixa, somente o fato de os melhores dentistas não estarem credenciados. Talvez agora, com a parceria do Bradesco, a Odontoprev pode ter sofrido mudanças administrativas. A conferir.

Marcos Cordeiro (André) disse...

Caro Ari.

A minha queixa é contra a OdontoANABB que deu fim às minhas contribuições.
Quanto à Odontoprev nada a reclamar, até porque não a conheço nem nunca me servi dela.

Jorge Teixeira disse...

Colega Marcos Cordeiro,
Refiro-me ao post de sexta-feira, 15 de janeiro de 2010, cujo título é “E o superávit da Previ?”, disponibilizado no blog da diretora Cecília Garcez. A propósito, após leitura das respostas dadas até o momento pela proprietária do espaço, me convenci ainda mais de que estão super corretos os termos de meu comentário publicado aqui neste blog no dia 16.01.10, às 06:20hs, por sob o tema “O Referendo”.

Anônimo disse...

Colegas,

Nossa colega Cecilia parece que quer nos desmotivar na criação da AAPPREVI, que tem como principal finalidade conseguir a distribuição do superávit, se ele não existe...

Jorge Teixeira disse...

Colega Marcos Cordeiro,
Fiz quatro perguntas aos diretores eleitos através de comentário que postei no blog deles em 12.01.10. Hoje, 18.01.10, elas foram respondidas e, por julgar que possa se tratar de matéria do interesse dos aposentados e das pensionistas, peço licença para transcrevê-las aqui neste espaço.
1º) – Há possibilidade de suspensão das prestações dos empréstimos da Previ até que se resolva como ficará a distribuição da reserva especial para revisão do plano de benefícios agora em 2010?
RESPOSTA DOS ELEITOS: Quando foi criado o empréstimo simples série 10 foi com objetivo de oferecer aos associados uma modalidade de empréstimo que permitisse a ele não pagar prestações nos meses de janeiro e fevereiro, de maneira a ter recursos para arcar com despesas normais destes meses, como IPVA, matrícula de escolas e outras. Outras suspensões não são viáveis, pois continuariam a incidir juros e outros encargos, acabando por aumentar o saldo devedor e aumentando o problema posterior dos associados.
2º) – Essa aberração hoje existente, refiro-me ao caso de funcionário da ativa não contribuir, permanecerá agora em 2010 ou os bravos e valorosos colegas voltarão, por justiça e juntamente com o patrocinador, a contribuir?
RESPOSTA DOS ELEITOS: A suspensão das contribuições vale para todos os associados, pois a contribuição faz parte do plano de custeio do Plano 1, que é definido para todos os associados – ativos e aposentados. Assim, a suspensão das contribuições vale para todos os participantes do plano. Lembramos que o pessoal que entrou no banco antes de 1967 só passou a contribuir a partir de abril de 1967 e tiveram seus benefícios garantidos.
3º) – A Contraf-Cut solicita reabertura de negociações. Os diretores eleitos não aceitam o repasse de qualquer valor do superávit para o patrocinador. O Banco vai querer levar o dele nessa negociação, já que sempre foi assim nas ocasiões anteriores e certamente agora não será diferente. A resolução 26 não prevê a utilização do voto de minerva. Diante do exposto eu pergunto: Que tipo de negociação nós, os aposentados e as pensionistas do “PB-1”, poderemos esperar que se desenvolva num quadro de intransigências tão declaradas?
RESPOSTA DOS ELEITOS: Nós defendemos que as negociações sobre o superávit aconteçam em um quadro mais favorável aos associados que o previsto na Resolução 26. Esta é a nossa luta. Esperamos conseguir fazer valer nossas pretensões e só poderemos verificar se isto é possível iniciando as negociações. E continuamos defendendo que qualquer proposta de acordo, independentemente de seu conteúdo, seja levada à votação dos associados.
4º) – Como os Senhores imaginam que poderemos sair desse impasse já que a LC-109 estabelece que, decorridos três anos sem utilização de superávit, será obrigatória a revisão do plano de benefícios da EFPC?
RESPOSTA DOS ELEITOS: A LC 109 determina que, havendo reserva especial, depois do 3º exercício de sua contabilização, seja feita a revisão do plano. A última negociação do superávit foi feita em 2007 e implantada em 2008. Nos anos seguintes, houve a continuidade da suspensão das contribuições, com utilização de parte do superávit, e, neste final de ano de 2009 foi reduzida a taxa de juros para 5,5% e implantada a nova tábua de mortalidade, AT2000, também com utilização do superávit. Defendemos a retomada das negociações do superávit em condições mais favoráveis aos participantes e, inclusive, para cumprir o que está escrito na lei.

Roberto Tiné disse...

Prezado Marcos Cordeiro,

Com relação ao seu comentário sobre a utilidade da Apabb, quero informar-lhe que os serviços da nossa entidade não se resumem ao atendimento direto às pessoas com deficiência. Aliás, fazemos mais de 60 mil atendimentos por ano, beneficiando perto de 18 mil pessoas. Atuamos, também, na defesa dos interesses e direitos do segmento, participando de 22 conselhos municipais e estaduais de direitos, nas áreas de Saúde, Assistência Social e dos Direitos das Pessoas com Deficiência. Da mesma forma, desde 2004, a Apabb ocupa um assento como Conselheira titular do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade), ligado à Presidência da República através da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Nesses espaços a Apabb luta pela inclusão das pessoas com deficiência na sociedade, através de políticas públicas e leis inclusivas, e isto beneficia todas as pessoas com deficiência, indepedendente de elas residirem, ou não, em localidades onde temos núcleo regional instalado.

Quanto ao fato de não termos núcleo na Paraíba, gostaria de dizer-lhe que a Apabb é integralmente dirigida por voluntários, e para a formação de um núcleo em qualquer localidade do País, precisamos de pessoas que se dispõam a doarem parte do seu tempo e do seu conhecimento para gerir um Núcleo Regional. Atualmente estamos presentes em 13 Estados e no Distrito Federal, e em todos eles são os voluntários que comandam os núcleos. E se ainda não temos núcleo instalado em João Pessoa, com certeza foi por não conseguimos número suficiente de pessoas interessadas em ser voluntário e dispostas à dirigir a Apabb no Estado.

Outro detalhe que não pode passar despercebido é que a Apabb é uma associação de pais e amigos. Ou seja, boa parte dos nossos associados não tem vínculo com pessoas com deficiência, mas contribuem com a Associação por entender que a causa é nobre e que a Apabb presta um serviço sério para a comunidade em geral.

Roberto Paulo do Vale Tiné
Presidente da Apabb
faleconosco@apabb.org.br
rtine@uol.com.br

Marcos Cordeiro (André) disse...

À APABB.

- Por que somente agora vêm com esta esplanação arrogante, aporoveitando nosso espaço para fazer propaganda dos seus feitos?
- Por que não responderam aos meus questionamentos dirigidos ao longo dos anos?
- Por que não atenderam aos oferecimentos de Da. Marli Cordeiro de Andrade, mãe do meu dependente, para trabalhar como voluntária em João Pessoa (PB)?
- Desculpem, mas reconheço nesses tardios esclarecimentos puro jogo de cena direcionado à platéia errada. Não me convenceram. Enquanto isso façam bom uso da minha contribuição mensal que continuarei honrando.

Anônimo disse...

Caro Marcos,
Gostaria de saber como teria sido o criterio para nomeação do Presidente da APABB. CANAEL nele tambem.
Quanto aas respostas dos eleitos, publicados pelo colega Jorge Teixeira, sao lamentaveis. Sao burocraticas, somente buscando justificar a situação, sem nenhuma intenção de buscar soluções. Com esse pessoal na PREVI nao conseguiremos mudar coisa alguma.
Aproveito para registrar queixa contra o atendimento prestado pela PREVI. Criaram um 0800, a exemplo dos bancos e cartoes de credito, que nao se consegue uma solução ou resposta adequada. Estou tentando aprovar um financiamento imobiliario, mas ja estou tendo problemas com a INTERSERVICER, empresa gaucha contratada para avaliar e imovel e os documentos pertinentes. Apresentei documentos de um apto em sao jose dos campos-sp, que tem area construida inferior no IPTU do que a constante na escritura. No entanto, conforme certidao fornecida pela prefeitura, o fato se da por que eh taxada parte da area comum, naturalmente ficando uma area divergente.
A INTERSERVICER rejeita o imovel considerando irregular, mas essa unidade eh a remanescente de um predio de cerca de 70 aptos, onde varios foram finaciados por bancos, inclusive a CEF. E a construtora, da cidade, jah vendeu diversos empreendimentos. E despachente que intermediou a venda de diversas unidades desse predio, fala que eh impossivel querer alterar a metragem do IPTU. Querer alterar a legislação tributaria do municipio eh muita pretensao.
Tentei contatar a PREVI, EM BUSCA DE SOLUCAO, mas soh se consegue falar com o 0800 que nao tem pessoal com conhecimento para resolver esse tipo de situação. Anotam o assunto e dao prazo de 3 a 4 dias para retorno.
Aa falta de solução, estou recorrendo ao financiamento da CEF, infelizmente a uma taxa de juros maior que o da PREVI.
Gostaria de contar com o auxilio de algum colega do blog, se tiverem alguma sugestao para solução.
Grato
Luiz

Anônimo disse...

So acho o seguinte: la vem a Contraf(de treta com os eleitos,claro)dando inicio as negociaçoes(?)
que se estenderao ate Abril/Maio(eleiçoes)e novamente beneficiando o BB e mais outros apaniguados(Renda Certa).
Tenho medo dos coleguinhas desesperados que aceitarao qualquer migalha.
OLHO VIVO,gente!!!!!!
Favor publicar

Anônimo disse...

Colegas,

Não podemos esquecer que na última distribuição de Superávit, os beneficiados foram justamente aqueles que detinham os maiores salários. Entre os que defenderam aquelas regras esta o nosso "querido" SASSERON. Esqueceram daqueles em que o teto de contribuição esta nos 136% do VP+AN ( OS QUAIS NÃO RECEBEREM NENHUM CENTAVO DO REFERIDO SUPERÁVIT).

Abraços!!

Marcos Cordeiro (André) disse...

Caros Colegas.

A ANABB está distribuindo aos associados o Jornal Ação nº 204 (tiragem: 105.000 exemplares), contendo encarte com propaganda e ficha de adesão à APABB. Se pedirmos para ela agir igualmente com relação à AAPPREVI ela nos atenderá? Já que, também, formaremos associação sem fins lucrativos? E que essa associação se prestará ao amparo de um considerável segmento de idosos do Brasil? Que acham?

Eduardo Köhler disse...

Marcos,

Acho que podemos tentar. Entretanto acho difícil aceitarem, uma vez que, nossa proposta é, justamente, suprir as deficiências de duas ações em favor dos associados.

Marcos Cordeiro (André) disse...

Pedido encaminhado ao blog da Cecília:

Colega Cecília.
Peço publicar cópia da carta endereçada à APABB no dia em que meu filho completou 44 anos de idade. O risco de me expor publicamente advém do desejo de afastar o entendimento de que dirigi falsas acusações à Entidade, esperando com isto encerrar o assunto que tem causado constrangimentos:

“Curitiba, 19 de novembro de 2009.

APABB

Prezados Senhores.

Meus respeitos.

Apresento-me mais uma vez como associado colaborador, inscrito desde 1995, o que me eleva à condição de participante pecuniário, tão somente, apesar de me haver engajado na esperança de poder contribuir para que meu filho contasse com atendimento real, na qualidade de portador de necessidades especiais. Ele reside em João Pessoa-PB onde não há a presença física da APABB.

Como está claro, há mais de 14 anos contribuo sem que, no entanto, essa participação o atinja com os benefícios almejados: freqüência às instalações com a interação proporcionada. Assim, minha permanência como associado nas atuais circunstâncias somente me mantém na posição de benemérito, o que seria louvável, se o dinheiro disponibilizado não devesse ser empregado no acompanhamento do meu filho e seria mais bem empregado se utilizado nos deslocamentos diários a logradouros - em busca do convívio com pessoas componentes do seu universo particularíssimo. Peço atentar para o fato de que não me é dado o direito de pensar no coletivo em detrimento do particular. Além do mais, há de se convir que, em não sendo possível contar com o apoio da Entidade em benefício do meu filho, mais proveitoso seria destinar a quantia despendida com a mensalidade para aproveitamento direto em seu favor.

Por outro lado, se considerada como viável a criação de um Núcleo na capital paraibana, como proponho a seguir, prometo me empenhar para a consumação do fato, além de afastar a hipótese aventada de exclusão do quadro associativo. Por oportuno, peço não impingir nenhuma conotação revanchista ao que exponho, face ao não atendimento aos pedidos anteriores, mas tenho a dizer que minha colaboração pode ir muito além do aporte financeiro, como poderão deduzir.

O Site www.previplano1.com.br (criado e monitorado por mim) é direcionado à imensa comunidade de aposentados e pensionistas do Banco do Brasil, assistidos pelo Plano de Benefícios nº. 1, da PREVI – uma abrangência de mais de meio milhão de pessoas.
Esse espaço virtual é freqüentado por colegas de todo o Brasil, inclusive a Paraíba, e pode ser usado para o desenvolvimento de uma campanha de chamamento, a nível nacional. Esta teria como mote o apoio aos propósitos da APABB incluindo, nesse contexto, a criação do Núcleo de João Pessoa.

Por tudo isto, coloco-me à inteira disposição para encetar a Campanha necessitando, tão somente, do aval dessa Direção abraçando a idéia.

Respeitosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade. - Curitiba (PR) - 19 de novembro de 2009. “