domingo, 13 de fevereiro de 2011

Vida que segue

Caros Colegas.

Como sabemos, a vida é um eterno aprendizado, e partindo dessa máxima temos por dever nos dobrarmos ao curso da história. No entanto, acostumados ao enfrentamento de vicissitudes naturais, ou fabricadas à revelia, nunca será tido como normal aceitar passivamente as conseqüências dos tropeços que o destino nos impõe.

Também, danos maiores ou menores experimentados nunca serão determinantes para adoção de postura contemplativa. Nada justifica sentarmos “à beira do caminho que não tem mais fim” vendo coisas e fatos a passar por nós. Somos testemunhas de acontecimentos marcantes nos destinos da humanidade: uns bons e outros amargamente ruins. Nem por isso devemos fechar os olhos ao curso da história. Ora são calamidades titânicas, ora são efemérides que aplaudimos, mas sempre ocorrências que se sucedem para modificar nossas vidas. Até mesmo o peso da morte por vezes nos atinge, ceifando um ente querido, parente ou amigo. E nossas atitudes devem se pautar no contexto em que nos inserimos. Há casos creditados à fatalidade. Como há outros devidos às interferências daninhas justamente direcionadas à dor física que a incúria e a indignidade humana nos imprimem para satisfazer necessidades condenavelmente egoístas.

Seja como for, é dever do ser humano esforçar-se para superar situações adversas e não se deixar abater por interferências negativas que sejam calcadas sobre o seu dia a dia. Coisas como calamidades naturais, a morte em família ou nascimentos de resultados incomuns devem ser levados à conta das peças que o Criador nos prega. Mas fatos resultantes da má condução humana precisam ser catalogados como inaceitáveis e, por isso mesmo, combatidos por todos os meios utilizáveis para sanar mal feitos.

No caso presente, em que se supõe haver um entendimento maléfico para nos prejudicar, mas ao mesmo tempo desconhecido em suas minúcias e, residindo essa postura em alçada colocada acima da nossa capacidade de resolução, de nada nos vale lutar contra moinhos de vento ou sentar à beira do caminho prejudicando todo o resto que dependa de nossas atitudes.

Por isso, ao tempo em que devemos continuar atentos ao desenrolar dos fatos, faz-se necessário tocar a vida no seu rumo de antes, deixando de lado lamúrias e a adoção de paliativos para sanar o mal feito e, assim, não alimentar falsas expectativas para não sucumbirmos aos efeitos do que foi posto a nos atormentar.

Nós, simples e indefesos mortais, procuremos esquematizar o pagamento das dívidas existentes, conseqüência da falta do crédito do superavit, e fiquemos atentos ao que possa e que deva ser feito, cobrando de quem de direito os feitos sob sua responsabilidade. Com isto, vamos tocar a vida sem essa falsa tábua de salvação partindo da premissa de que, daqui para frente nada depende de atos individuais.

Tomemos como exemplo o direcionamento que damos à uma Ação Judicial impetrada: a temos como um direito líquido e certo, porém o resultado fica além da nossa capacidade de atuação e, assim sendo, quando acontecer o desfecho favorável usufruiremos do que nos é devido. Tudo será lucro. E bola pra frente!

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 12/02/2011.

68 comentários:

Anônimo disse...

Marcos, não sei se é o nosso caso (superavit 240%) mas, enfim, a quen interessar possa.

08/02/2011 - 12h31
Receita altera IR sobre ações trabalhistas e atrasados do INSS

Publicidade

MÁRIO SÉRGIO LIMA
DE BRASÍLIA

A Receita Federal publicou nesta terça-feira uma instrução normativa que corrige a tributação do Imposto de Renda sobre rendimentos acumulados, que podem ser de trabalho, benefícios de previdência, aposentadoria e pensão, por exemplo.

Na prática, a pessoa que receber valores acumulados a partir de agora pagará menos imposto, já que o IR referente ao valor recebido será retido na fonte tomando como base o ano no qual o montante seria devido, e não mais no período do recebimento.

Segundo o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir, o contribuinte que estava inserido na faixa de isenção do IR que venha a receber um valor referente a salários que não haviam sido pagos por um período, caso tenha de declarar esses ganhos na declaração normal, passava antes dessa regra a pagar o imposto.

"Isso acontecia porque ela somava esses ganhos acumulados, geralmente que eram depositados após processos judiciais, ao rendimento regular do ano. Assim, ele passava a outra faixa de contribuição e era sobretaxado. Agora, esses valores serão corrigidos pelo período em que deveria receber. Portanto, se ele era isento, deve permanecer isento", explicou.

Isso ocorre porque será levada em consideração a quantidade de meses sobre os quais os rendimentos são referentes. Se a pessoa receber uma quantia de R$ 20 mil, por exemplo, referente a dez meses de trabalho que não haviam sido pagos em 2009, é como se ela ganhasse R$ 2 mil por mês.

Pela tabela progressiva do IR em vigor, isso colocaria a pessoa na faixa que paga a alíquota de 7,5% de IR, segundo a regra nova. Pela regra antiga, esses R$ 20 mil se somariam aos rendimentos normais do ano, colocando a pessoa na faixa de contribuição de 27,5%.

O mesmo ocorria para quem ganhava uma ação judicial de revisão de um benefício previdenciário e ganhava os atrasados --valores que o segurado não recebeu, mas que deveriam ter sido pagos a ele e foram recuperados por meio da Justiça-- do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

A regra foi determinada em uma medida provisória de julho do ano passado e agora foi posta em prática pela Receita. Assim, ela só poderá ser aplicada sobre esses rendimentos acumulados que sejam pagos em 2011, não importando sobre quais anos eles são referentes. Para os pagamentos realizados em 2010, o contribuinte terá a opção de, na declaração deste ano, escolher que eles sejam tributados pela regra nova, na fonte, ou pela antiga.

Com São Paulo.

José Roberto Eiras Henriques disse...

Marcos,

Vamos lembrar e ouvir um pouco de Gonzaguinha:

É a vida!

Eu fico com a pureza das respostas das crianças:

É a Vida! É bonita e é bonita!

Viver sem ter a vergonha de ser Feliz,

Cantar, e Cantar e Cantar,

A beleza de ser um Eterno Aprendiz...


Parabens pelo excelente texto.

"Na vida nada devemos temer e sim compreender" (madame Curie)

Anônimo disse...

Analisando comentários diversos, que se encontram em jornais, revistas, sites, blogs etc..., principalmente de ex diretores da PREVI - ( eleitos por nós/desatentos ) -..." ÊLES " ELAS "...sabem de tudo, chegam ao ponto de serem críticos dos próprios atos praticados não muito tempo atrás, pois participaram do atual " imbróglio " do SUPERAVIT da PREVI -(como são de curta memória e competência pouca )-...com a maior " cara de pau ", própria dos " pseudos astutos " os famosos " espertos "...arvoram-se a dar palpites em tudo, como todo frequentador dos salões do poder adoram ser o porta voz da informação, há muito é moeda de troca nos cafezinhos e reuniões na corte, sem contar o puxa-saquismo condição " sine-qua-non " para conquista de seus objetivos...e " ELAS" " ÊLES " figurinhas mais que carimbadas - já estão em " campanha " - " alguns ", hoje, já com afinado discurso de " oposição "....Desatentos eleitores (nós) - " cuidado " - " o canto da sereia já começõu "...não se espante, mas fiquem atentos Srs. Eleitores (nós)..."ÊLES" "ELAS" virão com 01, 02 ou 03 chapas , profissionais que são, com propósito velado de terminar o serviço iniciado - com propostas fantasiadas de oposição...precisamos e devemos ficar atentos...roguemos para que a "AAPPREVI " lance uma chapa - que será " VENCEDORA "...com o nosso esforço e apoio...para derrotar a " MESMICE "...a " PREVI é NOSSA "..."PENSEM NISSO "...Grato p/ atenção...

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

From: João Rossi Neto
To: previc.gab@previdencia.gov.br
Sent: Friday, February 11, 2011 8:28 PM
Subject: Superávits 2010


Senhor Superintendente,


ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO 1 DA PREVI-DISTRIBUIÇÃO DOS SUPERÁVITS - Assinalar no questionário abaixo, a causa ou causas que estão decretando a demora no exame e, consequentemente, na solução do processo, no âmbito dessa Superintendência:



( ) - Divergência entre o valor do superávit definido pelo BB e PREVI (R$ 15 bilhões)

para distribuição e o apurado pelos técnicos atuariais dessa PREVIC.



( ) - Exigência da PREVIC para que a Previ coloque os R$7.5 bilhões à disposição do

BB e que este faça aplicações de acordo com os seus interesses, sem destinação.



( ) - Transição no cargo de Superintendente, com a saída do Sr. Ricardo Pena.



( ) - Aplicação, na íntegra, da Resolução 26/2008, especialmente quanto aos artigos 8º,

9º e 10º, acarretando redução no Superávit e anulando os termos do acordo, o que

provocaria nova negociação.



( ) - Valor do superávit, dentro dos cálculos dessa PREVIC, que poderia ser objeto de

distribuição - R$.........................



( ) - Obstáculos técnicos que estão inviabilizado o deferimento do pleito: Citar:







Atenciosamente.





João Rossi Neto – Assistido pela Previ – Matrícula: 4.986.560-9.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o anonimo 10:33.
Chapa AAPREVI, Já!!!!!!
Fora Chapa 3!!!!!

Ary Taunay Filho disse...

Marcos,

O grande empecilho para o "crédito" dos 7,5 bi aos aposentados, por conseguinte dos outros 7,5 bi ao BB, é justamente o próprio valor: 15 bi.

Nós bancários temos o defeito de não conseguirmos mensurar valores, vício de lidar com fortunas alheias, manusear a vida toda números "enormes" esquecendo que representam montes e mais montes de cédulas e que estas cédulas despertam a cobiça de todo tipo de gente, principalmente políticos.

Alguém conhece um político, que tenha nas mãos o direito de manipular 15 BI em proveito próprio ou de seu partido e abra mão dele em benefício de alguém? Mesmo que seja em benefício de seus legítimos donos?
Se alguém conhecer certamente não mora no Brasil.

Por outro lado ilude-se quem acredita que a PREVI foi criada para resolver os problemas de aposentadoria dos funcionários do Banco do Brasil. Ela foi criada para resolver os problemas do Banco do Brasil e não de seus funcionários.
Grandes problemas do BB resolvidos pela PREVI:

1. A questão dos PRÉ/67.

2. O prejuízo acumulado no início da década de 90. Resolvido com o acordo espúrio de 97, onde o Previ utilizou o dinheiro dos pedevistas e dos aposentados(sem reajuste), para salvar o BB da falência. Lembrem que o Decreto 81.240/78 determinava que o BB tinha 2(dois) anos para por no caixa da PREVI o dinheiro da parte patronal, que nunca pagaram desde 1967. Depois o ministro Jair Soares estendeu o prazo para 20(vinte) anos e o vencimento seria 15.01.1998.
Assim, como num passe de mágica a PREVI assinou o acordo apenas 20 dias antes de vencer o prazo e salvou o BB, sem o Tesouro Nacional gastar um tostão. Usaram só o dinheiro dos pedevistas e mais de 10 MIL DEMITIDOS SUMÁRIOS e dos aposentados que não viram um centavo de reajuste. Resolveram o problema do BB com dinheiro ROUBADO.

3. Utilização indevida, apropriação contábil irregular em 2009(autorizada pela Resolução 26), tapando mais um furo da instituição BB, que retirando-se o dinheiro da PREVI nunca daria o "grande lucro" alardeado. Daria mesmo é prejuizo.

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Colegas,

A propósito do questionário do colega João Rossi Neto, se a Previc assinalar a terceira opção (Transição), então, talvez, seja o caso da gente começar a se preocupar. Pois, pode ser o caso de "elles" estarem buscando um novo "traidor", a exemplo do Pimentel, para fazer as alterações ilegais no regulamento da Previ para ajustá-lo à resolução 26. E aí, pode ser que não estejam encontrando, no momento, pessoas com esse caráter na atual diretoria da Previc. Daí, talvez, a necessidade da transição. Temos que ficar atentos.

recca disse...

Marcos, acho que já foi feita uma solicitação no blog a respeito da AAPPREVI fazer um estudo da vibiliadade de se retirar as ações em andamento na ANABB e entregá-las a outros advogados. Vc tem algum estudo sobre o assunto?

Anônimo disse...

Uma pergunta, mas se as alterações não forem as que foram acordadas pela tal "maioria" em dezembro 2010, não teriam que passar por nova votação dos associados? Não consigo achar, em nosso regulamento, nada que os livre de uma nova votação se as alterações não forem exatamente aquelas do tal Acordo Fajuto.
A não ser que estejam mudando até isso, perdemos nosso direito de votar.
Já sentei na beira do caminho(enquanto a PREVIC analiza), e estou lendo tudo, tentando assimilar tudo que deveria ter estudado a mais tempo. Mas sempre é tempo de aprender, agora assuntos que não são bem os meus prediletos "LEIS/REGULAMENTOS/DIREITOS/POLÍTICA".
Elisabeth Oste

Laércio Estrada disse...

Amigos,
Somos todos bancários e nenhum de nós jamais assinaria uma aprovação de 7 bilhões sem ler muito bem e ver todos os enquadramentos legais.Não há razão para desespero e nem mesmo para pixar a turma de Previ ou Banco. Os analistas da Previc têm a obrigação mesmo de ler muito, pois a responsabilidade sobre mais de 7 bilhões é muito grande.

Anônimo disse...

Amigos concordo com nosso colega RECCA em seu comentário de 13-02-2011, às 12:27. Existem ações judiciais já tramitando a mais de 10 anos e não houve ainda nem a decisão em primeira instância. Um exemplo disso é a ação IR-PREVI que tramita desde o ano de 2000.

Amigo Marcos Cordeiro, sugiro alteração neste Blog, mudando o fundo preto. Isso incomoda a leitura. O ideal seria o fundo azul tal qual no Blog do Medeiros.

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

Os colegas sabem que existem duas previdências sociais governamentais. Existe a Previdência Social Oficial Básica,o INSS. E existe a Previdência Oficial dos Servidores Públicos. Esta concede aposentadoria 100% dos salários da ativa ao servidor público, completado o tempo regulamentar de trabalho,e pensão 100% da aposentadoria para o dependente do aposentado falecido.Ele nada recebe da Previdência Social Oficial Básica. Há hoje no blog do Josias notícia de que o Governo está enviando brevemene ao Congresso projeto de Lei mudando essa Previdência Social do Servidor Público para o modelo da Previdência Social do setor privado: Previdência Social Oficial Básica (INSS)para todos os servidores públicos e Previdência Social Complementar (fundo de pensão)para o servidor que pretender aposentar-se com 100% dos proventos da ativa. MAS,ESSA MODIFICAÇÃO SÓ VALE PARA OS CIDADÃOS QUE ENTRAREM NO SERVIÇO PÚBLICO, A PARTIR DA DATA DA PROMULGAÇÃO DA LEI. Isso merece muita reflexão da nossa parte. Uma delas é quanto a PREVI desonera e até contribui para o enriquecimento do Banco do Brasil e o Governo. Outra reflexão importante: ao que parece, essa modificação será feita através de Lei!...Mas, há mais coisas a considerar...
Edgardo Amorim Rego

Wanderlei C Ribeiro disse...

Super ávido

É conversa pra lá e pra cá. Como o ser humano acostuma até com o sofrimento, nós aposentados acho que já estamos nessa situação, diante dessa “ladainha” da distribuição do superávit da Previ. Como nós não temos “sangue argentino”, vamos acendendo velas e esperando que quando os verdadeiros interesses forem atendidos, após um “trabalho intenso” de longa data, principalmente de várias entidades que nos “representam”, “que fazem tudo por nós”, nossa grana venha.
Na vida nem tudo é o que se vê e o que se ouve, existe sempre alguma coisa a mais por trás. Alguém acha que os e-mails e outras correspondências que recebemos para que votássemos favoráveis ao acordo de distribuição do superávit, foi exclusivamente pensando no nosso bem?
Tem frases que são verdades eternas. A que Charles de Gaulle disse há um bom tempo atrás, a cada dia que passa se torna mais verdadeira: “O Brasil não é um país sério”.
Bom, acredito que uma hora ou outra esse crédito sai, mas que não esqueçamos o desgaste deste momento, porque eleições diversas virão, que tenhamos memória, no mínimo.

sergioinocencio disse...

Marcos e colegas aposentados,

a vida segue realmente, e é um dia após o outro, e logicamente ficamos mais velhos, e isso não quer dizer necessariamente mais sábios, senão vejamos.
me causa estranheza que muitos acreditaram piamente na Previ e no BB, apesar de passarem boa parte de suas vidas dentro dele trabalhando, tivemos muitas e muitas lições de como não confiar, nestas e nas outras pessoas que passaram nas diversas diretorias enquanto estavamos na ativa.
não é lição de moral, tenho acompanhado as queixas diversas e apesar de não estar enfrentando um céu de brigadeiro com minhas finanças , procuro me manter calmo e sem acreditar em milagres.(mais daqui a pouco vou precisar de um)
um dos primeiros principíos para se sair de qq buraco, seja ele do tamanho que for é manter a calma, as soluções podem estar ao alcance de nossas mãos, vamos manter um minimo de calma, rezar pela D.Isa, e tambem por nós mesmos, vamos nos articular, e começar a implementar e começar a discutir as idéias para a reforma que se avizinha, vamos deixar que o colega Rossi faça as suas cobranças e nos oriente onde podemos ajuda-lo, vamos parar de tentar advinhar, por que até agora as advinhações não chegaram nem perto de qualquer solução, vamos partir para atos concretos, que mesmo que não resolvam torne conehcido nosso drama atual ref ao tal SUPERAVIT, palavra que vai acabar virando sinonimo de pesadelo , em breve.
se alguem tiver uma idéia que seja viavel, que poste aqui e vamos discuti-la, e quem sabe coloca-la em pratica.
tenho visto muito desespero, e a maioria dos post só faz ele aumentar.

VAMOS NOS ACALMAR E TENTAR MANTER OS OUTROS PARTICIPANTES CALMOS

daqui a pouco teremos mais gente hospitalizada, o que não é nada bom

Ary Taunay Filho disse...

Prezado Edgardo Rego,

Meus respeitos,

O tema "alteração na legislação da previdência oficial" requer um amplo debate da sociedade, mas o Brasil carece de vontade da população em discutir algo de tal importância.
Temos o defeito nato de nos preocuparmos com o curto prazo e previdência só se discute em "longo prazo".
Poucos param para pensar que a aposentadoria um dia chegará e ela sempre será fruto daquilo que fizemos ao longo do período de contribuição.
Esta mudança prevista para a Previdência dos Servidores Públicos é o prenúncio do que ainda virá.
Você já sabe, é esperto, para ver que o INSS vai pagar uma parte e o resto ficará por conta de um fundo de pensão.

Sabe o que isto significa? É o prelúdio do que vai acontecer com todo o sistema de previdência(INSS). Isto nada mais é do que o SISTEMA CHILENO, que o Brasil teima em não implantar aqui, embora o mundo já tenha se dobrado a ele, por um motivo muito simples: É que aqui os políticos são safados, vigaristas e só pensam em voto e dinheiro e USAM a previdência oficial(INSS) de modo ASSISTENCIALISTA, porque nenhum país sério admite um sistema igual ao nosso.
Aqui o INSS é caça voto, tal qual o Bolsa Família e as aposentadorias rurais concedidas por FHC para quem nunca pagou.

Falando nisso, o déficit da previdência não existiria não fosse a despesa dos aposentados rurais que nunca pagaram nada. Eu vejo isto como "assistência social" e não como "previdência social", porque previdência é algo que se conquista depois de contribuir, portanto esta despesa deveria ser bancada pelo Tesouro Nacional e não pelo INSS.
No final das contas, como o sistema é de Repartição Simples, a esperteza do FHC para conseguir votos, onerou o FISCO(e o fisco somos nós), até o fim dos tempos.

Lena. disse...

Dinheiro na cueca,meia,previ,aafbb,anabb,cassi e por aí vai.O dindin tá travado na previc.Quem aguenta um negócio desse? A minha pressão que era normal, agora tá vacilando comigo também.Estou com vontade de ir para um sanatório. Lena.

Anônimo disse...

Li acima sobre os regimes de previdência existentes no país. Os dois são: a) o RGPS - Regime Geral da Previdência Social, tendo como órgão Gestor o INSS e que abrange os trabalhadores vinculados à CLT -- era o nosso caso no BB, por isso nunca fomos servidores públicos, embora muitos assim ainda pensem assim; e b) RPPS - Regime Próprio de Previdência Social, exclusivo dos servidores públicos ESTATUTÁRIOS, que têm como gestores autarquias criadas por entes federativos (União, Estados, Municípios). Em ambos os regimes a vinculação é obrigatória e o cálculo atual do benefício é resultado da Média Aritmética Simples, de 80% das contribuições vertidas ao sistema a contar desde JULHO/94, desprezadas as 20% menores.

A Previdência complementar é uma instituição de adesão facultativa (o banco, no passado é que tornava obrigatória a adesão a PREVI) que atualmente se desdobra em duas modalidade: as ENTIDADES FECHADAS (Previ, etc) e as ABERTAS. Vide CF88.

Outra coisa, a instituição da aposentadoria para agricultores é bem anterior aos mandatos do famigerado FHC.

Este propalado Déficit da Previdência Social no Brasil não passa de um sofisma eleitoreiro e justificador arrochos e que nunca vai ser declarado inexistente, ainda que o seja em determinado momento. Argumento de administradores incompetentes e terroristas, que se valem da credulidade do povo para declarar meias-verdades (coisa impossível), como vimos no recente episódio de nossa dívida externa.

Já o projeto que tramita no Congresso, na minha opinião, pretende FUNDIR os dois regimes num único, situação em que, uma vez imposta, impedirá que ocorra a possibilidade de um mesmo indivíduo obter uma aposentadoria em cada regime, como hoje é possível. Pois a proibição de acumular, existente, prevista na CF 88, só se refere a dois cargos regidos pelo RPPS, estatuários, portanto, salvo aquelas exceções constitucionais.

Anônimo disse...

Oi Lena, na verdade o que mexe com nossa saúde é a nossa ansiedade, uns pela falta do dinheiro, outros por conta da falta de clareza.
Que fique registrado o dia em que a PREVI FALHOU. Embora já tenha falhado mais vezes com colegas em outras situações, agora é a nossa vez.
Abraço Elisabeth Oste

Pensionista disse...

Olá, Elisabeth, voce tem toda razão.Precisamos registrar esse dia em que a PREVI falhou, alias está sempre falhando conosco.

Anônimo disse...

Coincidencia ou não? Sabem qual o valor contabilizado pelo BB,no 3º trimestre de 2010, sobre a Previ?
Resposta: R$ 15,06 bi. Provavelmente quem estabeleceu o valor foi o Patrocinador, desconsiderando qualquer outro calculo. Coincidentemente o valor atribuido a ele, na distribuição, foi de R$ 7,5 bi(50% DOS GANHOS CONTABILIZADOS - NOTAS EXPLICATIVAS 28 E 11B). Se o recurso continuar internalizado na Previ, por conta de pagamentos atuais(pré-67), como ficarão seus ganhos atuariais ?
Seria este o motivo do entrave do processo na Previc?

Nota explicativa 28 - 3º trimestre
A realização do ativo atuarial registrado em Outros Créditos (Nota 11.b) ocorrerá obrigatoriamente até o final do plano. Entende-se por final do plano, a data em que será pago o último compromisso. Poderão ocorrer realizações parciais desse ativo atuarial, condicionadas ao atendimento dos requisitos
dispostos na Lei Complementar n.º 109/2001 e na Resolução CGPC n.º 26/2008.

E se não ocorrem essas realizaçoes ? Será que inflaram, demasiadamente, o Balanço ?

Luis-BH disse...

Duas observações importantes:
- caro Anônimo de 13 de fevereiro de 2011 13:57, há muito mais do que R$ 15 bilhões em jogo. Mesmo com as provisões legais e a inconstitucional divisão com o banco, a Previ não distribuiu tudo;
- Laércio Estrada, a votação foi uma manobra demagógica. A diretoria decide o que quiser. A única votação prevista no estatuto refere-se à eleição de alguns diretores. Acredito que esta semana teremos novidades. Sabem porquê? O banco divulga o balanço na quinta. Ou ele regulariza a apropriação do superávit, ou ele faz nova maquiagem (pegaria muito mal no mercado financeiro...).

NATAL disse...

Natal disse,

Entrei agora no site do BB em empréstimos/renovaçoes.Abriram um credito pra mim grande de mais, com juros 1,89.Aí tem coisa. Alguem se habilita.

Anônimo disse...

O que ocorre com o site de PREVI? Também está em analise na PREVIC? Estou com medo de não receber nem a folha normal no dia 20. E a ANABB de braços cruzados, muda.

Anônimo disse...

Se for útil a alguém, publique.

Receita muda regra e diminui o IR sobre renda acumulada

Valor que o contribuinte receber de uma só vez será taxado com base no número de meses a que se refere

Nova regra é benéfica para quem recebe valor elevado, especialmente após ações judiciais, como os aposentados

MÁRIO SÉRGIO LIMA
DE BRASÍLIA

Contribuintes que receberem de uma só vez valores antigos acumulados por diversos meses, de aposentadorias e de salários obtidos após ações judiciais, por exemplo, pagarão menos Imposto de Renda.
De acordo com instrução normativa publicada ontem pela Receita, esses rendimentos serão tributados na fonte levando em consideração o número de meses aos quais o valor acumulado se refere, e não apenas o mês no qual o valor for pago.
Uma pessoa que obteve, via decisão judicial, o direito de receber R$ 20 mil referentes a horas extras por 20 meses, por exemplo, seria taxada pela regra antiga com base na alíquota de 27,5%.
Como o valor é pago de uma só vez, o IR incidia sobre esse pagamento único, desconsiderando o fato de o valor ser referente a um período mais longo. Pelo exemplo, a pessoa pagaria R$ 4.807.
Usando o mesmo exemplo com a regulamentação nova, o valor seria diluído pelo período a que se refere o montante acumulado, ou seja, R$ 1.000 por mês. Como essa renda mensal está abaixo de R$ 1.499,15, a pessoa ficará isenta do IR. Os mesmos R$ 20 mil, mas referentes a dez meses, serão taxados em 7,5%, ou seja, em R$ 375,64.
Na regra antiga, era possível ao contribuinte reaver o valor sobretaxado, mas por meio de processo judicial.

MENOS NA MALHA FINA
Com a correção, a Receita deve ainda reduzir o volume de declarações que eram retidas na malha fina. "Muitas vezes as pessoas não declaravam o recebimento desses rendimentos antigos acumulados", disse o supervisor nacional do IR, Joaquim Adir.
A norma constava de medida provisória de julho do ano passado. Adir explicou que, embora ela passe a valer para os recebimentos de agora em diante, ainda há a possibilidade de o contribuinte escolher de qual maneira preferirá fazer a declaração deste ano, por se tratar de um ano de transição da regra.
"Pode tanto dizer se quer a tributação exclusiva na fonte ou no método normal, que pode ser vantajoso para quem teve altas despesas médicas, por exemplo, pois pode fazer o abatimento delas na declaração", afirmou.

Anônimo disse...

Senhores(as) cabeças-brancas, Este Acordo obtido com a votação no SIM tornou-se um Acordo ARAPUCA, para os menos desavisados e os interesseiros. Torço para que a PREVIC "mele" esta doação que estaria sendo feita ao BB pela quadrilha dos representantes(anabb, Aafbb, Previ, Faabb e outros). É melhor garantir a longevidade nos recebimentos, do que receber "algum a mais" agora e ENTREGAR A PREVI. Vejam a situação dos Pdvistas, levaram algum na mão na saída e depois tiveram todos os seus direitos "surrupiados" pelos poderosos. ACORDEM !! A PREVI TÁ CORRENDO RISCO DE SOBREVIVÊNCIA !!
Esta semana o assunto se resolve pois o BB tem que divulgar seu balanço.

Anônimo disse...

Prezado anônimo das 2:27

Fiquei ciente de sua explicação, e muito a agradeço. Não estudei Direito. O que sei a respeito de Previdência Social é o que leio. E aquela minha divisão de Previdência Social era o que descobri em artigos de até professores e teses de estudantes. Seja como for, apreciei muito o que explicou e guardarei entre os dados de minha aprendizazem: o RGPS e o RPPS.
Edgardo Amorim Rego

Anônimo disse...

Ary Taunai Filho

Penso entrever muita coisa dentro desse projeto. Sem dúvida, Previdência Social é uma coisa e Assistência Social é outra coisa. As duas coisas existem e se completam para contribuir para construir uma sociedade socialmente justa e pacífica. Jamais se deveria ter misturado. Mas, isso já foi feito muitas vezes, e não só no Brasil. O importante é que tenhamos clareza, nós os cidadãos comuns e saibamos impor o correto na hora oportuna.
Edgardo Amorim Rego

Anônimo disse...

Pessoal, desculpe o balde de agua fria, ao ligar para Previ perguntando sobre possibilidade do credito na folha de fevereiro o atendente diz que nao tem mais tempo para isto, e depois novamente solta aquela velha conversa que estao fazendo tudo possivel e etc...
Mais um mes de nariz de palhaço, vamos todos pular carnaval mesmo.

Jair Vianna Filho

João Rossi Neto disse...

Caros Colegas,

BALANCENTES/BALANÇOS – Como não tinha tanta relevância, anteriormente, a Previ divulgou com regularidade, os balanços até o mês de setembro/2010. Entretanto, as informações relativas ao fechamento do exercício, consideradas estratégicas, por darem uma visão panorâmica e atualizada sobre o patrimônio líquido e do montante dos superávits acumulados, a exemplo dos anos anteriores, são sempre lacradas na “Caixa Preta”.


Efetivamente, nos sabemos que até janeiro de 2011 os números estão fechados e à disposição do BB, Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo. Nós, participantes e assistidos, verdadeiros donos do Fundo de Pensão, estamos alijados dessa posição contábil privilegiada, sendo que é ilegal e arbitrária essa medida administrativa, visto que o artigo 24 da Lei Completar 109/2001, o artigo 6º da Resolução 23/2006, nos conferem a prerrogativa de ter acesso a informações de interesse pessoal e coletivo. Fica a pergunta: Por que a PREVI não obedece às leis em vigor ou a PREVIC não cumpre as suas funções regulamentares, sem precisar de denúncias e dissabores para as partes?

Já se tornou praxe que os assistidos esperem até o mês de abril, para a PREVI divulgar o balanço de dezembro de cada ano, através da anacrônica peregrinação em várias capitais do País, pelos seus Diretores em viagens onerosas, gastos elevados e desnecessários, para fazerem a prestação de contas, quando isso pode muito bem ser feito na sua página da internet ou em jornal de grande circulação, como fazem as empresas de grande porte, por determinação legal.

Passa da hora de darmos um basta em tudo isso, a começar pelo sigilo dos números dos balanços e dessa via sagra desnecessária, vetando essa caravana festiva, cuja finalidade é totalmente inócua e fora de propósitos.

Julio disse...

Ao colega Ary Taunay Filho,

Quem usou do recurso assistencialista e eleitoreiro de doar aposentadoria aos trabalhadores do campo mesmo sem contribuição foi o governo Figueiredo, no fechar do governo militar e não FHC que além de neoliberal, propiciou a reforma da previdência, prejudicando quem se aposentou a partir de 1998, mas não fez o benefício que você cita em sua participação acima.
Você acha mesmo que FHC iria dar alguma coisa a alguém? Se pudesse ele teria tirado, nunca beneficiar.

Anônimo disse...

Natal, mas é o emprestimo de funcionario?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Mensagem recebida do Colega João Rossi Neto:

----- Original Message -----
From: João Rossi Neto
To: previc.gab@previdencia.gov.br
Sent: Monday, February 14, 2011 12:09 PM
Subject: Balanço de 31/12/2010


De uma forma geral, a PREVI não obedece as leis que disciplinam os Fundos de Pensão, a começar pelas Resoluções emanadas dessa Superintendência. Há vários anos tornou-se prática habitual que a PREVI só divulga o balanço de dezembro de cada ano, no início de abril subsequente, utilizando para isso um método anacrônico, de fazer uma caravana festiva, onde seus Diretores vão em várias capitais do País, para fazer a prestação de contas, com gastos elevados e desnecessários, quando isso poderia muito bem ser feito na sua página na internet ou em jornal de grande circulação, como fazem as empresas de grande porte, por determinação legal.

Essa medida administrativa é arbitrária, inócua e ilegal, pois tem a obrigação regulamentar de divulgar os números, no entanto, escamoteia essas informações, dando conhecimento apenas ao patrocinador em detrimento dos participantes e assistidos. Descumpre o artigo 6º da Resolução 23/2006, o artigo 24 da LC 109/2001.

Esperamos que essa PREVIC tome as medidas inerentes as suas funções, previstas no artigo 2º da Lei 12.154/2009 e artigo 5º da LC 109/2001, no sentido de orientar e determinar que a PREVI cumpra as suas obrigações legais, sem a necessidade de denúncias por parte dos assistidos.



Atenciosamente.

João Rossi Neto. Assistido PREVI.

Ary Taunay Filho disse...

Prezado Colega Júlio,

Escrever neste Blog e conseguir atrair a atenção dos demais satisfaz qualquer um, ainda mais que podemos tranquilamente notar, que estamos em um aprendizado constante, motivo pelo qual agradeço sua citação sobre a Governo Figueiredo.

Por outro lado gostaria de comentar sobre aposentadoria rural e o déficit da previdência oficial, iniciando pela Lei 9032/95, do nosso "querido FHC", com ênfase ao ART. 143, que diz:

"O trabalhador rural ora enquadrado como segurado obrigatório no Regime Geral de Previdência Social, na forma da alínea a dos incisos I e IV e nos incisos VI e VII do art. 11 desta lei, pode requerer aposentadoria por idade, no valor de 1 (um) salário mínimo, durante 15 (quinze) anos, contados a partir da data de vigência desta lei, desde que comprove o exercício de atividade rural, ainda que descontínua, no período imediatamente anterior ao requerimento do benefício, em número de meses idênticos à carência do referido benefício."

O prazo venceu em 2010, mas cabe lembrar, que tão logo promulgada fez uma reviravolta no sistema de previdência, pois bastava ter a idade mínima e provar que era "ruralista", mesmo de forma descontínua e sem "contribuições", para ter direito ao benefício de um salário mínimo.
Isto levou milhões aos postos do INSS na época.
Segundo análises de especialistas, já em 2006 o déficit anual da Previdência passava dos 30 BILHÕES e hoje passa dos 50 BILHÕES, por conta desta LEI do FHC.
Analisando a questão politicamente, FHC pretendia INVIABILIZAR a Previdência Social para poder privatizá-la e ao mesmo tempo tornavaá ASSISTENCIALISTA para ganhar as eleições de 98, pois já sabia que mudaria as regras do jogo eleitoral com o instituto da reeleição.
Se o amigo permitir, ou quiser maiores informações a respeito do problema "Previdência: Assistencialismo", posso remeter algumas análises muito interessantes, inclusive com participação do Lula no assunto, basta pedir pelo e-mail "arytaunay@uol.com.br", que terei o maior prazer de me corresponder com o amigo.

Paulo disse...

Grandeza de princípios é para poucos. Edgardo Amorim, mestre no assunto, tem a humildade de reconhecer uma ressalva em seu raciocínio sobre Previdência Social, em comentário anônimo de hoje. Edgardo não estudou Direito, mas estuda direito: sabe muito, mas entende que tem também muito a aprender, como qualquer ser humano. Nosso ideólogo, lembra-me Sócrates, quase divino em sua simplicidade e inteligência superiores: “Tudo que sei é que nada sei...”

Paulo Motta
Blog:
superavitsprevi.wordpress.com

Paulo disse...

Wanderlei Ribeiro,

A propósito de seu comentário, parece-me que De Gaulle falou demais.
Não precisava da palavra “´sério”...

Um abraço,

Paulo Motta
Blog
superavitsprevi.wordpress.com

Ademir Peruzzolo disse...

Antes de assumir no bb, em 09.03.73 eu trabalhava num sindicato de trabalhadores rurais no interior do RS e a maior incumbência era arrumar documentos para aposentadoria dos agricultores velhinhos. Tinham de comprovar que eram produtores rurais e ter mais de 65 anos. Que tiravam nota de venda de produtos, só. Tinham desconto de 2,5% da produção para compor o FUNRURAL.
Me parece que recebiam meio salário mínimo mensal, mas já não tenho muita certeza.
Ou seja, é de antes do Figueiredo ainda.É da turma do Médici.

Ary Taunay Filho disse...

Só para lembrar o que o Lula disse em 2006 sobre o déficit da Previdência:

"O enfoque da aposentadoria rural como programa social transparece em declarações recentes do presidente Lula sobre Previdência, nas quais ele disse que parte do déficit é de responsabilidade do Tesouro Nacional – ou seja, da sociedade e do governo –, e não do INSS, um patrimônio dos trabalhadores que o governo só administra. A responsabilidade teria sido assumida na Constituição de 88, com o acolhimento dos “segurados especiais”.

Quanto ao comentário do amigo Peruzzolo, concordo plenamente, mas com um diferencial, como ele mesmo dise havia a necessidade de uma série de comprovações, inclusive quanto ao pagamento dos 2,5% do Funrural. O que o FHC fez foi aposentar quem nunca recolheu nada.
Para termos uma idéia, as aposentadorias rurais em 2006 custaram 30 bilhões ao INSS, que arrecadou somente 4 bilhões do setor.
Quem está pagando a conta até hoje? Óbvio que somos nós, porque somos o fisco.

Anônimo disse...

Atenção PREVI :
Queremos saber dos balancetes de outubro, novembro e dezembro de 2010.
Usem seu site e suas revistinhas.

QUEREMOS TRANSPARÊNCIA E MAIS INFORMAÇÕES...Em publicações, não precisam fazer teatro e exposições...

Divulguem pois não há nada a esconder...
RESPEITO É BOM E TODOS GOSTAMOS

Anônimo disse...

Paulo Motta, meu maior fã

Obrigado pelos seus elogios. O amigo pode imaginar o que seria a HUMANIDADE, se todos fôssemos leais e transparentes? Dizem que os técnicos já inventaram um aparelho, um colar que, usado pelos mudos, capta as frequências das ondas eletromagnéticas dos neurônios e as transforma em voz mecânica. Isto é, os pensamentos se transformam em voz,sem interferência da vontade controladora. Você pode imaginar em que Mundo tão diverso deste viveríamos, se ao nascer, implantassem em cada um de nós, umc chip que transformasse incontrolavelmente em voz, sem interferência da vontade, os pensamentos que perpassam as nossas mentes? Será que nesse Mundo transparente e leal, Mundo de Kant e Thomas Jefferson,alguém conseguiria triunfar na vida à base de maquinações? Infelizmente hoje a maquinação é a norma do triunfo.
Edgardo Amorim Rego

Pensionista disse...

Atenção PREVI :
Queremos saber dos balancetes de outubro, novembro e dezembro de 2010.
Usem seu site e suas revistinhas.

QUEREMOS TRANSPARÊNCIA E MAIS INFORMAÇÕES...Em publicações, não precisam fazer teatro e exposições...

Divulguem pois não há nada a esconder...
RESPEITO É BOM E TODOS GOSTAMOS

Abaixo-Assinado Previ-Superávit disse...

2.585 Aposentados e Pensionistas já ASSINARAM o ABAIXO-ASSINADO, que está sendo divulgado pela UNAP-BB, em apoio à Denúncia feita por Luiz Dalton ao PGR.

Assine Você também. Basta acessar www.UNAP-BB.ORG ou ir diretamente em http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoListaSignatarios.aspx?pi=P2011N6352

Logo, muito logo chegaremos a 5.000 Assinaturas.

Anônimo disse...

Todos os colegas já devem ter visto, mas não custa relembrar....


English

Atendimento / SAC BB / Ouvidoria Acessível para
deficientes visuais


Você
Estilo
Private


Empresa


Governo



Relações com Investidores
Informações Financeiras Informações aos Acionistas Governança Corporativa Conheça o BB Opinião de Mercado Gestão de Riscos Agenda
Home Relações com Investidores Informações aos Acionistas

http://www.bb.com.br/portalbb/page217,136,3478,0,0,1,8.bb?codigoMenu=201&codigoNoticia=27274&codigoRet=745&bread=3

Jose F. Rovere

José Roberto Eiras Henriques disse...

Aos comentaristas Ary T. Filho e Edgardo Rego:

Através da PEC-41 de 19/12/2003, foi aprovada alteração no Regime Geral de Previdencia do Servidor Público.
Não houve regulamentação devido a divergência sobre a criação do fundo de pensão para os funcionários públicos.

Cada órgão do governo quer criar o seu e, devido ao valor estratosférico envolvido, ninguém quer abrir mão de sua administração para a criação de um fundo de pensão único.

Entendo que a proposta do atual governo é dar continuidade a essa PEC-41, regulamentando-a sem passar pelo dissabor de enfrentar as resistências e desgastes observados em 2003.

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003
Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do § 3 do art. 142 da Constituição Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências.

....
Art. 6º Ressalvado o direito de opção à aposentadoria pelas normas estabelecidas pelo art. 40 da Constituição Federal ou pelas regras estabelecidas pelo art. 2º desta Emenda, o servidor da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, que tenha ingressado no serviço público até a data de publicação desta Emenda poderá aposentar-se com proventos integrais, que corresponderão à totalidade da remuneração do servidor no cargo efetivo em que se der a aposentadoria, na forma da lei, quando, observadas as reduções de idade e tempo de contribuição contidas no § 5º do art. 40 da Constituição Federal, vier a preencher, cumulativamente, as seguintes condições:
I - sessenta anos de idade, se homem, e cinqüenta e cinco anos de idade, se mulher;
II - trinta e cinco anos de contribuição, se homem, e trinta anos de contribuição, se mulher;
III - vinte anos de efetivo exercício no serviço público; e
IV - dez anos de carreira e cinco anos de efetivo exercício no cargo em que se der a aposentadoria.

São José do Rio Preto - SP

Anônimo disse...

Ilustres: Edgardo Amorim Rego e Paulo Motta.

Hoje foi um dia de felicidade. Fiz, bem cedo, um comentário acerca de RGPS e RPPS e, inadvertidamente, não me dei conta a quem fazia uma ressalva. Melhor assim, pois desta desatenção derivaram manifestações de grandeza. Obrigado por compartilharem comigo suas sábias palavras.

Julio disse...

Meu agradecimentos ao colega
Ary Taunay Filho

Guardei o seu endereço eletrônico para oportunamente entrar em contato; ao tempo que registro sua notável capacidade de pesquisa, se revertendo em bom proveito para o grupo, uma vez que constitui-se em patrimônio, arma poderosa contra a insanidade dos poderosos que acham estar lidando com
seres diminutos.
Com agradecimentos por sua atenção.

Anônimo disse...

Estou impressionada com voces colegas, bendita falta de crédito essa, pois acho que jamais teria tido a oportunidade de conviver com tanto conhecimento de tantos colegas. Estou aproveitando para ampliar conhecimentos em área pelas quais nunca tive ânimo de enveredar.
Voces dão show em professores com titulos de mestre, doutor, PHD.
Obrigada sábios colegas.

Elisabeth Oste

Anônimo disse...

Alguem poderia me explicar o que está acontecendo com meu Emprestimo simples? Não estou entendendo nada mesmo:Em outubro de 2010 renovei meu ES para 39.000,00 e a mensalidade foi para 602,00. Hoje quando fui dar uma olhada no Saldo Devedor, embora já tenha pago três prestações que acumuladas somam 1806,00,novembro, dezembro e janeiro; constatei que o abatimento da dívida foi de apenas 224,00, isto é estou devendo 38.776,00.Penso que estão cobrando juros altíssimos, só pode.
Se alguém puder me ajude a entender por favor.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

Num momento em que temos como preocupação maior somente divulgar notícias que contribuam para trazer esclarecimentos a todos, comprovadamente merecedoras de crédito, não encontramos justificativa para se encaminhar mensagem deste tipo:

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Vida que segue":

Comunicado urgente:

O crédito do superavit deve sair numa folha suplementar logo depois do dia 20 deste.
Aguardem!

Publicar
Excluir
Marcar como spam

Moderar comentários para este blog.

Postado por Anônimo no blog Previ Plano 1 em 14 de fevereiro de 2011 11:04
---------------------

Pedimos a todos que queiram colaborar em repassar seus conhecimentos que se abstenham de direcionar notícias vagas, sem citar a fonte, como no caso anotado acima.

Grato,

Marcos Cordeiro de Andrade

João Rossi Neto disse...

Marcos,

Conversei com um encarregado sobre o assunto superávits, na Diref, Sr. Wanderlei, e ele me garantiu que não haverá retrocesso e que tudo está firme, dentro dos termos negociados.
A demora na PREVIC é consequência do esmero no exame da matéria e, que a questão deverá ser resolvida, no máximo, na semana que vem.
O prazo regulamentar que a PREVIC dispõe, que finda em 16/03/2011 não deverá ser utilizado integralmente.
O novo Superintendente, Sr. José Maria Rabelo já tomou posse, sendo que já foi defenestrado o Sr. Ricardo Pinheiro Pena.
Falou também que o ajuste redacional exigido pela Secretaria Executiva da Fazenda, em uma cláusula, não afeta em nada os direitos dos assistidos.
Portando, vamos aguardar com o pensamente positivo, pois conjecturas neste momento, só faz subir o nível da adrenalina.

Anônimo disse...

É isto aí Marcos!
O momento é de grande expectativa e seriedade, e não se devem admitir comentários jocosos.
Jose F. Rovere

Anônimo disse...

Por favor, Marcos, apos essa noticia do Rossi, não publique comentarios desanimadoras, dessas pessoas que só querem perturbar ainda mais nos velinhos sofredores.Vamos ter fé em Deus que tudo vai dar certo.Vamos começar a colher assinaturas para a chapa da AAPPREVI.

Anônimo disse...

Colega anonimo, o meu ES após pagar 3 prestações o saldo esta maior ainda!Estou devendo mais do que tirei, será mais um roubo? Ou erraram , ou juro altissimo? Gostaria que alguém me explicasse!!!

Anônimo disse...

Atençäo vamos ao placar do jogo

Gerente X Aposentado ingenuo

Dezembro de 2010

Gerente declara: Nao vem credito neste mes. 1 X 0 gerente

Janeiro 2011

Gerente declara: Nao vem credito neste mes. 2 X 0 gerente

Fevereiro 2011

Gerente declara: Pouca possibilidade de credito neste mes.
Ate o momento 3 X 0 gerente

Conclusao: Goleada para o gerente contra o aposentado ingenuo.

Fique a vontade e tire tambem sua conclusäo.
Quem manda logicamente deve ser o banco.

Romulo Dias

Anônimo disse...

Sr. Marcos,

Assistindo ao programa do Silvio Santos, ontem, vi na tela: "BB todo seu". Os bilhões que o homem do baú deve tem alguma coisa a ver com o supedavit da Previ?

Eliana Maria disse...

Marcos,
Apoio integralmente a sua iniciativa, na mensagem das 11:39 de 14/02/2011, ao mesmo tempo que condordo com o colega José F.Rovere de 11:48 em 14.02.2011.
Notícias como a do Sr. Rossi sim devem ser publicadas. Obrigada mais uma vez a você Marcos e ao Sr. Rossi, vocês têm lutado sem cessar por nós todos - aposentados e pensionistas.
Fraternal abrço,
Eliana Maria

Anônimo disse...

Colegas,

PROCON fecha agência do Banco do Brasil em Florianópolis-SC, por demora no atendimento, maus tratos aos clientes.
É isso aí estão deitados nos lucros obtidos com o superavit da Previ que há muito esqueceram de administrar o banco.
Vergonha!

Ricardo disse...

MARQUE A OPCAO CORRETA

a) a PREVIC e lenta mesmo, ta analisando...analisando....mas o acordo vai sair do jeitinho que foi acertado

b)a PREVIC nao concordou com o acordo, portando ta sendo custurado outro

c)a PREVIC nem olhou a papelada ainda,portanto nem que sim e nem que nao...


Caros amigos,a opcao (a) é a verdadeira

Nao acredito mesmo na autonomia da PREVIC para alterar este acordo,como trata-se de orgao tecnico estao colocando os pontos e virgulas nos seus devidos lugares


Outra coisa, um retrocesso agora seria desmoralizante para o BB E PREVI...


Ricardo

Eduardo Köhler disse...

Ao
Luis Eustáquio de Castro – Araxá MG e aos demais,

Aos que têm dificuldade para ler os comentários de letras brancas em fundo preto, tenho duas sugeões


1- Vá até o final do texto que deseja ler os comentários e procure as últimas linhas, que no caso deste post é:

"POSTADO POR MARCOS CORDEIROS DE ANDRADE ÀS 07:57 51 COMENTÁRIOS"

Clique com o mouse, botão DIREITO exatamente em cima da expressão "51 COMENTÁRIOS". Ao abrir uma janela de opções, clique com o mouse, botão esquerdo, "Abrir na nova Guia". Você irá notar que foi aberta uma nova guia ("orelha") logo abaixo da guia "Previ Plano 1". É só clicar nela. Os comentários surgirão de uma ponta a outra do monitor, com letras pretas em fundo branco.

ou

2- Clique com o mouse, botão esquerdo, em cima do título. Por exemplo, o deste post: “Vida que segue”. Com isto os comentários virão logo após o fim do texto. Vá ao menu e clique com o mouse, botão esquerdo em”Editar”. Abrirá uma janela de opções. Clique com o mouse, botão esquerdo na opção “Selecionar Tudo”. Pronto. O texto passará a ter letras azuis em fixas brancas.


Espero que ajude. Boa leitura.


Um abraço a todos.

Eduardo Köhler - Rio de Janeiro - 35 anos de Banco - 56 anos de idade - Na ativa.

WASHINGTON LOPES disse...

Aos anônimos de 11:38 e 13:49,

Logicamente que, com um prazo maior e prestações dentro da mesma margem (30%), cada mensalidade paga no molde atual do ES corresponde a um abatimento menor do saldo devedor.

E com o indexador do empréstimo (INPC) em patamar elevado é que cada amortização perde realmente "peso" frente à correção monetária.

Quando o índice baixar a prestação paga sensibilizará melhor o saldo devedor, mas não tanto quanto era antes, no ES em 72x.

Ari Zanella disse...

O caro colega Rossi sempre nos dando esperanças renovadas. Novidade o José Maria já ter assumido na Previc. Bem feito para o Pena! Apesar de não conhecer o Zé, ele jamais iria colocar empecilhos sendo tão estimado dentro do BB. É evidente que o processo não vai implodir. Se o Zé Maria não olhar o nosso lado vai olhar o lado do BB. Isto também é garantia que o nosso saiará. Nessa altura não adianta fazer conjecturas e hipóteses como muitos fazem. Escutemos o Rossi que sempre tem boas e corretas fontes.

Lena. disse...

Na vida tudo vale a pena,enquanto tivermos sonhos continuaremos acreditando no amanhã. Lena.

Anônimo disse...

Vão-se os dedos, ficam os anéis. O Sr. Ricardo Pena foi, mas deixou a sua obra de filantropia( prá não dizer outra coisa )a favor do Patrocinador.
Quiçá o novo Superintendente lute pelos participantes.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Eduardo.

Nunca quis tocar no assunto para não parecer cabotino. Até porque não sou versado em informática. Meu filho é o meu anjo da guarda nesse sentifo. E em muitos outros.
Por isso agradeço sua ajuda, pois, sinceramente, não gostaria de mexer no visual do Blog, o meu xodó!

Lena. disse...

DEUS abençoe o seu filho Marcos,e todos os filhos dos nossos colegas desse blog.Filho é benção dada por DEUS. Existe aquele ditado antigo que diz: ''QUEM MEU FILHO BEIJA A MINHA BOCA ADOÇA''É a mais pura verdade.Lembra o que vc fez por meu filho? É POR ESSA QUE NÓS TE AMAMOS.ABRAÇOS MEU O DO CAIO. Lena.

MARCO ANTONIO disse...

Caros blogueiros:

1. Nas lides forenses, existe o segredo de Justiça, que preserva a necessária confidencialidade de partes envolvidas em questões específicas.

2. Em nosso caso, criou-se um novo instituto, o do "segredo da injustiça", que busca acobertar o que foi mudado, à nossa revelia, em NOSSO Regulamento pelo Ministério da Fazenda, com a complacência dos dirigentes da Previ, segredo este que, chamado eufemisticamente de "ajustes redacionais", somente nos serão desvendados após colocados em vigor, gostemos ou não deles.

3. A alternativa que nos resta é apelarmos ao Julian Assange (Wikileaks), para que tente acessar e divulgar os textos ultrasecretos que envolve esse kafkaniano episódio.

4. Um fato, porém, é certo: os que prometeram e não cumpriram sairão completamente desacreditados desse episódio.

Marco.

Anônimo disse...

Na verdade se o crédito sair em fevereiro será 280%. Correto?

TÁ NO SITE DA PREVI disse...

NOTÍCIAS :: 20110215 SUPERÁVIT APROVADO voltar





Uma conquista de todos



A alteração do regulamento do Plano 1 foi aprovada nesta terça-feira, 15/02, pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar – Previc, última instância decisória necessária para que os recursos excedentes sejam destinados aos participantes. Os principais benefícios previstos no novo regulamento são a implementação de um Benefício Especial Temporário (BET) correspondente a 20% do Complemento PREVI para aposentados e pensionistas – já considerando como benefício mínimo 70% da Parcela PREVI – e a manutenção da suspensão integral das contribuições da patrocinadora e dos participantes por mais três anos consecutivos – já suspensas desde 2007.

Como o sistema de pagamentos da PREVI já está preparado, o primeiro crédito – correspondente a 14 parcelas (as 12 previstas mais duas referentes a janeiro e fevereiro de 2011) – será efetuado em até quatro dias úteis, como adiantamento, e transitará pela folha de pagamento de março. As demais parcelas serão creditadas junto com as respectivas folhas, no dia 20 de cada mês. O valor líquido de cada parcela corresponde a cerca de 2/3 do valor bruto mensal do Benefício Especial Temporário (BET), em função das deduções incidentes, tais como Imposto de Renda e Cassi.

O mesmo percentual do BET será projetado para os participantes da ativa e creditado em conta individual dos seus Complementos PREVI, para saque único quando de suas aposentadorias. O primeiro crédito poderá ser visualizado por meio do Autoatendimento do site da PREVI, em até cinco dias úteis, nas áreas de Simulação de Benefícios, Tela de Saldo ou Prévia de Opção.

Para os membros da Diretoria Executiva da PREVI, "a construção do processo de destinação do superávit, desde os primeiros debates com entidades dos participantes até o referendo dos associados e aprovação dos órgãos reguladores, foi muito importante para o sucesso de uma operação dessa magnitude, envolvendo a melhoria das vidas de mais de 120 mil famílias, com a distribuição de recursos da ordem de R$ 15 bilhões".

Consulta aos participantes e aprovação dos reguladores

Entre os dias 9 e 15 de dezembro, os cerca de 120 mil associados do Plano 1 foram consultados sobre a destinação dos recursos nos moldes propostos, e cerca de 80% dos votantes concordaram com a proposta. A alteração do regulamento foi submetida e aprovada pelas instâncias decisórias da PREVI (Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo), do Banco do Brasil (Conselho Diretor), pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) e pelo Ministério da Fazenda. Todas as etapas de análise e aprovação foram cumpridas dentro dos prazos legais, o que permitiu que o crédito dos recursos excedentes fosse realizado em tempo recorde, uma vez que entre a assinatura do Memorando de Entendimentos e a efetiva destinação foram necessários menos de três meses.

"Estão todos de parabéns: participantes, entidades e órgãos envolvidos na negociação, responsáveis diretos pelo seu bem-sucedido desfecho", ressaltaram os diretores da PREVI.

OSNY disse...

Vitória, acabo de ler no sítio da PREVI


A alteração do regulamento do Plano 1 foi aprovada nesta terça-feira, 15/02, pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar – Previc, última instância decisória necessária para que os recursos excedentes sejam destinados aos participantes. Os principais benefícios previstos no novo regulamento são a implementação de um Benefício Especial Temporário (BET) correspondente a 20% do Complemento PREVI para aposentados e pensionistas – já considerando como benefício mínimo 70% da Parcela PREVI – e a manutenção da suspensão integral das contribuições da patrocinadora e dos participantes por mais três anos consecutivos – já suspensas desde 2007.
Como o sistema de pagamentos da PREVI já está preparado, o primeiro crédito – correspondente a 14 parcelas (as 12 previstas mais duas referentes a janeiro e fevereiro de 2011) – será efetuado em até quatro dias úteis, como adiantamento, e transitará pela folha de pagamento de março. As demais parcelas serão creditadas junto com as respectivas folhas, no dia 20 de cada mês. O valor líquido de cada parcela corresponde a cerca de 2/3 do valor bruto mensal do Benefício Especial Temporário (BET), em função das deduções incidentes, tais como Imposto de Renda e Cassi.
O mesmo percentual do BET será projetado para os participantes da ativa e creditado em conta individual dos seus Complementos PREVI, para saque único quando de suas aposentadorias. O primeiro crédito poderá ser visualizado por meio do Autoatendimento do site da PREVI, em até cinco dias úteis, nas áreas de Simulação de Benefícios, Tela de Saldo ou Prévia de Opção.
Para os membros da Diretoria Executiva da PREVI, "a construção do processo de destinação do superávit, desde os primeiros debates com entidades dos participantes até o referendo dos associados e aprovação dos órgãos reguladores, foi muito importante para o sucesso de uma operação dessa magnitude, envolvendo a melhoria das vidas de mais de 120 mil famílias, com a distribuição de recursos da ordem de R$ 15 bilhões".
Consulta aos participantes e aprovação dos reguladores
Entre os dias 9 e 15 de dezembro, os cerca de 120 mil associados do Plano 1 foram consultados sobre a destinação dos recursos nos moldes propostos, e cerca de 80% dos votantes concordaram com a proposta. A alteração do regulamento foi submetida e aprovada pelas instâncias decisórias da PREVI (Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo), do Banco do Brasil (Conselho Diretor), pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) e pelo Ministério da Fazenda. Todas as etapas de análise e aprovação foram cumpridas dentro dos prazos legais, o que permitiu que o crédito dos recursos excedentes fosse realizado em tempo recorde, uma vez que entre a assinatura do Memorando de Entendimentos e a efetiva destinação foram necessários menos de três meses.
"Estão todos de parabéns: participantes, entidades e órgãos envolvidos na negociação, responsáveis diretos pelo seu bem-sucedido desfecho", ressaltaram os diretores da PREVI.