quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Descascando o abacaxi

Caros Colegas.

Somos tratados como ingênuos porque ingênuos nós somos. Há coisas que desconfiamos ser erradas, mas teimamos em aceitá-las como corretas ou, na melhor das hipóteses, as deixamos de lado para não ter o trabalho de analisá-las. E assim segue o barco. Estamos com um abacaxi nas mãos e fazemos de conta que não sabemos como descascá-lo sem machucá-las, quando podemos fatiá-lo como uma melancia e comê-lo como se fosse uma – para saboreá-lo não há que se lhe tirar a casca - pode-se comê-lo de dentro para fora.

É lamentável admitir que mais uma vez vamos morrer na praia. Três anos se passaram e nos deixamos levar pela morosa correnteza formada artificialmente pelas duas forças que nos mantiveram acreditando que chegaríamos a tempo. E por isto deixamos de dar braçadas vigorosas para apressar a chegada. Ao invés de nos impulsionar, essas forças retardavam nosso avanço. E agora, avistando a faixa de chegada, nos damos conta de quão ingênuos nós fomos, pois não chegaremos a tempo de festejar coisa alguma.

Mais uma reunião aconteceu para eles. E nada aconteceu para nós. Nem acontecerá mais como era esperado. Nos enrolaram tanto, nos traíram tanto que conseguiram nos alijar do páreo da distribuição do superávit ainda neste ano. E nem ao menos outra reunião marcaram. Também para quê? Já conseguiram o intento nos fazendo de idiotas mais uma vez. E mais uma vez avoco a figura dos três macacos sábios: nossos “representantes” nada viram, nada ouviram, e nada dizem.

Persiste a condenável e repetida postura de guardar para si o conhecimento do desenrolar do “evento”. Falo com conhecimento de causa, como se ali tivesse estado: ao término da reunião e antes das tapinhas nas costas, sob risos marotos é lançada a recomendação fatal – nada se divulga. Como se dissessem: já temos o que queríamos, agora é guardar o que sabemos e deixar os otários a ver navios. Basta divulgar abobrinhas e eles que lambam os beiços.

O pior de tudo é que o tempo acabou e nada nos deram, nem nos darão do jeito que tudo caminha. Quem não se lembra de quando substituíamos um comissionado, principalmente um administrador de agência? Nada inovávamos, nenhuma decisão importante era tomada, por quê? Porque não nos arriscávamos a mudar nada nem decidir nada, pois era temeroso e antiético desagradar ao titular na sua volta. E porque corríamos o risco de ter que responder pelo insucesso de uma decisão tomada em incursão na seara alheia.

A partir de segunda feira todos os postos estarão sendo ocupados por interinos, em todos os Órgãos que cuidam da distribuição do superávit. Muda o governo e, seja qual for o lado vencedor, obviamente mudarão a Presidência do Banco, da PREVI, da PREVIC, enfim, de tudo que nos diz ou dizia respeito. Só restarão substitutos até a posse dos eleitos, os novos donos do pedaço. E nós?

Nós continuaremos chupando os dedos embalados na ingenuidade que acalentou nosso sonho, agora transformado em pesadelo graças aos “nossos” insensíveis e incompetentes representantes.

Que Deus nos acuda!

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 28/10/2010

63 comentários:

Anônimo disse...

O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará. Deitarme faz em verdes pastos, guia-me a águas tranquilas. Ainda que eu andasse pelo vale das sombra da morte, não temeria mal algum. Porque tu estás comigo a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas uma mesa para mim, na presença dos meus inimigos, o meu cálice transborda. Certamente que a tua bondade e misericordia, me seguirão todos os dias da minha vida. e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Anônimo disse...

Caro Marcos,
Gostaria de uma postura sua em relação ao seguinte: ... " e se nós declinássemos o BB, junto à COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, face apropriação indevida de 6 milhões de reais, já que os 8 mi estão na legalidade.
Assunto este já na imprensa divulgado pelo MORGAN STANLEY e curiosamente contratado a peso de ouro puro, para consultoria, junto à PREVI. Extremamente curioso.
Fica a minha eterna indignção.
Não sou muito velho - tenho quase 59 -, mas já fiz ANGIOPLASTIA, e recentemente, recentemente mesmo fiz uma mamária e duas safenas. AInda estou em recuperação.

sergioinocencio disse...

Marcos,

essa foi uma das perguntas que não teve resposta, mais pelo jeito, n ão precisa:
se o superavit não for distribuido até o fim do ano o que acontece???
ja sei a resposta: NADA.
infelizmente para nós, e como o ano começa, tem carnaval e outras coisas mais, só la pra maio/junho talvez alguem se interesse em voltar a conversar, mais um ano perdido .
é de lamentar.

Lázara Rabelo disse...

Caro Marcos,

Apesar das dificuldades enfrentadas, não vamos desanimar, esmorecer, abaixar a cabeça, acreditar que já perdemos, que os poderosos sempre vencem. Não é bem assim, somos várias cabeças pensantes, há de surgir alguma idéia que nos ajude a sairmos desta armadilha. Faremos o que for preciso para não deixar que nos passem a perna. A Renda Certa (Roubo Certo) foi a gota d'água. Chega de nos ludibriar!
Observe, o Blog crescendo e outros Blogs de colegas também surgindo, sinais claros de que está havendo maior conscientização e busca por direitos.
Muito estranha esta enrolação do Banco/Previ em nos devolver os 50%. Se estão pensado em nos roubar mais de 50%, vamos de ter de contratar não só advogados mais também detetives/investigadores profissionais para descobrirmos para onde vai e quem está querendo tanto dinheiro.
Vamos nos manter unidos e fortes!

Abraços,

Sigismundo Borges disse...

Prezado Marcos

Após ler o artigo "descascando o abacaxí", na humilde tentativa de ajudar, faço as seguintes considerações:
1- em sendo ajuizada "ADIN" junto ao STF, dois aspectos favorecem os aposentados/pensionistas: serem idosos e os mais novos, terem sido aposentados por invalidez (doenças graves, incuráveis);
2- os interessados na solução da distribuição do superávit/PREVI, envolve DEZENAS DE MILHARES DE COLEGAS E SEUS FAMILIARES. Será que NÃO EXISTE NESSA IMENSA COMUNI-DADE NENHUM COLEGA OU UM PARENTE (por consanguinidade ou afinidade),
que tenha conhecimentos jurídicos suficientes e que, profissionalmente, queiram defender
essa ação judicial? E se alguns desses parentes forem, por exemplo, Magistrados, Ministros de Tribunais, Professores e Doutores de Universidades, que possam ajudar-nos OFICIOSAMENTE, com subsídios jurídicos?
3- se NÃO AJUIZADA A "ADIN", com a MAIOR BREVIDADE POSSÍVEL, todos nós não iremos, NOVAMENTE, incorrer no mesmo erro do tempo que
perdemos neste ano? Pelo que pude presumir do seu artigo, colega Marcos, a resposta é sim!
4- a última ilação que faço: se fôrmos VITORIOSOS NA AÇÃO JUDICIAL,
A CONTABILIDADE, OS RESULTADOS SEMESTRAIS (BALANÇOS OCORRIDOS) DO BANCO COMO FICARIAM???TERIAM REFLE-
XOS RETROATIVOS???. SENDO AS RESPOSTAS AFIRMATIVAS, A "DOR DE CABEÇA", O "SAMBA DO CRIOULO DOIDO"
QUE O BANCO PODERÁ VIR A ENFRENTAR E "DANÇAR" SERÁ DESGASTANTE!
Que as Entidades que prezem pela honestidade, justiça e que, verdadeiramente estejam interessadas em DEFENDER OS DIREITOS DOS APOSENTADOS/PENSIONIS-
TAS DA PREVI, como a AAPPREVI, apresentem esta humilde e despretensiosa colaboração, se a acharem útil, PARA QUE AS SUGESTÕES
SEJAM ANALISADAS POR PROFISSIONAIS
QUE VERDADEIRAMENTE ENTENDAM DOS ASSUNTOS, DAS IDÉIAS SUGERIDAS!.

Prezado Marcos, que não desanimemos
nunca!. Muita paz e saúde para todas nós!.

Sigismundo Borges disse...

Prezado Marcos

Após ler o artigo "descascando o abacaxí", na humilde tentativa de ajudar, faço as seguintes considerações:
1- em sendo ajuizada "ADIN" junto ao STF, dois aspectos favorecem os aposentados/pensionistas: serem idosos e os mais novos, terem sido aposentados por invalidez (doenças graves, incuráveis);
2- os interessados na solução da distribuição do superávit/PREVI, envolve DEZENAS DE MILHARES DE COLEGAS E SEUS FAMILIARES. Será que NÃO EXISTE NESSA IMENSA COMUNI-DADE NENHUM COLEGA OU UM PARENTE (por consanguinidade ou afinidade),
que tenha conhecimentos jurídicos suficientes e que, profissionalmente, queiram defender
essa ação judicial? E se alguns desses parentes forem, por exemplo, Magistrados, Ministros de Tribunais, Professores e Doutores de Universidades, que possam ajudar-nos OFICIOSAMENTE, com subsídios jurídicos?
3- se NÃO AJUIZADA A "ADIN", com a MAIOR BREVIDADE POSSÍVEL, todos nós não iremos, NOVAMENTE, incorrer no mesmo erro do tempo que
perdemos neste ano? Pelo que pude presumir do seu artigo, colega Marcos, a resposta é sim!
4- a última ilação que faço: se fôrmos VITORIOSOS NA AÇÃO JUDICIAL,
A CONTABILIDADE, OS RESULTADOS SEMESTRAIS (BALANÇOS OCORRIDOS) DO BANCO COMO FICARIAM???TERIAM REFLE-
XOS RETROATIVOS???. SENDO AS RESPOSTAS AFIRMATIVAS, A "DOR DE CABEÇA", O "SAMBA DO CRIOULO DOIDO"
QUE O BANCO PODERÁ VIR A ENFRENTAR E "DANÇAR" SERÁ DESGASTANTE!
Que as Entidades que prezem pela honestidade, justiça e que, verdadeiramente estejam interessadas em DEFENDER OS DIREITOS DOS APOSENTADOS/PENSIONIS-
TAS DA PREVI, como a AAPPREVI, apresentem esta humilde e despretensiosa colaboração, se a acharem útil, PARA QUE AS SUGESTÕES
SEJAM ANALISADAS POR PROFISSIONAIS
QUE VERDADEIRAMENTE ENTENDAM DOS ASSUNTOS, DAS IDÉIAS SUGERIDAS!.

Prezado Marcos, que não desanimemos
nunca!. Muita paz e saúde para todos nós!.

Anônimo disse...

Vamos para a imprensa pessoal, vamos para revista Veja, televisão, todos os meios de comunicações denunciar o Banco do Brasil, a Previ, ANABB!
Estamos fartos de enganações.Vamos denunciar os ordenados desses marajás safados, ladrões.
Jamais votarei nas eleições da Previ, anabb.

Anônimo disse...

Marcos. o banco gosta de empurrar com a barriga não só isso mas ações trabalhistas. Cambada de safados.

Anônimo disse...

Sugiro aos colegas, assiduos como eu nas noticias divulgadas no NOSSO blog PREVI PLANO 1, uma atenta leitura no blog do Medeiros
Titulo = ESPERANÇAS RENOVADAS -

Pelo menos eu, otimista incorrigivel, fique bem mais animado - .

Marcos, avante, nao esmoreça -
Um lider de seu naipe jamais deixa a peteca cair.
Contamos muito com vc.

Anônimo disse...

Verdade colega anonimo.Eu li o blog do medeiros e acho que ele esta sabendo de alguma novidade mas não pode nos contar.

mariano branquinho disse...

Marcos, vamos analisar a proposta de Sigismundo Borges, submete-la ao nosso serviço juridico e tomarmos outra iniciativa. Vamos acionar a justiça.CVM, MP. PF. OAB.,DH.,Orgãos Internacionais,CNBB, etc. não podemos mais ficarmos sendo enrolados o tempo todo.Vamos em frente.Todos juntos. Se houver despesas, que sejam rateadas entre nós socios da AAPPREVI.

antonia disse...

Marcos,
O que É mais incrível é que todas essas entidades, inclusive a AAPPREVI, tem advogados a serviço de suas ações ajuizadas e porque esses advogados não nos esclarecem a respeito da Resolução ser ou não passivel de ADIN?.

Anônimo disse...

Vou dar minha opinião, posso estar errado mas:

- não havendo distribuição do superávit do final de 2009(relativo aos anos 2007, 2008 e 2009) o mesmo entra na apuração do superávit de 2010 (da mesma forma que aconteceu em 2007 quando na distribuição do superávit de 2006 - referente a 2005, 2005 e 2006 - ficaram ainda pendentes R$ 12 bilhões da reserva especial para revisão do plano que foram incorporados ao superávit do ano de 2007.

E daí podemos tirar algumas conclusões:

1 - está em curso uma nova avaliação de ativos (principalmente a participação da PREVI na Vale) que deverá ocorrer até o final de 2010 e que impactará (positivamente) o superávit de 2010.

2- como sabem o BB somente divulga seu balanço anual lá pelos meados de março de cada (neste caso março de 2011) após a divulgação do balanço de 2010 da PREVI. Buenas aí fica fácil entender a jogada. Superávit não distribuído mais reavaliação de ativos É IGUAL: A NOVA GRANDE CONTABILIZAÇÃO PELO BB NO BALANÇO DE 2010 (a ocorrer nas demonstrações contabéis do 4º trimestre de 2010). E isto com o amém de "nossos representantes". E dê-lhe PLR, dividendos para o governo, etc. Por isso, penso, que final de novembro é o "TEMPO "D"". Até alí nada de distribuição: JUSTIÇA na hora, sem pensar. E o primeiro pedido judicial é o bloqueio de todo o superávit de 2009, não somente do valor da reserva especial para revisão de plano.

Anônimo disse...

O acesso à justiça é um direito constitucional.
Não entendo porque as entidades representativas AINDA não ajuizaram ação para forçar a implementação do rateio de valores que são nossos, por força de lei (L.109). Uma simples resolução (26)não tem o condão de derrubar uma lei federal. Este é o princípio constitucional da hierarquia. É claro que as resoluções regulamentam a lei (quando há previsão legal para tanto); mas elas não podem, NUNCA, ir de encontro ao próprio texto da lei, como é caso da Res. 26.
Qual o prejuízo de ajuizar-se a ação? Nenhum.
Pelo contrário, a ação em curso viria a funcionar como um mecanismo de pressão para forçar a negociação, uma vez que a transação pode acontecer a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição.
Com a ANABB e a AAFBB eu não conto. Não acredito nelas. Ambas têm fins políticos.
E a AAPREVI? Ela surge como uma esperança... Será mesmo? Quero muito continuar a acreditar nisso!
"O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniqüidade."
Salmos 125:3
F.Britto

jvasconcello disse...

Estimado Colega Marcos.

Fim da Linha. eu acredito, que estes ,corruptos, somente conhecerão a dignidade e o respeito pelo ser humano, quando um MALUCO explodir a casa de um deles ou de tudos ELES,, LEMBRAMOS DA FRANÇA, MARIA ANTONIETA ,FEZ TANTAS que sabemos como acabou.
Não prego a violencia, mas o QUE ESTES DIRETORES,ESTES ADMINISTRADORES DO DINHEIRO NOSSO,TERÃO QUE ARCAR COM SUAS IRRESPONSABOLIDADES....ARCARÃO???? TENHO FÉ...
jVasconcellos

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Caro Marcos Cordeiro,
Acabei de ler a mensagem do blog do Medeiros. Não entendi uma coisa: quer dizer que existem recursos do superavit e extra-superavit? Sobre a distribuição do superavit, a Previc já disse que só pode ser feita de acordo com a resolução 26. Então, a negociação se daria em cima de recursos que estariam fora do superávit (recursos ou reservas já existentes na Previ). Sinceramente, não entendi direito as explicações e pediria que algum colega mais versado no assunto pudesse nos explicar essas possibilidades colocadas pelo Medeiros.
Outro aspecto que não entendi: é necessário tanto segredo sobre o que pode ser negociado? Porque não se pode fazer essas negociações mais às claras?

Anônimo disse...

COLEGAS, pq nao consultamos o sind bancarios de brasilia-DF,que entrou contra a res. 26. Devem ter embasamentos suficientes para nos ajudar. E outra, que podemos esperar, o BRADESCO teve este lucro fantastico. O BB vai querer perder?Acho q vem mais uma contabilização por conta do superavit.....

Anônimo disse...

Marcos, com relação a sua nota Descascando o abacaxi, discordo parcialmente do último parágrafo, ao se referir aos "nossos" representantes.


"Nossos" representantes até podem e são realmente insensíveis, mas incompetentes eles não são. Nós é que somos incompetentes.

Eles tem seus objetivos, maquiavélicos mas tem, e alcançam seus propósitos a qualquer preço, custe o que custar. E isso já vem de décadas.

Quantas mensagens foram postadas alertando sobre a necessidade de se recorrer a justiça. Muitos foram contra.

Questionaram o porque dessa atitude "drástica", que leva tempo e outras considerações que colegas aqui se manifestaram em defesa da negociação que já mostrava ser infrutífera por antecendência, devido aos antecedentes de seus negociadores.

Depois de tantos mandos e desmandos, depois da distribuição malfadada do último superavit, alguém ainda tinha esperança de uma negociação em condições normais com essa turma?
Foi como você disse. Foi muita ingenuidade.

A dona Isa esta maniatada. Sem voz e expressão, apesar de comandar uma Federação.
Infelizmente ela não tem representatividade que deveria ter junto ou a frente desses "nossos" representantes.

Não tem ascendência e tampouco é respeitada. Pode ter boa vontade, mas isso não é o suficiente para fazer frente a essa súcia que tomou contas das nossas associações "representativas".

Não podemos contar com ela e nem com seus pares, infelizmente.

Em suas notas explicativas a gente tem a impressão que ela esta em dúvida. Com relação uma possível ADIN as suas informações a respeito são incompletas e deixam a desejar.

Não vou afirmar categoricamente, entretanto, tenho a impressão que ela esta em cima do muro. Pelo menos é o que eu percebo de suas informações neste blog. Espero que eu esteja enganado e seja apenas uma falta melhor de se saber comunicar. Entretanto, as dúvidas são enormes.

Vejam vocês que nessa altura do campeonato com tanta gente cobrando uma ação judicial há muito tempo agora que ela vai consultar o jurídico dessa viabilidade.

Quem administra procura se inteirar de todas as variáveis possíveis para se estar preparado para qualquer tipo de evento que não nos favoreça, e que cheira a "maracutaia". É mister estar preparado.


Marcos, incompetentes somos nós, infelizmente.

Anônimo disse...

Caros colegas de luta,

Sou da opinião que agora devemos partir para todas atitudes extremas. Chega de dar mais chance ao azar. Tentamos negociar e deu no que deu. Agora ADIN NELES !!!!

Anônimo disse...

Leiam o blog do Dr Medeiros
http://www.medeirosrs.rg3.net/
Ali tem notícias mais consistentes a respeito do Superavit.

Anônimo disse...

Por pouco que sejam suas economias SAIAM DESSE BANCO GENTE!

Anônimo disse...

Art. 103. Podem propor a AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE e a ação declaratória de constitucionalidade: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
I - o Presidente da República;
II - a Mesa do Senado Federal;
III - a Mesa da Câmara dos Deputados;
IV a Mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
V o Governador de Estado ou do Distrito Federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
VI - o Procurador-Geral da República;
VII - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
VIII - partido político com representação no Congresso Nacional;
IX - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
§ 1º - O Procurador-Geral da República deverá ser previamente ouvido nas ações de inconstitucionalidade e em todos os processos de competência do Supremo Tribunal Federal.
§ 2º - Declarada a inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma constitucional, será dada ciência ao Poder competente para a adoção das providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-lo em trinta dias.
§ 3º - Quando o Supremo Tribunal Federal apreciar a inconstitucionalidade, em tese, de norma legal ou ato normativo, citará, previamente, o Advogado-Geral da União, que defenderá o ato ou texto impugnado.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Repassando, para conhecimento:

Marcos,

Notícia no site do SEEB - Rio.

Eduardo

http://www.bancariosrio.org.br/noticias1.php?id=9293

Anônimo disse...

Colegas, lendo o blog do nosso colega Medeiros, temos nossas esperanças renovadas.
Realmente o Medeiros sabe de alguma coisa a mais.

Esclareçam-me por favor a respeito dos realinhamentos, conforme informado naquela Blog.

""Ficam de fora, portanto, os chamados realinhamentos do plano 1,que deverão ser equacionados diretamente com o BB, Ministério de Planejamento e Fazenda.""

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

Colegas,

Trecho extraido do Blog do Medeiros:

"Soube, por fontes diversas, que infelizmente não posso divulgar, como transcorreu a reunião de ontem, na PREVIC, que durou das 16,00 às 19,00 horas. Participaram: Sasseron, pela Previ; Ricardo Pena, pela Previc; Neri pelo BB; Valmir Camilo, pela ANABB; Eduardo, pela Contraf/CUT e Celia pela AAFBB."


PRECISA DIZER MAIS ALGUMA COISA, OLHEM QUEM ESTAVA NOS REPRESENTANDO, Sasseron, Ricardo Pena e Valmir Camilo, só faltou o capeta para completar o time. Esqueçam superávit com estes tipos, sinto muito, só teremos más notícias.

Se não entrarmos na Justiça questionando a constitucionalidade da Resolução 26, o Valmir vai ficar mais um 10 anos apresentando propostas ao Banco e fazendo sorteios de automóveis com o dinheiro dos colegas que insistem em continuarem sócios da ANABB.

Anônimo disse...

Após tomar ciencia da noticia veiculada no site do sindicato dos bancários do Rio, chegamos à conclusão que a medida certa ewtá para acontecer. Vamos pedir a inconstitucionalidade da Resolução 26 ( parcial ou total).
Estão tirando da Previ ( recursos nossos) para custear a foha de pagamento.
E nós?

Anônimo disse...

Como pode um Resolução estar acima de uma Lei Complementar? É só no Brasil messssmo!....
Segundo o informado pelo anônimo do dia 27 - 17:10 hr, "a redação
dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004, ítem IX, podem as Entidades de Classe de Âmbito Nacional, caso da AAPPREVI, ANABB, FAABB, AFABB, propor Ação Direta e Inconstucionalidade. Então...."pau neles"....seremos vitoriosos.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

COMUNICADO da AAPPREVI

A AAPPREVI oficializou consulta a um renomado Escritório de Advocacia do Rio de Janeiro acerca da possibilidade/viabilidade do patrocínio, da nossa parte, de Ação de Inconstitucionalidade (ADIN) em função da Resolução 26.
O pedido foi acompanhado de todos os elementos de que dispomos inclusive pronunciamentos abalizados registrados no Blog Previ Plano 1.
Portanto, aguardamos o resultado dos estudos em andamento, juntamente com o posicionamento da FAABB igualmente consultada a respeito do assunto, para a adoção das medidas ao nosso alcance.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade

Anônimo disse...

Sr. Marcos Cordeiro,

Milhões de parabéns pelo encaminhamento da questão res.26 ao parecer de renomados advogados.
Salve lúcida decisão!
Se para lá ou para cá, se parece mas não é, teremos pelo menos uma indicação de caminho a ser trilhado.
É por estas e outras que me mantenho associado da AAPPREVI.
E Viva a Vida!

Anônimo disse...

Na reunião na Previc só ficaram de fora o Beira Mar, Alcapone, Alibabá e seus 40 assessores, porque o resto... Como confiar nossas economias a essa corja?

Anônimo disse...

Anonimo, me explique melhor: Como custear a folha de pagamento?
Eles estão embolsando o que é nosso. Cambada de GOLPISTAS

Anônimo disse...

êta blog porreta! aqui a decepção torna-se inferior à informação e à atitude.

Anônimo disse...

Colegas.
Pode-se verificar pelas palavras do Doutor Medeiros,que a Presidente da Federação não estava Presente na Reunião com a Previc.

Será que ela não é mais uma das pessoas como nós que não sabe de nada,apenas estão usando ela para pacificar o que os grandes SAFADOS DO PODER vão colocar na PROPOSTA´.

Aí tem cheiro de mentiras e mais mentiras,é verificar os próximos passos?.

Não resta dúvidas que o Doutor Medeiros sabe mais do que pronunciou,mas também vai guardar esse trunfo junto com seus "DOTES DE ADIVINHO".

Anônimo disse...

"Há pessoas que desejam saber só por saber, e isso é curiosidade; outras, para alcançarem fama, e isso é vaidade; outras, para enriquecerem com a sua ciência, e isso é um negócio torpe: outras, para serem edificadas, e isso é prudência; outras, para edificarem os outros, e isso é caridade". S.Tomás de Aquino

Anônimo disse...

Quer dizer então, que a Sra. Isa Musa não participou da reunião do dia 27 na Previc? Por que?

Blog do Ed disse...

Prezado colega Marcos Cordeiro

Aplausos entusiásticos, entusiásticos mesmo,à sua decisão de consultar banca de advogados credenciada, a respeito da legitimidade da Resolução 26. Espero que os nossos representantes (gostaria mais que eles fossem delegados nossos)aguardem esse parecer e só aceitem prosseguir nos entendimentos (não aceito que sejam negociações)com a Previ, o Banco do Brasil e o Governo, após o pronunciamento desses profissionais do Direito.
Parabéns.
Edgardo Rego

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

NOTA da AAPPREVI

Caros Colegas,

A AAPPREVI agradece à FAABB pelo ressarcimento integral das despesas de viagem (vôo ida e volta) havidas com a participação dos seus Presidente e Vice Presidente na reunião do dia 17/10, em Brasília(DF). Os dados das contas foram omitidos para publicação desta Nota e as saídas e chegadas contemplaram as Cidades onde residem os Dirigentes:

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba/Brasília e Brasília/Curitiba;
Ari Zanella – Joinville/Brasília e Brasília/Joinville

Banco do Brasil S.A.
Auto-Atendimento
Transferência entre contas correntes
28/10/2010 12:05:10
----------------------------------------------------------------------
Debitado
----------------------------------------------------------------------
Agência:
Conta corrente: FED ASS APOSENT PENS BB

----------------------------------------------------------------------
Creditado
----------------------------------------------------------------------
Agência:
Conta corrente: ARI ZANELLA
Data: Nesta data
Valor: 933,04

======================================================================
Transação efetuada com sucesso por: ISA MUSA DE NORONHA
----------------------------------------------------------------------
Debitado
----------------------------------------------------------------------
Agência: 1614-4
Conta corrente: FED ASS APOSENT PENS BB

----------------------------------------------------------------------
Creditado
----------------------------------------------------------------------
Agência:
Conta corrente: MARCOS C DE ANDRADE
Data: Nesta data
Valor: 765,24

======================================================================
Transação efetuada com sucesso por: ISA MUSA DE NORONHA

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade

Anônimo disse...

Nao consigo chegar a tal noticia do Sindicato do Rio.
Alguem me ajuda?

Anônimo disse...

Sr. Marcos,

Já que não se pode mais ter esperanças na distribuição do SUPERAVIT neste ano de 2010 e nada se sabe sobre o que ocorreu naquela reuniao do dia 18102010, exceto os participantes, inclusive V. Sa., porque O Sr. não divulga o que foi discutido, os números, as possibilidades, enfim, acho que merecemos ser tratados como verdadeiros e legitimos interessados em resolver a pendenga.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro anônimo das 09:11.

Não participei da Reunião do dia 18/10, pois não consegui credenciais para tanto. Peço-lhe ler o post “Armação hipócrita” do dia 26/10, aqui no Blog, e terá as informações que pude dar.
No momento acredito que eu saiba menos que você a respeito do que ocorreu naquele encontro, pois não tenho tempo de pesquisar em outros Blogs – meu tempo é todo tomado em cuidar da AAPPREVI e destes comentários.
A propósito, agradeço a quem puder divulgar informações a respeito daquela reunião (18/10) e da última (dia 26/10) para que possa divulgar aqui.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade

Anônimo disse...

Prezado Marcos Cordeiro,

Hoje consegui mais um associado para a AAPREVI, meu pai.Depois de argumentar e mostrar quem realmente defende e se interessa pelo aposentado, ele preencheu o cadastro e será um breve espero mais um associado desta Poderosa associação!Espero poder sempre colaborar com o Blog e colegas!

Um respeitoso abraço!

Paulo Segundo Viçosa-MG

Anônimo disse...

MAIS UM ENROLAÇÂO< SITE DA AFAABB
Terminada a reunião com a PREVIC e seus atuários, ficou patente que a negociação passa necessariamente pelas normas existentes, principalmente, pela Resolução 26. As diversas alternativas de acertar as enormes divergências entre os participantes e assistidos do Plano 1, foram analisadas à luz das Leis. No entanto, algum progresso houve, com o Patrocinador admitindo rever algumas premissas com relação à distribuição da Reserva Especial e propondo-se a estudar uma forma que possa ser aprovada pelos órgãos envolvidos, tais como os Ministérios da Fazenda e Planejamento.


O BB ficou de acertar conosco, nova data para o estabelecimento da mesa de negociações.

Anônimo disse...

Cara Sra. Isa Musa,

Se possível, peço nos informar se a Sra. estava na reunião bb/previ/anabb/aafbb/previc.
Um idoso

wilson luiz disse...

Transcrito da inconclusiva nota da FAABB sobre a reunião PREVIC/BB/ANABB; cito apenas estes pois são os únicos que conduzem o processo de negociação:
"...com o Patrocinador admitindo rever algumas premissas com relação à distribuição da Reserva Especial...".
Já estão criando brechas para que a ANABB empurre pela nossa garganta suas propostas-zumbi, como a elevação do teto para 100%. Esta proposta somente teria sentido se fosse implementada de forma permanente, o que teria custo de R$ 5.5 bilhões, e beneficiaria novamente os que tiveram o teto elevado para 90% em
negociações anteriores, deixando novamente de fora os mais de 28.000 assistidos que nada receberam até agora. Como, em princípio, nossa metade do superávit seria de R$ 6.7 bilhões, sobraria R$ 1.2 bilhão para nós, inimigos do rei.

Anônimo disse...

Colega Wilson Luiz,

Me parece que a anabb, pelo cadastro de seus associados, sabe quantos receberão o aumento de 90 para 100%, e está então garantindo suas mensalidades.
Se estou errado a anabb que publique quantos sócios tem e quantos receberão o benefício de 90para 100%.
Abç

Anônimo disse...

Essa história de entrar com ADIN deve estar tirando sono do Camilo e cia. "Nossos representantes" já devem ter feito o "acerto" de quanto cada um leva com o patrocinador. Suponhamos que a serra elétrica corte todos os tentáculos do polvo dos trabalhadores. Vai ser um corre corre pra esvaziar os cofres que até batedor de carteira vai encostar na parede com medo. Temos que nos precaver com relação às investidas futuras. Se o governo (?) tinha maioria no congresso porque sacramentaram o roubo através de resolução? Se foi pelo fato da impossibilidade de aprovação de uma lei inconstitucional, porque então a Resolução 26 é levada adiante? Para quem é leigo é difícil entender...

Anônimo disse...

colegas, Sr. Marcos,

Ler no site acordabb.com, manifestação de um sr. chamado Adrião que assina o documento em 22 10 2010 - PREVI O chamado à razão.

Anônimo disse...

Colegas,

Essa corrida desenfreada, rumo à disputa judicial, como se isso fosse uma panacéia, é muito perigoso, porque o resultado é imprevisível. O prazo para o desfecho, este sim, só Deus sabe.
Lembrem-se de que só os diamantes são eternos, os superávits contábeis, muito bem definidos pelo Sr. Anchieta Dantas, existem, mas por serem calcados, na sua maior parte, em Rendas Variáveis, são de natureza volátil, podendo desaparecer com qualquer crise financeira mundial, como aconteceu em 2008.
Acho interessante, termos em mãos, para subsídios, um parecer técnico de advogados, sobretudo se ele for um atestado que garanta vitória, mesmo com interferência de fatores supervenientes ( julgamento político), inclusive que estime o prazo de duração do litígio.
Não parece prudente, deixar o certo pelo duvidoso e nem dar tempo para que superávit vire pó, por consequência da derrocada de qualquer País. A pior crise, nem é a financeira, é a de confiança,boataria, que causa a revoada dos investidores, que mudam o dinheiro de ações para outros ativos mais seguros.
Essas negociações terão solução no curto prazo, para sim ou não. As perspectivas de melhorarmos os benefícios não são desalentadoras e, se formos inteligentes, parece conveniente engolirmos um "Sapo Barbudo", como disse o Brizola, do que arriscar a perder tudo.
Não vejo a Dona Isa Musa como a nossa tábua de salvação e, francamente, acho a que humildade em demasia, é prejudicial, porque determinadas pessoas acham que isso é sinônimo de incompetência e não respeitam as suas decisões.
È por isso que tipos mais audaciosos, como o Gilberto Santiago, Valmir Camilo e outros, tomam frente e fazem prevalecer seus pontos de vista.
Pelos próximos, 60/90 dias, sou contra ir para uma contenda judicial. Caso persista a solução de continuidade, ai eu mesmo entrarei com uma ação judicial individual ou coletiva.

João Rossi Neto.

Anônimo disse...

Colegas,

Se vai sair alguma solução para distribuição do superávit não sei, mas se sair tendo o SASSERON e o VALMIR como nossos representantes, podem ter certeza os beneficiados serão os amigos do Rei.

O SASSERON defende com unhas e dentes o aumento do teto para 100%, que deixou um batalhão de associados sem nenhum centavo na última distribuição do superávit (justamente os que ganhavam menos).

O VALMIR não esta preocupado com este tipo de coisa e sim com os negócios da ANABB, enfim discursará, fará aquele teatro de sempre e aprovará o que o BB quiser que seja aprovado.

Diante disto tudo, só nos resta entrar com está tão falada "Ação de Inconstitucionalidade" para barrarmos o assalto aos cofres da PREVI.

Anônimo disse...

Caros colegas,
Uma coisa me estranha muito. Uma coisa muito estranha. A TRANSPARÊNCIA disso tudo; ou seja :
Nem a PREVI, nem a ANABB, nem a CONTRAF-CUT, nem o BB, nem a PREVIC, SPC, etc.. etc..ninguém dá transparência e divulga qualquer assunto relacionado ao SUPERÁVIT.
Muito estranho.

Anônimo disse...

Pessoal,imaginem a corrida que deve estar atras de cargos.A ptzada toda deve estar com o -- na mao.
Sasseron,Cecilia(sumiu!),Willian,Valmir.....Comecem a correr mesmo,pois voces perderao as boquinhas.Deus e justo e nao falha.

Anônimo disse...

colega anônimo de 28 de outubro de 2010 12:23,

Penso que considerar o Valmir audacioso é um grande equivoco, existem outros adjetivos que retratam melhor este Senhor. Prefiro não enumerá-los em respeito ao BLOG e aos meus cabelos Brancos.

Anônimo disse...

Colega MARCOS,
Só poderia partir da AAPPREVI uma decisão como esta. Resolver de uma vez por todas o que vale mais: Uma Resolução, dotada de vicios inconstitucionais, emanada de um colegiado, sob o pretexto de regulamentar uma lei, ou a propria Lei Complementar, com seu texto original, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente da República?
Certo é que, Resolução é para normatizar, esclarecer, facilitar a compreensão. Não pode alterar o texto da Lei. Essa prerrogativa é do Congresso Nacional,
Parabens à Diretoria da AAPPREVI. Esse é o caminho.

antonio americano disse...

No dia 16/10/2010 enviei a mensagem abaixo para a aapprei@aaprevi.com.br a respeito da negociação do superavit PREVI. Infelizmente acertei na mosca.
A MENSAGEM:
Prezados Colegas,
Posso estar enganado, mas a impressão que tenho é que essa nova abertura para negociações do superávit PREVI seja apenas um engodo para que os 120.000 associados mais familiares possam votar na próximo domingo na candidata da situação, e tão logo passe as eleições o assunto caia de novo no esquecimento. Rezo para estar redondamente enganado, mas...

ATENCIOSAMENTE
ANTONIO AMERICANO DO BRASIL BORGES
Matr. 0.833.860-4 - aposentado
Goiania (GO)

Anônimo disse...

Colegas,

Uma gangue tomou os pontos chaves dentro das intituições e faz o que quer. Lamento informar que só nos resta espernear. O Partido dos Trabalhadores aparelhou o Estado e tudo corre à margem da lei. A resolução 26 não é nada, se comparada ao rolo compressor que atropela quem tenta desafiar o autoritarismo petista.

Anônimo disse...

Eu não sei, mas algo não cheira bem no ar.As associações estão mudas e na penumbra(ANABB, AAFBB, FAABB,e demais).Ninguém ousa falar o que aconteceu na última reunião do dia 27/10.O Sr Medeiros está guardando segredo, protegendo não sabemos quem.Mas o que mais me intriga, é este descaso, ou tortura mesmo, pq ninguém sabe ninguém viu o superávit.Não existe possibilidade de transparência alguma durante as negociações, tanto Previ, Previc , Banco e associações parecem traficantes na partilha de dinheiro.O que eu vejo é isso, uma cambada de ladrões brincando e se locupletando com o dinheiro alheio.E pra ser sincero, não acredito nas boas intenções da Isa nem do Valmir e piorou do Sasseron(Renda Certa).Acredito mesmo é que eles não façam nada, pois para o rei e sua corte nada mudou, nem tão cedo mudará.Esta condição sine qua non é o fim da picada!

José Aristophanes disse...

Prezados Colegas.
Há tempos, deploramos, neste blog, com variadas adjetivações – raiva, perplexidade, revolta, tolerância, desânimo e outras – a notória Resolução 26. Norma subalterna, que sintetiza o melhor exemplo da falta de escrúpulo dos que usam, com descarado oportunismo, o aparelhamento do Estado, para atingir seus fins. E com o agravante de formação de quadrilha: Governo, Previc, Banco do Brasil e Previ.
Conquanto tenha me manifestado, neste blog, favorável à negociação com o Patrocinador(BB), não o fiz por capitulação, mas por pragmatismo e com algum traço de cinismo. Em carta publicada pela revista Veja e reproduzida, aqui no blog, externei repulsa à apropriação contábil, pelo Banco, de nossos recursos, “ao arrepio da Lei”, para robustecer o seu lucro bilionário, de que se vangloriava o Presidente Bendine, em entrevista, na mesma revista(páginas amarelas).
Agora, quando se traçam, misteriosamente, perspectivas de um acordo entre o lobo e o cordeiro, mas sob o pano-de-fundo da “inarredável” Resolução 26, vejo, com entusiasmo, as manifestações de numerosos colegas, que repudiam a tramóia e denunciam a flagrante ilegalidade da famigerada resolução.
Essa resolução, quando introduz o patrocinador como “beneficiário”, na distribuição de superávit, se aceita, nesse ponto, será um marco vergonhoso de quebra da hierarquia das leis e constituirá um estigma, de que nunca nos livraremos, para mostrar que o poder dos poderosos tudo pode. O parecer do colega Edgardo Rego – contemporâneo de quem guardo respeitosa lembrança – é competente, racional e desapaixonado – e, seguramente, foi levado em conta, para animar a AAPREVI a explorar a tese da ADIN, que me parece séria, exeqüível e promissora.
Não sou ingênuo, não tenho muito tempo para longas esperas, não me empolgam lutas quixotescas e, muito menos, guardo cofrinho recheado... Mas o que está em jogo, agora, não é só um bom punhado de moedas, mas o patrimônio moral, ético, intelectual e doutrinário de um valoroso grupo que, por diversas e distintas épocas, construiu o mesmo Banco do Brasil e a mesma Previ, que um bando de aloprados, momentaneamente, tenta desfigurar. Lutar contra a Resolução 26 é, antes de tudo, uma atitude de repulsa que extrapola o âmbito de nossos interesses corporativos. É uma bandeira que se desfralda, na defesa do Estado de Direito, em benefício de toda a Sociedade. Sem pieguice, a derrubada da Resolução 26, tem o simbolismo da “bastilha” que nos oprime, nos assalta e nos desmoraliza.
Se conseguirmos, com competência, pé-no-chão, unidade e determinação, erigir a tese da inconstitucionalidade, a quadrilha vai tremer, se desesperar e se desmoralizar. E o exemplo prosperará e repercutirá, como antídoto de tais maracutáias! José Aristophanes Pereira(5.270.120-4)

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Mensagem recebida da Colega Isa Musa de Noronha.

Caro Marcos,

Provavelmente o Dr Medeiros se esqueceu de meu nome e, como o conheço e sei de sua integridade, sei que não foi proposital. É importante que fique claro que esse encontro na PREVIC (Secretaria de Previdência Complementar) foi apenas para dirimir dúvidas que ainda pairavam quanto a Resolução 26. Ali não se tratou da negociação com o Patrocinador propriamente dita, porque não era lá o local e a hora para isso. Quanto as expectativas do Dr Medeiros, ele é um homem muito bem informado, é advogado competente, já esteve dentro da Previ, pois presidiu o Conselho Fiscal e certamente tem fontes de informação internas que os demais não possuem.
Isa Musa

Anônimo disse...

Caros colegas,
Hoje indignado com tudo, relatei minha vida pessoal e pedi à CONTRAF CUT, que se sensibilizasse à nossa causa e que pugnassem com JUSTIÇA uma proposta que viesse atender a todos os assistidos do PB1, com a urgência que requer. Ao me responderem repassarei a todos. Acredito também que se todos nós "bombardeássemos " o site da CONTRAF CUT que se lutasse por nossos direitos e não só os da ativa. Ficou lá o meu registro.

Anônimo disse...

Colegas,

Na verdade não tivemos avanço nenhum nas negociações, tudo está parado como sempre.

Só a nossa íra e indignação que avançam ao limite da tolerância e do racional, a qualquer hora algum de nós cometerá um ato de desespero.

Anônimo disse...

Eu sabia. Mais cedo ou mais tarde essa Dona Iza iria virar o Cristo. Se a coisa não sair do jeito que se quer vão botar a culpa nela... Coitada... A única pessoa que nos defende é alvo da artilharia e vocês repararam? É a única que vem ao blog dizer alguma coisa...

Anônimo disse...

Colela anônimo de 28 de outubro de 2010 14:19,

Espero que tenhas mais sorte do que eu, pois aos meus questionamentos não deram retorno.

Lá também está tudo dominado, inclusive o aumento do teto para 100%, que o comparsa (companheiro) SASSERON defende há muito tempo.

Anônimo disse...

A Previ alçou vôos muito altos.
Se envaidece. Coloca no site que é o 25º maior fundo de pensão do mundo.
Sua página, nunca mencionou, em momento algum, às custas de quem se deve tal alcance. Àqueles que contribuíram com seu suor para o patrocinador deste fundo.
A previ foi criada e erguida ao patamar em que hoje se encontra, com as contribuiçoes destes aguerridos funcionários aposentados, que clamam há três anos neste deserto de lamúrias, onde não encontraram eco até hoje.
Seu ex presidente, o infeliz sergio rosa,que fêz uma ação entre amigos,(Renda Direcionada, isto é o que poderia se chamar o renda certa), achando que tudo estaria resolvido.
Deixou a maioria dos aposentados e pensionistas de fora.
Custamos a enxergar o ardil que tramaram contra nós.
Agora, não podemos vender a nossa honra a troco de qualquer coisa que se nos apresente, se é que vão apresentar.
Nossa honra e dignidade não tem preço.
Está ficando tarde demais.
Abaixo essa resolução 26.
Nossa paciência acabou.
ADIN nêles.
Parabéns JOSÉ ARISTHOFANES.