segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Isa Musa e sua Missão

Caros Colegas.

Mesmo reconhecendo as inúmeras responsabilidades que a Colega Isa Musa de Noronha assumiu, conforme atesta o CANAEL, não nos cabe julgar a qualidade e a lisura do desempenho dos seus cargos, assim como não nos é dado o direito de fazer juízo acerca dos propósitos que a levaram a suportar sob os ombros o peso de tantas incumbências.

Todavia, o momento atual lhe exige dedicação integral à distribuição do superávit, notadamente porque confiamos nossa representatividade à Federação sob seu comando, oportunidade em que a elegemos como ícone de isenção em meio ao conjunto de negociadores comprometidos com o patrocinador, muitos dos quais autoproclamados coadjuvantes para encenação dessa farsa intitulada “Negociação”.

A despeito de tudo, enquanto carregar a bandeira que lhes pedimos para empunhar, cuja tarefa aceitou de bom grado, cabe-lhe envidar esforços para fazer jus à confiança depositada. Mas, lamentavelmente, nota-se que tem deixado a desejar o seu desempenho em favor dos milhares de participantes do PB1, que dela esperam atenção e dedicação extrema, até a exaustão se necessário for, para não deixar que as nossas esperanças sucumbam à vontade do Banco ao amparo de “negociadores” suspeitos.

Além das questões aqui levantadas no postBurrice ou Vigarice”, de 13/11, em número de onze, outras se somam agora sem, no entanto, desobrigá-la de responder ao conjunto. Também, reconhecendo a dependência de vontade alheia para contemplar muitas das questões, cabe-lhe a tarefa de alcançar fontes seguras para tanto. Seja o Banco, a Previ ou a Previc, aguarda-se o entendimento oficial acerca do que se segue, tudo constante de interrogações registradas aqui no Blog.

Sabe-se agora que a única oferta palpável vinda do Banco foi:

“Pagamento de valor correspondente a 20% dos benefícios por um período de até seis anos, sem caráter permanente e sem a garantia de patamar mínimo – o percentual seria pago mensalmente a aposentados e pensionistas e, para os associados da ativa quando estes se aposentarem; ”

Por isso as perguntas:
a) Os benefícios de que trata englobam as verbas Previ mais INSS?
b) O pagamento será retroativo? A que data?
c) Quando terá início o pagamento desses valores?
d) Qual o valor da Reserva para utilização?
e) Qual a data contábil em que se baseará o valor da reserva?
f) Por que não incluir a CESTA ALIMENTAÇÃO? Sabemos que existem milhares de ações em todo o Brasil e que muitos de nossos colegas já ganharam na Justiça esse benefício.
g) Por que não insistir no critério de distribuição contemplando a devolução das contribuições que excederam os 30 anos, englobando tempo na ativa e na aposentadoria? As ações judiciais em curso cedo terão “ganho de causa” e ai o desembolso será maior para a Previ.
h) A retirada dos 50% do BB será nas mesmas condições de prazo que a nossa parte?
i) Que providências serão adotadas pela Federação para que a totalidade dos aposentados e pensionistas conheça prontamente o que se passa nessas reuniões?

Depois de tudo isto, resta-nos aguardar o resultado desta consulta confiando em que a Presidente Isa Musa continue à frente das negociações, em nosso nome, não se deixando envolver pelos aproveitadores, ocupantes de cargos tornados vitalícios à custa da ingenuidade dos seus eleitores participantes do PB1.

Marcos Cordeiro de Andrade – Curitiba (PR) – 15/11/2010.



RESPOSTAS de ISA MUSA DE NORONHA (15/11/2010)

Prezado Marcos,

Suas perguntas:

a) Os benefícios de que trata englobam as verbas Previ mais INSS?

A princípio fala-se em apenas benefício Previ, mas a dúvida procede, pelo que encaminhei consulta à Previ indagando se os cálculos do montante envolvido referem-se a soma dos benefícios Previ mais INSS;

b) O pagamento será retroativo? A que data?

Não se fala em retroatividade, mas do nosso lado,estamos empenhados para que seja retroativo pelo menos a janeiro de 2010;
c) Quando terá início o pagamento desses valores?

Logicamente, o pagamento de qualquer benefício adicional oriundo da distribuição da reserva será depois de transcorrido todo o trâmite legal: formalização no Deliberativo da Previ, consulta a participantes e assistidos, aprovação pela PREVIC, pelo Ministério do Planejamento e Fazenda;
d) Qual o valor da Reserva para utilização?

Será o valor existente na conta Reserva Para Revisão do Plano na data de fechamento do acordo pelo deliberativo da Previ. Atualmente na Previ trabalha-se com o saldo em 31 de agosto, cerca de 13 bi e 200.

e) Qual a data contábil em que se baseará o valor da reserva?

O saldo existente na data de fechamento do acordo assinado pelo Deliberativo da Previ;

f) Por que não incluir a CESTA ALIMENTAÇÃO? Sabemos que existem milhares de ações em todo o Brasil e que muitos de nossos colegas já ganharam na Justiça esse benefício.

A Resolução 26 que tem pautado a discussão pelo BB é de que nenhum benefício concedido a partir da Reserva pode ser definitivo. A Cesta Alimentação seria um benefício definitivo e a Resolução 26 diz claramente que qualquer benefício concedido a partir da Reserva Especial Para revisão do Plano deverá ser temporário;

g) Por que não insistir no critério de distribuição contemplando a devolução das contribuições que excederam os 30 anos, englobando tempo na ativa e na aposentadoria? As ações judiciais em curso cedo terão “ganho de causa” e ai o desembolso será maior para a Previ.

A despeito da negativa do Banco do Brasil, temos insistido e continuaremos insistindo na concessão do chamado 360/360. Não foi descartada a proposta frente a primeira rejeição do BB. Insistimos porque consideramos que a proposta inicial (apenas os 20% e a manutenção da suspensão de contribuições) é insuficiente;

h) A retirada dos 50% do BB será nas mesmas condições de prazo que a nossa parte?
O BB não fará “retirada” de nenhum centavo, mas usará a parte que julga ser de direito para cobrir seus compromissos futuros para com a Previ e será na mesma medida em que qualquer benefício for revertido a participantes e assistidos.

i) Que providências serão adotadas pela Federação para que a totalidade dos aposentados e pensionistas conheça prontamente o que se passa nessas reuniões?

Temos tido o cuidado de que apenas um de nós se incumba de anotar ao longo da reunião os fatos, propostas, negativas, etc., e escreva a nota oficial, de modo a evitar várias interpretações. Normalmente as reuniões terminam tarde e a maioria se desloca para suas cidades, mas a divulgação tem sido feita com a celeridade possível. Na última reunião, essa terminou no fim do dia e no dia seguinte, por volta das 11 da manhã, o redator havia repassado a nota a todos, indagando se tudo estava de acordo e assim sendo passível de distribuição geral.

Quanto a sua afirmativa de que:

“Mas, lamentavelmente, nota-se que tem deixado a desejar o seu desempenho em favor dos milhares de participantes do PB1, que dela esperam atenção e dedicação extrema, até a exaustão se necessário for, para não deixar que as nossas esperanças sucumbam à vontade do Banco ao amparo de “negociadores” suspeitos.”

Reafirmo que não vejo nenhum comportamento escuso por parte dos que estão à mesa defendendo ativos e aposentados e pensionistas. Reitero que a decisão final sobre o uso do superávit é prerrogativa do Conselho Deliberativo da Previ onde somos representados por três colegas eleitos. A chamada “mesa” de negociação é formada para ouvir os diversos setores envolvidos e embasar a decisão daquele Conselho Deliberativo que, ainda assim, embora tenha, pelo Estatuto da Previ, o condão de decidir sem ouvir ninguém, comprometeu-se a submeter as propostas a plebiscito onde cada um dos participantes e assistidos do Plano de Benefício nº 1 poderá votar se aceita ou não. Quanto a confiança a mim depositada, reafirmo que cumpro o que meu mandado me confere com a dedicação e o zelo que sempre nortearam minha conduta. Estou certa de que qualquer um de nós que à mesa estivesse teria o mesmo comprometimento e saberia o quanto a tarefa é árdua, espinhosa, pois ao Patrocinador a Lei confere a supremacia das decisões, pois está claro em todas as Leis que regem os Fundos de Pensão que nada se aprova sem o aval do Patrocinador. Em suma: se o BB não concordar, nada se resolve.
Paralelamente, temos insistido nas ações judiciais contra a Resolução 26 e até uma ADIN está sendo estudada. Lembramos que, no passado, a despeito do BB sempre se beneficiar de superávits, pelo menos a negociação envolvia mais do que os 50% hoje impostos.

Isa Musa

88 comentários:

antonia disse...

Marcos,
Não acredito que ela seja diferente dos outros e a atitude dela depois dessa ultima reunião só veio me dar a certeza de que ELA É FARINHA DO MESMO SACO. Estamos sozinhos nessa batalha, só temos voces da AAPPREVI e alguns colegas como é o caso do ROSSI. Não adianta nos iludirmos por que ninguém terá a transparencia e lisura que voces teem para nos informar a respeito do que acontece nos batidores dessa negociação.

Corretor de Imóveis Júlio Barros disse...

ABRAPREV TENTARÁ BLOQUEIO DE SUPERÁVIT NA JUSTIÇA
1 1 . 1 1 . 2 0 1 0

A ABRAPREV está se preparando para, junto às ações que serão protocolizadas na Justiça Federal em Brasília e ao Supremo Tribunal Federal, requerer liminarmente o bloqueio do superávit da PREVI já que parte dele é oriundo de valores que ela se beneficiou em função da fraude no Decreto nº 81.240/78 em função da aplicação ao longo dos anos de um dinheiro que deveria hoje estar nas mãos dos seus legítimos donos (demitidos do Banco do Brasil).

O presidente Fernando Toscano completou: "Como o Decreto nº 81.240/78 foi fraudado, confirmado inclusive pela Casa Civil através de ofícios e documentos, muitos dos demitidos deveriam estar trabalhando ou aposentados com salários dignos, emprego e, principalmente, na posse de recursos que faziam parte da sua reserva matemática e que a PREVI embolsou indevidamente. Esse mesmo dinheiro embolsado indevidamente é o que gerou, ao longo dos anos, o atual superávit, originou o crescimento acelerado da PREVI e também criou situações anômalas e não isonômicas, onde alguns pagam muito, outros pagam menos e outros não pagam nada gerando um resultado de benefícios desiguais. É uma afronta à nossa inteligência e não encontra nenhum tipo de amparo legal".

fonte: www.abraprev.org.br

Júlio Barros
PDV-1995

Ademir Peruzzolo disse...

Lendo um dos últimos comentários do post anterior me dei conta que, eu também saí no PDV de 95 e me aposentei em 97, e também fiquei pagando a parte patronal. E agora? agora vou às barras dos tribunais, de novo. Se o Banco conseguir receber 50% do superavit também devo ter o direito de receber alguma coisa, desse lado, ou não?
Na Justiça já estou com o valor da cesta alimentação depositado e recebendo via tutela antecipada. Daquele trambique dos 360/360 já ajuizei ação também. E agora vai se fardando mais uma.....

Corretor de Imóveis Júlio Barros disse...

Visitem http://www.abraprev.org.br e conheçam a verdade sobre a Fraude do Decreto Lei 81.240/78.

Saiba qual foi o Fermento usado para o bolo do Superávit crescer tanto assim.

Independentemente do fato de ter se dado bem ou não após o PDV, uma fatia desse bolo pertence aos pedevistas.

Quem não reconhece isso ou é ignorante ou é desonesto mesmo.

Júlio Barros
PDV-1995

Corretor de Imóveis Júlio Barros disse...

“É que, neste momento, estou muito preocupado com os nossos colegas que não tiveram a chance de se aposentar e foram empurrados para fora do Banco, sem direito a uma boa parte das reservas matemáticas da Previ. A maioria dos pedevistas está passando dificuldades e assistindo de longe o debate sobre o espetacular superávit da nossa Caixa de Previdência, com a certeza de que uma parte dele lhe pertence”. Valmir Camilo.

Prezados Colegas,

O Valmir Camilo reconheceu publicamente o direito quanto à reserva matemática dos funcionários demitidos do Banco do Brasil nos PDVs de 1995/1997. Muita gente foi lesada e a Previ ficou com todo o dinheiro fingindo que ainda não sabe de nada. O Valmir Camilo foi o único que saiu em defesa dos colegas injustiçados.

Parabéns Valmir, que Deus te abençoe!

Júlio Barros
PDV-1995

http://www.youtube.com/watch?v=xTIutYzmujE

João Roberto disse...

Caro colega Marcos,

Gostei muito de sua mensagem de 15/11/2010 "Isa Musa e sua Missão", nos mostra a sua intenção em esclarecer a verdadeira situação que estamos vivendo, e de fazer com que todos os associados saibam o que realmente está acontecendo nas reuniões.

Parabéns, e continue nos informando sobre os últimos acontecimentos, não só do superávit, más de todas notícias de interesse comum...

Paulo Beno disse...

A gente acompanha estas "negociações" e não se sabe os nomes dos "negociadores" !
Cita-se ISA MUSA, pelo lado dos participantes do PB1 (incluido-se os da ativa "...quando estes se aposentarem...").
Onde estão 'OS ELEITOS DA PREVI ?
e os "conselheiros do PB1"?.
Afinal quem negocia o que, nesta farsa?
Quem pediu pela perenidade das verbas temporárias "Beneficios especiais de REMUNERAÇÃO e PROPORCIONALIDADE ? ? Ninguém falava nisso, agora está em pauta?

NOMES, por favor, para confrontarmos com o CANAEL -cadastro nacional dos eleitos na PREVI e ANABB -
Anabb? o que faz lá este estropício? só defende a patrocinadora BB !!
Ta muito ruim esta falsa negociação!

Anônimo disse...

Sr Julio responda me: E nós aposentados que pagamos a Previ um belo tempo, as pensionistas como ficarão pois afinal de contas os seus maridos hoje falecidos também pagaram! Eu quero o meu superavite!!!!

Anônimo disse...

DENÚNCIA CONTRA PREVI VAI SER DESTAQUE EM IMPRENSA MINEIRA
1 1 . 1 1 . 2 0 1 0

A ABRAPREV está atendendo a mais um colega com problemas com a PREVI/CARIM. O colega, de Belo Horizonte, vem sofrendo pressão para pagamento de uma dívida de R$ 820 mil por um imóvel que vale um terço disso. O pedevista do Banco do Brasil financiou o imóvel em 1991 e mesmo após manter o pagamento deste por muitos anos a PREVI ainda pediu a sua penhora por atraso recente nas prestações. O nosso presidente comentou: "Não é à toda que a PREVI cresce tanto. Ela usa todo tipo de artifício pressionando a parte mais fraca da balança, utilizando de meios indevidos de cobrança numa clara afronta aos direitos constitucionais e ao Código de Defesa do Consumidor; por outro lado abre mão de receber contribuições de associados, logicamente pensando no Banco do Brasil (que teria que entrar com a sua parte). São dois pesos, duas medidas e somente a Justiça, que infelizmente é corporativista e política, poderá corrigir essa distorção absurda onde poucos ganham e muitos perdem; justamente esses muitos que fizeram a PREVI ser o que ela é hoje".

A filha do pedevista é repórter do jornal "O Tempo", de Belo Horizonte, e prometeu uma matéria detalhada sobre esses abusos da PREVI. No que depender da ABRAPREV ela terá todas as informações e provas para mais uma denúncia contra a PREVI.

Anônimo disse...

Então é tudo uma farsa mesmo! Precisavamos colocar nos jornais, revistas, noticiarios a verdadeira PREVI,
Acorda PREVI!!!!!!!!!!!!!!
Acorda BB!!!!!!!!!!!!!
Vai acontecer o mesmo que aconteceu com o PANAMERICANO.

Anônimo disse...

Estou achando uma afronta pedevistas utilizarem deste espaço-associação dos aposentados e pensionistas- para anunciar ingresso na justiça para impedir a distribuição do superávit, que está prestes a acontecer.
Busquem seus direitos com relação aos 50% do Banco, que foi o responsável direto por suas saídas.

Anônimo disse...

O negócio é o seguinte, vão dar os 20% e mais alguma merreca.Obanco já falou o que na verdade vai sair.Mas os negociadores para não terem que admitir que saíram com rabo entre as pernas, vão dizendo e espalhando que as negociações avançaram, mas ainda podia mais.Tudo uma farsa, um grande embuste!

Anônimo disse...

Colega Marcos Cordeiro,


Gostaria de incluir mais um item a este emaranhado de dúvidas, para que, se possível, a COLEGA ISA MUSA dê sua opinião:

" Colega ISA MUSA,

O corporativismo dentro do BB/PREVI ficou ainda mais claro quando propuseram manter em caráter definitivo as verbas de Remuneração Especial e de Proporcionalidade.

Se for feito um levantamento de quem levou a verba de Remuneração Especial "integral" (nos últimos 36 meses antes da aposentadoria contribuiam sobre 75% da remuneração), vamos ver que são funcionários com AP entre 1 e 5 (na ocasião isto representou 20% de reajuste em seus benefícios). Em outros contra-cheques consta esta verba, mas são valores irrisórios.

Esta mesma turma que foi beneficiada anteriormente, agora vai ser generosamente agraciada com a efetivação em definitivo destas verbas.

Caso o fundo de pensões fique deficitário, todos que não receberam um centavo de Remumeração especial, serão convocados a contribuirem para manter o pagamento desta concessão feita pelo BB/PREVI aos salários mais altos. SE ISTO NÃO É CORPORATIVISMO É SACANAGEM.

Peço sua reflexão a respeito do assunto.

Abraços! "

Anônimo disse...

Era só o que faltava. Agora mais uma entidade brigando pelo SUPERAVIT. Os aposentados e pensionistas não tem nada a ver com essa disputa da ABRAPREV. Esse negócio de bloquear o Superavit não vai encontrar amparo legal.

Anônimo disse...

Colega Paulo Beno,

Quem pediu a perenidade das verbas temporárias (Beneficios especias de REMUNERAÇÃO E PROPORCIONALIDADE), foi o Banco através dos espertos que estão no poder, recebendo altos salários, já deram o golpe quando do aumento do teto de 75% para 90% e agora querem garantir a incorporação destas verbas em definitivo.

Pergunta para ANABB e CONTRAF-CUT, a quem eles pensam que enganam, ou melhor se o VALMIR ou o SASSERPON se posicionaram contra esta idéia do Banco.

É duro lidar com os companheiros.

Anônimo disse...

PROCURA-SE APOSENTADO DO BB PARA TRATAR DE ASSUNTOS DE SEU INTERESSE - Tratar no endereço www.previplano1.com.br
Sugestão de anúncio nos classificados de todos jornais de capitais brasileiras no próximo Domingo. Precisamos trazer os colegas para a AAPPREVI. Concordam?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Resposta de Isa Musa:

Prezado Marcos,

Suas perguntas:

a) Os benefícios de que trata englobam as verbas Previ mais INSS?



A princípio fala-se em apenas benefício Previ, mas a dúvida procede, pelo que encaminhei consulta à Previ indagando se os cálculos do montante envolvido referem-se a soma dos benefícios Previ mais INSS;



b) O pagamento será retroativo? A que data?



Não se fala em retroatividade, mas do nosso lado,estamos empenhados para que seja retroativo pelo menos a janeiro de 2010;

c) Quando terá início o pagamento desses valores?



Logicamente, o pagamento de qualquer benefício adicional oriundo da distribuição da reserva será depois de transcorrido todo o trâmite legal: formalização no Deliberativo da Previ, consulta a participantes e assistidos, aprovação pela PREVIC, pelo Ministério do Planejamento e Fazenda;

d) Qual o valor da Reserva para utilização?



Será o valor existente na conta Reserva Para Revisão do Plano na data de fechamento do acordo pelo deliberativo da Previ. Atualmente na Previ trabalha-se com o saldo em 31 de agosto, cerca de 13 bi e 200.



e) Qual a data contábil em que se baseará o valor da reserva?



O saldo existente na data de fechamento do acordo assinado pelo Deliberativo da Previ;



f) Por que não incluir a CESTA ALIMENTAÇÃO? Sabemos que existem milhares de ações em todo o Brasil e que muitos de nossos colegas já ganharam na Justiça esse benefício.



A Resolução 26 que tem pautado a discussão pelo BB é de que nenhum benefício concedido a partir da Reserva pode ser definitivo. A Cesta Alimentação seria um benefício definitivo e a Resolução 26 diz claramente que qualquer benefício concedido a partir da Reserva Especial Para revisão do Plano deverá ser temporário;

g) Por que não insistir no critério de distribuição contemplando a devolução das contribuições que excederam os 30 anos, englobando tempo na ativa e na aposentadoria? As ações judiciais em curso cedo terão “ganho de causa” e ai o desembolso será maior para a Previ.



A despeito da negativa do Banco do Brasil, temos insistido e continuaremos insistindo na concessão do chamado 360/360. Não foi descartada a proposta frente a primeira rejeição do BB. Insistimos porque consideramos que a proposta inicial (apenas os 20% e a manutenção da suspensão de contribuições) é insuficiente;



h) A retirada dos 50% do BB será nas mesmas condições de prazo que a nossa parte?

O BB não fará “retirada” de nenhum centavo, mas usará a parte que julga ser de direito para cobrir seus compromissos futuros para com a Previ e será na mesma medida em que qualquer benefício for revertido a participantes e assistidos.



i) Que providências serão adotadas pela Federação para que a totalidade dos aposentados e pensionistas conheça prontamente o que se passa nessas reuniões?



Temos tido o cuidado de que apenas um de nós se incumba de anotar ao longo da reunião os fatos, propostas, negativas, etc., e escreva a nota oficial, de modo a evitar várias interpretações. Normalmente as reuniões terminam tarde e a maioria se desloca para suas cidades, mas a divulgação tem sido feita com a celeridade possível. Na última reunião, essa terminou no fim do dia e no dia seguinte, por volta das 11 da manhã, o redator havia repassado a nota a todos, indagando se tudo estava de acordo e assim sendo passível de distribuição geral.


continua...

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Resposta de Isa Musa.
Parte II - Final

Quanto a sua afirmativa de que:

“Mas, lamentavelmente, nota-se que tem deixado a desejar o seu desempenho em favor dos milhares de participantes do PB1, que dela esperam atenção e dedicação extrema, até a exaustão se necessário for, para não deixar que as nossas esperanças sucumbam à vontade do Banco ao amparo de “negociadores” suspeitos.”

Reafirmo que não vejo nenhum comportamento escuso por parte dos que estão à mesa defendendo ativos e aposentados e pensionistas. Reitero que a decisão final sobre o uso do superávit é prerrogativa do Conselho Deliberativo da Previ onde somos representados por três colegas eleitos. A chamada “mesa” de negociação é formada para ouvir os diversos setores envolvidos e embasar a decisão daquele Conselho Deliberativo que, ainda assim, embora tenha, pelo Estatuto da Previ, o condão de decidir sem ouvir ninguém, comprometeu-se a submeter as propostas a plebiscito onde cada um dos participantes e assistidos do Plano de Benefício nº 1 poderá votar se aceita ou não. Quanto a confiança a mim depositada, reafirmo que cumpro o que meu mandado me confere com a dedicação e o zelo que sempre nortearam minha conduta. Estou certa de que qualquer um de nós que à mesa estivesse teria o mesmo comprometimento e saberia o quanto a tarefa é árdua, espinhosa, pois ao Patrocinador a Lei confere a supremacia das decisões, pois está claro em todas as Leis que regem os Fundos de Pensão que nada se aprova sem o aval do Patrocinador. Em suma: se o BB não concordar, nada se resolve.

Paralelamente, temos insistido nas ações judiciais contra a Resolução 26 e até uma ADIN está sendo estudada. Lembramos que, no passado, a despeito do BB sempre se beneficiar de superávits, pelo menos a negociação envolvia mais do que os 50% hoje impostos.

Isa Musa

Anônimo disse...

Reserva Especial para Rev. de Plano (23.742.960) - SET 2010.

Fonte:http://www.previ.com.br/portal/page?_pageid=57,1185450&_dad=portal&_schema=PORTAL

Anônimo disse...

Venho acompanhando e torcendo pra que se resolva rápido esse impasse entre a Previ e nós aposentados e pensionistas e não entendo o porque dos que saíram nos pdvs da vida ficarem aqui falando a respeito do que não receberam. Não é o caso de voces procurarem seus direitos na justiça?
Não deveriam colocar aqui esse tipo de assunto porque a mim não interessa nem um pouco. Saíram do Banco porque na época era conveniente.

Anônimo disse...

Marcos,

É claro que cada um enxerga os fatos como quer ou com o olhar que possui no momento. Preocupa-me as distorções dos fatos e o incremento das mesmas trazendo ao bojo dos comentários desavenças e reações contrárias, mesmo que não tenha sido de propósito.

Como exemplo cito o caso dos 75% para 90%. A despeito de ter sido injusta ou não esta alternativa, aplicada quando do uso do superávit acumulado de 2004, 2005 e 2006, é importante esclarecer que os valores para pagamento aos beneficiários já foram apartados para contemplar o pagamento até o fim da vida dos participantes beneficados. Soma-se a isto o fato de que alguns dos beneficiários, infelizmente, já não se encontram presentes o que faz com que o valor apartado seja superior a necessidade futura. Disto nada mais lógico que incorporar em definitivo estas duas verbas.

Veja como são as coisas: cada um vê de uma forma. Posso até estar alertando os gansos mas como vejo isto: está se conseguindo um precedente para que no médio prazo possa-se incorporar em definitivo o percentual de 20% (ou mais que se conseguir) além de outras verbas que se consiga na atual negociação do superávit. Penso que, apesar de muitos de nós estarem em uma idade mais avançada (porém ainda com espírito jovem) temos que começar a olhar mais para o médio prazo e não para o curto prazo. O tempo passa rápido e não vamos todos nos arrepender alí adiante por ações impensadas no presente até porque isto não condiz muito com nossos cabelos brancos.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Comentário recebido fora do Blog:

Senhor Presidente Marcos,

Acabei de acessar o Blog e visualizei, no comentário da Dona Isa, que está em estudos uma ADIN. A noticia é excelente. Resta saber quem irá patrocinar a ação, pois a FAABB, isoladamente, não se qualifica como entidade de
classe para aquela finalidade, pois representa, apenas, uma fração da categoria.( apenas aposentados da Previ)
Segundo o Supremo Tribunal Federal:- "Não se qualificam como entidades de classe, para fins de ajuizamento de ação direta de inconstitucionalidade, aquelas que são constituídas por mera fração de determinada categoria funcional."
Que Deus nos ajude, porque só Ação Direta de Inconstitucionalidade será capaz de resolver, de uma vez por todas, este imbroglio.
Não seria o caso de, neste momento, unir forças para conseguir implementar a ADIN? Será que a nossa minuta poderá ser utilizada?
Parece que, aos poucos, os velhinhos de cabeças brancas vão mostrando seu valor e carater, na defesa de seus direitos conquistados legalmente.
Confio plenamente na nossa Corte Suprema.

Um abraço

Celestino Batista

Anônimo disse...

Sr. Marcos Cordeiro,

Não entendi uma coisa que a Sra. ISA MUSA postou a respeito da CESTA ALIMENTAÇÃO : a Cesta Alimentação não pode ser incluida na negociação por ser um benefício definitivo, o que contraria a Resolução 26.

A incorporação em definitivo das VERBAS DE REMUNERAÇÃO ESPECIAL E DE PROPORCIONALIDADE podem tornar-se definitivas. ESTAS NÃO CONTRARIAM A RESOLUÇÃO 26?

Eu só queria entender....se ela pudesse explicar....

Anônimo disse...

Por que o Valmir Camilo faz questão de preocupar-se com os pedevistas?

Resposta:
A maioria dos pedevistas continuam associados à Anabb, e a associação, que não é dos aposentados, que mantê-los no seu quadro.

É isso aí.

Anônimo disse...

A Colega Isa Musa, nossa negociadora, deixou-nos claro em sua resposta ao Post "Isa Musa e sua MIssão", que:

Qualquer acordo deverá, obrigatóriamente, além passar pela consulta aos participantes e assistidos, ser aprovado pelo:

a) Conselho Deliberativo da Previ;
b) Previc;
c) Ministério do Planejamento e Fazenda.

Então, até quando veremos a cor desse dinheiro? Muita água ainda vai rolar. E tem mais duas complicações:
a) a ABRAPREV; e
b) a inércia dos nossos represetantes eleitos na Previ, que prometiam muito na campanha e agora estão calados e escondidos. Será que estão com medo perder algum cargo futuro na Previ?

Manifestem-se Sasseron e Cia. Por favor.

Se não passar os 360/360, haverá uma enxurrada de ações contra a Previ.
Ademir (12:34): pode nos informar quem é seu advogado, para que possamos contatá-lo?

Anônimo disse...

E DISCARADO!
Alem de nos roubarem 50%,ainda nao vao retroagir e os 20% serao somente sobre a Previ e nao sobre o bruto?????????
Cambada de ladroes safados!!!!!

Anônimo disse...

Os colegas acham que a justiça vai nos dar ganho de causa? Ora, ora!
Três anos já se foram só com as liminares. Uma até, já foi despachada em favor do Banco. Até agora só fomos os únicos prejudicados. O Banco não tá nem aí. Vai fazendo suas contabilizações ao "amparo da resolução 26 e às regras do CVM" e dane-se o resto.
Que me desculpem os que pensam em optar por este caminho (da justiça). Para o BB será fácil dizer: daqui a dez anos me procurem para negociar. O que temos que fazer é diligenciar junto aos poderosos do governo uma alternativa que atenda os primeiramente os interesses dos aposentados e pensionistas - verdadeiros donos do plano - e depois equacionar os desejos do patrocinador.

Anônimo disse...

Os pedevistas que querem a suspensão da distribuição do superavit vão dar com os burros na àgua. Não é do superavit que vai sair qualquer centavo para os PDVS, mas sim do patrimonio da Previ, caso eles ganhem ação da espécie.

Espero que eles ganhem e caso ganhem ele será pago em suaves prestações, podem crer.

Anônimo disse...

Ninguém, também, esta pensando que a inclusão da cesta alimentação seja feita apenas para ser coberta pelo superavit.

A cesta alimentação deve entrar no plano 1 como todas as remunerações permanentes.

Definitivamnte.


Acho que falta preparo, perspicácia, maior poder de observação, raciocínio rápido, aproveitamento melhor da inteligência que tem em nossos representantes/negociadores que estão comprometidos conosco.

Anônimo disse...

Colega Isa Musa Noronha,


Nas negociações existem alguns pontos obscuros, que nos preocupam e seria bom se pudesse nos esclarecer ou procurar respostas para eles, junto aos seus pares, ou com a PREVI/BB, a saber:
1- Entendo que este descasamento de prazo, três anos para suspensão de contribuições e seis anos para pagamento dos reajustes, pode ser uma armadilha, articulada por técnicos do Fundo para nos prejudicar no futuro.
2- Um prazo de seis anos eleva o custo e consome mais a Reserva.Poderia ser um prazo de três para pagamento dos reajustes, renovados por igual período se persistir os superávits.
3- Pode ser que o BB queira nos congelar por seis anos, não fazendo novas negociações, caso o PREVI gere maiores superávits,nos exercícios vindouros, por isso acho que esse ponto mereça uma análise mais profunda. Que tipo de golpe poderão armar?
4- Se der déficit, pode ser seis, dez ou vinte anos, a suspensão dos pagamentos será automática, então o que interessa prazo muito longo. Se reduzirmos para três anos, podemos pleitear reajuste de 25% a 30%.
5- Se é exigida a implementação da frágil e desonesta Resolução 26, nós não podemos permitir que não cumpram a LC 109/2001, que estabelece que a Reserva Especial tem de ser a posição contábil de 31/12/2009 (R$ 25.9 bilhões).
6- Considerando a remota hipótese da lei ser desobedecida,outra vez, a Reserva Especial, deve recair,agora, sobre o valor de R$ 23.7 bilhões, posição de setembro/2010, publicada pela PREVI, e não mais a de 31/08/10, uma vez que o acordo só poderá ser fechado pelo Deliberativo da nossa Caixa após 30/9/10.
7- Não acredito que o BB não fará nenhuma retirada, por que, do contrário, como irá tapar o rombo das suas contabilizações? Por outro lado, parece inverosímil empregar o superávit, da sua parte, para cobrir compromissos futuros com a PREVI. O que poderia ser essas obrigações financeiras futuras com a PREVI?
8- Usando a Reserva Especial de 31/12/2009 (R$25.9), ou admitindo-se à revelia da lei, a de 30/09/10 (R$ 23.7), e com a redução do prazo de pagamento dos reajustes para três anos, evidentemente, que a situação muda por completo, comportando um reajuste de 25% a 30%, a implantação dos 360/360 avos e outros pequenos itens a mais.
Não vamos aceitar que o BB dê ordens no destino que daremos a nossa parte. Acionem a PREVIC para elidir esse impasse.
È verdade que sem a concordância do banco não haverá acerto, mas também sem a anuência dos nossos Conselheiros eleitos, não haverá o fechamento do negócio. Trata-se de uma avenida de mão dupla, cada um tem que ceder um pouco.
Solicitamos refletir sobre o exposto e defender as pretensões que ora colocamos e, também, que haja retroatividade nos pagamentos a, no mínimo, a janeiro/10. Depois que o dinheiro estiver nos nossos bolsos, vamos pensar na ADIN com todos os detalhes, a fim de ser êxitosa.
Agradeceria a sua manifestação sobre tais dúvidas.


João Rossi Neto.

Anônimo disse...

Colega Isa Musa Noronha,


Nas negociações existem alguns pontos obscuros, que nos preocupam e seria bom se pudesse nos esclarecer ou procurar respostas para eles, junto aos seus pares, ou com a PREVI/BB, a saber:
1- Entendo que este descasamento de prazo, três anos para suspensão de contribuições e seis anos para pagamento dos reajustes, pode ser uma armadilha, articulada por técnicos do Fundo para nos prejudicar no futuro.
2- Um prazo de seis anos eleva o custo e consome mais a Reserva.Poderia ser um prazo de três para pagamento dos reajustes, renovados por igual período se persistir os superávits.
3- Pode ser que o BB queira nos congelar por seis anos, não fazendo novas negociações, caso o PREVI gere maiores superávits,nos exercícios vindouros, por isso acho que esse ponto mereça uma análise mais profunda. Que tipo de golpe poderão armar?
4- Se der déficit, pode ser seis, dez ou vinte anos, a suspensão dos pagamentos será automática, então o que interessa prazo muito longo. Se reduzirmos para três anos, podemos pleitear reajuste de 25% a 30%.
5- Se é exigida a implementação da frágil e desonesta Resolução 26, nós não podemos permitir que não cumpram a LC 109/2001, que estabelece que a Reserva Especial tem de ser a posição contábil de 31/12/2009 (R$ 25.9 bilhões).
6- Considerando a remota hipótese da lei ser desobedecida,outra vez, a Reserva Especial, deve recair,agora, sobre o valor de R$ 23.7 bilhões, posição de setembro/2010, publicada pela PREVI, e não mais a de 31/08/10, uma vez que o acordo só poderá ser fechado pelo Deliberativo da nossa Caixa após 30/9/10.
7- Não acredito que o BB não fará nenhuma retirada, por que, do contrário, como irá tapar o rombo das suas contabilizações? Por outro lado, parece inverosímil empregar o superávit, da sua parte, para cobrir compromissos futuros com a PREVI. O que poderia ser essas obrigações financeiras futuras com a PREVI?
8- Usando a Reserva Especial de 31/12/2009 (R$25.9), ou admitindo-se à revelia da lei, a de 30/09/10 (R$ 23.7), e com a redução do prazo de pagamento dos reajustes para três anos, evidentemente, que a situação muda por completo, comportando um reajuste de 25% a 30%, a implantação dos 360/360 avos e outros pequenos itens a mais.
Não vamos aceitar que o BB dê ordens no destino que daremos a nossa parte. Acionem a PREVIC para elidir esse impasse.
È verdade que sem a concordância do banco não haverá acerto, mas também sem a anuência dos nossos Conselheiros eleitos, não haverá o fechamento do negócio. Trata-se de uma avenida de mão dupla, cada um tem que ceder um pouco.
Solicitamos refletir sobre o exposto e defender as pretensões que ora colocamos e, também, que haja retroatividade nos pagamentos a, no mínimo, a janeiro/10. Depois que o dinheiro estiver nos nossos bolsos, vamos pensar na ADIN com todos os detalhes, a fim de ser êxitosa.
Agradeceria a sua manifestação sobre tais dúvidas.


João Rossi Neto.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Disponível para leitura em NOTÍCIAS RELEVANTES:

16/11 - "Discordâncias" - por Edgardo Rego, sobre o Superavit PREVI e outras considerações.

Ary Taunay Filho disse...

PREZADO MARCOS,

O Edgardo Rego, em "Discordâncias", nos dá mais uma aula de realidade e em poucas, mas muito bem escritas linhas, finalizado com a citação do epitáfio de Karl Marx "“Até agora os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de diversas formas, mas o importante mesmo é modificá-lo!”.
Creio que a lembrança desta citação cai como uma luva no momento vivido pelos aposentados do BB.
O que meus poucos neurônios, que ainda funcionam, entendem, é que está sendo cometido um erro sem precedentes, que o realmente necessário é que se faça uma mudança total, pois sem ela o BB abocanhará com a concordância de todos uma fatia do bolo, que não lhe pertence nem moralmente e nem legalmente. Vão permitir em troca de 50% do que é dos aposentados.
O arrependimento virá, porquanto o banco vai acabar abocanhando 50% do patrimônio da Previ, de todo ele. Esperem e verão, afinal a Previ foi criada para resolver os problemas do banco e não dos funcionários.

Anônimo disse...

Sra. Isa,
obrigado pelos esclarecimentos.
Reitero mais uma vez minha plena confiança na Sra.

Colegas,
O TEMPO URGE !
Já não acredito mais que alguma coisa saia neste ano de 2010.
O trâmito é longo e pelo desenrolar dos fatos ainda há um longo caminho a percorrer.
Nesta semana não haverá reunião.
Pergunto:
alguns negociadores tem alegado
falta de agência; porque não
marcar reuniões aos sábados ?

Luis Eustaquio de Castro-Araxá-MG

Anônimo disse...

Caro anônimo das 15:49,

As verbas citadas, cuja proposta propõe que sejam incorporadas em definitivo, foram criadas antes da resolução 26 e sob o amparo da lei complementar. Foram criadas em cima do superávit ao final de 2006. Não estam relacionadas com o superávit de agora e não vai haver recurso proveniente do superávit ao final de 2009 para estas verbas.

O valor para pagamento destas verbas estam apropriados em fundos criados em 2007.

Renovo o que eu penso e já explicitado em mensagem anterior, acima editada: a despeito da justiça ou injustiça com o estabelecimento destas verbas em 2007, a incorporação em definitivo das mesmas (que não altera nada já que existe dinheiro em fundo para este fim) abre um precedente importante e que não deve ser desprezado: o de poder haver em um futuro de médio prazo a incorporação do que for decidido para o superávit de 2009. Infelizmente a tendência é de diminuição do número de aposentados e de pensionistas o que fará que no futuro o valor apartado do superávit de 2009 para implantação de melhorias se torne menor em relação ao que provisionado abrindo brecha para que tais melhorias possam ser implantadas em definitivo e não por um período determinado.

Penso, posso estar errado, que isto seria de interesse de todos, ou não!

Anônimo disse...

Se o Valmir Camilo afirmou alguma coisa, então está errado.

Anônimo disse...

Coincidencia ou obediencia?
Quase que concomitante ao anuncio da Previ, o BB acaba de publicar o seu Balanço referente ao 3º trimestre.
Os ganhos atuariais liquidos totalizaram, até 30.09.2010, R$ 15.061.424 mil.
Enquanto isso, nós ficamos assistindo a tudo, indefesos.
Provavelmente nos teremos algo, mas o BB até 31.12. vai levar muito mais.

Anônimo disse...

Comentário de 15-11-2010, às 22:19 hs.
RETIFICACÃO :
onde se lê "falta de agência", leia-se ..."falta de agenda ".

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

DEU NO UOL - 16.11.2010----------
- 07.41.00 h

--------------------------------

LUCRO DO BANCO DO BRASIL
SOBE 33% NO TERCEIRO TRIMESTRE

PARA 2,6 BILHÕES

---------------------------------

EITA DIRETORIA DO BB PORRETA.

Anônimo disse...

Marcos, tem muita gente interessando-se pelo superavit, se a negociação não for concluida com urgencia todos poderemos ter problemas. Acredito que o valor pertence somente aos aposentados e pensionistas do PB1. Quanto mais se comenta isso nos blogs, mais interessados não aparecer, daqui a pouco o Brasil inteiro vai querer uma parte.
Vamos com calma tem gente que contribui uma vida inteira e outros que deixaram de contribuir por interesse proprio.

Anônimo disse...

Prezado Marcos e demais participantes,

A propósito de nossos representantes eleitos do conselho deliberativo da Previ - os únicos que, por lei, podem decidir em nossos nomes - muito mais do que apenas consultar o CANAEL, precisamos a partir de vc e de seu próprio nome, mobilizar imdediatamente a articulação de uma chapa que venha a concorrer a tais cargos em futuro breve dentro da Previ. creio q este seria o único "caminho da salvação". desde que nossos negociadores atuais entendam, defendam e consigam extirpar de vez o voto de minerva. Vamos pensar no futuro, pois o presente já está definido.

Anônimo disse...

ao colega anonimo das 02.19, olhando as notas explicativas do BB, encontrei como outras receitas do trimestre o valor R$ 551.707.000 (fls 76). Onde encontro o valor de R$ 15.061.424.000?

Anônimo disse...

Prezada Isa Musa e demais participantes,

Diante de tanta dificuldade em negociar alternativas que possam vir a contemplar a todos e sobretudo que sejam aceitas pelo governo, previc e BB, venho sugerir que "copiemos" o que já deu certo, qual seja, o acordo fechado pela Valia, que prevê 25% para todos (que poderiam ser retroativos a janeiro de 2010, com base no balanço de dez/2009), mais 3 salários brutos anuais no mês de dezembro de cada ano, enquanto durar o superavit. Esta oferta compensaria ainda a PLR que o pessoal da ativa vem recebendo (em geral correspondente a 3 salários por ano). Creio que sta oferta, por 6 anos ou enquanto durar o superavit, por não ser definitiva - além de agradar a todos - teria o aval de todas as autoridades competentes. E depois, mais tarde, ADIN neles.

ricardo o.c.dealbuquerque disse...

ATENÇÃO MARCOS E SUA ASSESSORIA JURÍDICA, ROSSI E OUTROS QUE CONHECEM NOSSAS LEIS.
Parece-me que essa tal de ABRAPREV conseguir o bloqueiro do superavit junto sTribunais Superiores ai mesmo é que não veremos nossas migalhas tão cedo. É preciso muita atenção inclusive da ISA. Muito obrigado Ricardo O.C.de Albuquerque

othon f freitas disse...

Anônimo disse...
“Estou achando uma afronta pedevistas utilizarem deste espaço-associação dos aposentados e pensionistas- para anunciar ingresso na justiça para impedir a distribuição do superávit, que está prestes a acontecer.
Busquem seus direitos com relação aos 50% do Banco, que foi o responsável direto por suas saídas.”
15 de novembro de 2010 14:03
Peço ler novamente que este site é dos aposentados, pensionistas e demais integrantes do Plano de Benefício 1, ora, se os pedevistas ainda tem 2/3 do dinheiro na PREVI, então podem opinar e não se sinta “afrontado” colega, pois só querem o que lhe pertence, aquilo que nos foi tirado e não será de sua conta corrente.
Othon F Freitas - Movimento Nacional dos Demitidos do BB

Joaquim Luiz disse...

Não gostaria de tocar nesse assunto, principalmente porque pelo menos aparentemente estamos agora na fase que deveríamos estar a 3 anos atrás.
Mas quando vejo, nessa altura do campeonato pessoas "brigando" com a tal cesta alimentação... me da até vontade de pedir para incluirem tb. o vale transporte. Ki koisa ?

Realmente seria ótimo se mantivessem o mesmo raciocinio que fizeram com o Renda Renda 1, racíocínio correto, pelo que pude apreender, errando somente nos escolhidos, quando deveriam ser todos e não somente aqueles.

Com isso, os que naquela época já receberam, HOJE não mais receberiam.

O RENDA CERTA 1 , EMBORA TENHA ERRADO NA ESCOLHA DOS FELIZARDOS ( alguns somente ),POIS SÓ FORAM ESCOLHIDOS AQUELES QUE TRABALHARAM POR MAIS DE 30 ANOS NA ATIVA PELO MENOS, PELO QUE PUDE OBSERVAR, O VALOR DA CONTRIBUIÇÃO E O TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO FOI LEVADO EM CONTA, O QUE É JUSTÍSSIMO.

Ademir Peruzzolo disse...

Ademir (12:34): pode nos informar quem é seu advogado, para que possamos contatá-lo?
anonimo de:
15 de novembro de 2010 16:27

Seguinte: para a ação da cesta alimentação é um escritório de porto alegre - PAULO FRANCISCO SARMENTO ESTEVES - de Esteves Advogados...;..., já para o 360/360 é escritório do RJ, anteriormente de SP - Robinson Romancini.

Isto posto, tenho a dizer que:
é de meu feitio não ficar em ações coletivas, tipo Anabb e que tais. Se acredito faço a ação individualmente, desde as diferenças de Planos em FGTS, poupança, cesta e 360/360. Sempre ação particular. É bem mais rápida. Os recursos financeiros necessários não são tantos como parecem.Aqui no RS ganhamos diversas também contra a CRT/BRT por conta de ações não entregues.
Não recomendo nem deixo de recomendar: cada um que faça o que acha que tem de fazer.

Anônimo disse...

Ao colega 03:03

A informação sobre os ganhos atuariais liquidos estão nas Notas Explicativas 28.

Anônimo disse...

Concordo com o anonimo das 15:31. A incorporação dos benefícios especiais de remuneração definitivamente alem de não impactar o superavit a ser distribuido servirá, provavelmente, de futuramente incorporarmos os 20% atualmente propostos, de forma provisória.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Aos Colegas interessados nas Ações Judiciais da AAPPREVI:

A AAPPREVI cuida das ações judiciais Cesta Alimentação e Renda Certa para seus associados além de outras.
Já estão ajuizadas as ações Cesta Alimentação (0129640-05.2010.8.19.0001) e Renda Certa (0185131-94.2010.8.19.0001). Na próxima sexta feira serão protocolados os segundos lotes dessas ações e até o final do mês serão ajuizadas as ações IR – 1/3 PREVI e RMI – Renda Mensal Inicial (1° lote).
O custo dessas ações é assumido pela AAPPREVI em todos os seus estágios, cabendo ao associado apenas o pagamento da mensalidade (R$ 10,00). Não há cobrança de comissões, custas ou quaisquer outras despesas.
A inclusão nessas ações pode ser feita a qualquer tempo, bastando encaminhar a documentação pertinente à sede da AAPPREVI. Todos os detalhes constam no site www.aapprevi.com.br – Assessoria Jurídica.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
www.aapprevi.com.br
www.canael.com.br

Anônimo disse...

Colegas,

Acho que muitos têm essa dúvida também. O que vem a ser os 360/360?

Penso que seriam contemplados os colegas que sairam do BB por exemplo com 27 anos e agora seus beneficios seriam complementados até atigirem os 30 anos. É isso pessoal?

Algum ser bondoso pode nos explicar o que vem a ser?

Anônimo disse...

Acho um absurdo precisar entrar com Ação judicial sobre a Cesta Alimentação se a Previ esta perdendo todas. Por que não estendem a todos aposentados e pensionistas assim não tumultuariam mais ainda o judiciario e seria menos estressante para todos nós!!!!!

Anônimo disse...

Estou aguardando o ingresso das ações de renda certa para quem já recebeu alguma coisinha, mas continua sofrendo a injustiça de ter contribuido depois de aposentado e nada tendo visto de devolução de tais parcelas. E a triste comparação de quem vai se aposentar sem completar 30 anos de contribuição, sendo beneficiado por um superavit que não ajudou a construir e quam suou para pagar a previ por mais de 40 anos. Até quando a injustiça vai persistir?

Anônimo disse...

Colegas Aposentados,

Sobre os PDVistas:
Conheci alguns (ALGUNS) que disseram que iriam aproveitar a GRANDE OPORTUNIDADE (demissão voluntária) para largar o bb porque já estavam "até por aqui" com cobranças de desempenho etc...
Hoje dizem que o superavite é feito exclusivamente do dinheiro dos PDV.
Observem que pagaram dinheiro do bb na época e agora querem outra vez via Previ.
Se alguem ficou com PARTE do dinheiro do PDV, o que manda e desmanda em tudo foi e é o bb, ajuizar contra o bb poderá estar correto, então!
Deve haver algo por trás desse oportunismo, supeito mal intencionado(pressão), em querer barrar a distribuição do superavite aos aposentados.
Há um bom número de PDVistas que estão com as burras cheias de dinheiro, bem empregado quando aproveitaram aquela ocasião.
Desejo que aqueles que se sentiram lesados sejam reparados pelo bb na justiça.
Podem chingar ( sinto muito por quem pensou alhos e colheu bugalhos), o assunto é urticante.

Anônimo disse...

SE A VERBA DE 20% INCIDIR SÓ SOBRE O COMPLEMENTO DA PREVI, SERÁ MAIS UMA INJUSTIÇA COM QUEM SE APOSENTOU APÓS DEZ/1997. PORQUE ALGUNS IGUAIS SÃO DIFERENTES? FALAR QUE OS BENEFÍCIOS "VERBAS DE REMUNERAÇÃO ESPECIAL E DE PROPORCIONALIDADE" SÃO INJUSTOS É DESCONHECER A ORIGEM DELES, O PREJUÍZO QUE CAUSAVAM A QUEM HAVIA PAGO TANTO QUANTO QUEM RECEBIA APOSENTADORIA INTEGRAL. NÃO HÁ NENHUM PRIVILÉGIO NISSO E O DIREITO VEIO PARA TODOS, INCLUSIVE OS QUE ESTÃO AINDA NA ATIVA.
E DISCORDO EM RELAÇÃO AO ACOLHIMENTO DE PEDEVISTAS NESTE FORUM, POIS NÃO ME PARECE AMBIENTE ADEQUADO PARA ESTAS DISCUSSÕES. É BOM LEMBRAR QUE MUITOS DE NÓS DISCORDAM DA MAIORIA DE SEUS PLEITOS. QUANDO A PRESSÃO AUMENTOU E A BARRA PESOU, MUITOS ALI ACHARAM QUE O BANCO ERA UMA PORCARIA E QUE FICARIAM RICOS SAINDO DAQUELE INFERNO. QUEM FICOU SABE MUITO BEM O PREÇO QUE PAGOU PARA FAZER O SUPERÁVIT QUE ESTÁ AÍ HOJE...

Anônimo disse...

Ultima noticia! Vejam:
Correção: BB tem lucro 32,7% maior no 3º trimestre
Acorda Previ!!!!!!!!!!!!!!

Rubem Tiné disse...

Boas perguntas e show nas respostas da Isa. Talvez estejamos esperando mais do que ela pode dar. Fiquemos certos que temos pouco poder, isto é capitalismo. Quem pode, pode, quem não pode se sacode. Caso o banco ofereça os 20% retroativos a janeiro/2010, mais décimo quarto em dezembro, pelos mesmos seis anos, e for colocado em presbicito, passa fácil, fácil. Mas, claro, os negociadores têm que pedir mais, pelo menos o 360/360.

Anônimo disse...

Quem se aposentou após 97 vai se dar mal de nvo??

Acho que não existe negociaçao, pois o patrocinador faz o bem lhe convém.De qualquer forma,este pessoal que pensa que está negociando poderia ao menos sugerir que os 20%, ou mais incidisse sobre a verba previ + inss.

Anônimo disse...

"Estou tentando abrir um túnel na rocha bruta.Eu sei, sei que é penoso. Mas qual é a busca que em si mesma não traga sua pena?"-Clarice Lispector

Anônimo disse...

Lucro do Banco do Brasil avança 32,7% e soma R$ 2,62 bilhões no 3T10

SÃO PAULO – O lucro líquido do Banco do Brasil (BBBA3) saltou em 32,7% no terceiro trimestre deste ano sobre o anterior, a R$ 2,62 bilhões, ao passo em que na comparação com os primeiros nove meses de 2009 e 2010, a alta é de 28,5%, atingindo R$ 7,7 bilhões.

Enquanto isso, o avanço do resultado bruto da intermediação financeira foi a um ritmo ainda mais elevado, de 39,8%, ao totalizar a marca de R$ 6,7 bilhões, ao passo que as despesas de pessoal subiram 18,3% e as outras despesas administrativas tiveram um incremento de 24,2%, na passagem anual.

Carteira de crédito

Ao final de setembro, o banco somou uma carteira total no valor de R$ 339,82 bilhões, o que significa um salto de 19% sobre o montante registrado no fim de setembro do ano passado e de 4,1% sobre junho deste ano. Com relação ao patrimônio líquido, o avanço sobre o mesmo período do ano anterior foi de 43,2%, para R$ 48,2 bilhões.

A composição das pessoas jurídicas sobre a carteira total de crédito, apesar de avançar a um ritmo menor que o de pessoas físicas (20,1% contra 25,3%), continua como a maior parcela de clientes do banco, com um total de R$ 140,5 bilhões.

Já os ativos totais somaram R$ 796,81 bilhões ao final de setembro deste ano, um salto de 16,2% sobre o mesmo período de 2009 e de 5,4% sobre o final do segundo trimestre deste ano.

Rentabilidade inalterada

Por fim, o RSPL (Retorno Sobre o Patrimônio Líquido), que mensura a rentabilidade do banco, apontou para 26,2%, o mesmo valor registrado no terceiro trimestre de 2009, mas abaixo do segundo trimestre deste ano, quando foi de 31,5%. Assim, o índice de eficiência apresentou uma leve piora na mesma base de comparação, saltando 0,4 pontos percentuais, a 45%.

Além disso, o índice de Basileia, o qual mede a reserva de capital que a instituição financeira possui, saltou para os 14,2% no terceiro trimestre deste ano, enquanto apontava para 13% no mesmo período de 2009 e para 12,8% ao final do segundo trimestre.

Anônimo disse...

Cara ISA MUSA, como você é leitora assídua deste blog, como eu, aproveito o momento para uma pequena sugestão;

1)Concordar com os 20%;

2) Incluir a cesta alimentação, mas não como parte do superavit, pois, não é o caso.

3) Não assinar nada se tiver alguma cláusula em que se menciona concordância em que o Banco utilize ou contabilize os "seus" 50%.

4) Depois, ADIN neles.


Justificativa:

A distribuição do superavit só será possível se o patrocinador concordar. Sem sua concordância só poderá ocorrer através da justiça, e ai sim fazer um tempo para resolver, diremos "a perder de vista".

Se o Banco concordar com a cesta alimentação, que deve estar em torno de R$ 280,00, equivaleria quase o valor dos 20% sobre o meu benefício Previ.

Acredito, que agora não temos mais tempo para buscar algo melhor que isso. Acho melhor acabar "com essa droga de uma vez" e partimos para outra.

ADIN neles e fazermos um movimento e recolher assinatura para alteração dos normativos. As normas vigentes nos permite isso.

Podemos alterar o índice de reajuste dos benefícios, e tantas outras coisas.

Acorda dirigentes.

JOAQUIM LUIZ disse...

Rubem Tiné disse enytre outras, isso:

.... Quem pode, pode, quem não pode se sacode. Caso o banco ofereça os 20% retroativos a janeiro/2010, mais décimo quarto em dezembro, pelos mesmos seis anos, e for colocado em presbicito, passa fácil, fácil .... 360/360.
Rubens...
=====================================

Não, não creio que um 14 º salário anual seja bom, pois o banco de qq. maneira vai ter de fazer a provisão para seu pagamento. Além disso ser totalmente fora do foco principal, tem um gosto de mendicância. Podemos até pensar que somos senadores, deputados e etc... mas não somos e porque essa regalia de 14 salários ?
Em vez de um 14 º ao final do ano, porque não diluir isso percentualmente nos meses, aumentando um pouquinho o percentual de 20 %, já que nada agora pode e deve ser perene ?
Veja de temos colegas com idade superior a 95 anos e para esses, pela ordem natural, um ano pode ser muito.

Anônimo disse...

Colegas,
A correção do tenebroso Renda Certa só será realizada com a implementação da proposta 360/360. Se isto acontecer não serão mais necessárias ações judiciais. O realinhamento do Plano será total.
Todos que contribuirem acima da 360ª mensalidade, terão direito à restituição.
Quem se aposentou sem completar os 360 meses, mas continou contribuindo, terá seu beneficio recalculado.
Todos serão beneficiados. Quem recebeu o Renda Certa terá descontado aqueles valores e, se tiver direito, receberá a diferença pelo novo calculo.
Realmente, é uma boa alternativa.

wilson luiz disse...

REAJUSTE DE 20% APENAS SOBRE O BENEFÍCIO DA PREVI, SEM VALOR MÍNIMO

Caso 1 - quem recebe R$ 1.000,00 da PREVI e R$ 1.500,00 do INSS terá aumento de R$ 200,00.
Reajuste sobre benefício total 8% (OITO POR CENTO).

Caso 2 - quem recebe R$ 15.000,00 da PREVI e R$ 1.500,00 do INSS terá aumento de R$ 3.000,00.
Reajuste sobre benefício total 18%(DEZOITO POR CENTO).

É o "fim da picada" conceder 8% para os que mais necessitam. Poderia ser negociado reajuste de 20% sobre todas as verbas; neste caso, poucos receberiam menos de R$ 500,00, o que compensaria a não adoção de piso mínimo. O valor a ser utilizado da Reserva Especial seria o mesmo; mas como não existe "almoço grátis", o prazo de recebimento teria que ser reduzido.

Anônimo disse...

O Anonimo de 16/11/2010 das 07:43. tem razão.

Para corrigir certas distorções nesse nosso plano 1 teremos que alterar nossos normativos.

Ficar chorando de última hora não aianta nada.

Por que já não vamos planejando essa possível alteração.

1) Índice de reajuste,
2) Exclusão das constribuições dos aposentados e pensionistas;
3) Obrigatoriedade da contribuição dos funcionários da ativa;
4) Elevação do percentual dos pensionista para o mínimo de 80% do benefício;
5) Etc, etc, etc...

Corretor de Imóveis Júlio Barros disse...

Prezados Colegas,

Visitem o site da http://www.abraprev.org.br e vejam como aquela associação poderá defender os interesses dos funcionários da ativa, aposentados, pensionistas e pedevistas.
Unidos somos fortes!

Júlio Barros
PDV-1995

Paulo disse...

Marcos,

Uma dúvida: é lícito devolver alguma coisa ao Banco, que não tem esse direito, e deixar sem devolução a quem contribuiu por mais de 30 anos?

Paulo Motta.

Pensionista sem voz fora da AAPREVI disse...

"Todos que contribuirem acima da 360ª mensalidade, terão direito à restituição.
Quem se aposentou sem completar os 360 meses, mas continou contribuindo, terá seu beneficio recalculado. Todos serão beneficiados."

E no caso de uma pensionista cujo marido entrou no Banco em 1958, aposentou-se em 1984 e faleceu em 1995? Os 360/360 fariam alguma diferença?

Anônimo disse...

Se esses pedevistas ganharem na justiça o que deixarao de receber da Previ, eu também quero receber o meu, fui pedevista em 1991 e recebi 1/3 sem correção meus 8 anos e alguns meses foram por agua abaixo, para retornar em 1993, devolvi os incentivos do BB e passei a ser um novo funci começando do zero. Fui aposentada por invalidez em dez/99 e meu auxilio foi contabilizado pelos últimos 3 anos anteriores a minha aposentadoria, hj recebo 1.060, da Previ, certa vez perguntei na Previ pelo anos de contribuição que ficou pra tráz e me informaram que nao tinha mais dirieto e que nada mudaria o valor que recebo. Se a ABAPREV ganhar na justiça eu tambem quero o que contribuir e que não faz parte de meus vencimentos. Saibam que a época de color muitos foram presionados a pedirem demissão e eu fui uma delas estava devendo o Ouro card e recebi pressão para aderir o PDV ou seria demitida por estar sendo processada pelo BB. tive que ralar muito para retornar 2 anos depois e devolver as vantagens que havia recebido, sei que tinha sido ma boa funci pois a mesma pessoa que me induziu a aderir o PDV me chamou e me deu conselhos para retornar e dou graças a Deus por isso pois ja havia ralado muito trabalhando sentada horas a fio mais de 10hrs por dia analizando e calculando PROAGRO, E DIGITANDO MANUALMENTE CEDULAS PIGNORATÍCIAS E HIPOTECÁRIAS. muitos colegas que trabalharam nessas carteiras sabem o que passaram por conta de tudo isso adquirir hérnia de disco e passei por 4 cirgias da coluna, longos meses em cima de uma cama e em cadeira de rodas, usei muletas varios anos, hoje dou graças a Deus que a medicina me desinganou e voltei a andar. Enfim são muitas historias que o BB nos deu e agora vamos aguardar o desinrolar de tudo isso e pedir a Deus que nos abençõe e de paz aos homens e faça justiça a todos que dela precisem. Abraço a todos.

Anônimo disse...

A GRANDE REALIDADE É:

- que cada um dos participantes do plano 1 está puxando a brasa para seu assado e aí fica a pergunta: como o BB não vai fazer o mesmo? Vai e está fazendo. Nós mesmos damos o exemplo.

- no afã de vermos nossos valores mensais aumentarem, atraídos que somos pelo enorme valor do superávit, acabamos perdendo a noção do que representa o superávit e começamos a criar alternativas que por sí só se perdem por não ter amparo.

- temos que ter cuidado naquilo que propomos e mais IMPORTANTE não ficarmos propondo novas alternativas a todo momento. Vou citar um exemplo: está começando a aparecer sugestões que os 20% propostos (ou outro índice que vier a ser acordado) incida sobre o valor do benefício mais INSS. Mas se isto acontecer serão necessários mais recursos para este aumento de 20%. E aí como fica. Se continuar assim não sai nada mesmo porque acaba-se criando novas propostas a cada momento. É o que eu penso.

bigsaranha disse...

ALÔ ISA, MARCOS E JOÃO ROSSI:

Em certa época da vida funcional, aposentava-se incorporando valores oriundos de vendas de licenças-prêmio e quinquênios. Posteriormente, isso foi eliminado e, do universo de aposentados, poucos têm esse beneficio. Hoje, o pessoal da ativa passou a receber o PLR(verba salarial), que engrossará o salário de participação. Na prática, estão ganhando o mesmo beneficio anterior. Para compensar, não seria recomendável A ADOÇÃO DO BENEFICIO 360/360?

Russel Furtado dos Santos
Belo Horizonte

SIGISMUNDO BORGES disse...

Prezado colega Marcos:

1- Preliminarmente, vou aproveitar a oportunidade para manifestar minha concordância com o colega Wilson Luiz (08:37h). Só diria que, após o resultado do terceiro trimestre, talvez até não seja necessário a diminuição do prazo.

2- Colega Marcos, a FINALIZAÇÃO DE TODAS AS ETAPAS DO ATUAL SUPERAVIT
TEM QUE OCORRER ATÉ 31.12.10? OU
SE PARTES DESSAS ETAPAS (por exemplo, a definição dos valores com o BB; o plebiscito FOREM EFETUADOS, MAS AINDA FALTAREM AS CONCORDÂNCIAS DO MIN.DA FAZENDA E DO PLANEJAMENTO E A PREVIC?), só forem EFETIVADAS, CUMPRIDAS, EM 2011? Quais as conseqências se essas hipóteses vierem a acon-
tecer?
Um grande abraço para você e sua equipe. Muita paz e saúde!!!

Anônimo disse...

acho justo o abono de 20%, para todos,desde que os pre-97, o Banco desconte o que eles ganham do INSS, para o calculo. JUSTIÇA<JUSTIÇA.

JOAQUIM LUIZ disse...

Parabéns ao anonimo de 16 de novembro de 2010 10:50, que falou que A GRANDE REALIDADE É:

Sim... vc está totalmente correto ! Infelizmente, é isso que está acontecendo mesmo e foi por isso que eu brincando, citei até a hipótese do recebimento também do VALE TRANSPORTE, pois estamos confundindo totalmente as coisas e quem mais se aproveita disso é o BANCO.

Cuidado... pois estamos armando a mão do inimigo !!

Anônimo disse...

Está muito correto o que o anônimo das 08:01, de hoje, resumiu. Se implantado o que ali foi dito, todos serão nivelados no valor máximo de 30 anos de contribuição à Previ, e os que contribuiram por tempo maior terão o retorno do excedente aos 360 meses de contribuição e, aí sim, todos terão um reajuste baseado no seu teto individual de 30 anos de contribuição.
Também torna-se necessário que as pensionistas passem a receber 80%, para que não haja tão grande desequilibrio financeiro em sua vida, após a perda do cônjuge.

Outrossim, é inimaginável em qualquer país do planeta, exceto no Brasil, é claro, que pessoas possam contar com o benefício integral de aposentadoria complementar, sem ter contribuído para tal. É o caso dos da ativa, que receberão o complemento integral sem estarem contribuindo. Estão usando o dinheiro alheio para obter o benefício. Então, é necessário que se exija que os da ativa voltem a contribuir, ou então, a Previ devolva todo o nosso dinheiro desses anos de contribuição.

CILICMIM disse...

Colega "anônimo"da 10:50h,

Desculpe-me a sinceridade, mas a
"GRANDE REALIDADE", presumo, é que você, "para variar", também está sendo egoísta!. Certamente com receio de o BB/PREVI vir a conceder
um reajuste um pouco maior para diversos colegas que recebem quantias inferiores a R$ 700,00 (setecentos reais) da PREVI. Você, em tal situação, não acharia JUSTO,
CORRETO, FRATERNO, E TAMBÉM NÃO REINVINDICARIA QUE A VERBA DO INSS FÔSSE CONSIDERADA PARA O CÁLCULO?

Pode ficar tranquilo, que no seu caso -que NÃO PRECISA DA VERBA DO INSS-, os 20% de reajuste deverá lhe propiciar "por baixo" em torno de 2 a 3 mil reais?

Colega, mesmo com esses seus valores, acredito que quem recebe em tôrno de R$ 700,00 (no total) NÃO IRÁ LHE ATRAPALHAR. OS VALORES DELES SÃO IRRISÓRIOS.

Anônimo disse...

O pessoal anda fazendo muita confusão sobre seus direitos. Quem contribuio mais e por maior tempo deve ter suas compensações. É a lei da proporcionalidade contributiva. A PREVI, por sua vez, deve obedecer essa premissa, do contrário vão novamente criar fatos absurdos como a tal RENDA CERTA.

Anônimo disse...

VEJAM ESSA, SERÀ QUE SERA COM O SUPERAVITE?


BB afirma já ter identificado banco para comprar nos EUA
Olhem no site da ANABB

Anônimo disse...

Infelizmente estamos a ver mais um RENDA CERTA PARTE 2!Configurando o novo percentual de aumento de 20% sobre o benefício previ + INSS para os pré-97 e 20% para os pós 97.Sempre tem alguém querendo colocar o plano em desequilíbrio e pronto a cometer mais injustiças, já não fosse o pós-97 tão pisoteados e chicoteados( ausência de reajustes durante o governo FHC, alteração do estatuto, parcela previ e o diabo), ainda fazem uma barbaridade dessa na reta final!Mais uma vez os altos salários estarão ganhando mais em cima dos pobres!

Anônimo disse...

A revista Isto deu destaque ao balanço do Banco do Brasil, ressaltando que o lucro apurado deve-se, em parte, aos valores apropriados da PREVI. Acessem: http://www.istoe.com.br/assuntos/semana/4
Por que a imprensa não pode tomar conhecimento do que está acontecendo conosco? Será que já é a ingerência do PT no controle da imprensa?

Anônimo disse...

Concordo plenamente que qualquer indice que seja concedido seja sobre o total recebido: beneficio Previ + INSS.
Quando os calculos são feitos para apuração do valor mensal da aposentadoria o valor inicial é bruto ( Total Previ). A dedução do valor que cabe ao INSS é somente ao finaL ( HOJE pARCELA pREVI).
Porque, nessa hora, separa-los?
A Reserva não é para Revisão do Plano?
Tanto Previ quanto INSS são beneficios.
Nada mais justo que a concessão seja feita sobre o total dos beneficios.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

BB tem lucro 32,7% maior no 3º trimestre

ISTOÉ Online – 16.Nov.10 – 12:01

O Banco do Brasil (BB) anunciou um lucro líquido de R$ 2,625 bilhões no terceiro trimestre de 2010, uma alta de 32,7% ante o terceiro trimestre do ano passado e uma queda de 3,7% na comparação com o segundo trimestre deste ano. O banco também informou um lucro descontando efeitos extraordinários de R$ 2,578 bilhões no terceiro trimestre, alta de 46,1% na comparação com o mesmo período de 2009. O resultado acumulado nos nove primeiros meses deste ano foi de R$ 7,7 bilhões, evolução de 28,5% na comparação com igual intervalo do ano passado.
A alta do lucro decorre da expansão das operações de crédito, do aumento da receita com prestação de serviços e da contabilização de ganhos atuariais do fundo de pensão dos funcionários do BB, o Previ. O retorno patrimonial do banco foi de 26,2%, mesmo nível do terceiro trimestre do ano passado. A carteira total de crédito fechou setembro em R$ 365,1 bilhões, expansão de 4,4% na comparação com o segundo trimestre deste ano e de 21,1% em 12 meses.

Fonte: ISTOÉ Online

Anônimo disse...

Discordo do comentário das 10:50 hs, pois para a inclusão do INSS no reajuste de 20% não seria necessário mais recursos, pois o prazo de recebimento seria reduzido, proporcionalmente, conforme colocou o colega Wilson Luiz, 8:37 hs. Também não atrasaria a negociação, pois o Banco ainda não colocou sua posição definitiva sobre quais verbas incidirá o reajuste.

wilson luiz disse...

Caro anônimo 16 novembro,12:51 hs.
A inclusão da parcela do INSS no reajuste de 20% proposto pelo Banco eliminaria a distorção, evitando que os benefícios mais altos recebessem 18% e os mais baixos 8%, o reajuste seria de 20% para todos. Pelo menos neste caso específico não seria criada uma nova injustiça.

Anônimo disse...

Caro CILICMIM,

Pois é assim que começam os entendimentos indevidos.

Em primeiro não sou egoísta, em segundo não sou beneficiário com o valor que você colocou (entre R$ 2 mil e R$ 3 mil reais), quem dera fosse verdade e em terceiro sou a favor de um aumento com piso mínimo superior aos R$ 500,00 aventados várias vezes aqui no blog e, também, pleiteados por alguns de nossos representantes.

O que ressaltei como mais ênfase foi que a todo momento surgem idéias, sugestões, alterações daquilo que, em princípio, estava mais ou menos delineado que seria pedido (principalamente aumento com piso mínimo, suspensão das contribuições e aumento de 60% para 80% para as pensionistas).

Ora desnecessário se alongar em comentários que tais posturas somente trazem e trarão confusões e perda de foco do que realmente queremos sem falar é claro que o público deste blog contempla pessoas com idade mais avançada e que trazem consigo as inseguranças do momento atual. E aí eu te pergunto: É FRATERNO, É JUSTO, É CORRETO mexer com a cabeça deste pessoal toda hora? Perceba que muito frequentemente tem gente perguntando sobre fatos que não são de conhecimento geral.

Sou um dos únicos que aqui posta ressaltando meu voto de confiança de que quem está à frente das negociações nos representando (Isa e diretores da PREVI) saberão discernir e manterem-se focados no que foi previamente estabelecido.

Fico na torcida que esta confusão e mistura de idéias que levitam toda hora aquí não pertubem a capacidade de negociar de nossos representantes.

Anônimo disse...

Vide no site da Previ :
"Negociações em Curso".

Anônimo disse...

Colegas,

Cheguei a triste conclusão, estou mesmo na pior idade". São tantas sugestões, tantos puxando brasa para a sua sardinha, que até esqueci se está agendada ou não uma nova reunião para a discussão do superávit.

Existe alguma coisa marcada?

Anônimo disse...

Enquanto o lucro do BB cresceu 32,7% ante igual período de 2009, o da Caixa caiu 14,6%.