domingo, 30 de maio de 2010

Vendendo ilusões!

Caros Colegas.

É bom lembrar que a PREVI não se nega a distribuir o superávit. E é sabido que alguns anos atrás ela deu início a esse procedimento para submeter-se ao que determina a Lei.

Mas parou a distribuição também em cumprimento às imposições legais. Por isso não podemos recorrer à Justiça para que determine a seqüência distributiva, pleito que cairia num vazio inconseqüente.

Que a distribuição havida foi irregular todos nós sabemos e quanto a isto sim, há necessidade de se recorrer à Justiça para consumar a reparação. É o que já estamos fazendo com a ação judicial gratuita “Renda Certa”, que já percorre os corredores do fórum.

Diferentemente do superávit a distribuir, o que se tem a fazer é tirar do caminho da PREVI os impedimentos que foram instalados atabalhoadamente nesses mesmos corredores.

Para derrubar essas barreiras é que temos que trabalhar deixando a PREVI livre para dar continuidade ao que a justiça a impede de cumprir.

A partir daí, certamente a PREVI voltará à esperada distribuição do superávit acumulado, como determina a Lei, sem necessidade do ingresso em Juízo, o que nada impede, no entanto, de influirmos nos critérios do reconhecimento de direitos.

Em acontecendo essa distribuição ela atingirá a todos, independentemente da condição de filiados a qualquer Associação de Aposentados e Pensionistas.

Aos dirigentes dessas associações cabe desenvolver atuação criteriosa direcionada aos seus sócios, descartando promessas baseadas em falsos fundamentos.

Ninguém pode dizer que uma ação judicial impetrada terá o desfecho favorável a qualquer das partes, por envolver uma série de fatores que interferem no mérito. Mas é possível o conhecimento prévio das reais possibilidades de êxito, simplesmente alicerçando a preparação do processo em análises e estudos procedidos por entendidos no Direito. É como tem agido a AAPPREVI.

Nossa Associação não dispõe de recursos financeiros para contratar grandes e renomados Escritórios de Advocacia, ou mesmo insignes advogados autônomos. Mas, acreditando na máxima de que “mas vale amigos na praça”, conta com a experiência de amigos conhecedores das Leis para ajudar na decisão na hora de recorrer à Justiça para reparar danos causados aos associados. E neste sentido nos julgamos privilegiados.

À frente da Assessoria Jurídica temos um colega aposentado, profundo conhecedor dos assuntos que nos dizem respeito. No quatro de sócios existem seis advogados, sendo três militantes no ofício. Mais dois sócios são pais de juízes que logicamente a eles recorrem em busca de conselhos que nos repassem. No rol de amigos e admiradores ocupam lugar de destaque dois desembargadores e um ex-colega que é juiz da justiça do trabalho. Esses são os nossos consultores gratuitos que, em conjunto ou mesmo individualmente, superam qualquer quadro de advogados das grandes bancas.

Por isso não entramos com ações duvidosas que ponham em risco a arrecadação das mensalidades, o que quer dizer que não vendemos ilusões. Até porque não vendemos nada – tudo que oferecemos aos associados é de graça.

E também porque AAPPREVI não é um balcão de negócios.

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 30/05/2010.

63 comentários:

Ari disse...

Só tenho a enaltecer um texto como este que equivale a uma centena de inserções de propaganda em horário nobre de tv. Todos percebemos pelas sábias palavras do Marcos, a diferença cristalina entre a nossa AAPPREVI e as demais associações. Iremos crescer, com certeza. Porque dizemos a verdade. E porque trabalhamos às claras, sábados, domingos, feriados, Natal e Ano Novo. Nossa única recompensa é a satisfação dos associados, por acreditarem e nos seguirem. O caminho á árduo. Porém, sem lutas não há vitórias. Continuemos na luta em conseguir novos sócios. Entre nós e a Anabb há um abismo intransponível. Somos pobres (Lázaro); eles são ricos mas em breve terão sua recompensa.
Parabéns, Marcos! Continue nos encorajando a todos. A vitória não tardará!

Pedro Paulo da Silva disse...

Esse artíficio é usado pelas associações caça níqueis com o único intuito de enriquecerem com a miséria alheia. A gigante ANABB por exemplo, cobra para ingressar com ações judiciais. Eu mesmo tenho duas ações na ANABB e por ocasião do ingresso foi cobrado. A maioria desses escritórios de advocacia que dão suporte a essas associações fazem o seguinte: cobram para ajuizar e ao mesmo tempo requerem justiça gratuita. Para onde vai esse dinheiro? Atenção ministério público, estão roubando os velhinhos incautos da PREVI.

Anônimo disse...

Colegas,


As ações da ANABB são usadas para aprisionar os associados, que ao solicitarem a desfiliação são pressionados a não fazê-lo, com o argumento de que terão que arcar com determinadas despesas referentes aos processos em andamento.

E assim os anos vão passando e a ANABB enriquecendo as nossas custas: os bons velhinhos da ANABB.

rosalina_de_souza disse...

1 de Junho

O Dia Nacional da Imprensa no Brasil ainda confunde a cabeça de muita gente. Até 1999, essa data era comemorada no dia 10 de setembro, quando começou a circular no país o jornal A Gazeta do Rio de Janeiro em 1808, sob a proteção do governo de D. João VI, publicação com um forte viés oficial.
Tal celebração foi alterada com a lei 9831/99, que definiu a data oficial da Imprensa Brasileira no dia 1º de junho, data do primeiro número do Correio Braziliense, jornal editado pelo brasileiro Hipólito José da Costa em Londres também em 1808. Esse periódico foi lançado três meses antes d’A Gazeta com o intuito de informar a população brasileira sobre os eventos da Europa, sem a censura da Coroa Portuguesa.
A mudança no calendário oficial de duas datas, em função de duas publicações lançadas no mesmo ano mas com linhas editoriais totalmente diferenciadas, mostra a síntese da Imprensa Brasileira: ora defensora dos interesses da população e das liberdades políticas e individuais, ora porta-voz do poder sem relação com esta mesma população.
O jornalista, Sindicalista, apoiador do Governo Lula,sai do controle do nosso fundo de pensão,com as mesmas controvérsias da nossa imprensa brasileira,condenado por todos nós por uma gestão brilhante,onde ficamos como crianças vendo a imensa quantidade de doce sem seus país deixarem comer.
Vimos um superávit robusto, magnífico, mas nada foi feito para fazer justiça a todos os colegas participantes do PB-1 da Previ.
O jornalista, pai de família Sérgio Rosa segue sua vida, mas deixando em nossos corações um sentimento de não ter feito tudo que podia ter feito, mas hoje sabe que sua postura foi como um tiro no pé, não fez seu sucessor, ganhou a falta de simpatia da maioria dos aposentados e das pensionistas, e a pessoas por quem ele deu a sua vida, lhes viraram as costas no finzinho da partida.
Bom recomeço Sergio Rosa.

Cordialmente

Rosalina de Souza

LUIZ FERNANDO disse...

caros colegas, quando vejo a nossa PREVI polpuda e aos olhos dos abutres,leem sobre o fundo AERUS da Varig, blog avioesabatidos, e´ de arrepiar e ficarmos atentos e cobrar da chapa 3, as suas propostas.

Anônimo disse...

O problema do superavit Previ criado pelo BB é por demais factível em sua utilização na visão do governo PETISTA. Vamos exercitar nosso raciocínio. Nos últimos balanços o lucro do Banco esta baseado nos valores contabilizados nos superavit Previ, demonstrando que a rentabilidade do banco é fictício e esta muito baixo em relação aos bancos particulares. Como o processo judicial é lento o Banco vai continuar contabilizando o superavit, cujos valores vão se tornando astronômico. Para não perder na justiça o Banco vai alegar junto ao judiciário, caso não seja efetivada as tranferências desses valores, que tal medida pode trazer consequencias funestas ao sistema bancário nacional. Que o maior banco do Brasil pode vir a falência, desacreditando o sistema financeiro, que o tesouro nacional não suporta o rombo. Vai ser um blá, blá. O o judiciário vai ficar pressionado e para não prejudicar milhões de correntistas vão considerar que esses valores não afetarão a Previ, que é capaz de absorver esses valores sem colocar o plano em risco. Como exemplo cito o caso da Gamecorp, do filho do LULA, que foi vendida para a Telemar (Oi) por R$ 5.000.000,00 e o caso encontra-se na justiça. Os desembargadores do Rio para não ficarem com a batata quente transferiram o caso para a justiça de São Paulo, que pelo mesmo motivo devolveu para o Rio que remeteu novamente para São Paulo. Como ninguém quer julgar o caso do filho do presidente, parece que finalmente encaminharam o processo para o STJ. Vejam bem, nem o judiciário quer enfrentar o LULA, não assumindo o caso. O que nós poderemos esperar da justiça no caso da Resolução 29, emitida por um orgão do governo. Parece que o atual governo já contaminou tudo. Nosso sistema esta falido, infelizmente. Vamos torcer para que possamos contar ainda com pessoas que ainda não foram contaminadas por esse governo que se julga acima da lei e tudo atropela. O que podemos esperar? Não se esqueçam que integrantes dessa corja foram treinados em Cuba. Eles aprederam como manipular a opinião pública e fazer uso disso.

wilson luiz disse...

EL GRAN DEMAGOGO V

Perguntar não ofende... Qual será a verdadeira razão pela qual o dr. Valmir Camilo não quer porque não quer que entremos com ação judicial visando o cumprimento da Lei Complementar 109 e a discussão da legalidade da Resolução 26??? É contraditório, pois ele vive enaltecendo as vitórias da ANABB em suas ações judiciais. Por princípio, se Valmir Camilo é contra alguma coisa, automaticamente sou a favor.
Li, com muita atenção, o presente editorial, bem como os comentários aqui inseridos. São pontos de vista que merecem todo o respeito. Gostaria, entretanto, de fazer algumas considerações. Fala-se, tanto associados como a ANABB, que uma ação demandaria tempo excessivo, mas lembro que a PREVI e o Banco do Brasil estão nos "enrolando" há quase 3 anos e, mais preocupante, acho que o atual impasse lhes interessa muito, pois assim o Banco vai fazendo suas contabilizações bilionárias sem nos dar qualquer satisfação. Outros ponderam que a Justiça serve apenas ao governo de plantão, mas lembro que tivemos vitórias históricas, como a correção do FGTS relativamente aos planos econômicos, e várias correções de benefícios do INSS.
De qualquer forma, uma associação (AFABB/PR), resolveu sair da letargia e pretende impetrar ação judicial sobre o assunto; vamos ver o que acontece.

Anônimo disse...

A ANABB, com novo Presidente. Emilio Ribas, podemos esperar o que em nosso benefício (aposentados e pensionistas)?

Mariano disse...

Colega Wilson, a Previ deu alguma resposta a Notificação Extrajudicial, da AFABB/PR.?

Abraços Mariano

Anônimo disse...

ANABB tem novo presidente


Em reunião realizada nesta segunda-feira (31-05) o Conselho Deliberativo da ANABB elegeu Emílio Santiago Ribas Rodrigues o novo presidente da Associação. A partir de amanhã (01-06), Emílio assumirá a Diretoria Executiva da ANABB após a saída de Valmir Marques Camilo, que foi o responsável por diversas conquistas da instituição.

Na reunião, além da escolha do novo presidente da ANABB, foram definidas outras mudanças na entidade. Valmir Camilo foi eleito presidente do Conselho Deliberativo, cargo antes ocupado por Antônio Gonçalves de Oliveira. Douglas José Scortegagna, ex- diretor de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi, assumirá a Vice-presidência de Comunicação. Nilton Brunelli será o vice-presidente de Relações Institucionais, Elaine Michel ficará à frente da Vice-presidência de Relações Funcionais e William Bento permanece como vice-presidente Administrativo e Financeiro.

“Estou feliz por ter cumprido meu papel no limite do que pude. Se não fiz mais pela ANABB foi porque não estava ao meu alcance. Tenho certeza de que o Emílio guiará esta entidade com a competência de que todos os associados merecem”, afirmou Valmir Camilo.

Os novos representantes tomam posse a partir de amanhã.

Natural de Alegrete (RS), Emílio cumprirá o terceiro mandato como presidente da ANABB. O primeiro foi de julho de 1992 a março de 1993, período da primeira reforma do Estatuto da entidade. Assumiu a presidência pela segunda vez em dezembro de 1993 e permaneceu até dezembro de 1995, em substituição ao presidente Artur Emílio Prellvitz.

"A nova diretoria trabalhará na defesa dos interesses do funcionalismo do BB. Essa é a marca da ANABB", disse Emílio Ribas.




Fonte: Agência ANABB

Marcos Cordeiro (André) disse...

Apesar da invasão do nosso espaço. não me furtei em publicar o comentário. Somente peço aos arrogantes invasores que da próxima vez peçam licença antes de tentar entrar à força em minha casa.

Troocaram as posições das cadeiras ao redor da mesa, com os mesmos ocupantes.
Melhor dizendo: trocaram seis por meia dúzia.

E a prepotência permanece a mesma.

Pedro Paulo da Silva disse...

QUANDO SE DIZ FUNCIONALISMO DO BB ESTÃO AUTOMATICAMENTE EXCLUIDOS OS APOSENTADOS E PENSIONISTAS. ESSA ANABB SÓ SERVIU PARA ENRIQUECER ILICITAMENTE ESSES DIRETORES QUE TROCAM DE POSIÇÃO PARA SE PERPETUAREM MAMANDO.
COMO FOI QUE ESSA ELEIÇÃO SE PROCESSOU? NÃO TIVE CONHECIMENTO DE NENHUMA CHAPA CONCORRENDO OU MESMO PROPAGANDA DESSE PLEITO. SERÁ QUE FOI UM JOGO DE CARTAS MARCADAS? ISTO ESTÁ SE PARECENDO COM AS REUNIÕES DOS CAPOS MAFIOSOS. TROCARAM AS COLEIRAS MAS OS CACHORROS PERMANECERAM OS MESMOS!
SR. MARCOS, NÃO PUBLIQUE NADA QUE VENHA DESSA ASSOCIAÇÃO MAFIOSA. AFINAL ELES DIZEM QUEM TEM MAIS DE 100.000 ASSOCIADOS E DINHEIRO PARA PROPAGANDA NÃO DEVE LHES FALTAR. ISSO É PROVOCAÇÃO TENDO EM VISTA AS ÚLTIMAS ELEIÇÕES ACONTECIDAS NA CASSI E NA PREVI ONDE ELES GANHARAM, MAS FICOU CLARO A PERDA DA HEGEMONIA ANTERIOR.
COLEGAS APOSENTADOS, VAMOS DAR UM GOLPE NA ANABB. DESFILIAÇÃO EM MASSA. ASSIM QUEBRAMOS A ESPINHA DORSAL DESSA QUADRILHA.

Anônimo disse...

Colega, Pedro Paulo

Vamos colocar aqui um modelo de requerimento de desfiliação para facilitar aos colegas que ainda não sairam da ANABB o fazerem o mais rápido que puderem, este blog só pode falar na ANABB se for para ajudar na desfiliação dos nossos colegas aposentados que ainda pertencem à essa associação.

Anônimo disse...

Colegas,

O problema da ANABB não é quem entra ou quem sai, e sim a quem estas pessoas servem. E quanto a isso nós estamos cansados de saber: servem ao BB, a PREVI, e a si próprios. Quanto aos associados o único objetivo e receber as mensalidades em dia e ludibriá-los.

Quem não percebeu como funciona, paciência, vai continuar sustentando a mordomia da Turma.

Anônimo disse...

Anonimo de 17:24,nao adianta fazer entender certos colegas, quem e a Anabb(BB,Previ...).Estao presos as açoes que o crapula diz que estao em andamento,outros presos a tratamento dentario e outros sao alienados,nao leem,nao sabem de nada que esta acontecendo,nao se interessam.Os da ativa so vao perceber quando se aposentarem e começar a doer no bolso,e alguns aposentados como eu ja disse.......
Publicar

Ivan Rezende disse...

"A nova diretoria trabalhará na defesa dos interesses do funcionalismo do BB"- Resta saber se aí estão incluidos os ex-funcionários do BB ( os aposentados e pensionistas), somente lembrados, inclusive pelo BB, quando há interesse para eles.

wilson luiz disse...

Mariano, 31 de maio às 15:35 hs., ainda não há novidades sobre a ação da AFABB/PR, pois é muito recente. Qualquer novidade que souber, informarei.

Anônimo disse...

A respeito da desfiliação da ANABB por quem tem ação judicial patrocinada pela mesma, poderia o departamento jurídico da AAPPREVI informar se pode haver algum tipo de ameaça? É realmente devido algum tipo de custo nestes processos, a maioria, como no meu caso, em fase de execução tendo já recebido o valor?

Anônimo disse...

Tenho ação "1/3 IRPF" através da ANABB e me desfiliei. Trato do assunto direto com a banca de advogados e até agora nada me foi cobrado em acréscimo, até porque já pagamos o custo, no começo. Muito oportunas as colocações do anônimos de 31.05, às 17:22hs e 17:24hs. Também penso que o novo presidente nada poderá fazer enquanto o Estatuto da Anabb PROIBIR demandar contra o Banco. Simples assim!!!

Anônimo disse...

Colegas,
A notificação da AFABB-PR à Previ, não é judicial,e sim EXTRA-JUDICIAL, dando prazo de 30(trinta) dias para cumprimento da Lei Complementar 109/2001, no que diz respeito à distriuição do Superavit acumulado.Veja a notificação completa no link a seguir:

http://www.afabbpr.com.br/afabb-pr/22042010---notificacao-extrajudicial

Marcos Cordeiro (André) disse...

Ao anônimo das 04:41 e outros (sempre anônimos).

Essa notificação, que também não dará em nada por inconsistente juridicamente, não tem nenhuma relação com o post “Vendendo Ilusões”. Quem aqui vem defendê-la deve estar a serviço da AFABB-PR, que ainda não se convenceu da besteira em que incorre. Além do que essas inserções somente me aclaram a indignação por ter sido alvo da propaganda dessa associação.
O que questiono é o folheto publicitário que recebi contendo duas aberrações: uma de cunho ético e outra de cunho jurídico.
A primeira relaciona-se ao despropósito em me convidar para fazer parte do seu corpo social, pois sabem quem sou. Sabem tanto que mandaram à Assembléia de Fundação um preposto para me convencer a desistir de cintinuar com o evento. Não o conseguindo tumultuou os trabalhos atrasando-o e quase alcançando o intento de impedir a conclusão do ato de criação da AAPPREVI. Há testemunhas.
A outra é me propor ingressar com ação judicial, através deles, para obrigar a PREVI a distribuir o superávit, quando isto também é totalmente descabido por não ter amparo legal. E me tomam por um desavisado imbecil pronto para cair em sua armadilha caça níqueis.
Por que não informam na propaganda qual o custo que recai sobre o incauto associado? Por que não agem com clareza seguindo o exemplo da AAPPREVI? Por que cobrar do associado se ele já contribui com a mensalidade? Para onde vai o dinheiro das “custas” se na petição inicial sempre recorrem à gratuidade da Justiça? Para que serve o dinheiro arrecadado pelo corpo social?
Aguardo as respostas da parte dos que são ávidos em tecer críticas ao que aqui acontece. Mas que sejam convincentes. Ou afastem-se de mim.

Anônimo disse...

Colegas,

Haveria a possibilidade de publicarem um modelo de como proceder para desfiliação da ANABB?

Grato

Marcos Cordeiro (André) disse...

Ao anônimo 04:28.

A AAPPREVI informa.

Nenhuma represália pode se consumar contra quem não quer continuar filiado a qualquer tipo de associação. Mesmo havendo vínculos processuais, estes terão seu curso normal pela contribuição pecuniária havida quando do ingresso do interessado na ação própria. Até o patrono da causa pode ser mudado a qualquer tempo.
E para desfiliação não há necessidade de recursos burocráticos. Uma simples carta registrada é elemento suficiente para dar suporte ao pedido.
Em todo caso, A AAPPREVI não é adepta ao incentivo para desfiliação.
O que todo associado deve fazer é lutar para que a entidade que escolheu trabalhe em seu benefício, dentro do que prescreve o Estatuto que a rege.
Também, toda insatisfação gerada merece reparação e cabe a quem se sentir lesado buscar seus direitos.

wilson luiz disse...

Chega ao fim o reinado de Sérgio Rosa. Sua gestão, na presidência de nosso fundo, é contraditória. Não podemos negar-lhe mérito na gestão dos ativos que garantem nossas aposentadorias; aparentemente (toc toc toc na madeira), à exceção do deslize com a BANCOOP, não se tem notícia de investimentos temerários ou nebulosos, tipo Costa do Sauípe, Hopi-Hari, SADE Engenharia, etc.
Tivesse ele consciência que a finalidade primeira de um fundo de pensão é o bem estar de seus associados, e não se curvar aos interesses do patrocinador, poderia sair como o melhor presidente que a PREVI teve. Bastaria, por exemplo, utilizando pequena parte dos sucessivos superavits, ter nos equiparado à VALIA e à FUNCEF, que estão pagando reajuste extra de 25% a seus beneficiários. Como a preocupação conosco era a última de suas prioridades, sairá do cargo odiado pelos associados, juntando-se aos outros ex-presidentes da PREVI, cujos nomes, hoje, sequer conseguimos lembrar.

Anônimo disse...

Colegas,

A bolsa de valores vem caindo significativamente no último mes, qualquer transtorno lá fora em qualquer parte do mundo interfere no mercado de ações, basta uma Coréia querer jogar uma bomba da outra que a bolsa cai, e o nosso superávit diminue, que nossos novos diretores da Previ resolvam distribuir logo os 50% livres de qualquer resolução antes que nosso dinheiro evapore como em 2008.

wilson luiz disse...

Marcos Cordeiro(André), 01 junho às 06:05 hs, quero deixar claro que, de forma alguma é minha intenção induzir quem quer que seja a se filiar à AFABB/PR; eu mesmo não sou sócio. Apenas acho que o ingresso de ação judicial é um novo enfoque do problema e que, por enquanto, devemos apenas acompanhar seus desdobramentos.
O que mais me irrita, neste impasse em que nos encontramos, é que a PREVI e o BB nos consideram velhos cordeirinhos, que devem ficar quietinhos em seu canto, aguardando a morte, para que o superavit aumente sempre e possam eles continuar com suas contabilizações bilionárias e ilegais. Não devemos aceitar isto.
Mesmo lenta, às vezes tendenciosa e até venal, a Justiça é um dos pilares fundamentais da democracia. E ela pode até nos surpreender... Quando ingressei com ação relativamente à correção dos índices dos planos econômicos, vários anos atrás, muitos disseram ser "perda de tempo" ou "desperdício de dinheiro" e que a Justiça jamais decidiria contra o Governo.Resultado: recebi quatro vezes o que a Caixa Econômica se propunha a pagar, no tal "maior acordo(ou seria maior roubo?) do mundo".
Também acho que a via judicial deve ser a última opção, quando realmente se configurar o impasse total, até para mostrarmos à PREVI e ao BB que, de forma alguma, somos velhos cordeirinhos.

Anônimo disse...

So trouxa acredita nos novos diretores.No Brasil,tudo que muda, e para pior.
Nao me iludo.
Favor publicar.

Marcos Cordeiro (André) disse...

Caro Colega Wilson Luiz.

Peço que não tome para si qualquer comentário que eu tenha feito, notadamente ao que se refere. Note que me dirigi aos anônimos, o que não é o seu caso que assina os seus textos.
Devo ressaltar que sua participação tem sido limpa e esclarecedora, o que muito honra este espaço.
Faço votos que continue prestando sua colaboração ao Blog, com essa mesma linha de conduta elogiável. Raramente sinto necessidade de tentar consertar entendimentos errôneos colocados por quem se identifica. Normalmente são colegas que não assinam o que postam que merecem interferência.

Anônimo disse...

Gostaria de pedir esclarecimento sobre um assunto que tem despertado minha curiosidade nas postagens e comentários do blog> Primeiramente peço desculpas se minha pergunta parece tola ou denota falta de atenção aos assuntos aqui tratados, mas não consegui entender ainda se o sr. Marcos Cordeiro de Andrade, Presidente da AAPPREVI, é o mesmo Marcos Cordeiro (André),. responsável pelas postagens e comentários do blog.

Marcos Cordeiro (André) disse...

Marcos Cordeiro de Andrade e Marcos Cordeiro (André) são a mesma pessoa.
Leia o post "Fato Relevante - André não é André", de 28/09/2009 e entenderá.

Marcos Cordeiro (André) disse...

A ação judicial gratuita Renda Certa foi distribuída ontem (02/06) na 44ª Vara Cível da Comarca da Capital – Rio de Janeiro sob o n° 0185131-94.2010.8.19.0001, onde já tramita a Ação Cesta Alimentação, Processo n° 0129640-05.2010.8.19.0001, de 27/04/2010, ambas já disponíveis para consulta no site do TJRJ.

Anônimo disse...

Marcos, estou repassando esta notícia que saiu no jornal Estado de Minas. Fica a seu critério publicar ou não.

Previ quer ampliar investimentos em infraestrutura

Agência Estado -

Publicação: 02/06/2010 08:51
O mais poderoso fundo de pensão do País, a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, que movimenta investimentos de R$ 142,4 bilhões, iniciou nessa terça-feira uma nova fase, com a posse de 27 novos diretores e conselheiros. O foco agora é aumentar investimentos em infraestrutura, o setor que vem aglutinando esforços do governo em torno de projetos de grandes obras. “Não vamos investir em alguma coisa que não seja produtiva ou que não dê rentabilidade para a Previ. Mas, evidente que aquilo que for importante para o País, por que não apoiar?”, diz Ricardo Flores que deixou a vice-presidência de Crédito do Banco do Brasil para assumir a presidência do fundo, uma vitória do presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine.

Bendine, que em abril do ano passado tomou posse no Banco do Brasil trocando seis diretores, também utilizou a cota de três indicações na Previ. Outros dois diretores em fim de mandato foram substituídos numa eleição. Ganhou a chapa apoiada por Sérgio Rosa, que deixou ontem a presidência do fundo. O sexto diretor, José Ricardo Sasseron, ainda está em exercício do mandato para o qual foi eleito.

A nova diretoria vai encontrar, de saída, uma negociação em andamento: a fusão entre a distribuidora paulista de energia CPFL e a Neoenergia, que controla distribuidoras no Nordeste, ambas com participação da Previ. O Grupo Camargo Correa, um dos controladores da CPFL, tem interesse em comprar a Neoenergia, um ativo calculado, conservadoramente, pela Previ, em R$ 16 bilhões. A negociação está em curso, mas, segundo fontes, com algumas exigências impostas pelo fundo.

Flores não comenta os negócios em andamento. “Ainda estamos nos inteirando das questões técnicas na Previ”, desconversa. Mas, disse ver com tranquilidade a defesa feita pela pré-candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, do uso dos fundos de pensão nos projetos de infraestrutura, alegando que a Previ é “blindada” contra ingerências políticas.
Tags: Banco do Brasil Previ infraestrutura crédito

Marcos Cordeiro (André) disse...

Valor Online (02/06/2010)
Previ vai discutir uso de superávit pelo BB

O novo presidente da Previ, Ricardo Flores, empossado ontem, admitiu que a questão do uso do superávit da Previ pelo seu patrocinador, o Banco do Brasil, consta da resolução 26 da SPC, mas é polêmica e vai ser analisado pela diretoria da fundação. "Vamos analisar este caso e buscar compreender melhor a legislação que versa sobre isto e internamente decidir o que tiver sentido para a Previ e associados." O BB contabilizou em dois balanços seguidos, de 2008 e 2008, R$ 8 bilhões, recursos oriundos do superávit da Previ. Em 2009, alcançou R$ 44 bilhões. PR

O que circula no mercado é que a indicação pelo BB do presidente da Previ e dos dois diretores estratégicos do fundo - o de Participações e de Investimentos - teria como pano de fundo esta questão de uso do superávit. Há uma corrente de participantes da Previ que é contra o superávit ser repartido com o patrocinador, pois, ao lançar mão dele, está tirando parte do benefício do participante. A nova diretoria não quis comentar essa informação.

Flores não falou muito sobre um programa de gestão da fundação. Mas se pronunciou em relação a outra questão que também mexe com o mercado: o desenquadramento da Previ na Vale e a situação da presidência do conselho da Vale, hoje presidido por Sérgio Rosa, que deixou o comando da fundação. Segundo Flores, a substituição de Rosa no comando do conselho da Vale não está em pauta. "Ele foi eleito em assembleia dos acionistas da Vale em abril para um novo mandato que vai até abril de 2011." (Vera Saavedra Durão)

Marcos Cordeiro (André) disse...

O Estado de S.Paulo (02/06/2010)
Previ pode investir mais em infraestrutura

Queremos ser atores principais e não coadjuvantes no desenvolvimento do país, disse Flores
O maior fundo de pensão da América Latina, Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, poderá aumentar seus investimentos em infraestrutura se isso for interesse do País e ao mesmo tempo atender as regras de governança corporativa da entidade, afirmou o novo presidente Ricardo Flores, que toma posse nesta terça-feira.

Sem se preocupar com possíveis usos da Previ pelo governo por entender que a entidade está blindada por uma governança corporativa madura, Flores disse que projetos para a Copa em 2014 e para as Olimpíadas de 2016 podem ser analisados como qualquer outro investimento que seja proposto à entidade.

Queremos ser atores principais e não coadjuvantes no desenvolvimento do país, disse Flores a jornalistas horas antes de tomar posse. "Se isso for interesse do país e desde que atenda aos requisitos, não vejo como excludentes (os projetos estruturantes)", completou.

Na véspera, a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, comentou em evento em São Paulo que fundos de pensão poderiam ter uma participação maior no setor de infraestrutura do país ao citar diversificação das fontes de financiamento da economia para além do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Sem a presença da imprensa, o ex-presidente da Previ, Sérgio Rosa, passa oficialmente o bilionário caixa de R$ 142 bilhões da Previ para Flores e a nova diretoria em cerimônia no final desta tarde no Rio de Janeiro.

Junto com Flores tomam posse os dois diretores indicados pelo Banco do Brasil e os dois eleitos pelos participantes do fundo. Apenas um diretor, de Seguridade, José Ricardo Sasseron, permaneceu da antiga diretoria. Marco Geovanne Tobias da Silva, que ocupava a gerência geral de Relações com Investidores do BB assume a diretoria de Participações no lugar de Joílson Ferreira prometendo dar maior visibilidade ao fundo.

Vamos dar maior transparência, como foi feito com o banco, queremos fazer mais reuniões com o mercado, disse Silva, lembrando que atualmente a Previ tem apenas uma reunião anual na Apimec.

A entidade ganhou mais fôlego para investimentos no ano passado, depois que o governo resolveu aumentar de 50% para 70% o limite das aplicações em renda variável. Mesmo assim, Flores e sua diretoria terão que lidar com casos polêmicos como o desinvestimento a ser feito na Vale, para que a Previ possa se adequar à regra de não concentrar mais de 10% do patrimônio do fundo em uma única empresa. Atualmente a Vale é o maior investimento da Previ, com peso em torno dos 20 por cento do seu patrimônio. "Isso ainda não foi avaliado", afirmou.

Conselho da Vale
Flores não decidiu também se vai assumir o cargo de presidente do Conselho de Administração da Vale. Argumentando que o mandato de Sérgio Rosa vai até 2011, Flores deu sinais de que vai esperar a decisão do ex-dirigente.

"Esse assunto ainda não foi tratado (o conselho da Vale). Existe um mandato e este mandato está em curso até maio de 2011", disse Flores. "Isso tem um rito próprio, ele (Rosa) pode pedir para sair, renunciar. Tem que ter assembléia de acionistas", explicou o executivo que preferiu generalizar o assunto.

"Não pretendemos mudar as coisas no sentido de mudar por mudar, queremos olhar o processo de maneira geral e manter aquilo que está maduro e aperfeiçoar o que puder", explicou, referindo-se também às suas outras participações em empresas. Outras questões delicadas, como o superávit de mais de 40 bilhões de reais da entidade que poderá ou não ser distribuído aos beneficiários, assim como possíveis mudanças nas participações da Previ no setor elétrico (CPFL e Neoenergia) serão avaliadas com calma, disse Flores. Funcionário de carreira, Flores está no banco há 32 anos. (Denise Luna)

Anônimo disse...

Alguem ja sabe o indice que vai reajustar nossos beneficios a partir de 01/06?
Favor publicar.

jeanne disse...

Só espero que antes de investir tanto ele distribua nosso superavit(se sobrar, é claro)rsrs.Jeanne

Anônimo disse...

Depois do podera ou nao ser distribuido....o que esperar?
Sandra

Anônimo disse...

Colega anônimo de 02/06/2010 das 09:13 este são os indices restando apenas o do mês de maio de 2010.
até agora somados estes daria um aumento de 4.76% em nossas aposentadorias e pensões para 20 de junho de 2010.
LEMBRANDO:
Falta o mês de maio de 2010.

Abr/2010 0,73
Mar/2010 0,71
Fev/2010 0,70
Jan/2010 0,88
Dez/2009 0,24
Nov/2009 0,37
Out/2009 0,24
Set/2009 0,16
Ago/2009 0,08
Jul/2009 0,23
Jun/2009 0,42

wilson luiz disse...

Mal assumiu, e o novo presidente da PREVI já está mostrando a que veio. Belo Monte, trem bala... A iniciativa privada está pulando fora, por causa da rentabilidade duvidosa, e ele quer que a PREVI entre????? Vamos ver se o Conselho Fiscal mostra algum serviço, ou se será necessário pedir liminar judicial para barrar este absurdo.

Anônimo disse...

Sai Fidel (ou Raul) Castro, entra Hugo Chaves, e o autoritarismo continua o mesmo. Continuam rasgando as leis.


Art.9o-As entidades de previdência complementar constituirão reservas técnicas, provisões e fundos, de conformidade com os critérios e normas fixados pelo órgão regulador e fiscalizador.

§ 1o A aplicação dos recursos correspondentes às reservas, às provisões e aos fundos de que trata o caput será feita conforme diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional.

Art. 20. O resultado superavitário dos planos de benefícios das entidades fechadas, ao final do exercício, satisfeitas as exigências regulamentares relativas aos mencionados planos, será destinado à constituição de reserva de contingência, para garantia de benefícios, até o limite de vinte e cinco por cento do valor das reservas matemáticas.

§ 1o Constituída a reserva de contingência, com os valores excedentes será constituída reserva especial para revisão do plano de benefícios.

§ 2o A não utilização da reserva especial por três exercícios consecutivos determinará a revisão obrigatória do plano de benefícios da entidade.

A principio só podem utilizar para aplicação nessas obras faraônicas a Reserva de contingencia ( 25%), pois a Reserva Especial, segundo a lei, já tem destinação especifica e obrigatória.
Sera que teremos que enfrentar mais um "pau mandado"?

GILVAN REBOUÇAS disse...

ATENÇÃO CAROS COLEGAS!!!

PEÇO A GENTILEZA DE TOMAREM BASTANTE CUIDADO NO MOMENTO DO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE ASSOCIAÇÃO.
EIS A LISTA DOS ERROS MAIS COMUNS VERIFICADOS POR OCASIÃO DO PREENCHIMENTO:
1 - CPF INCORRETO
2 - E MAIL NÃO VÁLIDO
3 - DATA DA POSSE EM BRANCO
4 - DATA APOSENTADORIA EM BRANCO.
5 - TELEFONE INEXISTENTE.

PODE PARECER UM DETALHE BANAL, MAS GERA UM TRABALHO ADICIONAL ENORME PARA A REGULARIZAÇÃO.


ATENCIOSAMENTE,

TESOURARIA AAPPREVI

Anônimo disse...

Colega Marcos,

Em relação a ação RMI.

Tomei posse no banco em dezembro/79 e aposentei em outubro/2007, com quase 28 anos de banco. Pelo o INSS aposentei em dezembro/2006, com 37 ANOS de contribuição, com o valor inicial de R$2.286,00. O cálculo efetuado pela Previ, NORMATIVOS ATUAIS, não considerou o valor da aposentadoria do INSS, já que para isso utilizou a Parcela Previ, como situação abaixo:
CA = SRB x T/360 - PP
CA = 4.240,70 x 333/360 - 1.552,49
CA = 3.922,65 - 1.552,49
CA = 2.370,16

Somatório dos beneficios:
SB= 2.370,16(PREVI)+2.286,00(INSS)
SB= 4.656,16

Gostaria de saber se, no meu caso, existe alguma vantagem em participar da AÇÃO RMI, em virtude ter me aposentado(INSS) com 37 anos de contrbuição. O questionamento se deve ao fato que a PREVI, naquela oportunidade, calculava o valor da aposentadoria e subtraia o valor do benefício do INSS. Caso isso venha a ocorrer no recálculo (RMI) e de acordo como a simulação abaixo eu teria prejuízo no benefício Previ, conforme abaixo:

CA = SRB x T/360 - INSS
CA = 4.240,70 x 333/360 - 2.286,00
CA = 3.922,65 - 2.286,00
CA = 1.636,65.

Gostaria de que alguém estivesse por dentro de como a Previ fazia os cálculos na época para confirmar ou não o meu raciocínio acima. É bom lembrar que a maioria se aposentavam pelo INSS proporcionalmente, com 30 anos de contribuição.

wilson luiz disse...

EL GRAN DEMAGOGO VI

É uma figura, o sr. Valmir Camilo. Anuncia que está renunciando à presidência da ANABB. Fosse coisa séria, convocaria eleições para o cargo. O novo presidente será apenas um fantoche, êle continuará mandando(ou será desmandando?) do mesmo jeito. Acho que a principal razão de seu afastamento é tentar amenizar o imenso desgaste que ele e sua associação estão sofrendo.
Sou sócio da ANABB e não pretendo me desfiliar. Concordo com as colocações do Marcos Cordeiro, de que devemos lutar por nossos direitos dentro do que prescrevem os estatutos da entidade, o que inclui tentar mudar a diretoria, futuramente. A ANABB é muito bem estruturada, e estando em mãos corretas, muito poderá fazer por seus associados.

Anônimo disse...

Wilson Luiz, estás completamente enganado. Se até hoje nada fez, como achas que ainda fará? A quem queres enganar?

Anônimo disse...

Colegas do Blog e Marcos,

Quem se aposentou antes de 12/97, tem sua aposentadoria complementada pela Previ (INSS+PREVI), sendo assim caso haja aumento do valor pago pela PREVI com a ação RMI como será processada essa questão?

Anônimo disse...

COLEGAS ELA ESTÁ DE VOLTA DIZENDO QUE "AGORA TERÁ LIBERDADE PARA OPINAR A RESPEITO DA PREVI".
POOODEEE?
SEJA BEM VINDA E BOTA TUDO PRA FORA.
VOCÉ É LIVRE AGORA.

Anônimo disse...

Colega Wilson Luiz,


As pessoas tem pontos de vista distintos e isso faz parte da democracia. Não concordo com você quanto a permanecermos sócios da ANABB para tentarmos modificá-la. Pedi minha desfiliação há mais de 2 anos e acredito que o esquema montado pelo Valmir impossibilita qualquer tentativa de mudança por parte dos associados.

Resumindo, ou se quebra as pernas da ANABB, através de uma debandada em massa, ou compactuamos com o Valmir desta farsa, de que esta associação representa os nossos interesses.

Abraços!

Anônimo disse...

Colega de 14:25 voce ainda acredita nela?Por isso e que eu digo:NAO ADIANTA!
Publicar

Ari disse...

Faço coro aos que acham que a Anabb não tem mais conserto. Aliás, nunca teve. Já nasceu equivocada por defender os interesses do BB. E na Previ e Cassi sempre conseguiu eleger chapas cujos membros eram/são peões para atender seus interesses. E ela não mudará nem agora nem jamais. Precisa ser demolida e o primeiro passo é a desfiliação em massa. Na hora em que a maioria perceber que está sendo manipulada, e nada mais recebendo em troca, certamente deixará de contribuir. Com certeza, preferirão a AAPPREVI, uma associação nova e corajosa, que já conta com três Ações judiciais pró-associados, totalmente gratuitas, e com grande possibilidade de êxito!
Felicidades a todos.

GILVAN REBOUÇAS disse...

AÇÃO RMI.

Os funcionários que ingressaram no Banco do Brasil até 03/03/1980 e se aposentarem posteriormente, tiveram o valor da complementação calculado com base nos novos estatutos que vigoraram a partir de 1980. Anteriormente, vigoravam os estatutos de 1967 que previam um cálculo de benefício maior do que o de 1980 e posteriores. Assim, os aposentados que tiveram suas aposentadorias calculadas pelos estatutos de 1980, tiveram prejuízo.
Cabe aos colegas que se encontram na situação descrita acima analisarem as duas metodologias de cálculo e fazerem suas contas. Todos os escritórios de advocaciam que estão patrocinando esse tipo de ação são unânimes em apontar as perdas. A APPREVI não tem como fazer cálculo individualizado para cada colega.
Da mesma forma aconteceu com os demais colegas que entraram após 03/03/1980 e se aposentaram depois do estatuto de 1997.


Atenciosamente,

Gilvan Rebouças - Tesouraria AAPPREVI.

jeanne disse...

Colegas, eu tenho a mesma dúvida do anonimo acima sobre a ação de RMI.Eu me aposentei por invalidez e o meu INSS é maior que a minha complementação da Previ.como vou saber se será vantajosa ou não para mim entrar com esta ação?Eu tomei posse em 88 e o meu estatuto seria o de 80.

BRUNO BAUMGARTEN disse...

Jeanne,

Isso é bem fácil de saber. Faça o seguinte: De posse da sua memória de cálculo execute essas contas:



SRB - PARCELA PREVI = COMPLEMENTO A SER PAGO PELA PREVI.

COMPLEMENTO PAGO PREVI + VALOR DO INSS( NA ÉPOCA DA APOS) = VALOR DO BENEFÍCIO.


SE O SEU BENEFÍCIO(PREVI + INSS) FOR MENOR DO QUE O SRB ENTÃO TEVE PERDAS.

Obs: SRB = Salário Real de benefício (já corrigido)

Anônimo disse...

Pessoal,nao tem modelo de desfiliaçao.E so entrar no site da Anabb e solicitar,o unico problema e que tem que insistir,pois ficam informando que a solicitaçao ja foi enviada para o setor e bla bla bla.
Entao, insistam,reiterem,tirem copia dos pedidos.
Favor publicar.

Anônimo disse...

Sera que ainda vai ter colegas frequentando o outro blog e se permitindo ser enrolado,enganado novamente?Ja tem colega dando boas vindas.....eta povinho de memoria curta!
Publique-se

Marcos Cordeiro (André) disse...

Pedi permissão para publicar "a carta" do Holbein, que era outra. Mas esta é tão boa quanto ela, por isso publico enquanto aguardo a anterior:

Colega Marcos Cordeiro,

se a "carta" a que você se refere é esta a seguir, está autorizado a divulgá-la; mas se é a outra mensagem, por favor indique-ma qual.

Fraternal abraço do

Holbein Menezes.




De Holbein Menezes,Fortaleza.

Transcrevo: do Raposo para o Lago Neto: "Você acha que a FAABB e suas filiadas conseguiram ser SUFICIENTES E EFICAZES na defesa dos interesses dos aposentados e pensionistas?
Se sim, por que continuamos a ser "usurpados" cada vez mais em termos de CASSI e PREVI?
Se não, isso não é prova cabal de que essa estrutura contém falhas e vícios que não a fizeram/permitiram funcionar como era necessário?"


Ora, a pergunta cai na idiossincrasia pseudocientífica: se está nublado, logo vai chover; e quase sempre não chove... cá no Ceará.

Isso não é compreensão dialética de um fenômeno em movimento; meus 87 anos ensinaram-me que na Natureza nada é, tudo pode vir a ser; isto é, as coisas acontecem na conformidade da correlação de forças em momentos dados. Não é pois pelo fato de "a FAABB e suas filiadas" serem "suficientes e eficazes na defesa dos interesses dos aposentados e pensionistas" que deixemos de ser "..."usurpados" cada vez mais em termos de CASSI e PREVI". Essa relação de causa e efeito de caráter positivista - ordem e progresso - atrapalha mais que ajuda.

Ainda que importantíssimas, não são organizações estruturadas que resolvem; fossem, Hitler não teria perdido a guerra pois o nazisamo foi a organização mais monolítica e operativa que a Humanidade conheceu; e começou a perder a guerra no exato momento em que começaram a surgir os desestruturados movimentos guerrilheiros, espontâneos, inarticulados, desaparelhados, imprevisíveis etc. Porque o movimento guerrilheiro representava o "novo" no cenário estático dos exércitos em batalha; um elemento novo que não foi devidamente considerado pelos generais formados pelos manuais acadêmicos.

A todo-poderosa União Soviética e seus tentáculos internacionais ideológico do Kominform, começaram a desmoronar no instante em que os "teóricos de fachada" deixaram de observar o surgimento da burocracia proletária consubstanciada nos calhamaços "planos quinquenais", "planos" que não passavam dos desejos dos mandachuvas, estabelecidos em papel. Com base nessa perspectiva escrita, Stalin estabeleceu a data da derrocada do capitalismo, no que foi acompanhado pela "clarividência" de Mao-tse-tung que chegou a estabelecer mês e dia.

De repente, e eis que de repente, no auge do aparente poder, apenas um bêbado no Kremlin implodiu todo aquele aparato! Mas esse bêbado não fora o Yashin, a sua pessoa física; a implosão se deveveu à realidade subterrânea mas concreta de que a burocracia partidária, o peleguismo, houvera tomado o lugar dos próprios partidos... comunistas! E nem o PCUS russo nem o PCC chinês deram-se conta disso.

Aqui no Brasil corre-se o sério risco de o peleguismo acabar com o movimento sindical, como, aliás, já o enfraqueceu de forma tão profunda quão fatal, como se observa. A eleição do Lula representou o ápice do poder peleguista. Por isso que, se as associações de funcionários ou trabalhadores, se elas abandonarem o vício do uso do cachimbo que abortou a figura horrenda do "líder sindical", e buscarem formas de luta originais e criativas, poderá surgir a tendência para a vitória de nossas velhas e novas reivindicações.

E, no meu ver e no do Paim (obrigado, Paim!), o "novo" em nosso movimento reivindicatório de aposentado da PREVI, pode estar, repito, pode estar na força oculta que temos, representada pelos quase 50 milhões mensais de depósitos que não rendem juros, compulsoriamente depositados nos cofres do nosso ex-patrão!

Banqueiro só é sensível a dinheiro!

Holbein, o utópico?

Marcos Cordeiro (André) disse...

Nossa mensagem de hoje:


Jogo da Vida

"No jogo da vida, precisamos treinar muito e jogar bem.
Se nosso time sabe o que fazer em campo, sem se importar com a torcida contrária, a vitória desenhada nos vestiários,
se tornará uma realidade.
É preciso, porém muito cuidado com os cartões vermelhos, é tudo o que o adversário deseja para os nossos atletas.
No jogo da vida o importante é não se preocupar com o placar (pois podemos estar perdendo), e não se preocupar
com os ataques do outro time, mas fazer "os gols" necessários para a conquista da vitória.
Saber viver, saber enfrentar as pressões do dia-dia, saber driblar as dificuldades e olhar firmemente para o objetivo,
deve ser o alvo de todo aquele que caminha, que corre, que se leve, que vibra nos gramados da vida."(Pe.Marcello Rossi)


Nosso time é vitorioso !!!

Abraços a todos da AAPPREVI.
Jane.

Anônimo disse...

Ao Gilvan Rebouças (Tesouraria): a PREVI colocou um prazo de 10 dias para atender minha solicitação do documento "memória de cálculo do valor inicial do benefício". É possível esperar esse tempo para participar do primeiro grupo da ação "RMI" ?

Ricardo Annoni Neto

Mariano disse...

Colega Bruno Baumgarten,

Aposentei em 10/96, a memória de calculo foi emitida em 21.02.97.
Não vejo onde encontrar SRB.

Na memória que estou d posse conta:

Por exemplo:

Valor do benefício do INSS..297,20
Valor do complemento......2.203,80
Valor mensal global.. 2.501,00

Beneficio global(Previ+Inss)
apurado.....30x30,....... 1.723,00

Não localizei nenhuma denominação SRB.

Tomei posse em 1965 e aposentei em 1996 (31 anos de BB). Como verificar se o Previ+Inss é < que o SRB.

Desde já agradeço a tenção dispensada,

Abraços Mariano

GILVAN REBOUÇAS disse...

Ricardo,

Nós sabemos da dificuldade em se obter essa memória de cálculo junto a PREVI, portanto fique tranquilo que o tempo para o ingresso da RMI vai ser dilatado para atender o maior número de colegas que se encontram na mesma situação.



Tesouraria - AAPPREVI

BRUNO BAUMGARTEN disse...

Mariano Branquinho.

SRB significa Salário Real de Benefício. No seu caso não vai aparecer mesmo na sua memória de cálculo, pois o colega aposentou-se antes da implantação do estatuto atual(1997).
Pelos dados de sua posse e aposentadoria o colega é do grupo pré-67, um dos que mais foram logrados. O estauto de 1980 reduziu bastante o cálculo da aposentadoria. Nem precisa ser feito cálculos aqui para saber que tens direito a essa revisão e com aumento do seu benefício incial.

Mariano disse...

Colega Bruno,,

Muito obrigado pela informação. Que DEUS te conserve assim , ajundando aos menso esclarecidos. E vamos de mãos dadas sempre lutarmos por nossa AAPPREVI. Um dia chegaremos lá.
Conte sempre comigo.

Abraços
Mariano Branquinho

Anônimo disse...

Que me desculpe o colega Mariano Branquinho mas vou pegar carona no seu comentário acima (04.06, 15:22) para também agradecer ao paciencioso e dedicado Bruno pelos seus esclarecimentos. Também sou dos "antiguinhos" e as informações acima servem como uma luva para as minhas dúvidas. Obrigado aos dois e um grande abraço. Vamos torcer (e lutar) por alguma solução favorável às nossas aspirações, ainda nesta encarnação.

Ricardo Annoni Neto

jeanne disse...

Obrigada Bruno, vou verificar.Jeanne.