terça-feira, 16 de novembro de 2010

FUNDO DE PENSÃO OU SUBSIDIÁRIA?

Caros Colegas.

José Gilvan Pereira Rebouças, Vice Presidente Financeiro da AAPPREVI, volta a colaborar com a excelente participação que hoje ocupa este espaço.

Marcos Cordeiro de Andrade.

Eis o seu texto:

O Banco do Brasil, ancorado na resolução 26, transformou a PREVI na subsidiária mais rentável do seu conglomerado.

As contabilizações virtuais realizadas, com base na metade do superávit acumulado de 2007 a 2009, lhe renderam a bagatela de 14,5 bilhões de reais.

Ao término deste ano, temendo um possível estorno dos valores já apropriados virtualmente, simula reuniões para tratar da distribuição da outra metade do superávit. Observem que as propostas aceitas pelo Banco para essa distribuição só trazem vantagem para ele mesmo. A suspensão das contribuições para a PREVI por mais 03 anos e um percentual de 20% para os funcionários da ativa que vierem a se aposentar nesse período deixa bem claro suas intenções. Alguém já pensou no montante que o Banco deixará de desembolsar com a suspensão dessas contribuições nesse período de 03 anos? A proposta do percentual de 20% para os funcionários da ativa, que estão prestes a se aposentar, tem um atrativo de promover aposentadorias precoces, transferindo o ônus para a PREVI.

O filtro por que passaram as propostas para distribuição do superávit obedeceu à medida imposta pelo patrocinador. Benefício como o 360/360 não lhe desperta nenhum interesse. Ao contrário, é repudiado terminantemente. Isto porque, em sendo instituído somente atingirá negativamente seus apadrinhados contemplados na distribuição anterior e muitos deles, além de ficarem à parte, ainda teriam que devolver alguns “trocados” pela pressão vinda de fora. Também, a isonomia que o benefício preconiza está sendo buscada na justiça e até mesmo o patrocinador torce pela vitória dos postulantes, visto que o ônus caberá ao Fundo, não a ele, Patrocinador, e com isso os seus protegidos estarão livres para usufruir de outras benesses em futuros superávits.

Além de garfar 50% do que não lhe pertence, o Banco do Brasil se exime de suas obrigações por mais três anos. Esses valores das contribuições não pagas nesse período serão debitados ao patrimônio dos aposentados e pensionistas. Mas mesmo com esses encargos adicionais, impostos pelo patrocinador, a PREVI não deixará de ser superavitária. O PB-I está fechado e em declínio progressivo no número de participantes. Além disso, as constantes mudanças nos estatutos foram feitas sempre com o intuito de reduzirem os futuros benefícios. Essa foi uma estratégia de longo prazo tomada nos anos anteriores já se prevendo a implantação da resolução 26. O bolo cresceu juntamente com a cobiça do patrocinador.

O exercício de 2010 está chegando ao final. A PREVI certamente acumulará novo superávit, tendo em vista o comportamento das bolsas não apresentarem grandes flutuações. Caso o Banco consiga empurrar esse acordo de agora, se é que podemos chamar essa farsa de acordo, abre-se um precedente perigoso: estaremos dando um aval para que nos próximos superávits tudo siga pelo mesmo trilho, permanecendo como está ou até piore.

Diante do exposto acima, a PREVI deixou de ser um fundo de pensão para ser a mais nova subsidiária do conglomerado BB.

José Gilvan Pereira Rebouças.

São José dos Pinhais (PR), 16/11/2010.

60 comentários:

Anônimo disse...

O Post do sr. José Gilvan retrata a verdadeira face da Previ. Ela é um Fundo de Pensão ou uma subsidiária do BB?

O Banco já pegou sua metade há dois anos, distribuiu dividendos aos acionistas e nós até agora nada recebemos. Essa metade que o Banco pegou, não lhe pertence. Foi uma ação maquiavélica na calada da noite, que permitiu a elaboração da Resolução 26, que é ilegal e injusta. Não bastasse o Banco ter se apropriado da metade, ainda quer ditar as regras de distribuição da outra metade que também não lhe pertence e que deve ser distribuído entre os legítimos donos. Ora, isso nos leva aos idos tempos de linha dura dos governos ditatorias. O Banco não deveria se meter nesse assunto antes, no meio e nem depois da negociação.
E a Previ foi fundada para quê? Para proteger e sustentar o patrocinador ou proteger financeiramente seus participantes associados? Por que o Banco pensa em proteger somente os funcionários da ativa? É óbvio que é para mantê-los motivados em seus postos, o que já não é possível fazer com os aposentados. Só que o Banco esquece que esses milhares de aposentados são seus correntistas, e depositam seus recursos nessa instituição.

Juarez Barbosa disse...

Prezado Marcos e seguidores do Blog

Eis o "X" da questão ...

LC109 versus res26 ...

Porque achamos que estamos à mercê do que o BB decidir com relação à distribuição do superávite?

Acho que ele está temendo ter de estornar os valores apropriados, por ter consciência que tal RES26 não tem respaldo constitucional e sim a LC109.

Então nossos representantes devem ter firmeza de convicção na hora das negociações, como acho que estão tendo, de colocar na mesa este FATO RELEVANTE e preocupante para ele BB.

E esta preocupação o torna frágil nas negociações, vocês não acham?

Acho também que estão armando uma alteração da LC109 via legislativo, para tornar a aplicação da RES26, legal. Fiquem atentos !!!!!

Quem sobreviver, verá ...

s.m.j.

Anônimo disse...

Jose Gilvan, vc pòs o dedo na ferida.
TODO CUIDADO É POUCO, pois na realidade o que se está "discutindo" é o futuro da PREVI. Muito cuidado ao deixar o banco levar 50% sem nenhuma condicionante. Isso pode significar o fim do plano em muito pouco tempo. Alguém duvida da ganancia governamental e, da falta de caráter de alguns dentro da PREVI, PREVIC, BB ETC, que com alguns milhões no bolso são capazes de atos aviltantes.

Anônimo disse...

Prezado José Gilvan,

Parece-me q a situação é mais grave, estapafúrdia e indigna de aceitação, pois observe-se atentamente o descrito no site da Previ: "e, para os associados da ativa, os valores seriam normalmente contabilizados em conta apartada e pagos quando estes se aposentarem." Ora, que descalabro: então teremos funcionários da ativa que hoje contam com 15 ou 20 anos de trabalho - e que não são poucos - e que já não contribuem desde 2006, com uma promessa de poupança programada equivalente a 20% de seu ganho mensal, iniciada agora, engordando até a data em que decidir aposentar-se do BB - daqui a 10 ou 15 anos em média , o que lhes renderá uma soma talvez até superior aqueles milhões recebidos pelos colegas do grupo pré-67, por o casião do pagamento do renda certa -os quais, antes de 67, também jamais contribuíram para a Previ -. Estes da ativa serão, pois, os futuros felizardos, que ao apagarem as luzes, poderão se esbaldar na caixa forte do Patinhas. É triste, mas parece inevitável. Em lugar deste privilégio concedido de antemão para este grupo vindouro, é que sugiro a distribuição para todos, apenas os já aposentados, dos 20% propostos, mais os 360/360 que parece corrigir o maior número de injustiças e, em sobrando alguns bilhões, destiná-los ao pagamento de abonos a todos os aposentados, na proprorção de de 01, 02 ou até 03 salários brutos anuais, a exemplo do que o pessoal da ativa já vem recebendo nos últimos anos, a título de PLR embutido aí parte de noss superavit.
abraço e boa sorte para nós todos.

carrara disse...

Caros "companheiros" (pra ver se dá sorte...),
Depois de tantas informações, opiniões, sugestões, e até agressões, percebo o sentimento majoritário de "estar em sinuca".
Sou muito prática, talvez por minha formação matemática, e às vezes peco pelo imediatismo.
Acredito que deveríamos ter tomado iniciativas "trabalhosas e perigosas" que buscassem um movimento social, do tipo passeatas, panelaços etc. Mas os "assistidos" optaram pelo debate virtual, e aqui estamos.
Apesar da "pressão" virtual, não causaremos temor aos que cumprem suas missões de negociadores, até porque sabemos que são várias as opções que lhes são oferecidas. Resumindo, ninguém cai - escorrega para o lado.
Então vai mais uma pergunta que não consegue calar:
SERÁ QUE NÃO HÁ, NO BRASIL, UM GRUPO DE JURISTAS QUE SE INTERESSE EM "DESMASCARAR" A FARSA DA RESOLUÇÃO 26 E QUE DEFENDA A LC109 (enquanto há tempo), EM NOME DA CONSTITUIÇÃO E DOS HONORÁRIOS QUE PODEMOS FIXAR EM 5% DO "SUPERAVIT"?
Quem sabe o escritório do Ex-Ministro Márcio Thomaz Bastos, que tem se mostrado tão eficiente?
É caro, mas sai mais barato....
Podemos MAIS !!!
Junto a vocês,
Wania Carrara

Ivan Rezende disse...

Gilvan, Renda Certa: A Previ faz a provisão para pagamento do Benefício a partir da 360 contribuição. Como o funcionário continua trabalhando,ela idealizou devolver as contribuições excedentes, quando da aposentadoria.
Como a regra é recente, os funcionários atuais relutam em aposentar (aqui tem um Caixa que já conta com 39 anos de serviço), o ônus permanece com o Banco, com um gasto mensal de mais de R$20.000(inclusive encargos sociais), enquanto que o benefício seria de, no máximo 6 mil reais.
Razão principal de o Banco colocar na mesa os 20% para os da ativa, quando aposentarem.Aliás, na negociação em curso, deve-se exigir retroação a uma data até anterior a 01.01.10.
Excelentes as suas colocações.

Anônimo disse...

Divulgadas notícias sobre a discussão do Superávit no site da Previ. Lá está informado que os 20% destinados aos da ativa serão contabilizados e apartados para pagamento quando da aposentadoria.

Anônimo disse...

E por isso que ja escrevi aqui a minha opiniao....Prefiro nao receber NADA de superavit(o banco tambem nao leva) e saber que meu beneficio sera pago ate o fim de minha vida.
Mas eu disse: O BANCO TAMBEM NAO LEVA)!!!!!!Se ele ja contabilizou,problema delle,se vira.
Vamos nos ferrar mais uma vez por causa do imediatismo.Apertem mais os cintos mas nao sustentaremos a corja que se instalou na Previ.

Jorge Teixeira - Araruama (RJ) disse...

Caro Gilvan Rebouças,
Concordo plenamente com as suas colocações. Em muitos dos comentários postados aqui e em outros espaços similares usei também o termo subsidiária quando me referia a Previ e ao seu “PB-1”. Pelo andar da carruagem eu ousaria afirmar que, além de mais rentável, ela é também a mais nova e, com certeza, a mais promissora “subsidiária” dentre todas aquelas que integram o conglomerado BB. Diante de toda truculência que é utilizada no relacionamento Patrocinador X Previ e da visível subserviência dos dirigentes do fundo de pensão, doravante ela poderia ser chamada de Caixa de Previdência dos Funcionários e do Banco do Brasil.

Carlos Mariano disse...

Um historiador da época - 1587 - comenta (sobre a criação do primeiro tribunal no Brasil - Tribunal de Relação)que “com mais Relação, porém, ou menos Relação, na Bahia ou no Rio de Janeiro, a justiça continua irregular e falha, pessoal e feroz, cera que se amolda à vontade pessoal do Juiz, que, quando não é arbitrária, é ignorante, e, quando não é ignorante, é venal”.
De lá para cá não houve muitas mudanças na nossa justiça.
Não vamos esquecer o que foi feito com os fundos de pensão na Argentina.
No entanto, os negociadores poderiam propor que o BB levasse os seus (nossos) 50% do mesmo modo que está pagando para nós, ou seja, mes a mes, conforme a PREVI nos pagasse, pagaria também ao BB. Fica a sugestão para os negociadores.

Anônimo disse...

Os funcionários da ativa já receberam a PL (paticipação no lucro). E esse lucro só foi táo expressivo porque contou com a contabilização (indevida) dos 50% da PREVI.
Não é justo apropriar em conta valores do superáti da PREVI pra que eles recebam quando se aposentarem. Dessa forma estarão se beneficando duas vezes. Nós, aposentatos, não recebemos PL nenhum. Porque os da ativa devem receber em dobro?

Anônimo disse...

Quando os funcionarios da ativa estão negociando seus aumentos não pensam nenhum pouquinho nos aposentados e pensionistas!Deveriam também pensar na época que fossem se aposentar!Não vimos nenhuma proposats nas reinvindicações deles e agora querem tirar dos velhinhos?

Anônimo disse...

Nossos representantes devem insistir para que a maior parte da Reserva Especial seja destinada aos participantes. O total acumulado 2004/2006 não foi totalmente utilizado na distribuição anterior e está acumulado. Por esta razão temos direito à maior parte.

Site da Previ
Processo de aprovação

"Em anos anteriores em que foram utilizados recursos do superávit, os acordos firmados não distribuíram todas as reservas. O princípio da prudência sempre prevaleceu visando garantir aos participantes o pagamento de seus benefícios no longo prazo."

Anônimo disse...

ALELUIA, ALELUIA, A PREVI SE PRONUNCIOU OFICIALMENTE. ALELUIA.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Atenção!

O funcionário que publicou a “notícia oficial” no site da PREVI corre risco de ser demitido. Ele violou a regra de somente informar abobrinhas. Leiam enquanto não retiram do ar – “Negociações em curso”.

Anônimo disse...

Alô departamento jurídico da AAPPREVI:

Ação jurídica já para 360/360 com devolução das contribuições pagas a mais!!! Se não for concedido nesta utilização do superávit não devemos perder tempo.

Anônimo disse...

Neste blog só se escreve, se escreve até bonito. Choradeira atrás de choradeira.

Ação efetiva. Nenhuma.

Quando vamos agir?

Que decisão tomar? Vamos esperar mais ainda?

Vamos consultar um jurídico?

Vamos...

Gente vou parar por aqui.

Já cansei dessa situação e não quero magoar ninguém de boa vontadade e que as vezes estão dando tudo de si para resolver essa pendenga.

Não vou dizer que estão certos ou errados, temerosos, com cuidados excessivos, que são decisões dificeis ou não, ou não querem frustrar a esperança de milhares de colegas que esperam muito de nossas associações.

Sabemos que muitas, sua maioria, são inoperantes, subservientes, com as quais não podemos contar.

Resta-nos a AAPPREVI, nossa última esperança, entretanto devido ao longo tempo que nós estamos expostos a discussões infrutíferas, estressados e, quem sabe, com o moral bem baixo, desiludidos com a política do PT, pois, não posso dizer do Banco, visto que as decisões são emanadas do governante de plantão e considerando que essa política adotada não respeita o estado de direito, atropela as leis em busca de objetivos pautados em operações ilegais.

Então so nos cabe solicitar maior agilidade possível, por parte da AAPPREVI, na implementação de medidas que julguem capazes de reverter essa situação em que nos encontramos, pois, a nossa demora fortalece o inimigo devido a falta de resistência e o servilismo da maioria dos que dizem nossos representantes.

Que Deus ilumine as tomadas de decisões da AAPPREVI, para que possamos restabelecer o estado de direito, não observado pelo PT, o qual vem demonstrando suas intenções há muito tempo e, ainda, nos falta ações efetivas para fazer frente a essas incursões equivocadas.

Não podemos esperar mais. Boa sorte.

Essa mensagem não carece de resposta, o que esta escrito é o estado de ânimo do momento, pois, a espera é angustiante.

Anônimo disse...

Prezados Colegas,

É sabido que os pedevistas 1995/1997 não receberam a reserva matemática integral.

É sabido também que com a descoberta da Fraude do Decreto 81.240/78 todos foram prejudicados.

Direito é Direito. Esse negócio de ficar dizendo que o pedevistas saiu do banco por isso ou por aquilo não tem nada a ver.

O dinheiro existe e os pedevistas também são donos dele.

Vamos dividir direitinho, respeitando o direito de cada um, honestamente e sem ganância.

Sem agressões verbais também e com e elegância.

Júlio Barros
PDV-1995

Anônimo disse...

O BB devia se envergonhar de ver publicada, em toda imprensa, a noticia de que o resultado alcançado está diretamente ligado aos ganhos atuariais contabilizados, referente ao Fundo de Pensão da Previ.
Que Banco é esse que não consegue gerar resultados com a sua atividade principal, e que precisa "sugar" a Previ.
Age como um parasita, de olho no "sangue" da Previ.

Anônimo disse...

Está em cartaz nos cinemas:

R.E.D. - Aposentados e Perigosos

O longa conta a história dos ex-agentes da CIA, Frank (Bruce Willis), Joe (Morgan Freeman), Marvin (John Malkovich) e Victoria (Helen Mirren) que costumavam ser os melhores da agência. Porém, os segredos que eles guardam apenas serviram para torná-los os maiores alvos da CIA. Agora que estão sendo acusados de assassinato, eles devem usar toda sua experiência para se manterem-se vivos e sempre um passo à frente da nova geração de agentes.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=SVrilvXBSJs

Alguma semelhança com a guerra dos "Cabeças Brancas"?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Nota do Departamento Jurídico:

A AAPPREVI patrocina a Ação Judicial Renda Certa para seus associados enquadrados nos parâmetros pertinentes:

REQUISITOS PARA PARTICIPAR NESSA AÇÃO

1. Ser participante (aposentado ou pensionista) que tenha efetivado em favor da PREVI mais de 360 contribuições contadas da data da adesão até dezembro de 2006 e que nada tenha recebido da verba P371. Quem recebeu valores inferiores ao legalmente devido também pode ingressar em juízo para receber a diferença. Em qualquer das hipóteses, não é preciso que as contribuições tenham sido efetuadas na ativa.

O primeiro lote foi ajuizado em 01/01/2010, sob o n° 0185131-94.2010.8.19.0001, disponível no portal do TJRJ para visualização através do Site www.aapprevi.combr – Assessoria Jurídica.
O Segundo lote será ajuizado amanhã, 18/11, juntamente com a Cesta Alimentação, também em seu 2° lote. Até o final do mês ajuizaremos as ações RMI – Renda Mensal Inicial e IR-1/3 PREVI, ambas no 1° lote.
Para todas as quatro ações continuamos recebendo documentos de ingresso, sem prazo definido para ajuizamento. As informações detalhadas podem ser extraídas no Site, como indicado acima.
Pelo conjunto, ou por quantas ações interessar, o associado somente paga a mensalidade devida à AAPPREVI (R$ 10,00). Todas as despesas judiciais são de responsabilidade da Associação (Custas, honorários advocatícios, etc.). Não há cobrança de comissões, assim como a associação não cobra nenhuma participação financeira nos resultados positivos alcançados pelos associados participantes.

Atenciosamente,

Marcos Cordeiro de Andrade
Presidente da AAPPREVI

Rubem Tiné disse...

Também acho que a resolução 26 é imoral, ilegal e engorda (o BB), mas, fazer o que? Querer continuar a pendenga na justiça de Gilmar Mendes? Bem, vocês escolhem, ou levam a metade agora, em vida, e brigam pela outra metade (não vão receber nunca, não com a nossa "injustiça", e conseguem bloquer tudo (não acredito, é tanto que o banco já vem contabilizando sua parte no superávit e ninguém, nem a AAPPrevi conseguiu impedir) e continuar o dinheiro bloqueado e quando o último dos moicanos (provavelmente uma pensionista) morrer o dinheiro vai ficar para a união. É a mesma história do corno que pegou a mulher com o urso no sofá da sala, e por vingança, jogou-o fora. É triste mais é a verdade. oU 50 agora ou nada depois.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Está explicado!

Caros Amigos

Solicitamos desconsiderar mensagem "SPAM" intulada 'OLÁ, TUDO BEM", indevida e
maldosdamente postada no Grupo e liberada por engano.
Pedimos desculpas a todos e reiteramos que não temos qualquer interesse comercial,
sendo nosso Grupo totalmente voluntário e dedicado exclusivamente a assuntos
ligados ao conglomerado Banco do Brasil.

Cordialmente
Grupo Acorda-BB

Anônimo disse...

Cara Colega Wania Carrara,


O ex-Ministro Márcio Thomaz Bastos, em matéria de competência, é imbatível, só que ele é o eterno Conselheiro do Governo.
Foi ele que arquitetou toda aquela peça teatral, de defesa, no caso do Mensalão.
Dizem que em várias oportunidades,em reuniões noturnas, no Planalto, o Lula queria jogar a toalha e renunciar, e ele não permitiu, segurou a barra e acalmou os envolvidos. Afinal de contas, eram quarenta meliantes
e foi um trabalho insano, fazer um astuto roteiro,um intrincado quebra-cabeças, enganar e ludibriar a CPI, durante todo o tempo, mas ele conseguiu.
Na época era Ministro da Justiça, e que qualidade de JUSTIÇA fazia, com a Polícia Federal, a sua mercê, nada andava contra o Lula e seus quarenta ladrões, tanto que o Presidente, que não viu nada e não sabia de nada, sequer foi indiciado, pelo STF e Procuradoria Geral da República.
Depois que deixou o Ministério o seu trânsito no Governo continuou livre, mantendo consultorias pessoais ao Lula. Para variar ele fatalmente será o mentor intelectual da Dilma. Nem é preciso dizer, que nunca atacará a validade da Resolução 26/2008.
Ao ensejo, observo que temos muitos colegas que concordam apenas com o reajuste de 20% oferecido, capitulando facilmente.
É óbvio que existem olheiros monitorando o blog, e este tipo de manifestação nos enfraquece.
Neste momento, precisamos ter muito cuidado ao expor as nossas idéias. Vamos colocar o "bode na sala", pedindo sempre mais, para ganhar alguma coisa que se aproxime das nossas verdadeiras pretensões.

João Rossi Neto.

Anônimo disse...

COITADOS DE NOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS> do BB: VEJAM ESSA:
Bancos patrocinam encontro de juízes
Caixa e BB deram R$ 380 mil para evento em hotel de luxo na Bahia
São Paulo –
QUERO O MEU SUPERAVITE!!!!!!!!!!!!!
CASO DE POLICIA!!!!!!!!

ricardo o.c.de albuquerque disse...

Marcos, Rossi e demais colegas.
À medida que lemos este blog a minha revolta vai se acentuando. O esclarecimento do Gilvan de hoje é de rachar. Minha posse no bb foi em 1963, 4 anos após passei a contribuir para a o que é hoje o PB1. Assim sendo paguei a PREVI até a suspensão das contribuições. Por ter me aposentado com 27 anos de banco, em plena era color, com as confusões do momento e só fiz isso por causa das trapalhadas daqueles safados. Não era minha intenção. Pois bem, não vi um tostão furado de superavit, depois de 44 anos de pagamentos ao fundo. Agora o banco isenta o pessoal da ativa deste pagamento. É o fim. Mas lá vão duas sugestões ao Marcos e a Isa. Só aceitar qualquer negociação com o restabecimento dessas conribuições dos ativos até 360 meses. Os que já ultrapassaram este marco que recebem a devolução mesmo que sejam parcelados nos tais 6 anos. E, também, quero renovar uma sugestão aqui exposada dias atrás. Vamos abandonar a mesa de negociaçao. Agora que o balanço virtual está virando real, quero ver a atitude odo bb.Atenciosamente ricardo o.c.de albuquerque

Anônimo disse...

Somos mesmo uns "cabeças brancas" otários?
A patrocinadora rouba-nos metade do nosso superavit, baseando numa resolução da CGPC e nós não entramos com uma ADIN, porque nossas entidades que dizem nos representar não podem entrar, por força de LEI !
Se nossas entidades representativas não podem ingressar com tal ADIN, não haverá outras que podem nos representar ??

realmente, o "X" da questão é a resolução 26 versus a Lei Complementar nº 109 e nossos Estatutos...
Penso que ao ingressar com tal ADIN, a Diretoria do BB já mudará suas atitudes prepotentes...

Anônimo disse...

DEpois da viagem patrocinada pelo BB e CEF voces acham que juizes darão causa ganha a nós de cabeças brancas?
Duvido!
Quero o que é meu nada mais.

Sérgio Figueiredo disse...

Caros colegas,

Depois de ler vários comentários no blog, deixando clara a intenção de aceitar o que o BB nos "OFERTOU", rapidamente me veio à memória algumas questões:

1. O "MUITO OBRIGADO" que estamos dando ao BB por ser tão "caridoso" conosco, vai totalmente de encontro com os objetivos da nossa batalha diária, exposta aqui no blog, há mais de 1 ano;

2. Se era para aceitarmos as migalhas ofertadas pelo BB/ANABB/PREVI, qual o motivo, então, da criação deste blog e da AAPPREVI?

3. Aceitando esse "CALA A BOCA" do BB, sem a devida resistência, não estaríamos sendo desleais e infiéis com o Marcos, com o Gilvan, com o Ari, com a Sra. Rosalina, com os outros membros da diretoria da AAPPREVI e com todos os colaboradores do blog, que abraçaram a nossa causa, sem qualquer tipo de remuneração, muitas vezes abrindo mão até do convívio com suas famílias?

Creio que devemos resistir e pressionar nossos representantes nestas reuniões armadas, a mudarem de postura, e fazer impor a nossa vontade. Temos a ilegalidade da Resolução 26 na manga e saibamos usá-la, quando necessário. Estamos jogando o jogo com o baralho do BB, no qual, todas as cartas já estão marcadas e, isto, não podemos permitir!

Não abandonemos esta batalha!!!

Um grande abraço à todos!!!

Anônimo disse...

GILVAN, excelente seu texto, verdadeiramente diz tudo.

Embora a revolta por tudo que estamos passando, nos leva a pensar em ações radicais(de não levo nada, mais o BB também não)não me parece ser a atitude mais inteligente, sempre dinheiro na mão agora é melhor, não sabemos o que poderá acontecer amanhã, devemos nos controlar e acompanharmos as negociações, pressionando com mensagens e emails aos nossos representantes para que consigam uma distribuição do superávit de maneira mais justa, não só beneficiando os que já receberam valores altos da última vez, mais conseguir que um números maior de propostas venham à ser aceitas pelo BB.

Não adianta nossa íra pela postura arrogante do BB (ou por quem o representa) ele tem respaldo para isso, precisaríamos nos organizar muito bem, para mostrar força, coragem e inteligência e paralizarmos essa verdadeira sangria que o BB (governo) faz com o dinheiro da Previ(aposentados/pensionistas do PB1) e servirmos de exemplo para os funcionários mais jovens do BB, para que não venha aconter no futuro a mesma coisa com eles.

Estamos esperando a muito tempo, todos querem receber sua parte do superávit agora, é mais sábio receber
o máximo possível agora e nos prepararmos para as novas lutas que virão, nunca estivemos tão conscientes
dos nossos direitos e das normas e dos estatutos que regem à Previ, o último superávit gerou o renda certa e passou batido ninguém reclamou, estamos mais unidos e atentos agora e este blog do Marcos tem sido nosso orientador, esclarecedor e tem nos apresentado um caminho a seguir, vamos continuar nos fortalecendo e cada vez mais envolvidos e participantes nos assuntos referentes à Previ.

Anônimo disse...

O CESPE/Unb lançou edital de concurso para a PREVIC. São 100 vagas com salários de até R$ 10.019,20. Uma das exigências nos conhecimentos específicos: ser conhecedor da Lei Complementar nº 109/2001

Anônimo disse...

Superávit do Plano 1: negociações em curso

As negociações para utilização do superávit do Plano 1 estão sendo realizadas entre o Banco do Brasil, as entidades representativas do funcionalismo da ativa e aposentados e a Diretoria da PREVI, esta representada por seus diretores eleitos, José Ricardo Sasseron, Paulo Assunção e Vitor Paulo Camargo Gonçalves.

A mais recente reunião aconteceu em 11 de novembro, em Brasília. Embora tenha havido evolução na negociação, ainda não há acordo entre as partes. Os principais pontos em discussão são:

Pagamento de valor correspondente a 20% dos benefícios por um período de até seis anos, sem caráter permanente e sem a garantia de patamar mínimo – o percentual seria pago mensalmente a aposentados e pensionistas e, para os associados da ativa, os valores seriam mensalmente contabilizados em conta apartada e pagos quando estes se aposentarem.
Continuidade da suspensão de contribuições por três anos.
Incorporação dos benefícios especiais de remuneração e proporcionalidade decorrentes do acordo de 2007 como benefícios permanentes do plano.
Fim do voto de minerva no Conselho Deliberativo.
Instituição de benefício de 360/360 do salário real de benefício para todos os associados, independentemente do tempo de contribuição à PREVI na ativa.
Utilização pelo BB de metade da reserva especial do Plano 1.
As discussões haviam sido suspensas em 2008, em função da crise econômica mundial e da edição da Resolução CGPC 26 que definiu novas regras para apuração e destinação de superávits dos fundos de pensão.

No final de setembro deste ano, os debates foram retomados e espera-se que brevemente seja possível chegar a uma solução consensual entre as partes, com benefícios imediatos para os participantes, e sem afetar a segurança e a perenidade do Plano 1.

A PREVI permanecerá acompanhando a evolução das negociações entre o Banco do Brasil e as entidades representativas e manterá os participantes informados sobre as decisões que venham a ser tomadas.


Fonte:http://www.previ.com.br/

Anônimo disse...

Anônimo das 04:57:

O encontro de juizes trabalhistas na Costa do Suípe, patrocinado pelo BB e CEF, já é coisa antiga. No ano passado também houve esse "encontro".

Vejam essa matéria publicada na UOL, faz uns dois anos aproximadamente, sobre um encontro no resort cinco estrelas na Praia do Forte(BA), patrocinado desta vez pela FEBRABAN:

"Um grupo formado por 42 juízes do trabalho e ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho) teve passagens, hospedagem e refeições pagas pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para participar de um congresso promovido pela entidade em um resort cinco estrelas na Praia do Forte (BA), durante o feriado prolongado de 21 de abril.

É o 16º ano que o evento é realizado no país, com o objetivo de discutir temas relacionados a questões trabalhistas, segundo a federação dos bancos.

A maior parte dos dez ministros do TST que estiveram no congresso, dos presidentes ou representantes de TRTs (Tribunais Regionais do Trabalho) de várias regiões do país, entre eles o de São Paulo, e dos juízes que participaram do evento foram acompanhados por suas mulheres ou maridos, a exemplo de anos anteriores.

A diária de um apartamento standard para um casal no Tivoli Ecoresort Praia do Forte, onde ocorreu o evento deste ano, custa R$ 798, disseram funcionários do hotel. Cerca de 200 dos 293 apartamentos do hotel foram reservados para o "16º Ciclo de Estudos de Direito do Trabalho" da Febraban. Nesse caso, a diária pode ser reduzida para cerca de R$ 600, segundo a Folha apurou.

O evento não é aberto ao público e envolveu outras 62 pessoas, entre advogados, professores e juristas, além dos 42 magistrados. Com os acompanhantes, o número total de pessoas no evento foi de 170.

Juízes que já estiveram no congresso em anos anteriores relataram à Folha que os debates são feitos na parte da manhã e que as tardes são livres.

"Convidamos os juízes para...."

O que acham?

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Mensagens recebidas fora do blob, mas merecedoras de divulgação, para conhecimento de todos:
Senhor Presidente.
Repasso para essa Entidade, conforme sugestão do colega Násser (uma paranaense de cepa especial!), teor da sugestão/resposta por mim encaminhada a unap-bb.org.br

Jorge Nery/.
________________________________________
Mensagem original
De: N A S S E R < nasserdabahia@uol.com.br >
Para: 'Jorge Nery' < nery.almeida@uol.com.br >
Assunto: RES: Fale conosco - Superávit
Enviada: 17/11/2010 11:44
Parabens, caro Jorjão, pela iniciativa, pelos comentários e pela resposta que acabou provocando.
Infelizmente acho que os assuntos tratados nos grupos de discussão morrem muito cedo, não são levados adiante por quem de direito (associações sérias, federação, etc.), embora a AAPREVI – de Curitiba – tenha nos últimos tempos demonstrado o contrário.
Que tal se vc encaminhar-lhes tanto a sua inicial quanto a resposta, sugerindo que dêem andamento uma vez que sua postura (lá deles – da AAPREVI) tem-se mostrado distante do lugar-comum das demais, bem como da Federação ?
Unindo nossas forças talvez a gente avance.
Um forte
@braço.
N A S S E R
Repasso, para conhecimento.

Assunto: Fale conosco - Superávit
Enviada: 17/11/2010 10:00
Prezado Jorge,
A encrenca do BB com o Morgan Stanley, esmiucada, abaixo, por nosso nobre colega Dr. Medeiros, ex-diretor da Previ de larga experiencia forense, em ponderado artigo e parecer, que pode cair como uma bomba no colo de "nossos" negociadores, cuidadosamente selecionados? e cevados? pelo Banco, que tem, assim, menos pretextos para amolecer e instrumento bastante poderoso e adequado para endurecer ao maximo, se forem serios e desejarem, a negociacao sobre nossos direitos previdenciarios.
Ali, como sabemos, junto a comunidade financeira internacional, tremem os joelhos dos banqueiros, principalmente dos safados (refiro-me aos joelhos). A coisa eh seria e o Banco nao poderah desprezar ou tentar fazer com o Morgan Stanley o que costuma fazer-nos com os seus aposentados tosquiados.
Sobretudo, nao podemos nos esquecer de que o Banco apenas aguarda nosso "sim", para que, "em atencao ao clamor da comunidade", as acoes que travam a ilegal apropriacao sejam retiradas e ele possa, alem de criar o inedito e perigoso precedente de um patrocinador se apropriar de superavit, principalmente, escapar da marreta do descredito mundial, de ser a mulher do padre ou de coisa pior (se eh que existe).

Continua...

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Continuação – Parte II - Final

Veja o que diz o Dr. Medeiros, :
"O temor do BB não é só com o Morgan Stanley, que analisa as demonstrações financeiras com vista ao mercado de capitais e influi nas cotações das ações, mas principalmente com a SEC (1), organismo importantíssimo a serviço da Bolsa de Nova York, que fiscaliza as empresas que operam lá, como é o caso da VALE e do Banco do Brasil. A certificação da SEC é essencial para a credibilidade contábil e suas observações obrigam muitas vezes as empresas sob seu controle a revisar balanços, efetuar correções e estornar valores."
Concordo com sua tese de recorrermos a orgaos internacionais e essa alternativa jah foi sugerida em nosso forum de discussoes. Infelizmente, nenhuma associacao se dispoe a isso.
Essa engenharia contabil vem sendo preparada ha bastante tempo, com a colaboracao do Governo de plantao e seus prepostos no BB, na Previ, na Contraf-Cut e em algumas de nossas associacoes/federacao, mas, desta vez, o Banco deu um passo intempestivo e ilegal, que poderia ser um excelente argumento para negociadores serios endurecerem as negociacoes ateh dezembro.
Pela oportunidade de suas ponderacoes, estou encaminhando para nosso forum de colaboradores do Movimento de Uniao (2), onde o assunto eh largamente discutido.
Ao ensejo, esclareco que, devido a enorme amplitude de nossos assuntos corporativos, o "Fale conosco" se refere apenas a assuntos do Movimento de Uniao" e sua (ambigua) redacao serah corrigida tao logo possivel.
Abraco do g.

De: nery.almeida@uol.com.br
Assunto: Superávit
Para: faleconosco@unap-bb.org
Data: Terça-feira, 16 de Novembro de 2010, 22:50


Nome: Jorge Luiz Nery Almeida
Email: nery.almeida@uol.com.br
Cidade e Estado: Salvador (BA)

Comentário: quando surgiram aquelas notícias sobre a nota de um órgão internacional de classificação de risco (não lembro o nome) e da CE da bolsa de valores de Nova York (o que será a CE?) questionando sobre a validade da contabilização do superávit no balanço do BB o jogo mudou de figura.De repente, começaram as "negociações" para que a distribuição do superávit contemple, também, os beneficiários da PREVI, uma vez que o BB já se apropriou, contabilmente, do valor que julga lhe pertencer.

Por isso, eu tenho uma tese que é a seguinte: não seria o caso de nossas associações municiarem esses órgãos internacionais de informações detalhadas sobre o superávit? Mostrar que uma Lei foi alterada por uma mera resolução para beneficiar o BB?

Segundo informações divulgadas sobre o Panamericano, o principal motivo dos problemas apresentados foram as inconsistência nos balanços (carteiras de crédito vendidas a outras instituições continuavam registradas nos livros do banco)que provocaram um "simples" rombo de APENAS R$2,5 bi. O que dizer então sobre a contabilização no balanço do BB do "monstuoso" valor do Superávit?

Alguém me explique, pelo amor de Deus, como é possível essa engenharia contábil que permite contabilizar, recolher IR, pagar dividendos, PLR, bonificações de altos funcionários etc sobre um valor que:

a) não foi pago pela PREVI;
b) está sendo questionado na Justiça;
c) portanto, nunca entrou no cofre do BB?

Jorge Nery / Salvador (BA)

bigsaranha disse...

ALÔ ANÔNIMO DAS 2.23

Caso persista a imoralidade dos 20% do pessoal da ativa,eles vão receber é em TRIPLO. Vejamos: Recebem o PLR(que sempre vão receber, porque é lei); recebem 0s 20; e incorporam o PLR(verba salarial) no salário de contribuição, o que dá mais 25% no beneficio de aposentadoria. E, fechando o ciclo trágico, 0s 20% e o PLR estão sendo pagos com o nosso Superavit.

Anônimo disse...

NEGOCIAÇÕES DO SUPERÁVIT.

A próxima reunião será marcada, pelo visto, para a outra semana.

O BB/PREVI, juntamente, com alguns negociadores "infiltrados" estão conseguindo levar a briga para final de novembro e só assim bater o martelo nos VINTÃO sem retroatividade.

Nessas horas se arruma desculpa para tudo. A última, DESGRAÇADA e infeliz negativa atribuiram às agendas incompatíveis com a do banqueiro.

Tudo com o único intento de enrolar, adiar, pertubar nossas ansiedades e castigar cada vez mais nossos direitos.

É como dizem no blog.....uma cambada de calhordas.

A FARSA JÁ VEIO MONTADA DESDE SETEMBRO E O QUE TODOS JÁ SABEM É QUE O BB VAI LEVAR O DELE A FERRO E A FOGO.

E QUE DANE-SE QUEM NÃO GOSTAR.

ADIN NELES É O MELHOR REMÉDIO PARA O PROBLEMA.

BANDO DE ALOPRADOS, ENGANADORES E OPORTUNISTAS


ALBERTO

Anônimo disse...

Essa conversa de apropriar 20% para os funcionários ...
Não há dúvida de que os 'negociadores' estão legislando em causa própria...
Vocês acham MESMO que eles estão preocupados como os funcionários, sejam da ativa ou aposentados? Estão é guardando pra eles mesmos! Esse PT é uma praga sem precedente na "istória desse país".

paraguassú disse...

sem mais delongas e ameaças infrutíferas. ADIN, IMPRENSA e DENÚNCIAS neles.

Anônimo disse...

Colegas,

O bb está sendo perverso, falso, vilão, calhorda, com os idosos aposentados naquela instituição.
Denunciem aos órgãos internacionais, SEC, Basiléia, essas entidades que examinam riscos, das instituições financeiras estrangeiras, por tentativa de fraude contábil.
Os dirigentes do bb amparados em uma resolução sabidamente, ao que parece a juristas, ilegal, pois se contrapõe a uma Lei Complementar/109, estão a desafiar o mercado bancário mundial.
Parem com as negociações, não se submetam a plebiscito para referendar esta inescrupulosa ação do bb.
Resistam ao achaque pela posse de METADE do superavite.
Caso entreguem agora, estarão concordando que o bb se intitule dono da metade do patrimonio da Previ.
Eles estão corrompendo o pessoal da ativa, acenando com valores a serem pagos futuramente com base no superavit.
O bb precisa dos votos em massa, dos da ativa para aprovar suas manobras sem escrúpulo e assim dar ares de legalidade ao escabroso feito contábil usado até agora.

Anônimo disse...

Se os funcionários da ativa sabem que, segundo denúncias, o BB vem se utilizando do superavit da Previ para pagar-lhes a Participação nos Lucros (PL), estão conscientes, então, de que, em futuro bem próximo, irão enfrentar as mesmas humilhações que hoje enfrentam aposentados e pensionistas. Outra coisa: se está sabendo, também, dessa irregularidade, os sindicatos dos bancarios do BB podem até perder sua credibilidade e desaparecerem. E, em sua substituição, as associações rerpesentativas.

Anônimo disse...

Agora caiu a ficha. A PREVI não se chama Caixa de Previdência dos Funcionários Aposentados do Banco do Brasil. Logo, pertecendo aos Funcionários do Banco do Brasil, exclui de pronto a presença e o peso dos assistidos (aposentados e pensionistas, representados apenas pela frágil FAAB e mais duas convidadas regionais) e fortalece a presença e o peso dos participantes (aqueles 33.000 ainda na ativa e muito bem representados pela poderosa ANABB, a CONTRAF-CUT mais o Conselho Deliberativo da PREVI). Chega a ser covardia. Agora não está claro se os 20% oferecidos pelo BB incidiriam sobre os benefícios individuais de cada aposentado ou à reserva matemática individual de cada um de nós - situação na qual seria válida a participação dos ativos na distribuição. Seria possível prezado Marcos que a Srª Isa Musa soubesse ou conseguisse esclarecer este ponto crucial da negociação?
atenciosamente

Anônimo disse...

Colegas,
Tendo em vista uma postagem de hoje, 17.11, sobre congresso de juízes do trabalho em Sauípe. Não vou contar nada, vejam em loco, entrem em TST, consultem o processo 200634000359670, estacionado desde agosto/09, num gabinete de um ministro e depois olhem um quadro com a data do início da ação. Ganha um doce quem adivinhar o motivo do processo: ah,ah, ah. anonimo

Anônimo disse...

Desculpe Marcos, queira ignorar a informação que pedi a pouco sobre a incidência dos 20% ofertados. Nas notas distribuídas e no site da Previ informa com clareza que é sobre os benefícios e não sobre a reserva matemática.

LUIZ FERNANDO disse...

o pessoal da ativa, pensam só no HOJE.São gerentes humilhando funcionários, fazendo trabalhar fora do ponto,e "na hora de demanda trabalhista contra o bb eles "elegem" um colega para defender o BANCO e ESSES mesmos gerentes no outro dia, qdo se aposentam ,são os primeiros a colocar o BANCO NA JUSTIÇA COM A MAIOR CARA DE PAU

Anônimo disse...

É verdade que a Previ contratou os serviços do Morgan Stanley depois que ele apontou as irregularidades do BB? Caso positivo, coloca sob supeição a atuação dessa organização. Outra coisa, se o BB estivesse na berlinda como diz o "mago" da bola de cristal ele agiria da maneira que está agindo? Oferecer essa ninharia na "negociação" e sem ser retroativo? Nossos negociadores estão iguais aos jogadores do time do Mano. Por causa do patrocínio pensaram que estavam jogando no Corinthias contra o Cruzeiro ajudados pelo apito e caíram do cavalo. Argentina 1 a 0. È nóis na fita!!!!!

Anônimo disse...

Colegas, a alguns dias enviei e-mail a alguns senadores, comentando o nosso caso e denunciado o abuso da Resolução 26.
Não obtive a mínima resposta. Ninguém deu retorno.
Por isso e por outras razões não tenho esperanças de que algum órgão externo vai nos ajudar.

Luis Eustáquio de Castro - Araxá-MG

Anônimo disse...

SOU A FAVOR DE ATIRAR NO VENTILADOR,AS DESGOVERNANÇAS DO BANCO DO BRASIL. TAMBEM ESTAREMOS PREPARADOS PARA A ENXURRADA DE NOTICIAS SOBRE A PREVI( PATRIMONIO QUE DARIA r$ 1.000.000,00 PARA CADA ASSOCIADO SE DISSOLVIDO) AS AÇÕES DO BANCO DESPENCAREM. LEMBRO DO COLLOR, SOBRE OS MARAJAS.... INFELIZMENTE .TEM OS DOIS LADOS...

Jorge Teixeira - Araruama (RJ) disse...

Colega Marcos Cordeiro,
O que todos nós, principalmente os aposentados e as pensionistas, vimos solicitando já há quase três anos era que o patrocinador reabrisse as negociações sobre a distribuição da reserva especial. Os pleitos se tornavam ainda mais insistentes e calorosos logo após o mês de junho, quando da divulgação dos ridículos percentuais que corrigiram os nossos benefícios nesses últimos anos. De triste lembrança as correções havidas em 2010, 2009 e 2008 e a pujança dos superávits da nossa Caixa em 2009 (44,2 bilhões) e 2008 (26,3 bilhões). Pelo que se pode inferir em função do desempenho da Bovespa é que teremos também em 2010 números bastante interessantes. Este breve retrospecto foi apenas para refrescar a memória daqueles que, como eu, pediram por longo tempo a reabertura imediata de negociações com o patrocinador. Sempre tive presente que qualquer valor só seria liberado para os aposentados, as pensionistas e os colegas da ativa se fossem observadas as instruções dessa malfadada resolução 26 do CGPC. Estou plenamente consciente de que o patrocinador jamais irá abrir mão dessa prerrogativa, seja ela legal ou não, sem que haja uma decisão judicial definitiva a respeito. Não tenho formação superior em direito mas, pelo que se depreende da leitura de diversos comentários em posts e matérias isoladas, essa resolução é uma aberração. Concordo plenamente que se remeta a matéria para decisão definitiva da justiça. Mas, antes de qualquer iniciativa da espécie, quero sim receber o meu quinhão desse superávit, se possível ainda em 2010. Como os recursos, ao que parece, serão utilizados durante seis anos, imagino que poderá haver tempo para que a justiça se manifeste antes da próxima distribuição da reserva especial. Um pequeno e sutil detalhe: por mais otimistas que possamos ser S.D.S. se ainda estaremos vivos daqui a seis anos.

Anônimo disse...

Será que alguns milionários que já foram agraciados pela MONSTRUOSIDADE chamada de "Renda Certa", ainda vão receber os 20% propostos?????

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Sr. Presidente,


Gostaría de sugerir nas negociações do superávit previ a possibilidade quan
do da conversão em espécie de licença prêmio, abonos e folgas que os valores
res passem a fazer parte no salário de participação, elevando o teto do mesmo

Thompson
Ribeirão Preto SP

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Mensagem do Colega Pedro Paim:

Prezados colegas,

O objetivo central do BB é se apropriar de parte da reserva especial e a maioria de nossos "negociadores" começa admitindo esse suposto "direito" do Banco.
Caso a incorporação do benefício especial de remuneração seja feita nos moldes já existentes (de 2007) estaremos diante de uma das maiores ilegalidades e imoralidades na distribuição da reserva especial, pois vão continuar excluídos do beneficio o posto efetivo, o caixa, as baixas comissões e quem se aposentou antes de dezembro/1997 - isto é, a maioria dos participantes do Plano 1!!!
Sugiro que todas as nossas associações instruam seus filiados que forem excluídos do benefício especial de remuneração (ou recebam valores irrisórios) a entrarem na justiça buscando benefício equivalente.
Também devem recorrer à justiça quem estava aposentado em 1995 e/ou 1996 reivindicando a correção nos benefícios pagos naqueles anos.
Discutir "voto de minerva" nas negociações da reserva especial é colocar o bode na sala - inutilidade, demagogia e má fé!!

Cordialmente,

Paim

Anônimo disse...

Marcos, definitivamente somos uma classe "em extinção", senão vejamos:
-enquanto ficamos se digladiando intelectualmente neste blog e filosofando nas nuvens - à espera do que é nosso - o pessoal da ativa realiza concretamente novas conquistas: o tão sonhado plano odontológico(vide site SEEB São Paulo: www.spbancarios.com.br)onde hoje(17) relata mais esse ganho. Pessoal, vamos à luta!
João Batista

Anônimo disse...

Colegas,


O Banco e a PREVI sabem como funcionará a aprovação das propostas da distribuição do superávit. Os funcionários da ativa estão contentes com a grana que entrou de PLR e contarão com 20% de reajuste em suas aposentadorias futuras. Eles, DA ATIVA VOTAM NO SISBB e aprovarão qualquer proposta que for a votação.

Por outro lado o BB e a PREVI SABEM QUE A PARTICIPAÇÃO DOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS E PEQUENA EM VOTAÇÕES REALIZADAS PELO TELEFONE 0800, É SÓ LEMBRAR OS NÚMEROS QUANDO DA ELEIÇÃO PREVI; PORTANTO QUEM DECIDIRÁ SE ACEITA OU NÃO AS PROPOSTAS APRESENTADAS SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DO SUPERÁVIT, SERÁ O PESSOAL DA ATIVA, QUE VERÁ DA MANHÃ A NOITE NA TELA DE SEUS COMPUTADORES A CONVOCAÇÃO PARA VOTAREM.

Anônimo disse...

Colega Paim,

A PTzada que tomou conta do queijo (ratos) e que por ser do PARTIDO CHEGARAM A CARGOS, QUE PELO CRITÉRIO DE COMPETÊNCIA JAMAIS CHEGARIAM, é que estão legislando em causa própria dentro do BB E PREVI, desde o aumento do teto de 75% para 90%, quanto agora na hora de tornar esta verba de remuneração especial DEFINITIVA.

É na mão desta gangue que aposentados e pensionistas estão reféns.

Anônimo disse...

Por tudo isto que estamos vivenciando,concluimos que o BB, desde a era FHC, tornou-se um carrasco,frio,sanguinário, desumano, covarde.Deveriam ser punidos exemplarmente seus dirigentes.
Não havia nescessidade do BB ter feito aquela atrocidade com seus funcis na época do PDV.Poderia simplesmente ter deixado que os mais velhos fossem aposentando por meio de incentivos e à medida que isso ocorresse, novas contratações poderiam ser feitas. Mas preferiram o caminho da crueldade e demitiram em massa.Se a Previ, hoje, já propõe dar 20% para quem está na ativa,às custas do superávit, então ela poderia ter feito isto naquele tempo, sem demitir ninguém e iria renovar o quadro dos funcionários do mesmo jeito, em pouco tempo e sem PDV.No entanto, optaram pelo sacrifício de milhares de colegas e suas famílias, desnecessariamente.Acho um absurdo, hoje o funcionário da ativa não contribuir, e ainda com essa proposta indecente,ganhar 20% sobre os proventos que serão recebidos quando se aposentar.É muito difícil engulir sapo tão grande.A Previ está se desviando da sua missão.Apropriando-se de 50% do superávit e ainda quer dar para os aposentados só 20%.Penso que devemos exigir muito mais.Desde 2008, foram três anos com reajustes anuais menores que o INNS.Vergonhoso, massacrante. Daqui a pouco, o BB vai querer a metade da reserva matemática do PB1.São uns grandes caras de pau.Eleitos, reflitam sobre isto.Se os da ativa podem ganhar 20%, os aposentados, necessáriamente têm que receber muito mais.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Eduardo Köhler

Amigos,

Ao contrário do que diz o comentário colocado no post anterior ("Fundo de Pensão ou Subsidiária?), logo a seguir, do colega Bigsaranha (17.11.2010, 8:28h), a PLR não contribui para o cálculo do salário de contribuição à PREVI, pelos funcionários da ativa. Inclusive, a conversão em espécie de dias de férias, licença prêmio, abonos assiduidade, folgas, também não.

Atualmente, somente os valores de 1/3 sobre as férias é que constituem verba para o cálculo do salário de contribuição. Assim sendo, para melhorar o seu futuro benefício, o funcionário deve gozar todos os dias de suas férias.
Eis o comentário:

"Caso persista a imoralidade dos 20% do pessoal da ativa,eles vão receber é em TRIPLO. Vejamos: Recebem o PLR(que sempre vão receber, porque é lei); recebem 0s 20; e incorporam o PLR(verba salarial) no salário de contribuição, o que dá mais 25% no beneficio de aposentadoria. E, fechando o ciclo trágico, 0s 20% e o PLR estão sendo pagos com o nosso Superavit. "

Um abraço a todos,

Eduardo Köhler – Rio de Janeiro

Anônimo disse...

Sr. Marcos,

Em nenhuma distribuição do superavit da Previ fui beneficiado. Espero que desta vez, nesta que está sendo discutida atualmente, tenha sorte e alguma coisa eu receba. Porém, se continuar a não recebver nada, providenciarei meu imediato pedido de desligamento da associação a qual sou filiado há mais de 25 anos.

Anônimo disse...

A exemplo da distribuição do superavit da Previ, ultimo, não recebi um centavo sequer. Em relação à partilha do atual, com discussão em curso, espero ser beneficiado. Caso não seja, providenciarei meu pedido imediato de desligamento da associação, a qual sou filiado há mais de 23 anos.

Anônimo disse...

Justiça condena Plano Cassi a pagar 54,2 mil a idosoNotícia publicada em 19/11/2010 17:36


Haroldo Nunes, de 80 anos, teve que contratar de emergência uma equipe médica para fazer uma revascularização do miocárdio, isso porque a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) alegou que não tinha cirurgiões cardíacos credenciados. A juíza da 14ª Vara Cível da Capital, Tania Paim Caldas de Abreu, condenou a Cassi a indenizar o idoso em R$ 54,2 mil.

Haroldo foi internado no Hospital São Lucas, em 17 de agosto de 2009, com dor toráxica, caracterizando uma angina. Diante da urgência da situação, o autor ingressou com ação, sendo deferida antecipação de tutela para que o réu indicasse médico credenciado para realização da cirurgia. Mesmo intimado, o plano de saúde, descumprindo a ordem judicial, juntou relação de médicos clínicos em cardiologia, com apenas um único cirurgião cardíaco não mais credenciado ao plano.

“A inexistência de credenciados na especialidade reclamada somada à conduta leviana na indicação de profissionais não habilitados, expôs o autor à angustiante expectativa, ensejando a reparação moral pela angústia, aflição e humilhação passadas. No caso dos autos não é mero inadimplemento, mas recusa a cumprir contrato justamente firmado para dar atendimento em situações de risco, afastando o perigo eminente em que se encontra o contratante”, afirmou a magistrada na sentença.

A juíza julgou procedente o pedido do autor e condenou a Cassi a pagar a quantia de R$ 30 mil, a título de indenização por danos morais, e R$ 24,2 mil para reembolso das despesas referentes à cirurgia.

Processo nº 0211418-31.2009.8.19.0001