sábado, 23 de outubro de 2010

Peixe fisgado

Caros Colegas.

As diversas sugestões apontadas aqui no Blog como alternativas à iminente divisão do superávit, amparada em parâmetros supostamente danosos à sobrevivência do Plano, não podem ser aproveitadas prontamente sem que se procure determinar a viabilidade de cada proposta. Em que pese a sustentação indicada em recentes explanações de Colegas experientes, e profundos conhecedores do assunto, havemos que nos pautar pela exigüidade de tempo direcionada ao provável desfecho que se espera.

A despeito do consenso em nada dividir com o patrocinador, vale ressaltar que o momento propício à negação foi suplantado, uma vez que essa posição não foi taxativamente posta à mesa de negociações quando devido. Reuniões superpostas pautaram-se, sempre, sob a postura subserviente à vontade do Banco quando, sabe-se agora, dever-se-ia ter-lhe dito definitivamente que a partilha, em qualquer situação, somente poderia ser feita entre os participantes do PB1, como reza a Lei.

Em se deixando o patrocinador crescer no entendimento de que tem direito ao que quer que seja, acenamos-lhe com a possibilidade de fazer pé firme em abiscoitar sua pretensa parte, deixando à mostra a ponta do iceberg para nos lograr. E a isca foi mordida, infelizmente, deixando-nos debatendo como peixe fisgado inocentemente, para não dizer burramente. E, como o peixe que morde a isca, seremos forçosamente içados até o samburá do pescador, inevitavelmente, a não ser que a linha arrebente.

No entanto, passado este momento crucial, pois perdemos o bonde da história, resta-nos procurar fechar acordo o menos prejudicial possível, mediante declaração inconteste de que a parte direcionada aos participantes, se suprimida em algum valor, será recebida sob protesto com alegação de que os direitos negados (ou sonegados) serão cobrados na Justiça.

Se nos for destinado apenas 50% daquilo que julgamos ter direito, devemos aceitar como parte da distribuição do superávit, e jamais passar recibo de plena quitação como se isso fosse o todo que nos pertence. Se o “de acordo” for dado segundo o entendimento do patrocinador, jamais poderemos cobrar reparação por danos havidos.

De todo modo, melhor será recebermos agora “parte” do montante numa distribuição equitativa entre os participantes, do que postergar a utilização desse benefício, sabendo-se que os escrúpulos do patrocinador não conhecem limites em direção à violação dos nossos direitos.

Depois de tudo, com dinheiro distribuído, partiremos para a reparação de eventuais prejuízos sofridos. E para isto trilharemos todos os caminhos postos à nossa frente.

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 23/10/2010.

92 comentários:

Anônimo disse...

Buenas, como dizem aquí na minha terra,

1 - JAMAIS o BB vai concordar com 50% para cada lado sem que seja feito um acordo para que tal procedimento vigore em eventuais futuros superávit. Acreditar que não vá ocorrer isto passa a ser uma prova de que somos ingênuos à mesa de negociação

2 - Até o que eu sei o fato de se abrir negociação não significa que tenhamos que aceitar o que for proposto pelo BB (mesmo os 50%) caso verificarmos que as condições propostas podem trazer danos à PREVI (Plano 1) no curto e médio prazo. O BB fez e nos faz de gato e sapato e agora nós temos obrigação de aceitar sua proposta? Não concordo.

3 - Caro Marcos estou admirado com esta sua postagem. Podemos e devemos sim, se for necessário, brecar as atuais negociações e rediscutir os acontecimentos e os procedimentos a adotar. Nada é definitivo na vida principalmente no atual momento em que o tratamento dado pelo BB aos participantes da PREVI denota tendências, vamos dizer assim: "não muito boas" em relação ao nosso fundo.

Anônimo disse...

Marcos,

Concordo plenamente com voce, aceitemos os 50% como parte do superávit e lutemos por todos os meios para ganhar na justiça os outros 50% que o BB ilegalmente se apoderou, não importando quantas décadas levem para o desfecho legal desta ação.

Ademir Peruzzolo disse...

Muito bem postado.
Completamente claro o raciocínio e óbvio.
Dadas as condições do grupo que compõe o PB-1 ( geográficamente separados ), nossa chance de "conversar" está se resumindo a esse Blog. E, depois de diversas idas e vindas nos fica bem claro que nosso futuro ( melhoria de recebimentos ) poderá ocorrer mas vamos deixar uma parte de nosso direito no caminho.
Cada qual deve ter consciência dos seus atos e agir de acordo.
De minha parte, há muitos anos atrás, um colega também aposentado (Paulo Alexandre Pereira Letti) me disse que seu projeto pessoal era uma remuneração particular no mínimo igual ao que recebia da Previ com o que se sentia mais tranquilo, haja vista a nossa impossibilidade de agir na melhoria do que vem da Previ. Gostei da idéia e também fui atrás disso e graças a nosso trabalho hoje podemos considerar como um objetivo atingido. Cada vez que o encontro lembro do episódio.
Não adianta querer induzir algum outro a fazer ou deixar de fazer algo, mas acredito que nos próximos anos vamos ter plena consciência dos equívocos que vamos cometer agora.
De qualquer maneira temos de viver um dia de cada vez e tirar o proveito que pudermos.

Anônimo disse...

Gostaria que esse comentário fosse respondido pela Senhora Isa Musa.
--------------------------------
Amigo Marcos Cordeiro, considero bastante sensata a sua posição e da Sra Isa Musa, de recebermos agora os 50%; depois entraremos na justiça para reaver os outros 50%.
Lembro aos colegas que ainda existem alguns políticos sérios -- são raros, mas existem -- que poderiam nos ajudar neste momento. Exemplos: Senador Demóstenes Tores (DEm-GO) e Paulo Paim (PT-RS), Cristóvão Buarque (DF) e Pedro Simon (GO).
Sugestão: vamos municiá-los de informações e pedir urgentemente as suas intervenções. Afinal de constas são nossos representantes. Exigir que os políticos nos defendam também é exercer nosso direito de cidadania. Não temos nada a perder com essa medida.
Vamos lutar em todas as frentes possíveis !

Anônimo disse...

Concordo plenamente com suas ponderações. Só me causa muita estranheza o fato do BB ficar postergando um acordo. Se de fato os incompetentes que fizeram a Lei Pimentel se esqueceram de adequá-la ao tamanho do roubo e agora? Se ao invés de 50% mudarem para 60 devemos aceitar? Talvez 80? Apesar de ser devedor de ES, Cooperforte, CDC, Cheque-Ouro, Cheque Azul, Cooperativa de Crédito Estadual; sou da opinião que o BB não deveria levar nada. Acontece que a questão é coletiva e muitos colegas estão morrendo sem ver a cor de centavo do superávit. Estou vendendo imóvel para sanear minhas finanças, mas existem aqueles que não têm nada para colocar à venda, e aí? Problema deles? De jeito nenhum. Problema nosso e é por isso que concordo com a sua posição. Num país onde as leis não são observadas precisamos estender as mãos uns para os outros. Se a Contranós-CUT que poderia entra com uma Ação direta de Inconstitucionalidade não faz, só nos resta negociar com o bandido e depois tentar reaver a “carteira”.

JVasconcellos disse...

Caro Presidente

Realmente, sua explanação é a mais correta no meu humilde ponte de vista, diante dos fatos.
Deixamos o bonde passar, ELES, não estão para deixar nada,nem dividir, querem TUDO, este é o GOVERNO LULA.Cercados de conhecidos LADRÕES DOS COFRES PÚBLICOS.
ELES COMPRARAM O SILENCIO DE TODOS , NÃO TEMOS JUSTIÇA. VAMOS VER SE RECBERMOS AS MIGALHAS.
E TEM GENTE QUE FALA NOS TEMPO DO REGIME MILITAR....VOCE CONHECE ALGUM MILITAR QUE LEVOU DINHEIRO DOS COFRES PÚBLICOC???????? OU ESTA MILIONÁRIO???????

JVasconcellos

Anônimo disse...

Marcos,

Não podemos aceitar que o Banco bata a nossa carteira a luz do dia. Vamos lutar para evitar este assalto organizado aos cofres da PREVI. Há muitos cúmplices nesta roubalheira e não devemos assinar nada que nos impeça de brigar pelos outros 50 % afanados dos aposentados e pensionistas da PREVI.

Anônimo disse...

Senhor Marcos,

O Cuidado ainda é uma boa defesa. A linha de seu raciocício é ténue.

O Banco tem toda a força em seu foco. O Banco é coeso em seu propósito, tem força política e financeira.

Nos falta coesão em mesa de negociaçao. A PREVI é passiva. A ANABB é defensora dos ativos do BB.
Outras Associações de Aposentados, em que pese alguma legitimidade, falta apóio político.

Por isso digo a linha de negociação é ténue no sentido de se passar recibo por alguns trocados do superavit da PREVI.

Pensemos nisso.

anônimo ex-endividado disse...

Nesta discussão sobre a distribuição do superavit, gostaria de colocar o ponto de vista de alguém que, por muito tempo, penou com endividamente excessivo, mas que conseguiu, com muitos sacrifícios, se livrar desta situação terrível, que prejudica a vida pessoal e até a saúde.
Durante o processo para reequilibrar as finanças pessoais, participei de vários seminários e reuniões sobre o assunto, bem como li muita coisa na internet.
Um dos assuntos tratados foi como o endividado deve se comportar quando ocorre o ingresso de renda extra, mas que não será permanente. Aqueles que realmente querem enfrentar seu problema de endividamento não podem, de forma alguma, incorporar o valor extra ao seu orçamento do dia a dia. Se isto ocorrer, quando o recebimento do valor extra acabar, e no nosso caso poderia acabar de repente, sua situação ficará muito pior do que era antes. O ideal, segundo os palestrantes que abordaram o assunto, é direcionar o valor recebido a mais para o pagamento de dívidas, começando por aquelas com a maior taxa de juros.
Sobre a negociação do superavit, o melhor, para o endividado, é receber seus créditos no prazo mais curto possível, pois se ele resolver quitar dívidas economizará muito em juros.
Pode parecer muito chato, direcionar para o pagamento de dívidas um dinheiro que poderia ser usado para melhorar o padrão de consumo. Já vivi com e sem dívidas e podem crer que sem dívidas é muito melhor, basta reler a comoventa matéria "DIA DO SUFOCO", aqui postada em 20.10.2010.

Anônimo disse...

Colegas do PB1,

Não nos prendamos ao horizonte de 2010, para o rateio do superávit PREVI.

A pressa é inimiga da perfeição (ditado antigo).

Então, que se gaste o tempo necessário para uma boa negociação visando o melhor para os beneficiários da PREVI.

O que pode acontecer se não for distribuido o rateio em 2010? Quem souber faça a gentileza de informar a todos.

Quanto mais informados, seremos menos facos e mais coesos.

James Paiva

LUIZ EDMUNDO BAPTISTA CAMARA disse...

Marcos Cordeiro,

Estou de pleno acordo com o seu comentário intitulado “PEIXE FISGADO” , principalmente com relação à necessidade de ser discutida a DISTRIBUIÇÃO IMEDIATA dos 50% do SUPERÁVIT que “os poderosos” dizem que nos cabem(por razões óbvias). NÃO CONCORDO com a opinião dos colegas que acham que só deveríamos receber o total que nos cabe ou nada, por considerar que essa não é uma DECISÃO INTELIGENTE. Lembro a esses colegas que – quando na ativa – muitos de nós admitimos receber a favor do BANCO valores menores que o que estávamos cobrando, DESDE QUE NÃO FORNECESSEMOS QUITAÇÃO DA TOTALIDADE DA DÍVIDA.
LUIZ EDMUNDO BAPTISTA CAMARA

raul avellar disse...

Prezado Presidente Marcos

Mais uma vez você conduziu o assunto superávit da forma mais precisa e mais consentânea com a
vontade da maioria.
Aceitemos o recebimento dos 50% já
e depois discutiremos na justiça a
pretensão do Banco, com os bolsos
menos vazios.
Esperar por julgamentos eternos é
para quem ainda tem 20 ou 30 anos
pela frente...não para nós.
Com toda a minha aprovação, abs
Raul Avellar.

Anônimo disse...

Estou começando a ficar preocupado. Espero que o afã de muitos aqui demonstrado em pegar qualquer valor não entorpeça as mentes daqueles que negociam em nosso nome. Repito novamente: NÃO SEJAMOS INGÊNUOS EM ACREDITAR QUE O BB VAI NOS DAR 50% SEM HAVER UM ARRANJO JURÍDICO A SER ASSINADO PELOS NOSSOS REPRESENTANTES QUE O RESGUARDA DE QUALQUER AÇÃO JUDICIAL E QUE O DEIXA LIVRE PARA PEGAR EVENTUAIS FUTUROS SUPERÁVITS E ATÉ O PATRIMÕNIO.

Não sei a situação da maioria que postam a favor disto mas tem toda uma leva de aposentados e de gente que vai se aposentar que não pode prescindir do benefício mensal da PREVI.

Esta política de: quero o meu e os outros (demais participantes do plano 1) é que fiquem com o abacaxi não cabe mais. Confio que quem está negociando por nós não vai cair nesta.

Anônimo disse...

Colegas,

Apesar de ser a favor de irmos até as últimas consequencias para impedir que o Banco bote a mão no nosso dinheiro, isto não impede que se tente negociar os 50 % neste momento, sem contudo retirar as ações que tramitam na Justiça contra a Resolução 26. Se o Banco exigir que estas ações sejam retiradas para fechar o acordo, então vamos definitivamente para a briga e seja o que Deus quiser.

Como já disse anteriormente eu não postergo minhas decisões da ANABB JÁ SAI FAZ TEMPO E NO SEGUNDO TURNO DESTA ELEIÇÃO O MEU VOTO SERÁ DE PROTESTO CONTRA A PARTIDO DOS TRABALHADORES. Se cada um fizer a sua parte, quem sabe as coisas mudem e a Dona Dilma leve um susto daqui alguns dias

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

O CANAEL está parcialmente atualizado: www.canael.com.br.

rosalina_de_souza disse...

Prezados Colegas.
A muitas verdades, todos têm razão, mas não podemos deixar cair no esquecimento que muitos tem idade avançada,outros estão morrendo todos os dias,outros estão endividados,os colegas da ativa estão sem contribuir,o Patrocinador quer 50% do superávit,os negociadores são os mesmos do Renda Certa,e nós até o presente temos somente a esperança de melhorias.
Já ouvimos de tudo um pouco, será que devemos conter nossas esperanças apenas no judiciário brasileiro, que já tem demonstrado através de outras ações o peso da sua demora?.
Outros fundos acharam a formula para melhorar a vidas de muitos, 2% dos assistidos da Previ não renovaram seus empréstimo simples, portanto nem um tipo de alivio foi lhes oferecido até agora a não ser a chance de ver o superávit nas suas folhas de pagamento ainda em 2010.
Hoje depositamos as esperanças no conciliador, porque esta deve ser a função da “PREVIC” com resolução CGPC26 ou Lei 109/2001 este ano devemos ter a revisão do plano PB-1.
Nada pode ser maior que a nossa força de luta, de combate, de postura de vencedores, porque estamos lidando com gente suja, que joga pesado, que arma, manipula, usa resoluções e o que mais tiver no seu alcance, o que é aposentado e pensionista hoje para essa gente, muitos que ganham até mais que o próprio Presidente da República que acumulam dois três cargos.
Marcos Cordeiro, não se abale, a verdade sempre anda do lado dos juntos, e os estudiosos que me perdoe, mais que a “Previ” fez caixa ao longo da sua história com roubos seguidos de roubos, 40% das pensionistas,PDV,Pós 97,cesta alimentação.
Não há ilusão Colegas seja A ou B que ganhar essas eleições, esse roubo dos 50% será concretizado,temos que ser mais realistas e menos gananciosos e entendermos que muitos colegas vão morrer sem ver a cor desse dinheiro,fruto das lutas, dos sofrimentos,da doenças que os acompanham até hoje, da dor de todo dia 20 de cada mês não ter o que receber,pois o que a previ deposita não é suficiente para cobrir os diversos débitos que são aprovisionados na conta corrente.
Eu Luto por melhorias para todos, todos merecem ter, melhor todos deveriam ter o direito de sorrir, não por estar sobrando dinheiro nas suas contas, mas sorrir por ter todas as suas contas pagas no dia 20 de cada mês.
Atenciosamente
Rosalina de Souza
Matrícula 18.161.320-4

Anônimo disse...

Marcos e colegas e Sra Isa Musa,

Gostaria de reforçar o comentário efetuado no post anterior pelo colega em 23/10 às 11:46 onde menciona as atribuições do Ministério Público Federal, onde resumidamente lembra que o mesmo é INDEPENDENTE, não se sujeitando aos demais poderes e também que deve agir, quando solicitado, devendo ser obrigação do mesmo, defender a Constituição. Ou seja, deveríamos recorrer ao mesmo pela Inconstituionalidade da Res. 26, que comentado anteriormente, seria uma ação muita mais rápida que as que tramitam atualmente.
Abraços.

Anônimo disse...

Não entendo quando os colegas falam que não devemos ter pressa nas negociações, estamos à passos de tartaruga, são mais de 3 anos e continuamos na estaca zero.

Quando é que voces viram empregados receberem grandes quantias, nunca! se conseguirmos negociar 50%, vamos cantar vitórias o resto é blá, blá,blá.

Voces não vêem a dificuldade de trazer novos sócios para AAPPREVI, é trabalho para anos e anos de persistencia, a Anabb tem o número de sócios que tem porque associou todos os funcionários da ativa, logo na sua fundação e os amarrou com ações de demoraram décadas para sair. Os aposentados estão dispersos, os que frequentam o blog, já frequentavam o da Cecilia Garcez para manterem-se informados, os alienados continuam ignorando os deslizes do BB e Previ e acham até que estes são ótimos porque todo dia 20 recebemos nos beneficios, como se fosse um favor.

Anônimo disse...

Marcos, discordo da sua mensagem.

Nós não perdemos o bonde da história porque nada foi assinado em termos de acordo com relação a negociação. Existiu um pré-reunião para unificar as propostas que seriam apresentadas e na negociação nada foi definido e nem assumido nenhum compromisso com o Banco de que nós aceitariamos somente os 50% por que isso nunca foi pretensão das associações livres dos jugos dos pelegos hoje disseminado em nosso meio.

Nada esta sacramentado e nem perdido, pois, o bonde ainda não passou e não vamos perdê-lo.

Marcos, para chegarmos a um denominador comum precisamos de alguma forma unificar as de linhas de pensamentos conflitantes.

Tudo que aqui é sugerido é barrado de alguma forma pela palavra "parcela".

Nada se pode chegar a um acordo por que certa parcela dos aposentados esta assim, a outra parcela esta assim assado, a outra parcela esta que não aguenta mais, e assim vai longe.

Se formos pensar em todas as situações possíveis e inimagináveis porque passa cada um dos aposentados nunca chegaremos a um decisão de consenso.

Então acredito que deveremos seguir os normativos da PREVI e outros normativos que não a Resolução 26, pois, assim não estaremos beneficiando essa ou aquela parcela, estaremos seguindos os preceitos regulamentares e não de interesses alheios ao que nos é determinado pelas normas em vigor.

Anônimo disse...

Meus amigos estas reuniões irão durar meses, se já emperraram no primeiro item do superávit, imaginem com o resto.Tanta leniência e morosidade como se não estivéssemos há três anos esperando a distribuição.

Jader disse...

Caro Marcos,
concordo plenamente com seu posicionamento, contudo me preocupa sobremaneira o conteúdo dos posts e comentários dos colegas serem disponibilizados com acesso livre no blog, municiando o lado adversário, e dando-lhe conhecimento prévio de nossas posições. Não tenhamos dúvida de que eles acessam o blog regularmente, e obtém vantagens sobre nós. Ciente de seu comprometimento com este trabalho em prol dos associados da AAPPREVI, e da exacerbação de tarefas que recaem sobre sua pessoa, ainda assim me permito sugerir uma providência.
Que tal se fosse criado um espaço restrito no blog, ou no site da AAPPREVI, onde poderia ser colocado todo assunto que, por sua natureza, pudesse nos fragilizar? O acesso se daria exclusivamente por senha a ser atribuída pela Associação, com eliminação dos comentários anônimos. Em respeito a colegas que não possam se expor publicamente, pelas mais diversas razões, criar-se-ia um pseudônimo, e a identidade do missivista seria conhecida apenas pela diretoria da AAPPREVI. Suponho que estaríamos deste modo protegendo informações valiosas e vitais para a negociação do superávit, por exemplo, cujo teor seria de conhecimento apenas de seus principais interessados: os associados da AAPPREVI. Peço que considere minha sugestão.

Joaquim Luiz disse...

Marcos ....

Concordo em parte com o Raul quando disse isso:
..............................
Mais uma vez você conduziu o assunto superávit da forma mais precisa e mais consentânea com a
vontade da maioria.
Aceitemos o recebimento dos 50% já
e depois discutiremos na justiça a
pretensão do Banco, com os bolsos
menos vazios.
...............................

Aoenas eu JOAQUIM LUIZ, jamais entrarei na justiça para receber o que através de um acordo eu aceitei.

Não se deve consertar um erro com outro e se foi Banco que sempre faltou com sua palavra (através de representantes) em procedimentos anteriores, não é por isso que faltarei com a minha.

Muitos aqui falam em salários baixos e etc... mas será que os que falam.. alguma vez se perguntaram porque motivo uns ganham bem e outros mal ?

O que aqueles que ganham mal, fizeram ou não fizeram para ganharem mal ?

Sim .. sei que houve um achatamento de salários e o Banco de HOJE não é o de ONTEM, mas mesmo assim, no GERAL estamos bem acima da média nacional, que é baixa... mas isso é outra estória e não desejo com isso, que me vejam como marajá, isento de problemas financeiros, com o boi na sombra e etc..., pois não é nada disso.

Se agora houver um concurso para o BB, espero que os que aceitarem fazer o ingresso, saibam bem o que vão receber para que mais tarde e não venham reivindicar isso ou aquilo.

Acho que cabe aqui agora, depois do que disse um dito que nem sei quem é o autor:

Se todos nós colocássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos todos os outros como eles são, nós pegaríamos nossos mesmos problemas de volta.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro anônimo das 17:09

De todas as reuniões havidas e vividas somente de uma participei, mas foi o suficiente para entender porque nada se fez positivamente até agora. E explico a conclusão a que cheguei usando uma frase contida no seu comentário:

“Se formos pensar em todas as situações possíveis e inimagináveis porque passa cada um dos aposentados nunca chegaremos a uma decisão de consenso”.

Basta mudar o sentido das palavras iniciais da sua infeliz assertiva para termos o exato motivo do insucesso de tantas e tantas reuniões – o elitismo exacerbado. Assim, o certo será dizer:

“Se NÃO PENSARMOS em todas as situações possíveis e inimagináveis porque passa cada um dos aposentados nunca chegaremos a uma decisão de consenso“.

Foi pelo que me bati na reunião da FAABB em Brasília, no dia 17/10 – e fui derrotado fragorosamente, pois, entre outras coisas, a proposição da AAPPREVI defendendo os 360/360 só teve um voto da consulta feita: o da AAPPREVI.

Pena você não poder se identificar (deve ter fortes motivos) para trocar “umas idéias” comigo, meu e-mail está sempre disponível. Só lhe peço não criar polêmica aqui – não como anônimo, para que deixemos o espaço isento de declarações constrangedoras, em respeito aos menos afortunados.

Saudações,
Marcos Cordeiro de Andrade

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Mensagem original
De: Rafael Antônio Campagnoli < ra.campag@gmail.com >
Para: undisclosed-recipients
Assunto: Fwd: Resposta da pergunta enviada para o site da ANABB
Enviada: 23/10/2010 18:13




---------- Mensagem encaminhada ----------
De: ANABB
Data: 22 de outubro de 2010 14:50
Assunto: Resposta da pergunta enviada para o site da ANABB
Para: rafael antonio campagnoli



Sua resposta foi postada para o seu tema de interesse no Sistema de duvidas do site ANABB.

Pergunta:
PLANO 1 - USO DO SUPERAVIT - NOVO GOVERNO FEDERAL - Como tenho alertado outras vezes, está chegando ao fim o mandato do Presidente Lula, com todo o segmento sindical e do próprio corpo de funcionários do BB participando diretamente do Poder, e corremos o sério risco de a destinação do Superávit, para uso dos principais interessados - os funcionários da ativa e aposentados - não chegar a uma solução. O candidato Serra já ressuscitou o tema preferido do PSDB: déficit da Previdência e mudança nas regras da aposentadoria. Ora, para se jogar um plebiscito à sociedade perguntando se seria justo usar o dinheiro dos marajás do BB para pagar o rombo da Previdência, é apenas questão de tempo. É preciso fazer algo, e urgente; antes que seja tarde demais.

Resposta:
Prezado Rafael, acusamos recebimento de sua sugestão e informamos que a mesma foi encaminhada para conhecimento de nossa Presidência e Diretoria Executiva. A ANABB acompanha de perto as questões referentes ao interesse dos seus associados. De forma a cobrar definição do Banco do Brasil e da Previ para o realinhamento do plano, a ANABB apresentou à Caixa de Previdência as propostas aprovadas pela maioria dos 35.140 participantes que responderam à consulta. Você poderá consultar as propostas para o realinhamento do Plano de Benefícios 1 no link: “http://www.anabb.org.br/mostraPagina.asp?codServico=471&codPagina=38658”, notícia que foi publicada amplamente no Jornal Ação nº 206. A ANABB fica feliz em perceber que seus associados estão atentos na defesa de seus direitos e aproveita a oportunidade para agradecer seu contato e participação.

Atenciosamente,

Sanuse Martins

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Recebido do Colega Airton:

Detalhes do Processo Página 3 de 3

15ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA/DF

AÇÃO CIVIL PÚBLICA - Proc. 0119300-92.2009.5.10.0015

ATA DE JULGAMENTO

No dia 4 de outubro de 2010, às 17h00min, foi aberta a audiência relativa à

AÇÃO CIVIL PÚBLICA em referência. Após o cumprimento das formalidades de

Praxe, foi prolatada a seguinte

Sentença

Vistos, etc...


FUNDAMENTOS pelos quais rejeito as preliminares e prejudicial de mérito

opostas pelo Réu e no mérito julgo PARCIALMENTE PROCEDENTES os pedidos

deduzidos na presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA por ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS

FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL (1º autor) e SINDICATO DOS

BANCÁRIOSDA BAHIA (2º autor) em face do


BANCO DO BRASIL S/A, para declarar, em relação aos empregados do Banco

contratados até a data de 1.7.1996, que se encontrem na ativa ou aposentados,

pensionistas e dependentes diretos ou indiretos vinculados a funcionário


contratado nas mesmas condições:


(I) A inaplicabilidade da alteração contratual promovida a partir de 1.7.1996,

pela qual foi transferido do Banco do Brasil para a CASSI o encargo de fornecer

assistência médico-hospitalar ao universo de funcionários do Réu admitidos

aos seus quadros até aquela data.

(II) A nulidade da supressão do art. 9º do Estatuto da CASSI, que

assegura que os associados não respondem, direta ou subsidiariamente

pelas obrigações da CASSI, a ainda condenar o Réu à seguinte obrigação

de fazer:

(III) Prestar assistência médico-hospitalar aos empregados,

ativos, aposentados, pensionistas e dependentes diretos ou indiretos,

vinculados à admissão no Banco do Brasil anteriormente à data

de 1.7.1996, em idênticas condições e nos mesmos patamares qualitativos

antes oferecidos.


Em caso de inércia do Réu no cumprimento da obrigação acima, arbitro astrointe à

base de R$ 10.000,00, por dia de descumprimento da presente determinação, até

b máximo de quarenta dias, reversível aos autores, nos termos do art. 461, § 4º do

CPC c/c art. 247 do CCB, ambos de aplicação subsidiária no Processo do Trabalho

nos estritos termos da fundamentação supra, cujo teor passa a integrar o presente

dispositivo.

Custas do Réu, no importe de R$ 600,00, arbitrados sobre o valor dado à causa,

diante da ausência de conteúdo econômico na presente condenação.

Dispensada a intimação da Fazenda Pública, considerando que a presente condena-

ção teve caráter declaratório-constitutivo, em que o único comando de caráter

condenatório não tem conteúdo econômico, nos termos do art. 1º da Portaria

176/2010 do Ministério da Fazenda.

Intime-se.

Publique-se.

Cumpra-se.

NARA CINDA ALVAREZ BORGES

Juíza do Trabalho Substituta


http://reporth.trtrio.gov.br/portal/processoListar.do

Joaquim Luiz disse...

Pois é Marcos....

Concordo plenamente com que o Jader ( espero que não seja o Barbalho ) disse, quando fez o comentário, pois tb. pensei nisso.

Infelizmente certas coisas realmente municia nossos "adversários" que se fosse uma guerra, estaríamos já totalmente derrotados pois estaríamos dizendo ao inimigo, quem somos, onde estamos e onde atacaremos.

O que o Jader pede embora possa ser feito, mas fere totalmente a liberdade de um Blog e sim nós e apenas nós é que temos de tomar cuidado em certas atitudes, certas agressões pois sem dúvida... inimigos existem infiltrados até em nossas casas.

Infelizmente... não existe modo de se fazer "simpaticamente" o que o Jader propos, mas ele tem razão se levarmos as coisas ao pé da letra !

Joao Carlos disse...

Colegas, fui maraja, meu complemento teve o desconto da parcela previ e nao tenho nenhum tipo de emprestimo. SOU FAVORAVEL A QUE O BANCO LEVE 50% DO SUPERAVIT, pois quanto mais tempo levar a discussao na justiça, muitos colegas nao receberao NADA. Ate porque, seria ingenuidade nossa acreditar que o banco e demais orgaos do governo cederia os 100% numa boa. O que, acredito que possa vir a acontecer diante da sabedoria de alguns de nossos negociadores, seria concordar que, APENAS NESSA DISTRIBUIÇAO (devendo constar explicitamente tal regalia nos documentos firmados) aceitariamos que ele ficasse com os 50% que quer (e precisa) e, da mesma forma, exigindo nos mesmos documentos, que se abstivesse EM DEFINITIVO de futuras contabilizacoes, mesmo que permitidas por resolucoes espurias emitidas pelos governos, como a de nr. 26.

Anônimo disse...

Analisando as situações chega-se à conclusão que a diferença entre o Beneficio Especial de Renda Certa, criado em 2006, pelo Regulamento, assemelha-se à chamada Reversão de Valores instituida pela Resolução 26. Há apenas uma pequena diferença: o Renda Certa de 2006 beneficiou cerca de 8.878 participantes, e este Renda Certa, que se aproxima, beneficiará apenas UM, que não é participante, com 50% da Reserva Especial. Certamente, os mentores da Resolução levaram em consideração que, se está sobrando recursos, e é possivel devolver aos participantes, porque NAO premiar, também, o Patrocinador?
Esqueceram-se que Lei Complementar quando se refere a Reserva Especial diz que ela será usada para Revisão do Plano de Benefícios, e beneficios são pagos aos participantes e assistidos, não ao Patrocinador.
O Conselho,ao editar a Resolução,
agiu, conscientemente, contra a Lei Complementar 109/2001 que assegura:
Art. 3o A ação do Estado será exercida com o objetivo de:
VI - proteger os interesses dos participantes e assistidos dos planos de benefícios.
Que proteção é esta? Ou melhor: isto é proteção?

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Colegas,
Minha dúvida é a seguinte: será que existe realmente interesse dos negociadores do governo em se distribuir alguma coisa para os aposentados/pensionistas da Previ? Na reunião do dia 18, conforme consta do pronunciamento da FAABB, o BB assim se posicionou:
"O Banco do Brasil reafirmou entender que a metade do superávit do Plano 1 deve ser destinada a ele, com base na Resolução CGPC 26."
Quer dizer, não houve nenhuma preocupação em sugerir ou comentar qualquer tipo de distribuição do superavit para os aposentados/pensionistas da Previ.
E aí fica a dúvida, será que nós, diante do aceno de uma possível negociação, não estamos sendo o "peixe fisgado" dessa história? ou seja, muitos vão depositar o seu voto favorável ao governo em troca de uma possibilidade de distribuição de superávit que, depois da candidata eleita, não precisará necessariamente de ser cumprida.
Desculpem esse comentário um tanto quanto pessimista, mas é que, pessoalmente, não estou enxergando muito empenho da parte contrária de se chegar a algum acordo. Tomara que eu esteja enganado.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

Acho louvável a preocupação de alguns colegas em não se divulgar “segredos de estado” aqui no Blog. No entanto, não é para este espaço que devem direcionar seu “fogo amigo”, e sim aos negociadores do momento. Senão, vejamos.
Na reunião do dia 17/10, em Brasília, promovida pela FAABB, oficializou-se uma recomendação para não darmos publicidade ao que ali foi discutido, pois tudo seria levado ao conhecimento dos componentes da mesa de negociação, antes da reunião com o Banco na manhã do dia seguinte, 18/10, já que o encontro “oficial” seria à tarde. A explicação dada para o pedido de silencio era de que nesse encontro prévio seria buscada uniformidade para apresentação de propostas numa pauta única e o “outro lado” não poderia, sob hipótese alguma, tomar conhecimento dos trunfos mantidos em sigilo.
Todavia, não ficou acertado que pediriam segredo, também, aos enviados do Banco àquela reunião preliminar: Contraf-CUT, ANABB, Eleitos da PREVI, etc.
Por isso não é com o Blog que os senhores devem se preocupar. Até porque aqui é um dos poucos lugares onde se pode tomar conhecimento de determinados assuntos mantidos a sete chaves por quem deveria divulgá-los.
A persistirem as opiniões de cerceamento da conduta de isenção e compromisso com a verdade que aqui impera, disponibilizarei uma enquete para avaliar o desejo da maioria:
“Você concorda que o Blog deva se sujeitar à censura e sonegar informações do interesse dos aposentados e pensionistas?”
Prometo-lhes que, se a censura prevalecer, fecharei o Blog e me dedicarei exclusivamente à AAPPREVI.
A mudar minha conduta prefiro retirar-me escudado em minha honra, minha dignidade e meu compromisso com a verdade.

Saudações,

Marcos Cordeiro de Andrade

LUIZ FERNANDO disse...

COLEGAS,a PREVI foi criada para a complementação da aposentadoria, igualando o que se ganhava na ativa.Pois bem,isto nos foi tirado em 97. Me aposentei em 2007 e de lá para cá,em 04 anos, a defasagem ja passa dos 35%, contando com o aumento este ano,o Banco concedendo 13% no VP e VCP, e mais 7,5% sobre comissões, e somado a isso , a parcela PREVI que corta nossos rendimentos, sem dó, nem piedade.

Jader disse...

Caro Marcos,
em nenhum momento tive a intenção de promover a censura ou a sonegação de informações aos colegas, e ainda menos de causar danos por "fogo amigo". As razões de minha sugestão foram expostas em meu comentário. Lamento se não me fiz entender, e peço sinceras desculpas por qualquer transtorno causado.

Ari disse...

Amigos bloguistas,

No meu interior, que o inglês chama de "INNER", tenho a sincera convicção de que o acordo sai logo. Tenhamos paciência, sejamos otimistas. De repente somos surpeendidos com boas notícias. Nós queremos, o Banco quer (a seu modo)...pois existe pressão vinda de fora. Tem tudo para acontecer já em novembro.

Moro em Joinville. Sou fanático pelo clube da cidade. Dia 17.10, enquanto estava em Brasília, meu decidia em casa com 17 mil torcedores no estádio, uma vaga para ascender à série C do brasileirão. O time amarelou e perdeu a vaga para um time muito inferior. Agora sou surpreendido com a possibilidade de vencer no "tapetão" posto que o América-AM jogou com um jogador não inscrito na CBF. Por essa eu não esperava.

Mas, pelo superávit eu espero e ele vai sair!!!

wilson luiz disse...

Muitos comentam que deveríamos fazer acordo com o Banco, recebermos metade do superávit e, posteriormente, ingressar na Justiça buscando o direito sobre os outros 50%. Não acredito que o Patrocinador nos libere alguma coisa a não ser com assinatura de documento em que seja reconhecido o seu direito. Todavia, como nenhuma associação representa TODOS os assistidos, fatalmente haverá o posterior ingresso de ações na Justiça.
Ainda sobre este assunto, transcrevo o que escreveu meu 50% xará Joaquim Luiz, 23 outubro, 18:00 hs.: "jamais entrarei na justiça para receber o que através de acordo eu aceitei".
Caro Joaquim, permita-me discordar de você. Se "acordo" houver, terá sido fruto espúrio da mais sórdida e desumana campanha de humilhações e sufocamento financeiro que uma empresa moveu contra seus ex-funcionários, além de estar baseado em uma legislação flagrantemente ilegal, urdida nos porões do Banco do Brasil, com a complacência do Ministério da Previdência. Estamos sendo chantageados, até para sobrevivência de muitos, a aceitar este "acordo", mas não vejo qualquer obstáculo ético ou moral para que, posteriormente, se busque, judicialmente, os nossos direitos.

Anônimo disse...

Temos este blog como único espaço para obtermos informações, peço por favor que não seja travado nosso canal de comunicação.

Não precisamos esconder nada do nosso inimigo , ele sabe exatamente o que queremos e o precisamos, sabe quanto ganhamos, sabe quanto devemos, não adianta bater de frente, a melhor solução é entramos em um acordo que beneficie ambos,eles sabem que são elefantes e nós formigas e formigas velhas e desunidas, não formamos nem um formigueiro oara fazer estrago, não há o que resolver, é aceitar os 50% o mais rápido possível.

Se a proposta de 360/360 que sanaria grande parte das injustiças criadas pelo BB e Previ e consta como proposta aprovada no relatório de estudo das associações enviadas para Faabb e pela Anabb e é uma verdadeira aberração não se resolver tal absurdo, só recebeu um voto, vamos querer o que, quando iremos chegar a um consenso, é aceitar alguma coisa ou nada, o BB não tem pressa sempre se dará um jeito de justificar-se as atitudes do BB e Previ, se não existe eles inventam uma nova res.26 e acertam tudo , fica tudo como manda a Lei.

ricardo o.c.de albuquerque disse...

Prezados colegas.
Estou querendo dar algumas insignificanters opiniões sobre nosso momentoso assunto:
Eu, nas vésperas do dia 17.10, enviei um e-mail para Isa, embora me pareça que ela não recebeu. Aventava a possibilidade do BB exigir algum compromisso de desistência quanto aos 50% que ele se julga dono. Depois eu pensando melhor, embora meu conhecicmentos jurídicos sejam insignificantes, comecei a achar que já liem agum lugar que ninguém pode ser, por nada, impedido de recorrer a justiça. Alguém pode esclarecer melhor este tópico. No caso de recebermos só 50%, vamos raciocinar o seguinte: vamos para a justiça. Enquanto o embate se trava vamos acompanhar a possível geração de novo superavit ou deficit, pois que na segunda situação nós também seriamos penalizados. No caso da justiça mnifestar-se a nosso favor teríamos um bom colchão preparado para esta eventualidade negativa
No caso de ser tudo a nosso favor, o que pode acontecer, pelo menos nosso herdeiros seriam beneficiado. Abraços. Ricardo O.C.de Albuquerque.
OBS. Parece que em 2008 houve um deficit considerável.

Anônimo disse...

Talvez seja este o artigo da Constituição, que o colega Ricardo Albuquerque se refira:
Art. 5º - Inciso abaixo:
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;

Mesmo que haja acordo, o processo continua.

Anônimo disse...

No meu ponto de vista o Banco já até meteu a mão nestes 14 bilhões, nada me tira da cabeça isso.Não confio em nossas instituições, e duvido que alguém me prove por A+B, que este dinheiro está de verdade em poder da Previ.Eu acredito que o Sérgio Rosa , Sasseron e outros que se corromperam já sabem disso.Se não negociarmos, provavelmente não teremos nada.E além disso, o superávit só tem a aumentar, basta ver que nossos reajustes são pífos e calculados pelo índice mais mesquinho o INPC, quando IGPD-I e IGPM e outros índices mais generosos podiam estar sendo usados.O banco já traçou sua estratégia de sempre pegar o dele.Querendo todos ou não, pq ele tem grana pra comprar a justiça, pra comprar resoluções, e para comprar o poder.

Anônimo disse...

Marcos,

Endosso e avalizo a sua opinião,sobretudo, porque é lúcida, lógica e, além disso, se constituí em prática usual do mercado na recuperação de créditos.
Se tenho um devedor, que me propõe pagar a metade de uma dívida, na esfera amistosa, recebo de pronto e depois mando executar, judicialmente, o saldo remanescente, se for preciso.
Por analogia, esse caso é parecido com o do BB, vamos receber os 50% definidos na Resolução 26, melhorar os nossos benefícios e depois, com gordura para queimar, ingressaremos com uma ação judicial bem fundamentada, para reaver aquilo que o BB levou com fulcro na ardilosa e inconstitucional Resolução.
A Diretoria Executiva BB não saltaria num trapézio sem rede de proteção ( Res. 26), isso significa que estão seguros com relação as contabilizações e ao direito nos seus 50%, não devendo exigir anuência de ninguém sobre isso. Para eles a decisão da PREVIC é definitiva.
Tenho absoluta certeza de que esse será o último superávit que iremos receber através de negociação.
Se for acionado judicialmente, para devolver os 50%, que irá apropriar,o BB fatalmente vai entrar com Embargos e os futuros superávits ficarão em eterna discussão. So a justiça será capaz de pacificar a questão.
Num raciocínio simplista, podemos considerar de 15 a 20 anos para se obter uma sentença definitiva, transitada em julgado. A maioria de nós, talvez nem esteja aqui mais para assistir o defecho.
Por último, caso refutassémos, agora, o recebimento dos superávits, colegas que sofreram injustiças em consequência de tudo que foi feito de errado no passado,
poderiam dar adeus as perspectivas de correção das reduções de que foram vítimas, especialmente quem aposentou-se pós-97. Insatisfeitos com o esbulho, evidentemente, que estamos, mas temos que aceitar as ponderações do Marcos, porque elas são sábias e inteligentes, para o presente momento.

João Rossi Neto.

Anônimo disse...

Para reflexão dos que leem este blog:
"O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, disse neste domingo (24), no bairro de Copacabana, no Rio, que não vai privatizar as empresas estatais. "Vou estatizar as empresa estatais, que não mais servirão a interesses privados de partidos", afirmou."
Interessante este último paragrafo.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

AMIGO MARCOS,

Recebi seu e-mail onde relata a infelicidade de uma aposentada vítima de golpe de estelionatários.

Como meu benefício é de valor um tanto acima da média, preocupei-me em evitar golpes e fui até a agência do INSS.

A orientação foi no sentido de apresentar uma carta, desautorizando concessão de empréstimos consignados. Desta forma o INSS bloqueia o benefício para empréstimos, que se vierem a ocorrer assim mesmo, livra o aposentado de qualquer responsabilidade.

Um abraço,

Ary Taunay Filho - Guaíba(RS)


BB 1.416.100-1

Fones 51.34020160 - Vivo 9836-4401 - Tim 8207-3763

Anônimo disse...

Colegas,

Penso que independentemente do resultado das eleições, que ao que tudo indica, parece estar decidido, não deveríamos nos abster de através do voto mostrar nosso inconformismo contra as atitudes tomadas pelo BB e PREVI, hoje aparelhadas pelo PT.

Anônimo disse...

Marcos, com referencia ao seu comentário de 23/10/2010 das 18:25, relativo a minha mensagem das 17:09.

Respeito a sua idéia, como devemos respeitar todas as opiniões emitidas neste blog, mas não concordo com seu posicionamento.

Não aconteceu a infeliz assertiva mencionada, o que ocorreu foi o seu equívoco de entendimento.

Na distribuição passada do superavit não recebi nada. Então o que posso aguardar da próxima distribuição?

Não sei se você foi contemplado ou não. Eu me senti lesado, penalizado em meus direitos, pois contribui pela mesma sistemática que os outros e mesmo assim nada recebi.

Eu não estou criando polêmica, estou defendendo um posicionamento de quem não foi contemplado da vez anterior e pode voltar a ficar na mesma situação, ou contemplado de forma irrisória, por que há tantas propostas de distribuição que me assusta. Isso é preocupante.

Vejamos que existem mais de 9 ou 10propostas para distribuição do superavit. Elas não são polêmicas? Somente o meu raciocínio é que causa polêmica?

Eu ainda sou pelo tratamento em que todos sejam contemplados isonômicamente.


Você não fez nenhum comentário ou crítica sobre o último parágrafo da mensagem que é muito importante em relação ao término do meu raciocínio.

Minha mensagem não é tão diferente de algumas que tocam no mesmo assunto, talvez a diferença esta no modo de escrever ou de interpretar.

Digo que não sou bom para escrever o que pode levar uma pessoa a interpretar o texto diferentemente daquilo que tentei transmitir.

Abaxio vai a transcrição a que me referi:

Então acredito que deveremos seguir os normativos da PREVI e outros normativos que não a Resolução 26, pois, assim não estaremos beneficiando essa ou aquela parcela, estaremos seguindos os preceitos regulamentares e não de interesses alheios ao que nos é determinado pelas normas em vigor.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Ao anônimo das 12:43.

E a quem interessar possa.

Assumi no Banco em Itabaiana (PB), no dia 15 de maio de 1962, quando me filiei a todas as Entidades cujos formulários me foram postos à frente.
Até o presente momento nada recebí de benefício extra, seja por conta de superávit ou qualquer outra nomenclatura, além da isenção generalizada do pagamento da contribuição mensal à PREVI, a partir de 1976.
Mas isto também foi direcionado ao Patrocinador e ao pessoal da ativa, fatos que considero uma aberração. Minha remuneração está aquém do valor médio apregoado pela PREVI e sobrevivo dignamente graças à vida regrada que levo, amparado pela ajuda e compreensão do filho trabalhador e dos Empréstimos Simples da vida.
Eu, como tantos outros, também quero minha parte no superávit em discussão, mas nem por isto advogo em causa própria.

sergioinocencio disse...

Marcos,

o seu post confere em numero, genero e grau com o meu pensamento ja aqui externado, o BB pretende e sempre pretendeu se apoderar de todo o superavit.
em não sendo possivel, quer ficar com o vr que fez contabilização, mesmo sendo este valor acima da metade do superavit, ficando para nós partacipantes achar uma forma de se adequar a sua vontade.

como dizem aqui em STA Catarina os manezinho, se queis queis, se não queis diz....

Ari disse...

Ao Anônimo das 12:43

Não apenas você nada recebeu do superávit anterior. Mais da metade não foi contemplada com nada. E grande parte foi contemplada com quase nada.
Pelo que entendi de sua mensagem, você quer seguir os normativos da Previ e deixar de lado a Resolução 26. Só não pode esquecer que qualquer acordo deve passar obrigatoriamente pela PREVIC. Foi ela, ou os mesmos dirigentes dela, Ricardo Pena, principalmente, quem elaborou a tal Resolução e SE NÃO FOR seguir suas resoluções, simplesmente NÃO HÁ distribuição de superávit.
Conclusão: Para a negociação prosseguir, somos obrigados a seguir, pari passu, a referida Resolução.
A não ser que ela seja derrubada.

Tudo de bom.

Anônimo disse...

Pessoal, dia 26 esta chegando e vamos esperar por mais uma reunião. Espero que tudo seja concretizado da melhor maneira possivel para todos!!!

Anônimo disse...

Caro sergio Inocencio,

Me desculpe mas eu não entendi a sua mensagem. Você concorda que o BB leve mais do que os 50% - já que contabilizou R$ 14 b nós vamos ter que liberar este valor para ele? E as merrequinhas que sobrar, se sobrarem, ficam para nós?

Outro ponto: você fala que nós temos que achar uma forma de nos adequarmos a vontade do BB? Não entendi de novo.

Anônimo disse...

Marcos, referente sua mensagem das 13:04.

Felizmente nós não advogamos em causa própria.

Eu desejo apenas isonomia para que tenhamos o mesmo tratamento a que fazemos jus, nada mais que isso.

Nosso modo de vida ao que parece pode ser bem semelhante, levo um vida simples e sem exageros.
Meu benefício Previ esta abaixo da média, menos de R$ 3.000,00/mensais.

Estamos engajados na mesma causa, e ao fundar a AAPPREVI você avocou para si toda a responsabilidade em torno de uma associação, reacendendo as esperanças daqueles que não encontraram o devido apoio das associações já existentes, que não supriam as nossas necessidades, apresentando uma linha de atuação não condizente as atividades a elas inerentes.

Coragem é que não lhe falta e o parabenizo por isso.

Espero que você consiga alcançar os objetivos a que se propos, não apenas através da AAPPREVI, mas aqueles a quem você assumiu consigo mesmo, que eu julgo os mais importantes e que o faz atingir os objetivos dessa associação que se tornou símbolo de forma de representatividade que não existia nesse meio.

Parabéns e que Deus te abençoe e ilumine.

Anônimo disse...

Ao Marcos Cordeiro e demais colegas, se possível, gostaria se alguém sabe informar com relação a esta AÇÃO CIVIL PÚBLICA - Proc. 0119300-92.2009.5.10.0015,de 04 de outubro de 2010,impetrada pela AAFBB e sindicato dos bancários da Bahia, se a mesma tem validade para todos os funcis da ativa e aposentados a partir desta sentença e que tomaram posse antes de 01 de julho de 1996. Visto que a CASSI continua cobrando co-participação nos exames de rotina. Inclusive neste mês de outubro, já veio descontando o referido valor.Se o juiz determinou multa de 10.000,00/dia em caso de descumprimento, pergunto se a Cassi não estaria descumprindo a decisão? Obrigado.

Anônimo disse...

Colegas, não sei porque, mas não estou conseguindo mais entrar no meu e-mail. Portanto, não consigo enviar nem receber mensagens. Está dando erro nº 80048820.Alguém poderia me ajudar?

Anônimo disse...

Marcos, a título de informação.

Vide um parecer do advogado Ivo Evangelista Avila, constante no Google. Insira o nome ivo evangelista de avila e na pesquisa clique no ítem abaixo:

[PDF] Clique aqui e confira o parecer dos advogados - parecer previ final
Formato do arquivo: PDF/Adobe Acrobat - Visualização rápida
IVO EVANGELISTA DE ÁVILA. S/C ADVOGADOS. SAS Quadra 06, Bl. “K”, Ed ...
www.anabb.org.br/pdf/parecer_previ.pdf - Similares

Anônimo disse...

Prezado Marcos,
Quantos aposentados e pensionistas frequentam regulamente o blog? Faço essa pergunta, em razão de sugestões aqui apresentadas, de se criar senhas de acesso à determinadas informações que poderiam servir para nortear o Banco em futuras propostas. Particularmente, acredito que a força do blog se deve em primeiro lugar à liberdade que temos em expor as nossas ideias e dificuldades e não seria bom esconde-las. É importante que o Banco saiba o que nos achamos dele (Banco) e o caráter dos seus dirigentes. Em segundo lugar, o blog não necessariamente exprime o desejo da maioria em querer aceitar qualquer migalha. É bom que esses administradores também tomem conhecimento que muitos de nós, necessitamos urgentimente de melhorias em nossos proventos. Afinal, tem muitos cara-de-pau na Administração achado que estamos chorando de barriga cheia e que vamos aceitar qualquer donativo.
Lamentavelmente o patrocinador saqueia a Previ e ainda quer impor as lições de como promover o "butim". Por isso, quero a minha parte sim antes que o Governo resolva ficar com tudo. (Ora,isso aconteceu recentemente na Argentina e nada impede que aconteça por aqui também). É tudo farinha do mesmo saco.

Anônimo disse...

Marcos, me explique o que venha a ser "acordo" da distribuição do superavit.

Existe nos regulamentos a maneira de se fazer a distribuição do superavit?

- Se existe a maneira presume que não precisa de acordo, basta seguir a regra.
- Se não existe a maneira então tem que se criar uma maneira e tem que ser feita através de acordo.

Anônimo disse...

Ari, num estado de direito se um normativo ou resolução esta suspensa, sem efeito, negocia-se sem ela. Acho que é assim que funciona a lei. No estado Lula as coisas podem ser diferentes. Como se comportar na atual circunstaância.

Jose Faancisco disse...

BUenas.
Alô anônimo do dia 23 de outubro as 11;41.
Pedro Simon é senador pelo RS e não por GO.
Abraços
Francisco

sergioinocencio disse...

Anonimo das 13.54 hs

concordar eu não concorda, mais neste estagio da coisa não ha o que se fazer, apenas nos recusando a negociar.
o que afirmo e reafirmo ser pensamento meu, o Banco "descobriu" que se apoderou de grana demais, mais não abre mão do que se apoderou, jogou o pepino no nosso colo, nós é que temos que resolver o rolo, ele quer os 14 bilhões, se vamos ficar com menos, o problema é nosso.
tah vendo como é bonzinho esse BB, este é o meu pensamento.
foi por isso que na reunião foi dito por parte de seus representantes que ele quer os 50% a que tem direito ( que na opinião dele BB, corresponde aos 14 bilhões contabilizados) e que difere do vr apresentado pela Previ.

Anônimo disse...

MARCOS. VAMOS COLOCAR O NOSSO CASO COM A PREVI E BANCO DO BRASIL, O "SUPERAVIT", NO CONCILIADOR DA TV GLOBO? QUEM SABE ELE PODERÁ RESOLVER A QUESTÃO?.

antonia disse...

Marcos,
Seria interessante se os colegas fizessem comentários dentro do que realmente pode ser negociado, levando em consideração: Leis, resoluções, estatutos e normas em geral.
Não adianta ficarms tecendo comenários imensos e cansativos baseados no que queríamos que acontecesse e sim no que realmente seja passível de negociação.

Anônimo disse...

Marcos, a diretoria da PREVI já declarou que , embora o BB tenha registrado em seu balanço 14 bi, não saiu dinheiro dela (PREVI). SERÁ ISSO VERDADE? TENHO AS MINHAS DÚVIDAS. AGUARDEMOS A REUNIÃO DO DIA 26 (TERÇA FEIRA).

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Processo n° PROCESSO : 001193-2009-015-10-00-7
15ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA / DF
AÇÃO CIVIL PÚBLICA
Proc. nº 0119300-92.2009.5.10.0015

Caros Colegas.

Leiam esta troca de mensagens entre Raul Avellar e Tollendal:


On 10/24/2010 11:33 AM, Raul Avellar wrote:

Tollendal

Agradeço imensamente a transcrição da presente sentença, mas
pergunto, por favor, se ainda cabe recurso a esta disposição.

Aguardando sua resposta, o amigo ao seu dispor
Raul Avellar.

De: F. Tollendal
Data: 24/10/2010 11:58:10
Para: Raul Avellar
Assunto: Re: Res: BB é obrigado a prestar assistência à saúde

Prezado Raul,

Sim, cabe recurso, embora seja um ótimo precedente em nosso favor. Você sabe a irrisão que é a justiça brasileira: temos em Brasília uma ação coletiva que propus quando fui diretor do Sindicato, em 1968, e teve ganho de causa em todas as instâncias. Pois já se passaram 48 anos e até hoje não foi liquidada!

Quando o Dr. Sampaio Lacerda foi consultor jurídico do BB, faz muitos anos, em determinado momento ele comentou comigo qual era a estratégia do Banco em relação às causas trabalhistas: recorrer sempre, por todos os meios possíveis, para obstaculizar o cumprimento das sentenças. Ele afirmou que isso era duplamente vantajoso, pois - por um lado - o Banco continuaria a lucrar com o giro do dinheiro e - pelo outro - "o Banco não está sujeito à lei da morte" (na sua própria expressão camoniana), podendo assim esperar indefinidamente, o que não acontecia com os reclamantes...

De fato, mais da metade já se foi. A observação pode parecer cínica, mas é absolutamente verdadeira, não é?

Aceite meu abraço,

F. Tollendal

Sigismundo Borges disse...

Prezado Marcos,

Sem hipocrisia, digo-lhe que concordo com o exposto em seu artigo "Peixe Fisgado" e que considero que -apesar de não ter sido aceita pela maioria-, que a melhor proposta apresentada, até o momento, foi a que você elaborou no dia 17.10.10.

"Meu" presidente: nos últimos dias diversos colegas emitiram comentários (críticas, sugestões, possíveis soluções e explicações) sobre a possível distribuição do superávit/2007.
Confesso-lhe que fiquei confuso, em alguns aspectos, NÃO SABENDO COM QUEM ESTARIA A VERDADE.
Por esse motivo -e por presumir
que seja uma dúvida que outros colegas também tenham-, pergunto-lhe: 1)- qual o valor médio da remuneração apregoada p/PREVI?; 2)- para quem APOSENTOU-SE POR INVALIDEZ, como eu, o que é mais interessante financeiramente: a opção 360/360 OU a alteração do percentual do TETO DE 90% PARA 100%. Esclareço-lhe que na distribuição ANTERIOR, o único valor que recebí foi R$ 1,37 (um real, trinta e sete centavos), ref. à verba "P-380".
Como subsídio, novamente informo-lhe: minha POSSE foi dia 27.01.75 e a APOSENTADORIA POR INVALIDEZ foi no dia 27.01.2004, portanto, com exatos 29 anos de BB.

Prezado Marcos, desde já agradeço-lhe pela sua paciência, cortesia e atenção costumeira. Que tenhamos sucesso na reunião do próximo dia 26. Muita paz e saude!

Sigismundo Borges disse...

Prezado Marcos,

Sem hipocrisia, digo-lhe que concordo com o exposto em seu artigo "Peixe Fisgado" e que considero que -apesar de não ter sido aceita pela maioria-, que a melhor proposta apresentada, até o momento, foi a que você elaborou no dia 17.10.10.

"Meu" presidente: nos últimos dias diversos colegas emitiram comentários (críticas, sugestões, possíveis soluções e explicações) sobre a possível distribuição do superávit/2007.
Confesso-lhe que fiquei confuso, em alguns aspectos, NÃO SABENDO COM QUEM ESTARIA A VERDADE.
Por esse motivo -e por presumir
que seja uma dúvida que outros colegas também tenham-, pergunto-lhe: 1)- qual o valor médio da remuneração apregoada p/PREVI?; 2)- para quem APOSENTOU-SE POR INVALIDEZ, como eu, o que é mais interessante financeiramente: a opção 360/360 OU a alteração do percentual do TETO DE 90% PARA 100%. Esclareço-lhe que na distribuição ANTERIOR, o único valor que recebí foi R$ 1,37 (um real, trinta e sete centavos), ref. à verba "P-380".
Como subsídio, novamente informo-lhe: minha POSSE foi dia 27.01.75 e a APOSENTADORIA POR INVALIDEZ foi no dia 27.01.2004, portanto, com exatos 29 anos de BB.

Prezado Marcos, desde já agradeço-lhe pela sua paciência, cortesia e atenção costumeira. Que tenhamos sucesso na reunião do próximo dia 26. Muita paz e saude!

GILVAN REBOUÇAS disse...

Colega Sigismundo Borges:

Respondendo ao seu questionamento eis as respostas:
BENEFÍCIOS PAGOS EM 2009 - PLANO I

Benefícios pagos: R$ 5,95 bi
Benefício médio mensal: R$ 5.775,47

(Fonte: PREVI)

No seu caso, a proposta 360/360 é mais vantajosa.
A ampliação do teto de 90% para 100% não vai contemplar todos os associados.


Atenciosamente,

Gilvan Rebouças

Vice Presidente Financeiro - AAPPREVI.

Anônimo disse...

Ok Sérgio Inocêncio,

Agora entendi. Como o BB que mais de 50%, fato que você não concorda e muito menos eu e outros participantes da PREVI, o caminho é parar a negociação e ir para a justiça. Não podemos, a pretexto de levar um valor qualquer (por menor que seja), entregar o patrimônio que é nosso para o BB.

É importante que todos estejam vendo para onde começa a se direcionar as coisas. Não podemos sob a alegação de que temos que pegar algum benefício "urgente" relativo ao superávit começar a fortalecer entendimentos como de que uma eventual ação judicial vá levar, também, 48 anos que neste caso não se aplica visto o fator da "pressão" que o BB está sofrendo para resolver este caso. Também não podemos ser incoerentes. Se somos contra a resolução 26 (50% para cada um) COMO É QUE VAMOS CONCORDAR QUE O BB LEVE MAIS DE 50% (receba os R$ 14 b contabilizados) AINDA MAIS PREJUDICIAL PARA OS PARTICIPANTES.

Renovo o que já disse. Deposito hoje minha confiança no discernimento daqueles que estão negociando com o BB. Porque do jeito que a coisa anda não vai ser um tiro de basuca que estaremos dando nos nossos pés (minha opinião anterior) e sim estaremos largando uma bomba atômica em cima dos mesmos.

Anônimo disse...

Na atual safra de balanços, os bancos começam a divulgar os seus resultados referentes ao terceiro trimestre na próxima semana.

Do universo de instituições cobertas pelo HSBC, o Bradesco será o primeiro a publicar o resultado, no dia 27. A expectativa da corretora é de um lucro recorrente de R$ 2,445 bilhões.

No dia seguinte será a vez do Santander. A projeção de lucro para o banco de capital espanhol é de R$ 1,902 bilhão.

No dia 3 de novembro, o Itaú Unibanco divulgará o seu balanço. O HSBC prevê que a maior instituição privada do país irá registrar um lucro líquido recorrente de R$ 3,307 bilhões.

A safra será encerrada pelo Banco do Brasil, no dia 16 de novembro, e o lucro esperado para a instituição pública é de R$ 2,291 bilhões.

Fonte : brasileconomico 22/10/2010

Pergunta-se: Porque o BB vai esperar tanto tempo para divulgar o resultado do 3º trimestre, encerrado em 30.09.2010? ( quase dois meses após)
Aí tem. Deduz-se que, primeiro quer saber o resultado dos outros, para, depois, supera-los de "alguma forma".

Anônimo disse...

Mais uma:
BANCARIA ASSEDIADA MORALMENTE PARA CUMPRIR METAS GANHA R$ 100 MIL DE INDENIZAÇÃO

Uma ex-funcionária do Banco do Brasil, que foi vítima de assédio moral por parte do gerente de uma agência em Cuiabá (MT) para cumprir metas, receberá indenização por assédio moral. A decisão foi da Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que não conheceu do recurso de revista do banco.

Segundo a petição inicial, a trabalhadora informou que sofria pressões por parte do gerente e de seus prepostos para atingir metas determinadas pelo Banco do Brasil. Ela relatou que o gerente lhe tratava de forma autoritária e desrespeitosa.

A ex-funcionária alegou ainda que, ao perguntar para o gerente sobre qual lugar ela ocuparia após a reforma promovida na agência, ele teria respondido que: “se dependesse dele, ela deveria ficar no banheiro”. Ela relatou que tais tratamentos lhe causaram profundo desgosto íntimo que culminaram em sério comprometimento de sua saúde psíquica, levando-a a se afastar do trabalho.

Noticia completa no link abaixo:

http://www.inacioepereira.com.br/noticias.php?id=2064

LUIZ FERNANDO disse...

MARCOS, a propósito, a nova reunião com a PREVIC enegociadores,ja está com data marcada?

antonia disse...

Marcos,
Pelo que entendi o BB apropriou em seu balanço 14 bi que supostamente poderá receber da PREVI até o apagar da luz do PB1 e não que já tenha como ganho agora, é verdade?

Paulo Beno disse...

Queremos utilizar dos nossos 50% (Metade) do valor em Reserva para Revisão do Plano, AGORA !

A outra metade (50%) que acha-se contabilizada em nosso Balanço ficará para mais tarde, pois o BB que vá à Justiça e, baseado somente numa resoluçãozinha de nº 26 da CGPC, mal-feita pelo petista Pimentel (agora Senador: Oh Ceará... o que fizeste?), TENTE RECEBER A SUA METADE, CONTRA O NOSSO REGULAMENTO E A LC 109/2001

Temos maneiras de distribuir o que é nosso. A Constituição Federal nos permite fazer "acordo" com a Patrocinadora e manter ações judiciais e ingressar com novos pedidos ao Judiciário, pela METADE QUE NOS QUEREM ROUBAR....

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Luiz Fernando.

Está agendada para amanhã,dia 26/10, na sede da PREVIC.

Anônimo disse...

Está certissimo o colega Paulo Beno. Nossa parte é incontroversa, irrefutável, legal e constitucional, amparada por uma lei complementar, que atribui ao Estado exercer a função de proteger os interesses dos participantes e assistidos dos planos de beneficios.(artigo 3º-inciso VI). Vamos pedir ao Procurador Geral da República ( Chefe do Ministério Público Federal ) que exerça a sua competencia constitucional.
O Banco que busque na justiça a validade dessa "resoluçãozinha" emanada de um grupo que desconhece o que é um ato normativo.
,

Anônimo disse...

Ao anônimo das 11:41 horas. O Simon não assume nenhuma posição. Ele sempre é contra tudo, mesmo que depois ossa assumir outra postura quando seus interesses assim determinarem. Portanto, pode riscá-lo de qualquer lista de pedido de ajuda.

Anônimo disse...

Ainda bem que temos o Blog da AAPPREVI para nos mater informados sobre os destinos do superávit, pois e FAABB nada informa (veja "últimas notícias" em seu site) e sua última notícia data de 12.08.2010. A Federação deveria manter as informações altamente atualizadas.

Anônimo disse...

Senhor Presidente da AAPPREVI.

Ouve despacho no processo cesta alimentação movido pela AAPPREVI despacho folhas DJERJ 210/216.

Os advogados podem adiantar o que ficou pubicado nesta sentença.

Anônimo disse...

Colega anônimo de 25 de outubro de 2010 06:54,


Se estas falando do Senador gaúcho Pedro Simom, estás coberto de razão, e olha que eu sou gaúcho. De enroladores chega o SASSERON, o VALMIR a CECÍLIA, não precisamos de mais um, esqueçam o SIMON, vem fazendo de conta a mais de 30 anos no Senado.

Anônimo disse...

Além de outras coisas, em política sou um completo idiota. O Pedro Simon e o falecido Jeferson Peres eram os dois únicos políticos que eu achava sérios. Um morreu e o outro segundo o colega gaúcho é um enrolador. ALGUÉM CONHECE OU CONHECEU ALGUM POLÍTICO CONFIÁVEL?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

PLR - BB Pagou R$ 635,9 milhões.

O pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) dos funcionários do Banco do Brasil, realizado pelo banco nesta quinta-feira, 21, injetou R$ 635,9 milhões para as quase 110 mil famílias dos funcionários da empresa. A regra de PLR conquistada pela mobilização dos bancários do BB é considerada parâmetro para a categoria.

O acordo assinado com o banco pela Contraf-CUT na última segunda-feira, 18, prevê que todos os dias de substituição ou exercício parcial da função de Caixa serão considerados no cálculo da PLR. Também foi incluída uma cláusula que garante que nenhum funcionário receberá menos do que valor previsto para a PLR de Escriturário, que neste semestre ficou em R$ 3.118,08.
Fonta: Contraf-CUT - Seeb-Brasília

Anônimo disse...

Prezado Marcos, sem querer tomar seu precioso tempo,visto que sua dedicação a AAPPrevi tem sido muito útil para todos nós que dela participamos. Mas, gostaria, se não fosse lhe pedir demais, que você me explicasse a frase "
Só lhe peço não criar polêmica aqui – não como anônimo, para que deixemos o espaço isento de declarações constrangedoras, em respeito aos menos afortunados."
Fiquei com a pulga atráz da orelha com esta sua declaração, postada no blog, em resposta a um anônimo do dia 23.10.10 17:09.Portanto fica a seu critério, se você assim o desejar, responder para o meu e-mail: r.pi.m@hotmail.com ou neste blog. Faço esta pergunta porque pelo exposto, ao participar da reunião com as demais associações, parece-me que guardaram algum segredo, o qual nem todos devem tomar conhecimento.
O meu temor é que possa estar havendo outro renda certa nº2.Porque do 1º nada recebi, ou que algum grupo de aposentados fique de fora deste novo acordo que se espera.Então quem seriam estes menos afortunados?
Voçê mesmo, quando criou este blog, o fez pautado na transparência das informações. Diferentemente das outras associações de aposentados.
Muito obrigado se puder me responder.
Também fica a seu critério a publicação neste blog.

Anônimo disse...

Pois é gente!Antes os canhões do BB estavam direcionados para os funcis da ativa, desde 1995.
Agora,os mesmos canhões se direcionaram para os aposentados e pensionistas do PB1.
E o estatudto do idoso? Como é que fica?

Anônimo disse...

Como sempre aposentados e pensionistas ficam a ver navios!
Que horrorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr
ACORDA PREVI!!!!!!!!!!!!!!!!!!
ACORDA Banco do Brasil!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Marcos,

O jogo está tão escancarado, desde o início, que nenhuma das partes tem o que esconder,senão vejamos:
1-A Resolução 26 vai ser aplicada? Vai. Então cada um leva 50%, ponto pacífico;
2-O BB já gastou, por conta, R$ 14 bilhões? Já. Então o problema é dele, caso a sua parte não cubra o rombo;
3-Cabe aos nossos representantes colocarem as propostas selecionadas sobre a mesa, para definição, escolhendo aquelas que caibam dentro dos recursos disponibilizados e mais votadas pelos aposentados.
Não existe mistério e sigilo nenhum a ser guardado, sobretudo, dos assistidos, que merecem conhecer os itens negociais a serem discutidos.
Para mim isso é excesso de zelo e burrice, com todo respeito que devo aos nossos representantes.
A Sra. Isa Musa não é de levar desaforo para casa, no entanto, foi provocada, aqui, neste blog, várias vezes e fez vistas grossas, abstendo-se de dar as suas fulminantes respostas.
Até gostaria de saber, quem é o Pai desta estratégia retrógrada e obtusa.
Com rigor e autoridade necessários, não permitir que o BB vete nada que couber aos aposentados, visto que aplicou, à sua feição, os 50% ora levados provisoriamente.

João Rossi Neto.

Anônimo disse...

Amanhã é o dia da reunião com a previc.

Estou na torcida para que seja costurado algum acordo financeiro que venha a socorrer todos nos.

Colega Isa Musa.....contamos com a sua força na defesa da proposta das pensionistas. Na certeza de que dessa vez ela não será enterrada nos porões descarnados do "vamos fazer um estudo" ou "vamos criar um Grupo de Trabalho".

Que dessa vez a justiça com nossas pensionistas seja feita com seriedade e honestidade.

Forte abraço

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Colega (meio) anônimo das 09:59.

Deixo de usar seu e-mail como sugeriu porque não seria honesto de minha parte contemplá-lo com uma informação que não possa direcionar aos demais freqüentadores do Blog.
Como você bem disse, referindo-se a mim: “Você mesmo, quando criou este blog, o fez pautado na transparência das informações”.
Nada mudou com relação à transparência de informações.
Acontece que compareci à reunião da FAABB na condição de Presidente da AAPPREVI, sua afiliada. Assim sendo, minha postura naquela ocasião estava subordinada aos ditames impostos ao conjunto das Associações presentes e, muito embora tenha me insurgido contra a “Lei da Mordaça” imposta, não tive alternativa senão acatar a recomendação como Presidente de uma Associação presente ao encontro, ainda mais porque a decisão foi tomada em votação majoritária, onde fui voto vencido.
Permaneço fiel ao compromisso assumido, por isso, no devido tempo farei um relato de todo o ocorrido, uma vez passado o momento que, segundo entendimentos com os quais não comungo, não é propício para se dar publicidade a tudo que foi discutido naquela reunião.
Também, a partir do momento em que sentir que o acordo foi quebrado, meu compromisso com a Federação deixa de existir. Uma coisa é agir como moderador do Blog usando as informações obtidas das diversas fontes de que me abasteço, outra seria me utilizar de informações privilegiadas obtidas no exercício da função de Presidente da AAPPREVI, para suprir o Blog que não pertence à Associação.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade

Anônimo disse...

CESTA ALIMENTAÇÃO-AÇÃO VITORIOSA
2008001262450 5- 7 colegas contemplados, com R$168.317,78, sem contar a cesta mensal.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Resosta ao anônimo das 08:25 e aos demais associados da AAPPREVI sobre a Ação Cesta Alimentação.

Prezado Sr. Marcos,

Houve um despacho que foi publicado em 18.10.2010, o qual apenas nos oportuniza a impugnar a contestação em 10 dias. É a minha missão no momento (estou trabalhando nisso).

Não se trata de despacho de 210/216. O despacho foi publicado na fl. 212, ou seja, entre as folhas n. 210 a 216, do Diário Eletrônico da Justiça do Rio de Janeiro.

A Contestação da PREVI com seus anexos possuem 327 folhas (numeradas de 428 a 754).

Att.

JOSÉ TADEU DE ALMEIDA BRITO
Advogado

Anônimo disse...

Prezado Marcos Cordeiro, relativamente à reunião do dia 26.10 queria saber o seguinte:
1-) O Senhor estará presente ? ;
2-) Qual a pauta(finalidade) da mesma ?

Seria oportuno que a ANABB e a AAFBB cobrasem do Banco qual a sua posição em favor dos funcionários; visto que na última reunião o Banco somente se manifestou a respeito da reinvidicação dos seus 50% que alega ter direito.

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Luís Eustáquio e demais Colegas.

Lamentavelmente a AAPPREVI não estará presente na reunião de amanhã, pois não logramos ser incluídos entre os representantes credenciados.
Ao que nos consta serão os mesmos da vez anterior, conforme Nota Oficial da Federação publicada no Blog no dia 19/10, cujo trecho inicial está reproduzido a seguir:

Nota da FAABB - Reunião de 18/10

“Às Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil

Sr. Presidente,

NOTA OFICIAL DA COMISSÃO DE NEGOCIAÇÃO:

Na tarde de ontem, dia 18 de outubro, aconteceu nova reunião com o Banco do Brasil, para negociar a destinação do superávit do Plano 1. Os associados da ativa e aposentados foram representados pelos dirigentes e conselheiros deliberativos eleitos da PREVI, pela Contraf-CUT, Comissão de Empresa, ANABB, AAFBB, Federação das Associações dos Aposentados e Pensionistas do BB, AFABB-SP e AFABB-RS.”

Como da vez anterior, provavelmente o Blog do Medeiros noticie em primeira mão o que ocorrer (antes mesmo da FAABB) devido ao seu vínculo com a AFABB-RS que, por certo, lhe repassará informações privilegiadas.
Fiquem atentos, pois nós dependemos da boa vontade da Presidente Isa Musa de Noronha para inteirar nossos leitores.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade.

Juarez Barbosa disse...

Prezado Marcos e frequentadores do Blob

Não entendo a preocupação de se resguardar direitos dos funcionários da ativa, veiculados em escritos acima, com relação a distribuição do superavit de agora.

Quais seriam os direitos que os funcionários que estão na ativa atualmente teem??? de usurfruir de tal superávit????

É publico e notório entre nós, frequentadores do Blog, que consideramos a suspensão das contribuições deles uma verdadeira aberração do que de fato deveria estar acontecendo. Onde já se viu que, sendo eu um portador de um determinado título de capitalização, sem ter contribuido com as parcelas regulamentares, durante o tempo estipulado para receber o meu "prêmio", estar agora pleiteando auferir lucros com o meu não pagamento das parcelas contratadas para fazer juz ao que, terminado o tempo contratado, possa ter de "prêmio" acordado????

Vamos primeiro "adquirir" o direito (contribuir o tempo que cada um de nós contribuiu) antes de reinvidicar alguma coisa!!!!!!

A Cesar o que de fato pertence a Cesar

E também, sem falar na PLR que recebem atualmente, coisa inexistente nos tempos de trabalho da maioria de muitos nós, que hoje estamos à merce dos malfeitores que frequentam o poder de nossa PREVI.

s.m.j.

Anônimo disse...

Colegas,

Agora sim estamos fritos ANABB, CONTRAF-CUT e seus pupilos (eleitos da PREVI), vão decidir nosso futuro, dá-lhe SASSERON, dá-lhe VALMIR.

Sasseron não esqueça de aumentar o teto para 100%, promessa que deves ter feito aos teus colegas mais afortunados.

Valmir não esquece de voltar a 1808 para corrigir todas as injustiças do PLANO 1, e com isso não resolverem po--a nenhuma.

É colegas a tática deles já conhecemos faz tempo.

LUIZ FERNANDO disse...

concordo com o colega Juarez Barbosa, a PREVI sempre usou o critério de ?(parcelas)/360. o que é justo, quanto mais tempo pagar,mais vai vai ganhar de complemento...(JUSTISSIMO)

bandolo disse...

Algém por ,obséquio,poderia me explicar, na prática o que significa esta fração 360/360.