sábado, 13 de novembro de 2010

Burrice ou vigarice

Caros Colegas.

Errar é humano, persistir no erro é burrice. Se os negociadores do lado dos participantes do PB1 não se convencerem de que estão errados, estarão confessando que advogam em causa própria. E isso é vigarice, na atual conjuntura em que se rediscute a distribuição do Superavit. É inadmissível que se relegue uma experiência negocial de três anos sem tirar proveito dos ensinamentos acumulados. Causa espanto que no último estágio das tratativas chegue-se ao ponto de entregar os pontos sem marcar nenhum ponto a favor do lado considerado mais fraco. E que, exatamente no momento atual esse lado tem tudo para mostrar ser o mais forte na disputa.

A cascata de erros nasceu com o Renda Certa e precipitou-se de roldão engrossando em caudal desenfreado, percorrendo os caminhos das propostas discutidas em seqüenciais reuniões - inócuas e despropositadas. Foram desacertos sobrepostos que culminaram com a inviabilidade de promoção da distribuição justa. Começando pela aceitação de palpites e conselhos de pouco alcance, passando pela representatividade sem brilho, aceita ou imposta, para culminar com a má postura adotada na mesa de negociação.

Perdeu-se tempo precioso com as reuniões prévias. Pecou-se pela errônea escolha dos representantes. Por fim instalou-se o clima de “já perdeu” por parte dos nossos defensores, com a declaração de incompetência contida na Nota Oficial do último encontro. Nota essa coincidentemente igual à dos opositores: ANABB e Contraf-cut, o que corrobora o entendimento de capitulação. Ou se posicionam de modo a reverter esse quadro derrotista ou nos remetem ao entendimento de que, de fato, advogam em causa própria.

Em momentos como este o negociador tem que esquecer posições pessoais para expressar a vontade da maioria que defende, pouco importando se ele levará proveito no resultado. Não está em jogo o seu bolso, mas a bolsa do conjunto dos participantes. A negociação não está sendo feita para saber o que o Banco fará com a parte que conseguir tomar. O foco da questão é como nos chegará a parte que nos cabe, e isso somente a nós diz respeito. Se não temos o direito, e o poder, de determinar ao Banco o que fazer com o seu dinheiro, também não devemos deixar que ele se meta na nossa vida dizendo o que botamos na mesa da nossa família, com o fruto do nosso trabalho. Esperar tanto tempo para chegar-se a esse impasse em que deixam o Banco segurar as rédeas da situação e ditar normas estapafúrdias é no mínimo uma postura covarde. Ou esperta. Covarde se a derrota leva o carimbo da desistência, seja por subserviência ou incompetência. E esperta se tudo estiver sendo feito de caso pensado, para que o resultado beneficie aos que estão decidindo por milhares de participantes.

Porque os nossos representantes se permitiram envolver numa discussão em que tornaram-se voto vencido a partir do início da escolha dos nomes carimbados? Nunca é demais lembrar que são três as partes interessadas: Banco, Previ e Participantes. Mas o nosso lado passivamente aceitou participar de um jogo de cartas marcadas e encarar, fragilizado, a dupla composta pelo Banco e a Previ com sua representatividade maquiada de independente. Sabemos que o bloco Banco/Previ/ANABB/Contraf-cut é um só. E que a nossa representação é, além de frágil, infiltrada de elementos que atuam também do outro lado, como verdadeiros traidores. O conjunto formado como nosso representante é composto das Associações de Aposentados e Pensionistas, acrescido dos Eleitos da PREVI. Enganam-se os que pensam que este lado é confiável. Muitas das associações ostentam em suas direções elementos que prestam serviços ao outro grupo, sendo que uma delas participa das negociações a convite da Contraf-Cut e outra elegeu diretores seus para compor o quadro dos Eleitos da Previ, duplamente suspeitos porque sua Entidade associativa aliou-se à ANABB para alçá-los à posição, e que também tem assento à mesa que cuida da distribuição do superávit.

Ainda é tempo de sanar irregularidades desde que a Federação assuma o comando da representação dos assistidos e imponha ordem na casa. Para começar deve responder às perguntas que estão no ar aguardando seu posicionamento e adotar providências para contemplar a reconquista da confiança que perdeu:

a) A demora na divulgação dos assuntos tratados nas reuniões de interesse dos associados não deve persistir. Se adotar a lavratura de ata a questão estará resolvida;
b) Os critérios de convocação dos representantes devem ser reavaliados. Por que não convidar nomes reconhecidamente fortes, pelo critério de conhecimentos, para participar?
c) E os aposentados por invalidez, pensionistas, pedevistas e demitidos são representados por quem?
d) Por que aceita que o Banco vete nomes da nossa representação quando ele nos nega o direito de reciprocidade?
e) Por que determinadas AFAs não são filiadas à FAABB, e porque, mesmo assim têm assento à mesa enquanto duas dezenas de afiliadas são renegadas?
f) Por que a AAPPREVI não pode participar dessas reuniões?
g) Por que a ANABB participa se ela não é uma Associação de Aposentados e Pensionistas?
h) Porque a presidente da FAABB declarou anteriormente que o Banco não havia convidado a ANABB pelo descontentamento provocado na distribuição anterior e, agora, ela volta a participar com força total? Por que é ela quem dita as normas do lado de cá?
i) Por que permite que o Banco comande as discussões unilateralmente?
j) Por que abandonou quesitos importantes da discussão, como devolução de valores pagos a maior na distribuição anterior, se a proposta do Banco volta a beneficiar esses mesmos com os 20% que serão acrescidos aos seus proventos, cumulativamente?
k) Por que somente a proposta do Banco está na pauta atual?

Respondidas essas questões e imprimindo firmeza nas suas posições, a Federação estará cumprindo o seu papel que é defender incondicionalmente os interessas dos aposentados e pensionistas do PB1, independentemente de filiação a entidades representativas.

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) 13/11/2010.

92 comentários:

Ary Taunay Filho disse...

Marcos,

A atuação dos negociadores, e assim são classificados por mero costume, porque na verdade não estão negociando nada, apenas BB/Previ os acham necessários presentes para "legitimar" o embuste, nos leva para o campo da incredulidade.
Incrédulos ficam todos ao verem pessoas com longo tempo de luta na saga dos aposentados/pensionistas do BB, simplesmente negarem tudo o que ensinaram.
Incrédulos ficam todos ao verem a hipocrisia aflorar e incrédulos ficam todos assistindo um teatro de fantoches, onde o BB tem as cordas nas mãos.
Eu assisto com pesar o fim dessas lideranças, porque entre tantos, eu também acreditei neles um dia e agora assistirei seu fim melancólico.
Sou persistente, ainda acredito nos homens, senão perdemos a razão da vida e estou depositando em você, Prezado Marcos Cordeiro, a fé de que surge um novo lider, pois vergonha na cara não lhe falta.
Estou com você, berre, grite, se debata e mesmo que você seja derrotado eu lhe garanto que você sairá deste triste episódio fortalecido e pronto para seguir sendo um ponto de resistência à covardia, a injustiça e a pilantragem de BB/Previ.

José Luiz-teteu disse...

Colega Marcos,

Parece que nós somos considerados os "velhinhos aloprados". Não temos
vez e muito menos voz nestas "negociações". Quem afinal está defendendo os interesses dos "velhinhos aloprados" ?

Anônimo disse...

Só você Marcos,

Com sua capacidade de expressão para dar voz a milhares de bocas amordaçadas. Não acredito na participação da AAPPREVI numa mesa de negociação feito essa por um simples motivo: TRANSPARÊNCIA. É tudo o que eles não querem.

Anônimo disse...

É vergonhosa esta negociação...
Armam um circo...Se fazem de "negociadores", excluindo os interessados (aposentados e pensionistas)e seus legítimos representantes..AAPPREVI.

Me digam: O que faz ali sentada a CUT ?? a CONTRAF??
e a ANABB, hein?? Todos estes pelegos estão ao lado do BB, que dita regras sobre o NOSO (pb1) DINHEIRO !

Assim não dá !! Fora com esta gentalha

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

Não sou dado a factóides nem me valho de mentiras para engordar meus posts. E assumo o que escrevo, sem achismos.
Recebi veemente “desmentido” acerca do que declarei relativamente aos participantes da negociação do superávit. Pelo conteúdo da interpelação, talvez esteja a caminho mais uma ameaça à minha integridade física.
A respeito disso publico a fonte que me deu subsídios para a denúncia:

BINGO ! A REUNIÃO NO BB SOBRE O SUPERAVIT SAI HOJE
quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Em seguida que chegou a convocação da CONTRAF CUT, cerca das 14,00 horas, para o presidente da AFABB – RS, Claudio Lahorgue, participar da reunião quinta feira em Brasilia, na sede do BB, às 15,00, fui para o computador da associação e postei no meu blog a notícia que era ansiosamente aguardada por aqueles que acreditam e necessitam do superavit da PREVI.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Prezado Marcos,








Nem burra, nem vigarista. Talvez nem tão inteligente quanto muitos colegas que respeito e admiro, mas igual a todos os demais colegas que um dia ingressarm no BB por concurso. Acredito que tenho a inteligência para saber que aqueles que assinam qualquer decisão entre BB e Previ são os membros do Conselho Deliberativo da Previ. A decisão final sempre será desses seis: três indicados pelo Banco, três eleitos por nós.




Ao BB, Patrocinador, cabe a prerrogativa de abrir o processo negocial e poderia fazê-lo à porta fechada, dentro do Conselho Deliberativo. Ao abrir a discussão o BB convidou quem desejou: o movimento sindical, através da CONTRAF CUT, a maior Associação de funcionários do BB, que é a ANABB, a maior entidade que congrega aposentados, que é a AAFBB, e a FAABB pelas Associações de Aposentados em geral. Além dessas, neste ano, o BB permitiu espaço a AFABB SP e a AFABB RS. Estamos lá por convite. Sei dos reparos que alguns fazem à ANABB, mas sou testemunha de que, neste processo de discussão, seu Presidente tem sido firme na defesa de nossos interesses. Mas o Banco não precisa chamar ninguém, basta pautar o assunto no Conselho Deliberativo da PREVI, votar e aprovar o que for votado. Todos nós que estamos à mesa temos plena consciência de que nosso papel é apenas de sugerir, discutir, argumentar, mas não aprovamos ou rejeitamos coisa alguma, pois não nos cabe, não temos alçada para isso. Somente o Deliberativo tem tal alçada. No passado o BB e a Previ já decidiram sem ouvir ninguém. Em 1997, mudaram o Estatuto da Previ, formalizaram o Acordo BB x Previ, sem consultar ninguém. Em 2002, alteraram novamente o Estatuto da Previ, definiram a paridade contributiva sem consultar nada e nem ninguém. Ao definir a Paridade, o BB se apropriou, sem abrir margem para discussão, de cerca de 3 bilhões da Previ. Restou ao movimento sindical e a FAABB ir a Justiça (processo em andamento).




Quanto as sugestões de uso do superávit, até agora o BB só acata sem restrições a suspensão das contribuições e os 20%, sobre benefícios ou pensões, pagos mensalmente, durante seis anos. Vetou o resto. Quanto a A idéia incorporar os benefícios de Remuneração e de Proporcionalidade, partiu do BB, pois além deles terem sido criados antes da existência da Resolução 26, eles nada consomem da atual Reserva Para Revisão do Plano, de vez que, quando da criação desses benefícios, foram criados, também seus respectivos Fundos, necessários para suportar os respectivos pagamentos. Ademais, tal Benefício Especial de Remuneração que alguns consideram justo outros não, contemplou mais de 24 mil aposentados; o de Proporcionalidade, 22 mil.



Isa Musa

Anônimo disse...

Eis o motivo pelo qual a AAPPREVI não foi convidada para participar dessa reunião. É a única associação confiável e transparente. É a única que realmente defende os interesses dos seus associaos.
Que esses lamentáveis episódios sirvam de lição para todos nós.
Cada um de nós agora tem a obrigação moral de chamar pelo menos mais um colega aposentado para conhecer o trabalho valoroso da AAPPREVI. Eu já me filiei faz tempo. E vocês colegas? Garanto que nem todos os que frequentam esse espaço são filiados.
Parabéns Marcos e demais colegas da diretoria da AAPPREVI. Vocês mostraram e continuam mostrando as enganações das associações caça níqueis que pululam no nosso meio. O pior cego é aquele que não quer enxergar. Ainda há tempo. Vamos fortalecer a a APPREVI para que ela consiga no mínimo, jogar uma ADIN em cima dessa corja.

Ari disse...

Marcos e amigos do blog:

Vocês notaram a preocupação do banco em relação aos funcionários da ativa? Primeira deliberação do BB: "20% a aposentados, pensionistas E FUNCIONÁRIOS DA ATIVA QUANDO ESTES SE APOSENTAREM."
Ora, se o funcionário da ativa que hoje já participa do superávit através do PLR, vier a se aposentar daqui a uns cinco anos, digamos em 2014, ELE TERÁ DIREITO aos 20% do superávit acumulado de 2007,2008,2009. Isto NÃO È UM ABSURDO, gente???!!!

Outra: O banco não aceitou a proposição dos 360/360 para todos.
Mas aceitará dos funcionários da ativa que atingirão esta marca pela suspensão das contribuições...

"Pare o mundo que eu quero descer..."

Anônimo disse...

MARCOS pelas palavras da Isa Musa,não há mais motivos para continuidade dessas reuniões influtiferas,que só retardam a distribuição.

Já que tudo é uma farsa,que o DELIBERATIVO se reuna aprove o que o banco aceita e faça a homologação junto a Previc e ministérios.

NÃO HÁ MAIS O QUE DISCUTIR, ESTA CLARO A POSIÇÃO FINAL DE COMO FICARÁ ESTA DISTRIBUIÇÃO.

Ao meu ver devemos ir procuramos os ADVOGADOS e já na terça feira,entrar com o maior número possível de ações coletivas e individuais,para barrar esses Dirigentes.

Enfim a ISA MUSA disse a verdade.nada vai ser mudado.

Não há mais o que discutir,vamos aceitar o que esta definido e pronto,quem achar que foi enganado,lesado,terá apenas o judiciario para tomar as devidas providências.

Ao meu ver nada mais se justifica!!!

JUSTIÇA JÁ, AGORA, E URGENTE.

Juarez Barbosa disse...

Prezado Marcos e seguidores do Blog

Tenho a convicção que todos andam desconfiados acerca do que acontece realmente nestas reuniões, a portas "bem fechadas". E também questionamos o porquê ser necessário este colegiado de "nossos" representantes, enquanto que o representante do Banco é formado por uma só pessoa (a presença de representante da PREVI não se faz necessária, haja vista ser ela, atualmente, completamente subserviente aos interesses do BB. O que ele mandar ela simplesmente executará). Apenas a Sra. Isa deveria ser a nossa legítima "porta-voz", por sua larga experiência, competência e representatividade inquestionáveis.

Muito importante se faz necessário no presente estágio das negociações que a aprovação de eventual acordo seja sacramentado após nossa aprovação consciente, sem abrirmos mãos de nossos legítimos direitos de questionarmos quanto à legalidade ou não dessa RES26.

Devemos estar igualmente muito atentos na apreciação do documento que sacramentará um possivel acordo, sobretudo nos ítens expertamente elaborados para nos confundirem e futuramente nos prejudicarem, como aconteceu em acordos passados recentemente.

Os fatos desta história se repetem mais uma vez. Devemos recordar o passado, sob pena de incorrermos novamente nos mesmos erros.

Não podemos e não temos o direito de abdicarmos da justiça de nossos pleitos, e de outros tantos de nossos semelhantes, sob pena de legarmos aos nossos filhos um país onde a impunidade e a injustiça imperarão, onde as questões serão resolvidas através da "Lei de Talião" - OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE.

Prefiro morrer e não receber nada do vil metal, porque para aonde iremos tenho a certeza de que não precisaremos dele, a me vender enquanto vivo por 7 moedas e deixar nossas famílias e nossos semelhantes neste possível futuro sombrio país.

"Todo homem se arruina se destroem seus sonhos e a sua vida" (Gonzaguinha)

s.m.j.

Anônimo disse...

Marcos, apesar de desconhecer integralmente os normativos, mas acredito que os mesmos nos engessa.

Essa discussão sobre as negociações da distribuição do superavit são infrutíferas e puro jogo de cena, pois o patrocinador esta com todas as vantagens.

Tudo esta encenado.

As defesas contundentes por partes de certas associações é tudo pro forma. Na realidade não existe nada disso.

Se tudo o que for ali proposto, depende da aprovoção do patrocinador.

Se o patrocinador não aprovar nada somente poderemos aprovar o que foi proposto pelo mesmo. Pode ser que ele aceite algumas proposições que não afetam seus interesses. Nada mais do que isso.

O que me preocupa mesmo é o ítem 07 (sete) divulgado pela ANABB.

Mesmo que venhamos a aceitar o que foi proposto pelo patrocinador ainda temos que concordar em que o Banco se aproprie dos 50% do superavit. Isso não pode acontecer.

Partindo do princípio de que o Banco tem que aprovar o acordo, depois passar por aprovações de vários orgãos do Ministério da Fanzenda, acionista majoritário do Banco, Previc, os orgão de controles das estatais, etc., só nos restará aceitar a proposta do Banco, desde que se inclua a cesta alimentação.

Digo assim para que nós não venhamos, por alguns migalhas as mais, aceitar o ítem 07 como acima mencionado.

Os normativos nos colocam a mercê do patrocinador, que ainda conta com o respaldo da Anabb, Contraf Cut.

A Previ, também, esta manietada, apenas obedece as decisões que lhe é imposta, por força dos normativos.

Dizem que as propostas deverão ou deveriam serem votadas e aprovadas pelo corpo social. Mas quem tem acesso ao corpo social em sua quase totalidade?
Somente o Banco e a Anabb tem acesso aos participantes e assistidos.

Só os participantes da ativa dariam uma vantagem muito grande numa votação, considerando que eles seriam bombardeados por informações não fidedignas, como ocorreu com a última distribuição do superavit, onde fomos logrados o tempo todo.

Caros colegas, a decisão é nossa, e ela deve ser embasada numa análise fria, realista, racional. Pois as pespectiva para nós não são das melhores.

Mensurar os prós e os contras e suas consequências a longo prazo, pois, as de curto prazo nem sempre são as melhores alternativas.

Um colega questionou o porque somente de 06 anos. A questão não é relevante, calcula-se que seria o que o fundo dessa reserva especial suportaria os pagamentos.

Mas ele esqueceu que daqui mais ou menos 03 anos teremos outro superavit a ser distribuido, se Deus quiser, e que ele também estenda por 06 anos ou mais tempo. E assim por diante.

O desfecho final não depende somente de nós, por isso que temos que escolher a que melhor que nos satisfaça, mesmo que não sejam as pretendidas, mas pelo menos que seja a pior.

O momento exige reflexão.

Que Deus nos ilumine.

Não nos esqueçamos da ADIN. Ela deve continuar em nossos planos para que seja realmente efetivada.

Boa sorte a todos.

ARY TAUNAY FILHO disse...

Prezado Marcos Cordeiro,

Analisando as declarações da Sra. Isa Musa, fica uma pergunta: Então o que ela está fazendo lá? Servindo de que? Se ela sabe que é tudo uma farsa, então porque participa?
Ora Marcos, quem pensa assim e respeita seus representados, tem levantar da mesa e procurar o jurídico, tentar suspender os efeitos da Resolução 26 fazendo muito barulho. Dinheiro para se movimentar, piquetear, invadir a sede da Previ, o Congresso Nacional, o Planalto, isto não falta. O que falta é vontade de defender os aposentados.

Anônimo disse...

Sempre admirei, respeitei e defendi a Dona Isa Musa, mas agora, sinceramente, não entendi suas colocações. Por uma questão até de praticidade, para que então tantas reuniões? Se o final já está definido qual o motivo de todo esse circo? Tou tirando meu time de campo e não quero mais tomar conhecimento de nada a respeito desse assunto. Dependendo do resultado buscarei meus direitos no Poder Judiciário. Paciência tem limite e a minha já encheu até a tampa. CHEGA DE TANTA PALHAÇADA. TO FORA!!!! Detalhe: Sou pós-97 bem abaixo da média, mas tenho vergonha na minha cara.

Anônimo disse...

O banco mascara sua política de pessoal perversa às custas da Poupança dos Aposentados, via PLR. Já vimos este confisco num passado mais ou menos recente. Perguntem ao ex-presidente Collor no que isto deu. Interessante que mudam-se as moscas, mas "aquilo" continua a mesma coisa. E outra: se no passado o banco resolvia tudo sozinho, que continue assim. Não nos usem nestes sofismas, querendo dar aparência "democrática" aos seus métodos de gestão, que dizem modernos. Sejam autênticos, pois o melhor que se leva de todo contexto é a HONESTIDADE.

Anônimo disse...

Caro colega Juarez barbosa, para mim e para muitos de nós, a Previ não é e nunca foi um fundo de Pensão. Ela não passa de uma subsidiária do Governo, que a usa em nome do BB com finalidades espúrias e controvertidas, na obtenção de lucros e mais lucros, sem respeito aos aposentados, qualquer que seja o governo. Para eles não existe ética, moralidade e honra.
Eles se acham imortais e se julgam acima de tudo e de todos.Do bem e do mal.

Anônimo disse...

Concordo com o Ari, das 09:02

Os aposentados que contribuiram mais de trinta anos contando o tempo da ativa e de aposentado, recebem proporcional. E nessa situção são milhares de colegas.

Já os ativa do Plano 1 pararam de contriuir, e terão esse direito de aposentadoria integral. E vejam só: alguns estão com menos de 20 anos de Banco.

Que canhalhice é essa? Na verdade é o dinheiro alheio que lhes dão o direito aos 360/360. Jamais concordarei com isso.

Anônimo disse...

Marcos e colegas

A impressão que fica é que o BB está se utilizando da distribuição do superávit para forçar a aposentadoria do pessoal da ativa.

Anônimo disse...

Impressionante essa noticia, de que os que aposentarem agora receberão integral, jamais aceitarei!Nós contribuimos até depois de nos aposentar!!! Canalhas!!! Chega de sermos os palhaços da corte!!!!
Justiça já!!!!!!
Tem alguma coisa por detras de tudo isso, não acham???????????

Anônimo disse...

Calma colegas. Lembremos que nos tempos de agencia, o gerente muitas vezes chamava os demais funcionários para discutir determinados assuntos, mas que ele poderia simplesmente tomar a decisão que melhor lhe conviesse. A participação tanto naquele tempo como hoje ocorre, como a Sra. Isa falou, para maior representatividade e melhor avaliar os assuntos em pauta. Como ela disse, a PREVI/BB, através do conselho deliberativo da PREVI pode à portas fechadas tomar a decisão e colocar para a PREVIC aprovar. Então acho que a presença dos representantes de aposentados, apesar de não terem poder de decisão, é importante para, pelo menos, tentar corrigir injustiças maiores. Em toda decisão, haverá os que serão mais beneficiados e os menos. Seja ela qual for.

Anônimo disse...

Dos 120.000 participantes da PREVI plano 1, cada um tem sua própria opinião a respeito da distribuição do Superavit. Portanto, acho que devemos aceitar, inicialmente, as propostas que de uma forma, atendam todos, indistintamente. Não adianta querer tudo agora.

wilson luiz disse...

Realmente, nossos negociadores são uma piada, para não dizer coisa pior.
Já na negociação de 2008, enquanto outros fundos utilizavam seus superavits para melhoria de benefícios, os nossos, por incompetência, ingenuidade, ma fé ou tudo isto junto, foram vergonhosamente "enrolados" pelo Banco até a edição da Resolução 26.
Quanto à negociação ora em curso, sou menos crítico, temos que dar algum desconto. Se realmente só é possível negociar obedecendo à Resolução 26, não vejo como possamos conseguir algo melhor que a aplicação de um índice de reajuste a ser pago até consumir o superavit. Mesmo dentro desta ótica, há pouco espaço de manobra; até para estabelecer um piso de R$ 500,00 o Banco alega problemas jurídicos. Melhorias de verdade somente seriam possível se fossem permanentes, e a Resolução 26 veda esta hipótese. Nesta situação, até negociadores brilhantes e bem intencionados teriam muitas dificuldades de satisfazer 50% + 1 dos participantes do PB 1.

Juarez Barbosa disse...

Prezado Marcos e seguidores do Blog

Devemos também procurar a adesão à nossa AAPPREVI dos funcionários do BB que estão na ativa e participantes do PB-1.

Em nossas idas às agencias do BB, porque não procurarmos os funcionários participantes do PB-1 e exortá-los a participarem de nosso movimento.

Trata-se de um grande contingente de futuros aposentados se formos analisar bem, não acham?

Devemos sensibilizá-los acerca do que anda nos acontecendo, do descaso com que nos tratam nos dias atuais e indagá-los o que esperam de suas aposentadorias.

Se conseguirmos esse objetivo poderemos ter a certeza que vamos crescer ainda mais, aumentando significativamente o número de associados.

Os que acreditarem que nossa luta de hoje também os favorecerão no futuro passarão a erguer a bandeira da AAPPREVI no interior de suas agencias, a também clamarem por justiça nas relações BB/PREVI/PARTICIPANTESeASSISTIDOS.

s.m.j.

Anônimo disse...

Colegas.

Somos muito ingênuos,se voltarmos lá atráz,quando a Isa disse que haveria luz no fim do túnel,ela mesma afirmo que as negociações iriam se resolver em final de novembro mais tarda inicio de dezembro porquê?.

Porquê a encenação da peça,passa pelo convencimento dos aposentados e pensionistas que neste momento era o melhor que podiamos ter sido feito.

Sempre postergaram as definições,entre reuniões e mais reuniões,disseram que iriam a Previc para que qualquer acordo proposto não fosse barrado pela autarquia.

Agora nos 45 minutos do segundo tempo faltando apenas 3 minutos para o final da partida,eles vão procurar o ministério do planejamento,mais obvio há o Congresso dos Fundos de Pensão,porquê não pensaram nisso antes,que tipo de gente é essa que esta a frente dessas negociações?.

Alguém se lembra da visita que o Valmir Camilo fez ao Ministro do Planejamento Paulo Bernardo? Foi apenas para tomar cafézinho.

Senhoras e Senhores não usem de velhaquice com pessoas realmente necessitadas,aprovaram o ES vespera das eleições,felismente desta vez o sistema não falhou,mais só que 2% dos assistidos não puderam renovar seu ES.

Tudo é feito com cartas marcadas,mais a maior indignação é mesmo a presença da Dona Isa Musa nas negociações,talvez a palavra dela seria de que a reunião ocorrida em Brasília no Hotel Nacional,seria para ela sair da farsa, ou continuar na farsa,ela mesma ja dava indicios de que sairia,mais passou o abacaxi para as afiliadas.

Infelismente Colegas podem se contentarem com o que esta aí,faça uma faxina nas suas vidas,corte o que tiver de cortar, viver com o que sobrar do resto de cada um e não mais depender dessa gente que se acha acima do bem e do mau.

Tudo que ali esta é infelismente farinha do mesmo saco,não vão dar nada mais do que já deram, não haverá surpresas.

Temos nesse momento é que formar um grupo de estudos,achar uma forma de constituir um fundo para custear advogados,e começar a abrir a caixa preta da previ,buscar uma forma de mudar os Estatutos e Regulamentos,destituir quem tiver de destituir,teremos eleições será que não esta na hora de mudanças? a começar pela Federação? Temos bons nomes pessoas que podem realmente mudar os rumos que estamos desenhando para o futuro sombrio de muitos colegas.
A continuar desta forma a Matança irá continuar,estão matando gente inocente,pessoas que são as verdadeiras vítimas desta novela sem fim!!!.

Anônimo disse...

Colegas que fazem parte dos quase 30.000, desafortunados que nada receberam e nada receberão,são na maioria os mais baixos salários dos pré/97, que só completaram os 30 anos de contribuição na aposentadoria e podem contribuir com 30,40,50 anos para a Previ que vão continuar a receber proporcional.

A proposta 360/360 o BB não aceitou porque atinge quem ganha pouco,mais eles só gostam dos que ganham altos salários, que já se beneficiaram com o renda certa 1 e agora com o renda certa 2 e + 20% que em cima de salários altos dá um valor fabuloso e contempla cerca de 30.000 aposentados mais antigos dos pré/97

Os 30.000 da ativa que fazem parte do PB1, é só alegria, ganham PLRs, não pagam contribuições para a PREVI, mais adquirem o direito de aposentadoria integral 30/30 sem precisarem contribuir sabe-se lá até quando e ainda irão receber o superávit reajustado na aposentadoria.Tão rindo à toa.

Os pós/97 já tiveram o beneficio de 75% para 90% e agora o Beneficio Especial de Remuneração e Proporcionalidade, incorporados.

Vejam colegas, se todos vão ganhar 20% sobre os beneficios e das alternativas que o BB considerou na última reunião e que não necessitam de alterações estatutárias está a proposta 360/360 que não pode deixar de ser acatada, pela verdadeira aberração que apresenta em relação há quem não contribuiu nem contribuirá com 360 parcelas e poderá se aposentar integral, não deixando de lembrar também que quem saiu como pedevista e optou por continuar a pagar para a Previ, hoje recebe seu beneficio integral(30/30), é demais não podemos aceitar.Queremos justiça!

Anônimo disse...

Alguém poderia esperar mais alguma coisa dessa gente,até que demoro pra verdade vir atona.

Agora é hora de pensarmos no futuro,porque infelismente aposentado e pensionista do PB-1 não vota, e a suspenção das contribuições por mais três anos é justamente para que a matéria colocada em pauta seja APROVADA.

Seria melhor fazer como no congresso nascional.

Os que são a favor levante o braço? APROVADO.

Assim evitária mais gastos,desnecessários.

Eu sinto vergonha da Previ, se ouvesse uma maneira de retirar meu benefício, o faria AGORA,JÁ.

Nao ficaria mais no meio desse monte de serpentes.

Fico imaginando se ao invés de SUPERÁVIT fosse DÉFICIT?.

SERÁ QUE OS MEDALHÕES ESTARIAM TÃO DESMOTIVADOS!!!.

GENTE CHEGA DE ABUSOS, ENGANAÇÃO, FARSAS, DONA ISA SE AINDA TEM DIGNIDADE ABANDONE ESSAS FARSA,ENQUANDO AINDA TEM CHANCE,PORQUE INFELISMENTE A CREDIBILIDADE QUE A SENHORA GANHOU AO LONGO DA SUA HISTÓRIA DE DEDICAÇÃO AO BANCO DO BRASIL ESTA SENDO CONSUMIDA,ENTRA AS VAIDADES E A POUCA VERGONHA DE GENTE QUE FAZ QUALQUER COISA PRA TER UM PEDAÇO NAS CABINES DE EMPREGO DO GOVERNO DOS TRABALHADORES ( PT ).

Anônimo disse...

Tanto o BB quanto a Previc são unanimes que tudo deve ser negociado conforme a Resolução 26 então:

Art. 20. Cabe ao Conselho Deliberativo ou a outra instância competente para a decisão, como estabelecido no estatuto da EFPC, deliberar, por maioria absoluta de seus membros, acerca das medidas, prazos, valores e condições para a utilização da reserva especial,...
É só cumprir o que manda a Resolução 26.
A competencia não é do BB, mas sim do Conselho Deliberativo da Previ. Está na Resolução.

Anônimo disse...

A resolução 26 e a ANABB são excrescências geradas para prejudicar os aposentados. Quem não percebeu isto é daqueles piores cegos. Logo, se a participação da ANABB está sendo valorizada, fiquem com um olho no gato e outro no rato. Diante do que foi divulgado, às duras penas, está líquido e certo que de nada adianta espernear na esfera administrativa. Então, pega-se o possível nesta esfera e busca-se o restande, na outra. Nada de stress porque tudo são favas contadas e a participação de convidados serve apenas e tão-somente para dar roupagam "democrática" ao teatro. De minha parte aceito logo o que o banco oferece e depois faço o que tem de ser feito.

Mauricio disse...

Marcos, deste a criação do blog e a fundação da AAPPREVI, que acompanho os comentários e discussões neste espaço.
Jamais me manifestei por entender que este blog foi criado e direcionado para os aposentados, pensionistas e assistidos da previ, o que não é o meu caso e tampouco de milhares de colegas que tiveram a infelicidade de defrontar com seres inescrupulosos do governo FHC e que da noite para o dia se viram sumariamente demitidos ou compelidos a pedir demissão do banco do Brasil.
Realmente os pedevistas, que prefiro chamar de DEMITIDOS injustamente pelo banco do Brasil, dentre os quais me incluo, são também responsáveis por este superavit da previ, afinal, parte de nossas contribuições ao fundo de pensão, poupanças de longos anos de trabalho ficaram retidas na Previ e nada mais justo que tivéssemos também acento na mesa de negociação e pudéssemos, finalmente, ter o direito de falar em nome de nossos irmãos tão massacrados pelo regime totalitário que nos foi imposto.
Sei que alguns dirão: "saíram porque quiseram, encheram as burras de dinheiro, aplicaram mal e agora querem voltar".
Este, infelizmente, é o discurso do banco e da previ, é o que querem que acreditem, porem a realidade, a verdade é muito diferente.
Saímos sim, não por ambição, pois a maioria foi simplesmente colocada para fora do banco e o pouco que receberam esvaiu-se em curtíssimo tempo, as promessas feitas pelo banco, não foram cumpridas e restou a estes colegas a frustração de um dia terem participado um dos maiores bancos do pais. O pai como diziam alguns, que entretanto se revelou num dos piores padrasto que se tem noticia, um algoz impiedoso e inescrupuloso.
Muitos dos demitidos, atualmente passam por necessidades básicas, sem um mínimo para o seu sustento diario, sem nenhuma condição de sobrevivência, sem amparo e o pior: sem dignidade humana.
Como pensar em nos, se sabemos de colegas que vivem completamente esquecidos, à margem da sociedade, sem ao menos poderem contar com uma alimentação básica, vitimas da ganância de pessoas que em nome do lucro não hesitaram em condenar pessoas, seres humanos a degradação total.
Porisso, Marcos, é que te agradeço, ao lembrar dos demitidos, pedevistas, pois debaixo de uma sarjeta, existe um ser humano que um dia foi nosso colega de trabalho, que labutou ao nosso lado e hoje não passa de um pobre e miserável mendigo a espera quem sabe de um milagre ou de uma mão amiga que o conforte e lhe devolva a esperança.

Obrigado, meu irmão, que Deus te pague!

Mauricio Furtado - Vitoria/ES
Movimento Nacional dos Demitidos do Banco do Brasil

Anônimo disse...

Então,

Se efetivamente é o conselho deliberativo que assina e decide, e acredito que seja assim mesmo, estamos na dependência de que os nossos eleitos usem todo o discernimento possível nestas negociações. Como tem sido relatado que os mesmos (três eleitos) se mostram pouco favoráveis à ganância do BB penso que devemos dar um voto de confiança aos mesmos.

Não podemos, sob o pretexto de se pegar qualquer valor entregar patrimônio para o BB e, principalmente, deixar uma porta aberta para futuras apropriações.

Os 20% para o pessoal da ativa podem demonstrar, como já comentado aquí, que o BB quer dar algum incentivo para que muitos da ativa saiam aposentados.

A não concordância dos 360/360 - recálculo para quem já saiu sem ter atingido esta fração é, a meu ver, a segunda maior injustiça até agora perdendo, somente, para a não mudança dos 60% para 80% das pensionistas.

O jogo é duro mas acima de tudo é dos éticos contra os não éticos. Poupemos nossas energias e acima de tudo não joguemos pedra em quem está na batalha ao nosso lado. É o que eu penso.

Anônimo disse...

A Previ publicou o balanço do 3º trimestre, encerrado em setembro:
Superavit 42.802.401 mil
Res. contingencia 19.059.441 mil

Reserva Especial 23.742.960 mil

Porque não fazer o realinhamento do Plano sob esses resultados?
Não haverá desculpas para não aceitar a proposta 360/360.
Confiemos nos nossos representates.

Pensionista sem voz fora da AAPREVI disse...

Pela mensagem da D. Isa Musa, parece-me q estamos num beco sem saída. De q adianta a presença de "nossos representantes" se quem decidirá mesmo será o Banco? Parece q tal presença serve apenas pra dividir a responsabilidade, caso o desfecho desagrade aos aposentados e pensionistas, para o Banco poder dizer "reclamem então com seus representantes, q aprovaram tudo".

Sobre a ADIN, diante de tudo q está acontecendo e c/ a certeza de q qualquer melhoria de benefícios terá q ter a aprovação do Banco, quem nos garante q, se obtivermos sucesso e conseguirmos, por meio da ADIN, derrubar a Resolução 26, o Banco não usará de todo o seu poder pra sabotar qualquer tentativa de Revisão do Plano, mudança de estatuto, etc?

ps' agradeço novamente de coração ao Wilson Luiz, sempre atencioso e pronto pra esclarecer nossas dúvidas, pela resposta ao meu comentário no post anterior.

Anônimo disse...

Anonimo das 13:32,

Muito boas as tuas informações. Não tinha percebido que a PREVI já tinha disponibilizado.

Completo as tuas perguntas:

1 - como passou de R$ 13,2 bilhões o valor da revisão do plano para R$ R$ 23,7 bilhões em um mês? Já houve a revisão do valor dos ativos, principalmente da Vale?

2 - este valor é para o final de setembro e o valor do final de outubro, quanto será? OBSERVAÇÃO: pela resolução 26, segundo consta, o valor base é o valor do mês da assinatura do acordo de utilização. Por exemplo: se fosse em novembro seria o superávit, e consequente valor para revisão de plano, ao final de novembro. E quanto estaria hoje?

3 - Estou pressentindo que o valor para revisão do plano quando da assinatura do acordo vai chegar nos R$ 28 bilhões dos quais a metade (50%) iria para ao BB e perfazeria os R$ 14 bilhões que o BB já contabilizou. Será que estou vendo coisas?

4 - Os R$ 11,8 bilhões (50%) que teoricamnet nos cabem dá para evoluir e muito na proposta do BB e AÍ FICA A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: COMO O BB E OS DIRETORES DA PREVI NÃO TINBHAM ESTE VALOR NA REUNIÃO DO DIA 11.11?

Anônimo disse...

TÁ TUDO DOMINADO


MARCOS, PELO TUDO QUE SE DISCUTE SÓ TEMOS UMA SAÍDA.

ACEITAR OS 20% E INCLUIR A CESTA ALIMENTAÇÃO.


E ADIN NELES.

Anônimo disse...

Provavelmente a evolução da Reserva, no atual patamar, está atrelada à recuperação do Ibovespa em setembro (6,5%) eliminando o resultado de -3,25% do mês de agosto, acompanhado da avaliação atuarial, pois o patrimonio deu um salto. O saldo atual da renda variável é de R$ 49 bilhões em ações e R$ 41 bilhões em fundos de ações.
Mas o que interessa, mesmo, é que já se pode pensar ( ou sonhar) com valores mais dignos para negociação, para implementar outras propostas.

Anônimo disse...

Colegas,


O corporativismo esta firme e forte com o apoio da ANABB (nunca entendi porque nos representa) e CONTRAF-CUT (agora aliada do VALMIR ou vice-versa)

Há colegas pensando em defender somente os seus interesses, como vamos criticar os negociadores corporativistas, se estamos tendo atitudes idênticas.

Não sai no PDV DE 1995, mas sei que não levaram suas reservas integralmente, e isto também ajudou a formar o superávit atual.

Não sou pensionista, mas nossas esposas provavelmente serão, e tem gente achando que não vai morrer, e é contra que se discuta agora o aumento do percentual de 60 para 80%.

Recebi o tal Beneficio Especial de Remuneração, mas foi corporativismo puro e deixou a grande maioria sem receber nenhum centavo. O pior é que a ANABB e a CONTRAF-CUT, tentam reeditar a sacanagem propondo aumento do teto para 100%. Só quem não conhece o Estatuto/Regulamento da PREVI não sabe a quem eles querem beneficiar (a turma dos altos salários que ascenderam no BB por serem do PT - competência zero).

Até a incorporação em definitivo destas verbas Benefíco especial de Remuneração e Proporcionalidade, aceitas agora pelo BB é corporativismo, pois se o fundo ficar deficitário, quem não recebeu nada vai ter que pagar o rombo provocado por estas duas verbas.

Olha se não for possível fazer justiça e corrigir as injustiças feitas na última distribuição é melhor não fazer nada. CHEGA DE TANTA GANÂNCIA, NINGUÉM PODE SER FELIZ EM CIMA DA DESGRAÇA ALHEIA.

Ari disse...

Amigos, está na coluna do Gibaum:

"China em campo
O ex-ministro Luiz Gushiken, atual consultor especializado na área de fundos de pensão, deu uma consultoria ao Banco Panamericano no encaminhamento da compra de 49% do banco pela Caixa Econômica Federal."

Nós, os fundos de pensão, estamos bem servidos de consultor, hein?

Jorge disse...

Será que todos os que estão negociando não prestam? São pessoas inidôneas? Os bons ficaram de fora? Se fosse possível colocar à mesa de discussão cada segmento que diz representar os participantes, querendo negociar um detalhe particular que vai beneficiar esse ou aquele, não teríamos uma Torre de Babel?

Quando é que esses caras (ou camaradas? ou ex-camaradas ressentidos?) vão entender que o Bancão não vai abrir mão da PREVI? Quando é que vão entender que ele tem poder suficiente (e legal) para fazer tudo isso à porta fechada, dentro do Conselho Deliberativo?

Se não é para negociar então saiam de cena e aguardem a decisão da justiça (que poderá chegar quando não estivermos mais no palco).

Eu já estou de saco cheio dessas brigas pelo poder ou pela representatividade dos assistidos (ou dos beneficiários? ou dos aposentados? ou dos da ativa? ou dos pensionista? ou...? ou...?!).

Me deixem!

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

"Jorge"

Se excluir a expressão chula contida ao término da sua mensagem, postada à 01:55 de hoje, ela será publicada.

Anônimo disse...

Pensemos bem. Se os beneficios especiais ( proporcionalidade e remuneração ) instituidos no Regulamento, são de pagamento permanente, não há razão para separá-los do beneficio principal. Estão sujeitos aos mesmos reajustes e tributação. Esta é razão da total concordância do Patrocinador.

Ari disse...

Meus caros amigos,

Não há a menor dúvida das intenções do Banco em deixar bem na foto os atuais funcionários da ativa. Deixou transparecer isso claramente nas propostas (a primeira) que apresentou na última quinta-feira, dia 11/11.
Os da ativa recebem o PLR que contém 50 por cento do superávit que o Banco diz "ter direito". Até aí tudo dentro da norma. Se a Resolução 26 ainda vale, não dá para contestar. Aliás, para contestar dá, mas somente na Justiça.
O que intriga é o Banco intrometer-se nos outros 50 por cento que nos pertence. Repito: este é NOSSO, de aposentados e pensionistas. Não será o Banco quem deve nos dizer como devemos distribuí-lo. Porém estamos lutando contra o staff governamental. Contra ministros nomeados pelo rei Luiz Inácio Lulla da Silva. São os ministérios da Fazenda, Planejamento e Previdência. É uma luta desigual posto que o BB apenas cumpre ordens emanadas destes ministérios. Como diz meu amigo Marcos Cordeiro de Andrade, dono do blog previplano1, "está tudo dominado". Só nos restam dois caminhos: o da Justiça (moroso demais) e o político, da negociação, da cessão de direitos, para conseguirmos apenas parte do que já é nosso.
Que o Senhor nosso Deus, que detesta a iniquidade, possa tocar no coração desses insensíveis e avarentos! Amém!!!

Anônimo disse...

Marcos, será que eu perdendo agora minha pensão pois estarei completando 24 anos receberei os 20% referente a 2010?Ficarei agradecida se puder me responder!
Obrigada!

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Caro Marcos Cordeiro,
Não seria o caso da AAPPREVI entrar com um pedido de liminar na justiça para obrigar a participação da mesma em todas as reuniões relativas ao superavit? O motivo alegado poderia ser o de acompanhar o desempenho dos representantes eleitos junto às instâncias decisórias e verificar o seu real interesse na defesa dos associados da AAPPREVI junto a aqueles órgãos.

Anônimo disse...

“É que, neste momento, estou muito preocupado com os nossos colegas que não tiveram a chance de se aposentar e foram empurrados para fora do Banco, sem direito a uma boa parte das reservas matemáticas da Previ. A maioria dos pedevistas está passando dificuldades e assistindo de longe o debate sobre o espetacular superávit da nossa Caixa de Previdência, com a certeza de que uma parte dele lhe pertence”. Valmir Camilo.

Prezados Colegas,

O Valmir Camilo reconheceu publicamente o direito quanto à reserva matemática dos funcionários demitidos do Banco do Brasil nos PDVs de 1995/1997. Muita gente foi lesada e a Previ ficou com todo o dinheiro fingindo que ainda não sabe de nada. O Valmir Camilo foi o único que saiu em defesa dos colegas injustiçados.

Parabéns Valmir, que Deus te abençoe!

Júlio Barros
PDV-1995

Anônimo disse...

Colega ISA MUSA,

O corporativismo dentro do BB/PREVI ficou ainda mais claro quando propuseram manter em caráter definitivo as verbas de Remuneração Especial e de Proporcionalidade.

Se for feito um levantamento de quem levou a verba de Remuneração Especial "integral" (nos últimos 36 meses antes da aposentadoria contribuiam sobre 75% da remuneração), vamos ver que são funcionários com AP entre 1 e 5 (na ocasião isto representou 20% de reajuste em seus benefícios). Em outros contra-cheques consta esta verba, mas são valores irrisórios.

Esta mesma turma que foi beneficiada anteriormente, agora vai ser generosamente agraciada com a efetivação em definitivo destas verbas.

Caso o fundo de pensões fique deficitário, todos que não receberam um centavo de Remumeração especial, serão convocados a contribuirem para manter o pagamento desta concessão feita pelo BB/PREVI aos salários mais altos. SE ISTO NÃO É CORPORATIVISMO É SACANAGEM.

Peço sua reflexão a respeito do assunto.

Abraços!

Anônimo disse...

Pelo que entendi no regulamento, a pensão é de 60%, acrescida de 10% para cada filho menor de 24 anos, até o limite de 60%, podendo chegbar a 100%. Se eu me tornar pensionista e os filhos maiores de 24 anos estiverem colocados no mercado do trabalho, o que é o curso natural, estarei recebendo mais do que toda a minha labuta para educar filhos.
Não sei porque alterar este item.

wilson luiz disse...

Caro anônimo 13 novembro, 13:32 hs.
Parabéns pelo "furo de reportagem", apresentando em primeira mão o balancete setembro/2010 da PREVI.
Na última reunião, devem ter sido utilizados os dados de junho/2010, e o aumento da Reserva Especial deve ser devido à valorização de 13,94% no índice da Bolsa de Valores de São Paulo, no período junho/setembro 2010; não acredito que tenha ocorrido revisão do valor dos ativos.Então, a dúvida agora é apenas a seguinte: utiliza-se o valor de dezembro/2009 ou o valor de setembro/2010; em hipótese alguma podemos aceitar os números de junho/2010.
Já que o Banco não abre mão do cumprimento da Resolução 26, vamos utilizá-la a nosso favor.
-Resolução 26, artigo 14: "deve ser INTEGRALMENTE destinado(para revisão do plano de benefícios) o valor apurado a título de Reserva Especial há mais de três exercícios ou, no caso de ter havido revisão voluntária, o seu remanescente".
Não podemos aceitar, de forma alguma, acordo que não contemple a utilização, até o último centavo, do valor existente na conta Reserva Especial para Revisão de Benefícios.

Anônimo disse...

De seis irmão, cinco trabalhamos no
BB e dests cinco, três estamos aposentados, sendo um com posse antes de 14.04.67 e dois após esta data. Lógico que o que tomou posse antes de 14.04.67 tem uma aposentadoria maior, pois teve a aposentadoria integral. No meu caso, posse em junho/67, aposentei com 136%, apesar de estar exercendo, quando da aposentadoria, cargo relevante e que,, por dois meses de posse, poderia estar recebendo mais 30% de meu benefício;Contudo, como a regra era esta, nada posso questionar.
Os meus outros dois irmãos, um para evitar pagamento de pensão alimentícia e o outro com vistas ao valor do cálculo para o PDV, resolveram sair do Banco e hoje, mais de 10 anos passados, têm vida com necessidade financeira.
Foi a sua escolha,assim como tantos outros que imaginaram que o dinheiro na hora seria a solução para o seu problema de instabilidade financeira e de funcionário descomprometido.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Jorge Teixeira.

Pelo que entendí da sua mensagem particular você acha que eu usei de subterfúgio e citei o nome "Jorge" ao meu bel prazer. Não uso desse expediente de postar comentários atribuindo "nomes". Uso de seriedade em tudo que faço e não me presto a esse tipo de coisa. A acusação que me faz é grave, quando diz: "Seria interessante futuramente em ocorrências da espécie que Você utilizasse um outro nome bem diferente daqueles poucos que se identifiquem no Previ-Plano "1". Valeu?"
Jorge Antonio Martins Teixeira
Araruama-RJ

"Caro Marcos,
Não vejo necessidade de fazer publicamente nenhum adendo tendo em vista o que Você me esclareceu. Seria interessante futuramente, em ocorrências da espécie, que Você utilizasse um outro nome bem diferente daqueles poucos que se identificam no previ-Plano "1". Valeu?
Jorge Antonio Martins Teixeira
Araruama-RJ "

Por isso, copio abaixo o infeliz comentário a que me referi, assim como o publico no Blog, obedecendo a ordem de chegada, do jeito em que foi postado e que mereceria censura. A liberação se faz necessária para salvagardar o bom nome do Blog e a minha conduta, cuja lisura você põe em dúvida..

Atenciosamente,

Marcos Crdeiro de Andrade.

Jorge deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Burrice ou vigarice":

Será que todos os que estão negociando não prestam? São pessoas inidôneas? Os bons ficaram de fora? Se fosse possível colocar à mesa de discussão cada segmento que diz representar os participantes, querendo negociar um detalhe particular que vai beneficiar esse ou aquele, não teríamos uma Torre de Babel?

Quando é que esses caras (ou camaradas? ou ex-camaradas ressentidos?) vão entender que o Bancão não vai abrir mão da PREVI? Quando é que vão entender que ele tem poder suficiente (e legal) para fazer tudo isso à porta fechada, dentro do Conselho Deliberativo?

Se não é para negociar então saiam de cena e aguardem a decisão da justiça (que poderá chegar quando não estivermos mais no palco).

Eu já estou de saco cheio dessas brigas pelo poder ou pela representatividade dos assistidos (ou dos beneficiários? ou dos aposentados? ou dos da ativa? ou dos pensionista? ou...? ou...?!).

Me deixem!

Publicar
Excluir
Marcar como spam

Moderar comentários para este blog.

Anônimo disse...

Não entendi o que essa futura pensionista esta querendo dizer, melhor ela se explicar com outras palavras. Ela acha que 60% estara bom para ela? Ela vai ver o que é receber 60%.Me desculpe mas vc deve ser muito rica e não precisar dos 80%!!Nos poupe!!!!!!

Anônimo disse...

Você entendeu sim!.Eu não sou a futura pensionista. Eu sou,sem pena de mim, um pensionista que, com quatro filhos menores de 24 anos, cheguei a receber 100%. Hoje, só 60% não está bom mas é suficiente, desde que somente para mim.

Ademir Peruzzolo disse...

No último ano, lentamente, de tanto ler pessoas que se expressam muito bem sobre nossa situação estou chegando a uma conclusão bem desagradável: o PB1 vai, a seguir o rumo até agora apresentado, se transformar em um problema para todos os participantes, seja o Banco, o Governo ou nós.
Não escapa disso. Está com todos os ingredientes necessários para se transformar em um amontoado de ilegalidades e indecências, injustiças e safadezas, das quais apenas parte vem à luz.

O que me salta aos olhos é que dada a natureza de plano fechado e em extinção, quanto menos participantes ficarmos mais seremos garfados. A partir de agora participo do grupo que acredita, talvez ingenuamente, em entregar a alguns jornalistas de envergadura, dados suficientes para que isso venha a público o quanto antes.
Talvez com a publicação de nossas "verdades" ocorra uma suspensão da rota que se vai encaminhando.

Anônimo disse...

Enquanto ficarmos chorando que uns receberam isso, receberam aquilo, o BB vai nos massacrando porque ve que não há união. Chega de olhar para o prato dos outros gente... Vamos esperar que sirvam o nosso e esquecer se uns ganharam mais do que a gente...

Anônimo disse...

Caro Wilson Luiz,

O valor do superávit que estava sendo base das discussões não era de junho de 2010 e sim de agosto de 2010. Por isto acho estranho uma valorização do mesmo tão grande em um único mês. Não sei se existe a obrigatoriedade de explicações das demonstrações trimestrais (acho que somente as semestrais/anuais). Seria bom sabermos devido a que foi esta valorização. Sei que a Bovespa contribuiu mas não para tanto (reserva especial para revisão de plano em agosto: R$ 13,2 bilhões e em setembro: R$ 23,7 bilhões = 79% de acréscimo).

Ines de lima disse...

Marcos, eu sai no PDV 95 e me aposentei em 97. Como eu me desliguei do banco eu contribuia duas vezes para a Previ, minha parte e a do Banco. São inúmeros casos igual ao meu. Então de 97 a 2006 não existe parte do superavit do Patrocinador, já que contribui sozinha. Me corrija se estiver errada, por favor.
Um abraço,

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Comentário de Solonel Jr.

Colegas,
tem momentos em que eu tenho dúvidas de estar tratando com funcionários do Banco do Brasil, aqueles que já foram tidos como trabalhadores de elite, preparados, interessados e competentes.


Eu realmente não acredito que alguém espere ajuda de algum político, de alguma autoridade, neste caso do Superavit.


Primeiro por que quem manda e pode resolver isso tem interêsse que a solução seja da forma como o Banco do Brasil que, ou seja, tudo ou a maior parte pra ele. É o próprio governo, que tem vários membros oriundos de nosso meio, vários funcionários do Banco do Brasil na equipe de governo, e não duvido que estes é que tenham dado a idéia da apropriação.


Ademais, temos o caso de uma governadora que, quando senadora sentou em cima das denúncias a ele enviadas por entidades nossas. Nada fez, pois isso estava contra os interesses do governo.


Pois bem. Salvo engano, acho melhor rasgarem sua mensagens de súplicas. Isso me soa humilhante. Se é nosso direito, o único lugar em que podemos resolver é na JUSTIÇA.


Mas eu acho ainda que não basta processar a PREVI, não. É necessário processar também seus dirigentes, sejam eleitos sejam nomeados, por improbidade administrativa, por desvio de patrimônio, por falsidade ideológica, e se a justiça aceitar, por COVARDIA.


Portanto, meus colegas, com o devido respeito a todos de quem discordo, deixemos de ser humildes, deixemos de ser educados, deixemos de ser cordeirinhos. Vamos exigir na justiça este direito. Vamos denunciar estes desmandos e esta chantagem que o governo, através de seus cúmplices ou mesmo capangas, está praticando conosco.


É meu desabafo sobre isso.


SolonelJr
São Luis - MA

Anônimo disse...

Marcos.

No caso de morte do ultimo participante/pensionista do plano 1 o patrimonio da PREVI, nao vai automaticamente para o Banco?
Porque temos que dividir o superavit sabendo que o banco vai ficar com a maior parte que é o patrimonio. Ou estou errada nesse raciocinio?
obrigadagligre

Anônimo disse...

"Quem tudo quer, nada tem".

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Colegas,
Concordo em gênero, número e grau com as palavras do colega Solonel Jr. acima.
Estamos diante de um jogo de cartas marcadas e o BB/Governo tem todos os curingas na mão. Podemos estar diante de uma encruzilhada em que, em troca de algumas vantagens, podemos por a perder todo o futuro do nosso plano de previdencia e, por consequência, o futuro das nossas famílias.
Na minha opinião, toda cautela é necessária nessa hora e a justiça o único caminho que nos resta para trilhar.
Parece que o Banco, apesar de sua aparente força nesse caso, tem ainda um calcanhar de aquiles, que é a necessidade de justificar, perante certos órgãos internos e externos, a inclusão de 50% do superavit em seu balanço.

Vejam o caso do Silvio Santos, que confiou demais na diretoria do seu banco, o Panamericano, e, pelo que se lê nos jornais, parece que todo o seu patrimônio está comprometido como garantia de um empréstimo para cobrir as falcatruas cometidas por aquela diretoria.

Portanto, só há 3 caminhos que se pode trilhar: justiça, justiça e justiça!!

Fátima disse...

PARA O ANÔNIMO
DE 14 DE NOVEMBRO ÀS 10:15 h.


Lendo com mais atenção a sua triste e péssima conclusão com referência às pensões pagas pela Previ concluo que você realmente não é nenhum(a) futuro(a) pensionista.

Você plantou essa matéria como uma forma de DESQUALIFICAR/EXCLUIR a proposta das pensionistas que está incluída nas discussões do superávit.

Gostaria de pedir um favor para que se vc não queira ajudar na defesa dessa proposta que também não faça esses tipos de conclusões exdrúxulas e absurdas como vimos no seu péssimo relato.

Ou você, num futuro, deve receber 20 ou 30 mil de pensão então por isso irá se contentar com o desgraçado percentual oferecido atualmente.

Lembre-se que a maioria de aposentados não recebem salários de 40 ou 50 mil reais como vc pensa e conclui em sua matéria.

Fátima - Brasília(DF)

Jorge disse...

Dr. Marcos,

ontem o senhor censurou a divulgação de meu comentário abaixo sob alegação de conteúdo de termos chulos. Foi esse o motivo verdadeiro? Qual é o termo chulo contido nele? Por acaso seria..."eu já estou de saco cheio..."? Não consigo imaginar que tal expressão tenha ofendido seus brios, meu caro, pois aqui na Bahia (e acredito que em todo o Brasil) o termo "saco cheio" significa (ou representa) um estado de humor do ser humano que expressa sua repulsa por coisas que essa pessoa não gosta.

A próposito, porque não houve censura ao título de sua matéria publicada em 11/11: FARINHA DO MESMO SACO? Qual é a diferença entre os dois?

Jorge Nery - Salvador (BA)
jorgenery@msn.com
====================================
Comentário não divulgado:


Será que todos os que estão negociando não prestam? São pessoas inidôneas? Os bons ficaram de fora? Se fosse possível colocar à mesa de discussão cada segmento que diz representar os participantes, querendo negociar um detalhe particular que vai beneficiar esse ou aquele, não teríamos uma Torre de Babel?

Quando é que esses caras (ou camaradas? ou ex-camaradas ressentidos?) vão entender que o Bancão não vai abrir mão da PREVI? Quando é que vão entender que ele tem poder suficiente (e legal) para fazer tudo isso à porta fechada, dentro do Conselho Deliberativo?

Se não é para negociar então saiam de cena e aguardem a decisão da justiça (que poderá chegar quando não estivermos mais no palco).

Eu já estou de saco cheio dessas brigas pelo poder ou pela representatividade dos assistidos (ou dos beneficiários? ou dos aposentados? ou dos da ativa? ou dos pensionista? ou...? ou...?!).

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caro Colega Jorge Nery.

Agradeço pelos esclarecimentos e informo que, antes deles, o seu comentário foi publicado ocupando o lugar no Blog em obediência à ordem de chegada, não sem antes provocar a insatisfação do Colega Jorge Antonio Martins Teixeira.

A propósito, o saco a que se refere a expressão FARINHA DO MESMO SACO, usada no meu post de 11/11/10 é aquele que se presta a acondicionar mantimentos.

Por último informo que não sou Doutor, portanto não mereço a deferência do tratamento.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o Solonel e com o Marcos Damiano,mas infelizmente nao podemos esquecer que a justiça e toda comprada pelo banco/governo.
So tem canalhas!
So tem ladroes!

Anônimo disse...

Visitem www.abraprev.org.br e conheçam a verdade sobre a Fraude do Decreto Lei 81.240/78.

Saiba qual foi o Fermento usado para o bolo do Superávit crescer tanto assim.

Independentemente do fato de ter se dado bem ou não após o PDV, uma fátia desse bolo pertence aos pedevistas. Quem não reconhece isso ou é ignorante ou é desonesto mesmo.

“É que, neste momento, estou muito preocupado com os nossos colegas que não tiveram a chance de se aposentar e foram empurrados para fora do Banco, sem direito a uma boa parte das reservas matemáticas da Previ. A maioria dos pedevistas está passando dificuldades e assistindo de longe o debate sobre o espetacular superávit da nossa Caixa de Previdência, com a certeza de que uma parte dele lhe pertence”. Valmir Camilo.

Prezados Colegas,

O Valmir Camilo reconheceu publicamente o direito quanto à reserva matemática dos funcionários demitidos do Banco do Brasil nos PDVs de 1995/1997. Muita gente foi lesada e a Previ ficou com todo o dinheiro fingindo que ainda não sabe de nada. O Valmir Camilo foi o único que saiu em defesa dos colegas injustiçados.

Parabéns Valmir, que Deus te abençoe!

Júlio Barros
PDV-1995

http://www.youtube.com/watch?v=xTIutYzmujE

BRUNO BAUMGARTEN disse...

A AAPREVFI vai mal das pernas.

Enquanto o seu presidente como dono deste blog impõe a censura e não permite que se fale em esportes, política e religião, o vicepresidente Ary Zanela vai ao Blog do Dr. Medeiros pedir endereço de macumbeiros para fazer “trabalhos”. Até expressões corriqueiras aqui são taxadas de chulas por desconhecimento da língua materna. Entrementes o Vice Ary se mostra mais despreparado ainda ao desconhecer que acima de tudo está Deus e só depois vem o resto, e resto é resto, nunca vai superar o principal.

Que tal o poderoso Marcos e seu vice tomarem umas aulinhas com o Dr. Medeiros ?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Comentário recebido fora do Blog:


Caro Marcos Cordeiro,
Entendeu e achou, ambos de forma totalmente equivocada, e está criando tempestade em copo de água. Não há nada de grave nas minhas palavras já que foi uma simples SUGESTÃO, indevidamente classificada como acusação. Num regime democrático acho que tenho o pleno direito de fazê-la. Ou eu estou errado? Dizer que eu achei que Você usou de subterfúgios! Para com isso cara. Essas negociações estão de deixando extremamente estressado a ponto de querer atacar a tudo e a todos que vê pela frente. Um pouco mais de calma neste momento irá lhe fazer muito bem. É o mínimo que se pode esperar de uma pessoa com mais de setenta anos. Diante do exposto ratifico tudo que escrevi anteriormente esperando que, com um pouco mais de tranquilidade e tolerância Você passe a interpretar o que os outros escrevem sem tentar inferir subterfúgios e acusações graves naquilo que não passou de uma singela sugestão que jamais vou abdicar de fazê-las.
Jorge Teixeira
Araruama-RJ

Anônimo disse...

DUAS COISAS, ESTAO AGRADECENDO O VALMIR, QUE SÓ AGORA APARECEU, POLITICAMENTE CORRETO ?QUE FAZIA ANTES. OUTRA A CONTRAF-CUT, SEMPRE DEFENDEU OS DA ATIVA(DE CEM CLAUSULAS NOS ACORDOS, NENHUM BENEFICIO OS APOSENTADOS,ISSO HÁ ANOS) E TAMBEM VAI QUERER UMA BEIRINHA PARA ELES. NADA CONTRA OS DA ATIVA,MAS TÁ DEMAIS A DIFERENÇA.PLR, AUMENTOS BEM ACIMA DOS APOSENTADOS E AGORA COM ESSA DE ABOCANHAR SUPERAVIT. E AS CONTRIBUIÇÕES, COISA SAGRADA PARA SE CONSTITUIR UM FUNDO, QUANTOS ANOS NÃO VÃO CONTRIBUIR?. OUTRA,A HISTÓRIA DO BODE NA SALA, ESTÃO NEGOCIANDO UMA COISA QUE JÁ ESTÁ NO ESTATUTO, JÁ APROVADO EM 2007,PARA DEPOIS DIZER, ENTAO TÁ, TIRA-SE O BODE DA SALA. CONTRAF FORA - O CONSELHO DELIBERATIVO SOZINHO TEM COMO DEFINIR ESSE SUPERAVIT. ESTÃO ENROLANDO, ENCENAÇÃO.....

Anônimo disse...

O Banco Pananamericano esta processando seus ex diretores. Que tal processarmos os atuais diretores do BB e da PREVI?

Anônimo disse...

Marcos,

Como eu disse num comentário anterior, os normativos nos engessam.Tudo favorece ao Patrocinador. Estamos, infelizmente, ao seu bel prazer.

Sinceramente, não vejo outra saida, pois o Banco nunca vai admitir "outras despesas" que venham a reduzir o superavit, pois, o mesmo é a base de lucros do Banco e não as receitas operacionais. Sem superavit o lucro do Banco é irrisório e ficam distante dos outros banco, apesar de ser o amior banco.

Então sugiro aceitar os 20%, desde que se inclua a cesta alimentação.

Não podemoas acatar nenhum acordo dos 50/50% da Resolução 26. Para isso não há necessidade de assinar acordo nesse tema. A Resolução existe, mesmo que sub judice. O parte do Banco já esta
contabilizado.

Atentar para o fato de que as ações que questionam na justiça a Resolução 26 não podem ser desistidas.

Então acho de bom alvitre, se for viável, a AAPPREVI também optar em entrar para nos assegurar o direito em caso de desistencia por parte dos outros autores.

Após as trativas e a distribuição do superavit, ADIN neles.

Lembrem-se que a PREVI, ANABB, CONTRA-CUT etão sobre controle do Banco e do Governo. A FAABB é carta fora do baralho, sem poder decisório, ao que me parece só pode escutar e nunca falar.

Seramos que temos outra saída?

Se tiver, apontem por favor, por que essa situação já esta ficando insuportável.

Mas apontem soluções quenão cause mais tanto desgastes.

Boa sorte.

wilson luiz disse...

Caro anônimo 14 novembro, 14:40 hs.
Realmente, está tudo muito confuso, o Banco e a PREVI estão fazendo uma verdadeira "dança dos números", talvez com o propósito de confundir.
Todavia, ainda acho que o aumento de 13,94 % no índice das ações foi o maior responsável pelo aumento da Reserva Especial, pois incide sobre quase 90 bilhões de reais e, mais importante, o valor deste acréscimo é, quase na sua totalidade, incorporado à Reserva Especial para Revisão de Benefícios, pois tanto a Reserva Matemática quanto a Reserva de Contingência estão equilibradas.
Não acredito que tenha ocorrido reavaliação de ativos, pois sua incorporação ao patrimônio da PREVI teria que ser autorizado pela Diretoria.

Anônimo disse...

Acho que na vida,temos que ser sim otimistas,mas tambem, tem que ter limites.
Ja passou da hora de nos aposentados,pensionistas e PDV perceber que estamos sendo enrolados,
enganados e feitos de idiotas pela Previ e BB/Governo.
NAO PRETENDEM DAR NENHUM CENTAVO DO SUPERAVIT para nos.O prazo ja vai expirar e nao dara tempo de fazer mais reunioes,votaçao,Dest,Min.Fazenda.
Nunca acreditei na Isa e nao estava enganada.E da Anabb,NAO PRESTA!!!!!Ja escrevi aqui.
O banco esta contando com a discordancia que esta acontecendo entre todos sobre a proposta dele e tambem com a discordia que paira sobre nos.Somos o lado mais fraco e ainda desunidos???????
Gostaria de saber por que tanta enrolaçao para entrar com a tal Adin?Malharam a Anabb porque nao entrou com açao contra a Resoluçao e estao fazendo o mesmo.
Fui!!!!!!!

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Comentário do Colega Sérgio Inocêncio:

fui no blog do Medeiros ler o que escreveu o Zanella, bom o tal Jorge está de má fé, ali não tem nada que comprometa quem quer que seja, muito menos a Associação.

sergioinocencio


Anônimo disse...
Sr. Medeiros,

Converse novamente com o Lahorgue:
1. É preciso haver retroatividade para, pelo menos, 01.01.2010.
2. A Lei 109/2001 é claríssima: o resultado apurado do superávit é o dia 31.12.2009. Falar em balancete específico para fins de distribuição é uma segunda agressão à Lei 109.
3.Se o Banco nega agora o 360/360, inclusive para os que atingiram os 360 meses na aposentadoria, pagando regiamente até 31.12.2006; por que aceita dos que estão na ativa que desde 01.01.2007 não recolhem mais?
4.Há uma enorme disposição do Banco em privilegiar os que estão na ativa, tanto que na concessão dos 20%, ele BB diz: "..aos aposentados, pensionistas E aos funcionários da ativa que venham a se aposentar.
Quer dizer: se um funci da ativa se aposentar em 2011, por exemplo, ele já recebeu na ativa parte do superávit através do PLR, e terá direito, ainda, aos superávit de 2007,2008,2009 que foi gerado enquanto ele ainda estava na ativa!

Por favor, sr. Medeiros, nos forneça o endereço do terreiro de Umbanda visitado pelo velhinho do texto para fazermos um despacho contra Dida, Nery, Pimentel,Penna...

Ari zanella - Joinville-SC

Mauricio disse...

Anônimo de 14 novembro das 10:31..........

Por favor, converse com teus 2 irmãos que "aderiram" ao PDV, assim como eles, outros milhares de colegas também "acham" que pediram demissão por livre vontade, mais na verdade foram COMPELIDOS pelo banco a tomarem esta decisão danosa.
Diga-lhes também que eles e outros milhares também foram lesados, graças a uma vergonhosa fraude no decreto-lei 81.240/78 que reteve indevidamente suas contribuições na Previ.
As demissões "abusivas" e "criminosas" denunciamos na CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS, a fraude, no SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL e na JUSTIÇA FEDERAL.
Quer mais detalhes? Visite os sites dos demitidos:
www.abraprev.org.br
www.adbb.com.br

Mauricio Furtado
MNDBB - Movimento Nacional dos Demitidos do BB

Anônimo disse...

A nossa segurança é que se nosa não levarmos nada, o Banco muito menos. Terá que continuar com suas contabilizações fantasmas, e justificar perante a CVM.
Tudo terá que passar, primeiramente, pelo Conselho Deliberativo, que terá que aprovar por maioria absoluta, sem voto de minerva.

Ari disse...

Ao Bruno Baumgarten:

Sou livre para agir e para escrever aquilo que, NO MEU PONTO DE VISTA, julgo ser o mais correto. Ajo como pessoa física, interessada (e muito!) na distribuição do superávit.
No âmbito da AAPPREVI as decisões são tomadas em colegiado.
No texto do Medeiros o assunto era um feitiço (em que não acredito, absolutamente). Fiz menção ao fato, ao final, simplesmente, para brincar com o assunto. Talvez a sua mente desocupada não consiga vislumbrar as entrelinhas. Ou talvez só enxerga maldades nos outros. E da próxima vez, por favor, grafe corretamente o nome das pessoas. Meu nome não possui a letra ípsilon.
Quero agradecer ao colega Sérgio Inocêncio. Ele leu e bem compreendeu o meu texto.

Ari Zanella - Joinville-SC

Anônimo disse...

Duas coisas que não ficaram devidamente esclarecidas na proposta dos 20% :
1º - haverá retroatividade ?
2º - o percentual(20%) incidira sobre parecelaS PREVI+INSS, ou somente sobre a parcela PREVI ?

Porque não incluir a CESTA ALIMENTAÇÃO. Sabemos que existem milhares de ações em todo o Brasil e que muitos de nossos colegas já ganharam na Justiça esse benefício.

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

Inês de Lima, novamente, pegando um gancho no que você disse e que não tinha pensado a respeito,e diga-se, muito oportuna sua perspicácia.
_________________________________
Marcos
Sai no PDV em 1995. Houve, conforme documentos, o comprometimento do Banco recolher à Previ a parte da contribuição patronal mais a do funcionário pedevista, sôbre VP e anuêncios durante 05 anos, até sua aposentadoria, ficando a contribuição sôbre horas extras, para manter a mesma base de cálculo, inteiramente a meu cargo. Aposentei-me em 1998. A partir de então, as contribuições à Previ, tanto patronal como do aposentado externo, ficaram integralmente a meu cargo. Então o óbvio salta aos olhos: 50% do superávit que o Banco quer levar, na verdade, a partir da data da minha aposentadoria, me pertence, concorda comingo? Então deveremos, quando esta negociação se realizar, cobrar da Previ esta metade da parcela que não pertence ao patrocinador e sim ao pedevista aposentado.
Gostaria de sua opinião a respeito.
Obrigado

Anônimo disse...

A parte patronal reivindicada pelos PDVISTAS está correta. Só que, não deve ser misturada com a distribuição do Superavit aos aposentados e pensionistas do Plano 1. É um outro assunto, que deve ser discutido à parte. Do contrário, vamos apenas tumultuar as negociações.

Anônimo disse...

Marcos,

Mesmo não sendo necessário dizer, continue focado nas questões importantes sem perder tempo com comentários destrutivos. Você virou alvo de grandes interesses que farão de tudo para desestabilizar.É sempre a mesma história: Aos 42 do segundo tempo surge um pênalti roubado por causa de patrocinador, presidente, etc. Não sendo venais, você e a AAPPREVI viraram vidraça e aparecem os comentários patrocinados para embolar o meio campo. Continue com seu objetivo de fazer os gols e chegarmos a vitória, para depois vencermos o campeonato. FIRMEZA E FORÇA!

Anônimo disse...

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Colega, esse é a dúvida de todos os colegas,inclusive a minha.

Será sobre o completemento total, Verbas Previ+ Inss?.

E se retroagira, a que data?.

Outro fator muito importante é se dará tempo de pagar antes do Natal?

A Folha de Pagamento roda no inicio de Dezembro.

Anônimo disse...

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Colega, esse é a dúvida de todos os colegas,inclusive a minha.

Será sobre o completemento total, Verbas Previ+ Inss?.

E se retroagira, a que data?.

Outro fator muito importante é se dará tempo de pagar antes do Natal?

A Folha de Pagamento roda no inicio de Dezembro.

Anônimo disse...

Colegas,

A situação já não está boa, mas se começarmos a trocar farpas entre nós, a tendência é que piore.

Entendo que os nervos estão a flor da pele com tanta indiferença do BB/PREVI, mas vamos manter a serenidade e participarmos deste espaço tão importante para todos com mais responsabilidade.

Entrar aqui para tumultuar e confundir só desestabiliza os que estão a procura de notícias e amparo.

Abraços e calma.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Prezada Colega Inês de Lima.

Seu raciocínio é correto.

Esse questionamento, assim como outros, nos leva à triste constatação de que a Assessoria Jurídica da AAPPREVI terá muito trabalho pela frente. Por conta disso, tudo que se relacione à distribuição do superávit e que aqui é abordado com propriedade é catalogado para ser tratado depois. Somente não podemos (nem devemos) agir irresponsavelmente para travar as conversações - muito embora não confiemos no modo como estão cuidando do assunto. A despeito de interessar a milhares de participantes, a distribuição está sendo conduzida por meia dúzia de gatos pingados – nem todos merecedores da nossa confiança.

Atenciosamente,
Marcos Cordeiro de Andrade.

Anônimo disse...

Anônimo das 07:54,

Muito bem colocado por você e eu também penso assim e por isto que confio nos "3" diretores eleitos. Se eles já estam batendo pé que o BB não tem direito ao todo 50% que pleiteia é um bom sinal para nós. Penso, e aceito contestações, que acima de sofrerem influências para suas decisões o que pesa mesmo é a consciência dos mesmos e os votos de confiança que foram neles depositados. E tem mais um detalhe: posso estar enganado de novo mas penso que nenhum deles vai querer logo alí adiante estar sendo interpelado na justiça por atos considerados danosos a estabilidade financeira do fundo. Ao menos até hoje as decisões, quer sejam para investimentos ou outras, tem sido pautadas por critérios amplamente estudados. Será que justamenete agora a dinâmica vai mudar?

Anônimo disse...

Por favor Dona Isa me responda: A pensão da minha amiga cessou em novembro a minha cessará em dezembro, receberemos os 20%?

Anônimo disse...

Ari Zanella,
Muito boa suas colocações. Com muitas outras postadas no blog elas vão se completando. Com relação ao endereço do terreiro de umbanda se conseguir tambem me passe para realizar uns "trabalhos". Esse Baungarten quer só tumultuar o blog para que ele seja desvirtuado. Que ele vá para o blog do Medeiros.

Jorge disse...

Marcos,

quando surgiram aquelas notícias sobre a nota de um órgão internacional de classificação de risco (não lembro o nome) e da CE da bolsa de valores de Nova York (o que será a CE?) questionando sobre a validade da contabilização do superávit no balanço do BB o jogo mudou de figura.De repente, começaram as "negociações" para que a distribuição do superávit contemple, também, os beneficiários da PREVI, uma vez que o BB já se apropriou, contabilmente, do valor que julga lhe pertencer.

Por isso, eu tenho uma tese que é a seguinte: não seria o caso de nossas associações municiarem esses órgãos internacionais de informações detalhadas sobre o superávit? Mostrar que uma Lei foi alterada por uma mera resolução para beneficiar o BB?

Segundo informações divulgadas sobre o Panamericano, o principal motivo dos problemas apresentados foram as inconsistência nos balanços (carteiras de crédito vendidas a outras instituições continuavam registradas nos livros do banco)que provocaram um "simples" rombo de APENAS R$2,5 bi. O que dizer então sobre a contabilização no balanço do BB do "monstuoso" valor do Superávit?

Alguém me explique, pelo amor de Deus, como é possível essa engenharia contábil que permite contabilizar, recolher IR, pagar dividendos, PLR, bonificações de altos funcionários etc sobre um valor que:

a) não foi pago pela PREVI;
b) está sendo questionado na Justiça;
c) portanto, nunca entrou no cofre do BB?

Jorge Nery / Salvador (BA)

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Marco Antônio deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Burrice ou vigarice":

Colegas Marcos e Gilvan,
peço-lhes informar a todos se são procedentes os comentários abaixo:
a)sobre o Renda Certa -
"agraciou generosamente SOMENTE aqueles que tem salários mais elevados";
b)sobre o Benefício Especial de Remuneração -
o aumento proposto de 90 para 100% "beneficia apenas os altos salários";
c)sobre o piso -
"o estabelecimento de um piso acarretará problema jurídico".

GILVAN REBOUÇAS disse...

Prezado Colega Marco Antônio,

O Renda Certa não só agraciou os colegas com salários mais elevados. Com certeza quem tinha maiores salários recebeu uma quantia maior.
No aumento do teto de 75% para 90% alguns colegas, que não tinham altos salários, passaram a receber pequenas quantias. No meu caso em particular, que me aposentei no posto efetivo, passei a receber um valor de R$ 128,00. O mesmo deve acontecer com a mudança de 90% para 100% (Se for aprovada).
Sobre a legalidade do piso enviamos sua consulta ao departamento jurídico.


Atenciosamente,


Gilvan Rebouças

Vice Presidente Financeiro - AAPPREVI

Anônimo disse...

Colega Gilvan Rebouças,

Os altos salários tiveram no MÍNIMO 20% de reajuste com a passagem do teto de 75% para 90%.

Alguns tiveram rejustes irrisórios como é o seu caso (provavelmente substitui um AP mais alto em determinados períodos e caiu no teto de 75% em alguns poucos meses) e a maioria não viu e nem verá nenhum centavo do superávit distribuido na época.

Um abraço e boa sorte a todos!

Anônimo disse...

Já li varios questionamentos se os 20%, distribuição do superavit, sobre o benefício Previ inclui a parcela do INSS.
Técnicamente não é possível incluír o valor do INSS, pois, nada tem haver. O que nos refere é somente sobre o valor complementar (Previ).
Nosso fundo diz respeito a aposentadoria complementar, e acredito que será obrigatoriamente observado.

Também gostaria que sobre o benefício do INSS incidisse também os 20%.

Agora acredito que esse percentual poderia incidir dependendo da vontade do patrocinador, meios para isso tem, basta ele querer, pois, tal medida poderia entrar como um bônus.

Anônimo disse...

Prezada D. Isa.
Com referência à sua resposta referente ao ítem "Cesta-Alimentação" onde a senhora esclarece que a Resolução 26 veda a concessão de benefício definitivo e que somente a partir da Reserva Especial para revisão do plano deverá ser temporário. Acreditando que, embora a senhora e demais negociadores estejam procurando obter sempre que possível, benefícios que nos tragam vantagens duradouras, o item "Ajuda Alimentação" pode ser perfeitamente negociado de forma temporária (enquanto durar o estoque de recursos no Superavit).
Permita-me uma sugestão: Poderia ser criado um fundo semelhante ao destinado ao Beneficio Especial de Remuneração e ao Benefício Especial de Proporcionalidade e que em futuros superavits podessem à semelhança ao Ben.Rem. e Prop. ser incorporados definitivamente com a reversão dos planos na Reserva Matemática?
A aprovação desse item seria uma maneira de compensar a falta de um piso mínimo e sua distribuição igualitária a todos os assistidos.

Anônimo disse...

Novidades na pagina da PREVI!
Até que enfim estão demostrando vontade para negociar!!!