sábado, 6 de novembro de 2010

Credibilidade não se impõe

Caros Colegas.

Eis porque confio na Presidente da Federação, Colega Isa Musa de Noronha. Está no lugar certo, na hora certa. Se depender de mim, Marcos Cordeiro de Andrade, ela permanecerá à frente da FAABB e, mais que tudo, representando o universo dos aposentados e pensionistas subordinados à PREVI, nas tratativas da distribuição do Superavit em seus momentos decisivos, creio.


Prezado Marcos,

Tomei conhecimento da troca de mensagens sugerindo a devolução da FAABB ao Tollendal. Tollendal é uma das melhores cabeças de BB e Previ e seria excelente se estivesse disposto a ajudar. Mas, não seria com minha renúncia ou renúncia da diretoria da FAABB, muito menos com uma tomada de poder, um golpe.

Nossa Federação tem Estatuto, Regimento e Eleições democráticas. Concorrem à Diretoria e aos Conselhos da Federação apenas os Presidentes ou vices das Associações filiadas, de sorte que para se habilitar a dirigir a FAABB ou mesmo ser um Conselheiro Deliberativo ou Fiscal, tem, necessariamente, de ser dirigente de uma das filiadas.

"Devolver" a FAABB ao Tollendal é uma figura de linguagem usada apenas para tentar agredir a Federação. Acredito que o próprio Tollendal, homem sério, digno, justo e democrata, sequer cogita isso.

Historicamente as negociações com a PREVI são longas, demoradas e exasperantes. A princípio entende-se da necessidade de conciliar as agendas dos principais envolvidos, ou seja, os eleitos da PREVI e os prepostos do Banco, mormente, o Vice-Presidente de Relações Funcionais e Responsabilidade Social e seu Diretor da área. Há que se considerar, também, o tempo necessário para a área técnica da Previ simule todos os cálculos dos benefícios pretendidos.

A nós, representantes do lado de participantes e assistidos, cabe aguardar. Temos feito contatos insistentes com a Diretoria da Previ e do Patrocinador e há notícias de que muito provavelmente nova reunião seja marcada para a próxima semana, de 8 a 12de novembro.

Aqui faço minhas as palavras do colega Faraco quando ele diz: Todos temos manifestado nossas expectativas quanto à atuação de nossos representantes nas negociações para a destinação do superávit, o que demonstra o grande interesse despertado pelo assunto. Todavia, para que não tenhamos falsas expectativas, é fundamental que conheçamos a tramitação imposta pela lei.

Tanto a primeira lei, a 6435/77, como a que a revogou, a Lei Complementar 109/2001, determinam que qualquer alteração no Estatuto da entidade ou no Regulamento do Plano de Benefício só tem validade, ou seja, só produz efeitos jurídicos, a partir da homologação pelo órgão fiscalizador (antes a SPC e agora a PREVIC), que se dá mediante Portaria publicada no D.O.U.

Referidas leis conferem ao Conselho de Gestão da Previdência Complementar (CGPC) o poder de regulamentar a sua aplicação, o que torna obrigatório o seu cumprimento. Assim, o CGCP editou a Resolução nº 26. A normatização não pode alterar a lei, sob pena de nulidade. Entretanto, somente o Poder Judiciário pode decidir a respeito. Acionada, a Justiça ainda não decidiu, encontrando-se sub judice.

Todo o processo para obtenção dessa homologação está disciplinado em normativos elaborados pelo órgão fiscalizador, que estabelecem uma série de exigências a serem atendidas pela Entidade (no caso, a PREVI). Além de respeitar a LC 109/2001, e a Resolução 26, dentre as demais exigências, uma é absolutamente indispensável, qual seja, a manifestação formal de concordância por parte da patrocinadora, sem a qual o órgão sequer inicia a análise do processo.

Aqui entra a questão interpretativa do que fere e o que não fere a lei e sua regulamentação. Todos os envolvidos no processo, desde os assessores da PREVI, os membros do Conselho Deliberativo, a patrocinadora, o órgão a que a patrocinadora está subordinada, no caso a SEST, o Ministério da Fazenda, até a própria PREVIC podem ter seu entendimento a esse respeito.

Fica claro que essa complexidade toda impõe limites à atuação de todos os envolvidos. Se nossos representantes impuserem qualquer condição que não seja aceita pelo patrocinador BB, este não manifesta formalmente sua aprovação. Ainda que o Conselho Deliberativo da PREVI aprove o que for exigido por nossos representantes, o novo Regulamento não poderá sequer ser enviado à PREVIC por falta da concordância formal. Isso tudo está amparado na lei e, portanto, somente uma alteração na Lei Complementar pode mudar. E alteração de Lei Complementar exige quorum específico.

Diante disso, é compreensível que sejam buscadas alternativas que contem com a aprovação de todas as partes envolvidas no processo. E as consultas prévias à PREVIC teem a finalidade de não retardar ainda mais, aprovando alterações que ela venha a entender que não cumprem as exigências, voltando tudo à estaca zero.

Consultada, a PREVIC já definiu que não abre mão do cumprimento integral da Resolução 26. Em minha opinião, nem poderia porque ela está hierarquicamente abaixo do CGPC. Além disso, a resolução foi inspirada pela SPC, antes de sua substituição pela PREVIC.

Assim, se não desejarmos que a destinação do superávit se subordine à Resolução 26, teremos que aguardar a decisão da Justiça, sabe-se lá quando. Antes disso, não existe a menor possibilidade de destinação sem que o Banco fique com 50%.

Exigirmos que nossos representantes obtenham a distribuição já, sem que o Banco receba a parte que a Resolução 26 lhe destina, é absolutamente infundado. Eles terão que optar entre aguardar a decisão da Justiça, que poderá ser favorável ou não aos nossos interesses, ou se resignar com a participação do Banco e defender a forma mais adequada para todos.

Certamente há os que não aceitam qualquer destinação por várias razões, nem agora e nem depois, os que preferem que se aguarde a decisão judicial porque confiam numa decisão favorável a nós pela Justiça, e aqueles que preferem a distribuição de 50% já, seja porque não confiam em decisão judicial que nos favoreça, seja porque acreditam que não terão tempo para aproveitar o que lhes cabe, ou porque suas necessidades não podem aguardar.

Resumindo, qualquer que for a decisão de nossos representantes, serão severamente criticados por uns ou por outros. Essa é a única certeza que podemos ter neste momento.

Quanto a procurar a Presidente eleita, Dra Dilma, não vejo maior dificuldade, apenas não creio que ela tenha interesse em rever o assunto da Resolução 26. Essa Resolução foi assinada pelo Ministro da Previdência, nosso colega José Barroso Pimentel, do PT. Certamente, o maior interessado nos eventuais superávits da Previ é o próprio governo.

Atenciosamente

Isa Musa de Noronha

87 comentários:

Ivan Rezende disse...

Isa Musa, também manifesto total apoio à sua continuidade como nossa representante na negociação em andamento, pela confiança que você faz por merecer. Pode contar com parcela significativa de aposentados aqui de Goiás.

Anônimo disse...

Duas rápidas colocações:

1ª - Muita conversinha paralela visando tirar o foco de nossa luta. É muita imaturidade achar que a Dilma iria nos ajudar.

2ª Será que o Pimentel não fica com consciência pesada de entrar para história como o Joaquim Silvério entrou?

Juarez Barbosa disse...

Prezada Sra. Isa Musa de Noronha
MD Presidente da FAABB

Gostaria de parabenizá-la pela sua brilhante atuação e ora exposição acerca das negociações envolvendo nossos interesses.

É disto que realmente precisamos - TRANSPARÊNCIA - porque na ausência dela, todos nós ficamos profundamente chateados e desnorteados. Julgo ser um dever primordial de todo representante nosso.

Dividir conosco os óbices que atravancam a solução final desta infindável negociação, creio eu, s.m.j., só contribuirá favoravelmente na busca por soluções a este conflito de interesses.

Aqui neste espaço existem pessoas de competência, cultura e ética imensuráveis, prontas a lhe ajudar no que for possível, tenha a senhora a máxima certeza disto.

Com relação à sua nota, gostaria que numa ocaião próxima futura, a senhora discernisse mais sobre o porquê que "historicamente as negociações com a PREVI são longas, demoradas e exasperantes"?

Diz o ditado que "o tempo é o senhor da razão". Então, passadas tantas negociações, tantas experiências na arte de se negociar com a PREVI, porque é que ainda não encontramos os caminhos mais curtos, com menos reuniões, para conseguirmos nossos anseios? Continuamos a trilhar os mesmos errados caminhos percorridos em negociações outrora ocorridas?

A Razão e importância do aprendizado da disciplina de História em nossas escolas é a de que, conhecidos os caminhos que levaram a humanidade a percorrer caminhos desastrosos, possam ser eles novamente percorridos no presente e no futuro, suponho eu.

Três longos anos já se passaram e que aguardamos que as partes "experientes" envolvidas na negociação chegue ao final.

Estaríamos nós percorrendos os mesmos caminhos errados de outrora?

Anônimo disse...

Gostaria de sugerir mais uso das mídias sociais, tipo twitter, orkut, facebook. Aqui em Natal, já falei deste blog para diversos colegas e eles não conheciam, estou divulgando via orkut.
Fica a dica, usem o twitter exaustivamente.

Anônimo disse...

Peço licença ao Marcos Cordeiro para endossar as suas palavras sobre a nossa colega Isa Musa.

Julio Assumpção

Anônimo disse...

Bom sinal,bom nao,otimo sinal.
Estamos mesmo incomodando.
Como disse o colega acima(9:44),estao tentando desviar o foco.
Desespero?
Isa, contamos com tua força e mansidao.Es guerreira e nos tambem.
Hoje a pressa e do banco e DEUS esta com toda certeza do nosso lado.
Aguardemos em PAZ.

Pedro Osório disse...

Para mim essa manifestação da Isa "É DEZ", clara e objetiva diz tudo que se queria saber. O jogo está jogado, resta a Comissão Negociadora assumir o ônus da decisão sabendo-se que em qualquer hipótese acontecerão descontentamentos.

Por outro lado já se nota "vazamento" quanto a índices e até mesmo sobre empenho por "um pouco mais". Tá na cara que o benefício cogitado é de 20%, por alguns anos, retroativo a janeiro/2010, e "de bexiga" quem sabe um 14º.

Aguardemos o próximo passo dessa novela.

wilson luiz disse...

Gostaria de tecer algumas considerações sobre a matéria "O Chamado à razão", por José Adrião de Sousa, postada em Notícias Relevantes em 31.10.2010.
-"os protagonistas simplificaram demais as coisas";
-CONTRAF-CUT...tratar 10 prioridades escolhidas hà 2 anos...cujo aproveitamento se recomenda";
-devolver poderes ao Corpo Social...alterações estatutáris...eliminação do voto de Minerva".
Espero que tais considerações sejam apenas parte de uma carta de intenções, visando futuras negociações. Se forem colocadas à mesa, como exigência, neste momento, podem esquecer qualquer solução para distribuição do superávit, a não ser a longo prazo.
Neste momento é preciso, sim, simplificar as coisas, fazer uma negociação básica e rápida, pois o fim do ano se aproxima, e ninguém sabe o que ocorrerá, pois terão decorridos mais de 3 anos com superávit sem que ocorra a sua distribuição. A própria Resolução 26 é omissa sobre isto. O que ocorreria? Nossos direitos prescreveriam? Os direitos do BB estariam garantidos, por já haver efetuado suas contabilizações?
Acho que não é hora de arriscar nada.

Juarez Barbosa disse...

Prezado Marcos

Peço a você que corrija meus post anterior, pois cometi erro de construção no antepenúltimo parágrafo. Por favor substitua-o pelo que está abaixo.

"A Razão e importância do aprendizado da disciplina de História em nossas escolas é a de que, conhecidos os caminhos que levaram a humanidade a percorrer caminhos desastrosos, possam ser eles evitados no presente e no futuro."

Obrigado

Anônimo disse...

Manifesto mais uma vez meu total apoio a Sra. Isa.

Colegas, como disse, a Isa, não vamos alimentar falsas ilusões: o Banco não abrirá mão dos 50%.
Vamos aceitar o que é possível, no momento, e POSTERIORMENTE, lutar na Justiça sobre o restante que julgarmos de nosso direito.

Se radicalizarmos a respeito dos 100%, só nos restará a via judicial. Corremos o risco de ter que aguardar por longo tempo. É sabido por todos a morosidade da Justiça.

Luis Eustáquio de CAstro - Araxá-MG

Anônimo disse...

Colegas Marcos Cordeiro e Isa Musa,


Todos frequentadores deste Blog, associados da AAPPREVI e FAABB, depositam muita esperança em vocês. Sabemos das dificuldades que enfrentarão, mas temos convicção de que não cederão as pressões e a outras coisas do genêro.

Nosso medo continua sendo alguns representantes da PREVI, como por exemplo o SASSERON, porque defendeu propostas indecentes na última distribuição do superávit, juntamente com seus amigos da CONTRAF-CUT. Propostas como aumento do teto para 100% fazem parte do arsenal de injustiças defendidas por ele e pela ANABB.

Acho difícil que este tipo de gente desconheça as implicações das propostas que defendem, então só me resta taxá-los de traidores da grande massa de aposentados da PREVI.

Abraços!

Anônimo disse...

Prezada Isa, prezado Marcos Cordeiro e demais colegas:

Foram ótimos os esclarecimentos da Isa, entretanto alguém alegar falta de agenda para a continuação das reuniões é UMA TREMDNDA FALTA DE RESPEITO. Afinal de contas esse assunto DISTRIBUIÇÃO DO SUPERAVIT, deveria e deve ser PRIORIDADE absoluta. Há milhares de pessoas envolvidas que aguardam ansiosamente, já a mais de 3 anos, o desfecho das negociações e que por anos a fio dedicaram-se à instituição Banco do Brasil.

SUPERAVIT PREVI = PRIORIDADE MÁXIMA DE TODOS OS NEGOCIADORES.

Luis Eustáquio de Castro-Araxá-MG

Anônimo disse...

Nobre colega Isa Musa,

Explanação um pouco demorada, é verdade, mas passa sinceridade,equilibrio e espelha, com absoluta certeza, a crua realidade dos fatos.
Só não entendo que assuntos mais importantes, para todas as partes, poderiam ter preferência nas agendas dos envolvidos, do que as negociações que estão em curso. Por isso, discordo totalmente, desse jogo de empurra e corpo mole, alongando o tempo entre uma e outra reunião.O resto não merece nenhum reparo.
A legislação é muita clara e inquestionável, enquanto não houver a concordância do patrocinador, não haverá distribuição da Reserva Especial.
O caminho das pedras, é conhecido há décadas, a hierárquia é a mesma, o único elemento novo introduzido nas trativas, foi a edição da Resolução 26 da PREVIC.
Que à aplicação dessa Resolução seria compulsória, isto ficou claro desde o início e ninguém tinha dúvida do contrário.
Portanto, de uma forma bem prática, com o fito de evitar delongas, entendo que deve-se proceder da seguinte maneira:
1 - Marcar a próxima reunião, o mais breve possível.Sugiro o dia 9;
2 - Fechar o acerto com o BB e que este respeite o destino que será dado a nossa fatia(50%),sem opor nenhuma restrição;
3 -Aplicar a dolorosa Resolução 26;
4 - Ficar como condição obrigatória no acerto, que o BB comprometer-se-á à agilizar o trâmite do acordo junto aos demais órgãos, por fazer parte do Governo.
Agora, acredito que esse parto,mesmo a custo de fórceps, vai acabar saindo.
Por favor, colega Isa, confie um pouco mais nos assistidos, porque aqui a senhora tem apoio verdadeiro.
Doravante, não use tanta parcimônia nas noticias, porque tal é o desespero, que algum colega pode chegar as vias de fato, e cometer suicídio.
Muito sucesso e, que o Mestre Jesus ilumine os seus passos e lhe dê a clarividência suficiente, para dirimir todas as suas dúvidas e resolver as dificuldades.

João Rossi Neto - Com muita Fé e Esperança.

Anônimo disse...

Marcos, procurar a Dra. Dilma? Independente das trativas que seriam feitas com a presidente eleita, não vejo nada auspicioso.

Antes ela não era a favor da volta da CPMF, como disse logo após a vitória, agora já é a favor.

Ela ja esta como o Lula, fala uma coisa e faz outra completamente diferente.

Não podemos esperar nada de quem começa assim. Mudando de opinião rapidamente. Pra que continuar a mentir. Vamos continuar na mesma.

Entretanto, torço para que ela realmente faça um bom governo para o brasileiro, mas é difícil de acreditar.

Dizem que o Lula tirou 12 milhões de brasileiros da miseria. Realmente aconteceu. Mas como aconteceu? Simples. Ele transferiu os impostos que nós pagamos para esse contigente.

Agora a Dilma diz que vai erradicar a miseria do Brasil. Isto representa mais ou menos 20 milhões que deverão receber também dos impostos que nós pagamos.

Quem vai custear essa turma eternamente.

Se realmente tivesse ocorrido transferência de renda, essa seria feita através de trabalho formal, com carteira assinada e salários dignos. Seria então renda da empresa sendo transferida para o trabalhador.

Agora transferir imposto para quem não trabalha não é fácil de manter.

Mas nenhum governo vai ter coragem de mexer nisso, então essa conta será paga por nós por um longo, longo período.

Alguém acredita em mudança. Se alguém acredita eu gostaria de ser tão otimista assim.

Bom, não custa nada acreditar. Mas também podemos pagar um alto preço por isso.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

Já estamos no Orkut e no Twitter. Cada novo post do nosso
blog é divulgado via twitter, com link direto para leitura.

Para acessar nossa comunidade no Orkut e nossa página
no Twitter, visitem os links abaixo.

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=102792486

http://twitter.com/previplano1

Cortesia do Departamento de Comunicação da AAPPREVI.

Tornem-se nossos seguidores!

Anônimo disse...

Cara Isa Musa,

Confesso que não teria a sua paciência para conduzir este processo do superávit e, principalmente, para responder ou esclarecer aspectos que são claros. Entre eles:

- as reuniões havidas e as futuras, se saírem, independe da sua vontade e de uma maior ou menor agilidade que a senhora possa ter. QUEM É O DONO DA SITUAÇÂO é o BB, respaldado que está pela legislação vigente - lei complementar e resolução. É ele que é o disparador do processo, é ele que determina quando haverá ou não reunião, horário, local, quem vai participar, se vai servido cafézinho, se vai ser chá, se o ar condicionado da sala vai estar ligado ou não, etc.

Também não concordo, em nenhum grau, que lhe seja imputada, ou ao Sr. Marcos ou a outro representante qualquer das associações, qualquer responsabilidade pelo não avanço das negociações. Se tivessem este poder há três anos já teríamos melhorias implantadas.

O que não podemos perder de vista neste processo todo é que os limites de negociação por parte do BB são ilimitados - ao menos enquanto esteja amparado pela legislação que em parte está sob júdice (resolução 26) - e por parte dos participantes são limitados, o que vislumbra que o avançar das negociações terá grande chance de ocorrência de perdas para o lado mais fraco (participantes).

O que será definido então: o limite que se irá aceitar de perda e, neste ponto, eu confio tanto na senhora como nos nossos representantes da diretoria da PREVI. Sei que quando o sinal amarelo acender vocês não ultrapassarão a faixa limite.

LUIZ FERNANDO disse...

Duma coisa, estou certo. A nossa era de "funcionario do banco do brasil" foi pro espaço a tempos. Principalmente quem se aposentou pos-97, está bem defasado. E quantos barbados não tiveram a garra da Dona Isa. Estamos contigo. força e vontade sabemos que nao vai faltar;

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Nem espero resposta da Previ. Tudo isso é ironia e pressão.
----- Original Message -----
From:
To:
Sent: Saturday, November 06, 2010 12:05 PM
Subject: Sua mensagem foi recebida com sucesso.


Senhor(a) JOAO ROSSI NETO

A PREVI confirma o recebimento da mensagem abaixo.
Aguarde nosso retorno em breve.

Gerência de Atendimento
PREVI

Data: 6/11/2010
Tipo: Elogio

Mensagem: Não poderíamos deixar de registrar o nosso contentamento com o
brilhante e eficiente trabalho dessa Caixa, principalmente dos Conselheiros
eleitos, na defesa dos nossos interesses.
Estamos admirados com a dedicação integral de todos, pois em tão pouco tempo
estão conseguindo resolver uma questão muito complexa.
Outra coisa admirável, é a luta contra a Resolução 26 para evitar prejuízos
financeiros para os associados, com a tomada de todas as medidas no terreno
amistoso e judicial.
Outro ponto altamente positivo, são as informações atualizadas que nos
repassam, a todo instante, dando conta do andamento das diversas etapas das
negociações. Estamos imprensionados com tanta eficiência e dedicação.
Somente uma instituição imparcial, que não se curva nunca às ordens do
patrocinador poderia defender com tanta veemência os seus associados. Isto é
coisa do primeiro mundo, estamos imensamente gratos. O que dizer dos
Conselheiros que elegemos, estes são nota mil. Tão preocupados com a
ansiedade e depressão dos aposentados, que se revesam dia e noite para nos
manter informados de tudo. Acertamos na mosca, em eleger pessoas tão
competentes, que não se submetem ao jugo de ninguém. Acho que nunca mais
teremos Conselheiros com essa qualidade impar.

Matrícula: 4986560
Nome: JOAO ROSSI NETO
E-mail: jrossineto1@uol.com.br

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Para conhecimento. Pelo menos ironia eu faço.
----- Original Message -----
From: João Rossi Neto
To: previc.ouvidoria@previdencia.gov.br
Sent: Saturday, November 06, 2010 12:40 PM
Subject: Resolução 26/2008.


Nós, aposentados do BB, estamos muito orgulhosos do trabalho dessa PREVIC, especialmente no tocante a edição da Resolução 26, na qual dão um exemplo para a socidade brasileira, de que é preciso contribuir com a distribuição de renda neste País. Essa atitude de repassar 50% dos superávits da PREVI, para o BB, graciosamente, foi uma medida digna de todos os elogios, porque, afinal de contas, estão ajudando um coitadinho que queria comprar alguns banquinhos comerciais, privados, e estava sem capital para isso.

Ai, como são tão bonzinhos, numa visão magnânima, resolveram tirar de quem tem sobras contábéis, para suprir os pobres necessitados. Estamos negociando com as Revistas IstoÉ e Veja, com o objetivo de conseguir uma publicação para essa façanha, a fim de que ganhe até as manchetes internacionais. Aliás, não estão fazendo mal algum em solapar a Poupança que garantirá à aposentadoria dos idosos, porque mais dia ou menos dia, eles acabam morrendo mesmo e não vão precisar do dinheiro, nem mesmo as suas viúvas, porque elas também vão morrer.

Não interpretem errado, por favor, as nossas atitudes, principalmente o Sr. Ricardo Pena, arquiteto de toda essa Resolução benevolente, mas estudos estão sendo feito para propormos uma ADIN, para dar maior notoriedade a este feito. Também não estou sendo muito bonzinho e gentil em contar-lhes, em primeira mão, estas novidades? Quase esqueci, passamos também, de forma bem explicadinha, essa história para o STF e Ouvidoria Geral da OAB.

João Rossi Neto

Anônimo disse...

Colegas,

Tenho percebido com muita satisfação o aumento de participações no blog. Espero sinceramente que o número de associados da AAPPREVI esteja subindo na mesma proporção. Temos que ter a clareza que só com o aumento da representatividade de nossa associação conseguiremos vitórias duradouras. As idéias, sugestões, análises, estão borbulhando diariamente neste blog, graças a seriedade e lisura do Marcos, Gilvan e demais integrantes da AAPPREVI. Parabéns!!! VOCÊS SÃO 10!!!!!!

Anônimo disse...

PARA ILUMINAR A LEMBRANÇA DE TODOS APOSENTADOS DO PB1 DA PREVI. INTERESSANTE É VERIFICAR QUE QUANTO MAIS MELHORA NO RANKING, OS BENEFÍCIOS PIORAM...


Ano de concessão de benefício Complemento médio (R$)
Até 1995 7.698,76
1996 e 1997 5.404,55
1998 a 2008 3.845,46
Os números acima mostram que a média dos benefícios concedidos em 1996 e 1997 já havia caído em relação ao período anterior, em função justamente do período de congelamento salarial iniciado em 1996. A PP foi criada somente em dezembro de 1997 e, portanto, não teve qualquer influência nessa redução.
Revista Previ 139

Ivan Mesquita Prates disse...

Cada vez admiro mais a colega Isa. A cada pedrada ela retribui com flores e palavras sensatas, além de explicações corretas e fidedignas. Ela me lembra uma mineira como ela, Dona Beja. Consta que uma socialite de Araxá, enciumada com o sucesso e a beleza de Dona Beja, enviou a ela uma caixa presente. Ao abrir a caixa Dona Beja deparou-se com um monte de estrume... Bosta mesmo. Imediatamente enviou seu mensageiro retribuir com uma caixa das mais belas rosas perfumadas e um bilhete: “Agradeço seu presente e retribuo. Cada um dá o que tem”. Parece-me que o espírito equilibrado e sensato de Dona Isa se pauta pela mesma fineza.

Anônimo disse...

Colegas,

É triste ver a estrutura de desrespeito e cinismo montada dentro da PREVI.

Outra coisa inacreditável é que um governo de esquerda, que lutou contra o autoritarismno, institua estes médotos de tortura contra os aposentados da PREVI.

Resumindo quem foi torturado agora esta torturando.

Anônimo disse...

Caros assistidos sofridos, assim como eu..
Endosso minhas palavras ao do colega JOÃO ROSSI NETO, além de tudo o que você disse ... É IMPRESSIONANTE, COMO ELLES ESTÃO CUMPRINDO TODA A PROMESSA FEITA EM CAMPANHA .. E POR ESCRITO ... INCRÍVEL.
Vou transcrever em meu nome o mesmo que voce fez.

Acredito que todos nos poderíamos "bombardear " a PREVI e à PREVIC, com essa postura e empenho por eles dedicado.

Anônimo disse...

digno de analisarmos e ficarmos pensando , o fato intrigante e bombástico sobre a licitação sobre a consultoria do BB. De R$ 19.600.000,00 inicial, fecharam por R$ 95.000,00. PODE ISSO? ISSO É UM CASO QUE VEIO Á TONA. IMAGINEM EM ANOS ANTERIORES, QUANTO NÃO FOI PAGO PARA CONSULTORES? SERÁ QUE A PREVI VAI COMEÇAR A FAZER PREGÃO PARA MENOR PREÇO?

Anônimo disse...

Joao Rossi Neto I R O N I A -

Tenho muito esperança que a PREVI e PREVIC respondam as palavras sinceras e elogiosas que vc. , com a calareza e objetividade de sempre,
endereçou a elas. -

Soh que nao deverah haver uma resposta com a ironia que vc. sutilmente as espinafrou ...

Valeu Rossi - considere meus aplausos mais calorosos e sinta-se incentivado a , como diz aqui em Minas, sentar a lenha na cacunda deles.

Anônimo disse...

Reitero minha opinião que no BB estão as melhores cabeças deste país. Entretanto, após ler no jornal de Domingo a entrevista do Ministro Paulo Bernardo sobre aumento real para aposentados e lembrar a Resolução 26 do “colega” Pimentel, concluo que MELHOR não é necessariamente sinônimo do BEM. O cabra pode ser considerado o MELHOR TORTURADOR DE VELHINHOS DA AMÉRICA LATINA. Ter excelência naquilo que faz, receber prêmios e altos salários, melhorar a posição no ranking internacional, MAS continua ser torturador de velhinhos. Nada apaga isso. Assim como as cabeças brancas, pretas ou reluzentes podem ser usadas para salvar vidas, também podem decretar o fim do cumprimento da Lei que nos beneficia.
Finalizo com um pensamento de alerta do filósofo alemão Nietzsche:

Quem luta com monstros deve velar por que, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro. E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti.

rosalina_de_souza disse...

Prezada Isa Musa de Noronha
Sempre admirei e cada dia admiro mais a senhora. Uma mulher que não se esconde por traz de pseudo-fragilidades para dizer o que entende, opinando sempre em prol da VERDADE.
Um exemplo de mulher, com M grande. Todas as suas intervenções na Previ,Cassi,Banco do Brasil são baseadas em fatos, não cogitada de mentiras plantadas, nem faz pose de “coitadinha de mim”, nem se vale da sua condição de mulher para tirar proveito. Vale imensamente mais do que muitos DIRIGENTES que se dizem macho.
Parabéns, Isa Musa, você não está sozinha. Existe 120 mil famílias do PB-1, inteiras do seu lado, do lado do bem, do lado da verdade.
Mas não deve de maneira alguma achar que temos tempo de sobra para esperar a DEFINIÇÃO DOS SENHORES NEGOCIADORES DO SUPERÁVIT, é uma questão única, estamos velhos, cheios de problemas financeiros, muitos nada receberam e muitos não tiveram como renovar o Empréstimo Simples.
O Governo já esta pensando na CPMF, abrirá mão do superávit?.
A verdade ISA é que qualquer negociação trará insatisfação, prova maior é definida por você mesma quando diz:

Resumindo, qualquer que for a decisão de nossos representantes, serão severamente criticados por uns ou por outros. Essa é a única certeza que podemos ter neste momento.

Temos que resolver logo esta situação, não há que se criar o que não pode ser aprovado, mais buscando unicamente o pagamento a todos os assistidos do PB-1.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Matrícula 18.161.320-4

Anônimo disse...

A PREVIC foi criada justamente para complicar ainda mais a distribuição do Superávit. É mais uma barreira de concreto e ferro que temos a derrubar.
Resolução 26: composta de areia, cal e cimento;
Previc: é o ferro que fortalece a composição do concreto.
Só uma "implosão" deixará o acesso livre para o superávit.
Vamos à luta. ADIN neles.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

"NOTÍCIAS RELEVANTES" apresenta duas novas matérias para reflexão:

07/11 – Isa Musa de Noronha faz um RESUMO HISTÓRICO das coisas da PREVI.

07/11 – Negociação do Superavit da Previ – Espaço Delimitado, por Edgardo Rego.

Essa leitura não deve ser dispensada.

raul avellar disse...

Novamente venho me congratular com o colega João Rossi Neto por sua fina ironia no tratamento com a Previ e a Previc.
É isso mesmo que esta gente merece!
Parabens Marcos, D.Isa Musa e demsis blogueiros pela aquisição de tão brilhante companheiro de lutas.
Raul Avellar

Juarez de Almeida Barbosa disse...

Prezada Sra. Isa Musa de Noronha
MD Pesidente da FAABB

Durante a leitura de seu 'RESUMO HISTÓRICO DAS COISAS DA PREVI', tive muitas dificuldades de entendimento lógico das muitas questões ali abordadas. Na busca deste entendimento, recorri ao site da FAABB e procedi à leitura de todos os textos contidos nos links à direita do site, também sobre todo o histórico do relacionamento sórdido ocorrido entre o BB e a PREVI, um verdadeiro GOLPE, ROUBO escancarado, merecedor de denúncia a cortes internacionais de justiça.

A leitura destes textos, de competente elaboração, por parte de pessoas que tenham a devida capacidade de discerni-los, trazem à tona toda a arquitetura desse GOLPE, desse ROUBO aos cofres da nossa PREVI.

Como fomos capazes de permitir tudo aquilo? Para aonde estavam voltadas às nossas atenções? Aonde estavam nossos legítimos representantes, para permitirem tamanhas falcatruas?

Nos aludidos textos, não consta o que foi feito judicialmente para anular as inúmeras ilegalidades aos preceitos constitucionais vigentes e nele apontados com muita exatidão (enumeração de artigos, etc...).

O BB vem desde aqueles tempos se apropriando ilegalmente de nossas poupanças, utilizando até superavites futuros (sic), não os dividindo conosco como de direito.

É, pessoal, do jeito que estão as relações entre BB/PREVI/PARTICIPANTESeASSISTIDOS, não creio eu que conseguiremos enxergar luz no fim desse túnel.

Será este um túnel mesmo? Ou será uma fossa?

Que negociações justas poderemos esperar dos interlocutores do BB?

A que órgãos de justiça isentas poderemos recorrer para denunciar tamanhas falcatruas, golpes, roubos escancarados.

Ou só poderemos contar com a justiça divina?

Anônimo disse...

João Rossi Neto, parabéns, 10 (Dez).

Anônimo disse...

Sra. Isa,

Não é porque as negociações sempre demoraram, e sempre foram travadas por interesses repulsivos, dentro da Previ, que deve continuar assim para sempre.
Queremos a distribuição do superávit AGORA! não suportamos mais tanta conversa que não leva a nada, tudo já foi minusciosamente discutido, voces são nossos representantes, não há mais o que resolver, se a distribuição só pode ser feita à luz da res.26 e o BB já contabilizou os seus 50%, qual a dificuldade de distribuir os outros 50% para os assitidos do PB1? É uma solução tão difícil de se resolver?
Estamos impacientes com tanta espera, precisamos de dinheiro, cada ano que passa o que deveríamos receber já foi em grande parte corroído pelos juros dos empréstimos que temos e a nossa saúde já foi para o espaço com tanto sofrimento.
Sra. Isa, espero que com sua inteligência, sensibilidade e conhecimento da nossa situação, assim como profundo conhecimento de tudo que envolve as negociações com a Previ, a Sra. saiba conduzir pelo caminho certo a próxima reunião para chegarmos a uma definição concreta e haver distribuição do superávit ainda este ano, corremos o risco de prescrição, ultrapassando-se o limite de três anos.
QUERO DISTRIBUIÇÃO DO SUPERÁVIT JÁ!

Anônimo disse...

Gostaria de pedir ao nosso brilhante colega Gilvan, que o mesmo fizesse um cálculo aproximado, só para termos uma idéia, de quanto cada participante do Pb1 estaria doando para o BB,considerando que o banco se aproprie de 50% do superávit.
Obrigado.

Anônimo disse...

Colega Dona Isa Musa,

Não sei o valor da Reserva Especial, que será aplicado na revisão do plano, no entanto,sobre este aspecto, impõe-se a seguinte interpretação da Lei Complementar 109/2001:
1) - Artigo 20. O resultado superavitário dos planos de benefícios das entidades fechadas, AO FINAL DO EXERCÍCIO, satisfeitas as exigências regulamentares relativas aos mencionados planos, será destinado à constituição de reserva de contingência, para garantia de benefícios, até o limite de 25% do valor das reservas matemáticas;
§ 1º Constituida a reserva de contingência, com os valores excedentes será constituída reserva especial para revisão do plano de benefícios;
§ 2º A não utilização da reserva especial por TRÊS EXERCÍCIOS CONSECUTIVOS determinará a revisão obrigatória do plano de benefícios da entidade.
Como as negociações serão alicerçadas no cumprimento das leis, não podemos perder de vistas que o balanço encerrado em 31/12/2009, da PREVI, é o último cujos números estão fechados e publicados e, também é o último dos três exercícios consecutivos superavitários.
Deste modo, fica patente que,dentro dos ditames das Leis, a Reserva Especial,obrigatoriamente, recairá sobre 31/12/09 (R$ 25.9 bilhões).
De qualquer forma, se não houvesse atrasos nessas tratativas, a data base teria como égide o fim do exercício de 2009.
Assim sendo, é inconcebível sequer levantar a hipótese de empregar outros números, nos cálculos da Reserva Especial, a não ser o balanço (31/12/09) focalizado no tópicos precedentes.
Definitivamente, descartamos os dos balancetes de 2.010, eis que eles não encerram tal exercício.
Não resta dúvida que, no mínimo, a data para cálculos de atrasados, retroagirá a janeiro/2009.
Se fizerem desvio dessa rota, a LC 109/2001 será atropelada pela segunda vez, já que a primeira foi com a Resolução 26.

João Rossi Neto.

Anônimo disse...

Rossi, esta sua última mensagem à Isa Musa (13.38) deveria ser enviada também à Previ.

Anônimo disse...

Excelente o relato da colega Isa acerca deste grande imbróglio. Percebe-se da necessidade de todos os envolvidos cederem um pouco nas
suas expectativas em prol de um acordo que atenda aos interesses dos assistidos da Previ. Isa, confiamos em sua sensatez e serenidade para nos representar nestes desgastantes e esperançosos dias. Forte abraço.

airton disse...

Marcos, acho ótima a sugestão dada pelo colega anonimo de 6/11 as 3;52a qual transcrevo abaixo, a respeito de lei complementar n. 75 de 20/05/1993, que nos amparam, idosos, crianças. Converse com nossos advogados e façamos valer do Ministerio Publico da União. Por favor veja se isso pode dar em alguma coisa. Toda idéia deve ser investigada e dela tirar o que se pode aproveitar. POR FAVOR AGUARDO NOTICIAS E SE POSSIVEL PUBLIQUE NO BLOG.
Abraços do Airton

7 de novembro de 2010 13:01

Lei complementar 75 de 20/05/1993

Art. 1º O Ministério Público da União, organizado por esta lei Complementar, é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático, dos interesses sociais e dos interesses individuais indisponíveis.

Art. 2º Incumbem ao Ministério Público as medidas necessárias para garantir o respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados pela Constituição Federal.

Art.5º São funções institucionais do Ministério Público da União:

I - a defesa da ordem jurídica, do regime democrático, dos interesses sociais e dos interesses individuais indisponíveis, considerados, dentre outros, os seguintes fundamentos e princípios:

a) a soberania e a representatividade popular

e) a independência e a harmonia dos Poderes da União;

h) a legalidade, a impessoalidade, a moralidade e a publicidade, relativas à administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União;

III - a defesa dos seguintes bens e interesses:

e) os direitos e interesses coletivos, especialmente das comunidades indígenas, da família, da criança, do adolescente e do idoso;

V - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos da União e dos serviços de relevância pública quanto:

a) aos direitos assegurados na Constituição Federal relativos às ações e aos serviços de saúde e à educação;

b) aos princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade e da publicidade;

Art. 6º Compete ao Ministério Público da União:

I - promover a ação direta de inconstitucionalidade e o respectivo pedido de medida cautelar;

Art. 24. O Ministério Público da União compreende:

I - O Ministério Público Federal;
II-o Ministério Público do Trabalho;
III - o Ministério Público Militar;
IV - o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

Vamos apelar ao Ministério Público da União, para que utilize de sua independencia, e faça valer nossos direitos.
Façamos a nossa parte.

6 de novembro de 2010 03:52

Anônimo disse...

NOTICIAS RELEVANTES - Dona Isa uma ótima aula de historia para nós do PB1, agora me diz: se o BB levar os 50% nós poderemos entrar na justiça contra os 50% que ele levou? (afinal de acordo com os argumentos que tenho lido no blog, do João Rossi, Tolental, Edgardo Rego, etc.) os 100% é nosso. O BB não tem direito a nada, mas os PTtralha não pensam assim.
Aguardo noticias.
ANONIMO MINEIRO...

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Colegas,
Diante da disposição de muitos no sentido de que seja levantada a bandeira branca da paz antes de qualquer combate, mesmo no campo jurídico, passo a vocês uma frase que pincei na internet e que, eu penso, se aplica bem ao problema que enfrentamos e que deve servir bem para nossa reflexão antes de tomar qualquer atitude:

"É loucura para o carneiro promover uma conferência de paz com o lobo." Thomas Fuller, historiador inglês

É que, por tradição, nós brasileiros temos a mania de ser “bonzinhos” e estamos sempre dispostos a negociar, de fazer concessões e oferecer vantagens ao inimigo com o objetivo de evitar a briga pelos nossos direitos. E, talvez, aí esteja a causa da tragédia em que se transformou o nosso país em vários aspectos, onde os bandidos passeiam livremente e os cidadãos de bem encontram-se presos dentro de suas próprias casas. Mas, como somos “bonzinhos”, nós sempre nos preocupamos, primeiramente, com a saúde e o bem-estar dos meliantes e depois com o conforto e o bem-estar das nossas famílias.
Um bom exemplo dessa nossa predisposição a defender o direito alheio antes do nosso é a existência de colegas defendendo o “direito” do Banco de ficar com 50% do nosso superávit. Isso, certamente, deverá criar um precedente perigoso e que deve afetar os nossos direitos por muitos anos, até a total extinção do Plano 1.
Vamos acompanhar os próximos lances dessa negociação para tiramos as nossas conclusões. E seja o que Deus quiser!

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Notícias Relevantes

08/11 - A Resolução 26 versus LC 109 - por Edgardo Rego.

Anônimo disse...

Pessoal, vamos batalhar pelos nossos 50%, para receber o mais breve possível. O outro que o BB já levou, será outra história, junto a justiça mais adiante.

Anônimo disse...

Colega, mais adiante a justiça sera a mesma,ou seja, CEGA,SURDA e VENDIDA.
Na minha modesta opiniao,nao temos que abrir mao dos 100% do NOSSO superavit,nem que para isso nao recebamos nada agora,nao se negocie nada agora e se houver alguma votaçao a resposta e NAAAAAAAO!
A gente aperta mais o cinto e poe a cabeça no travesseiro sabendo que teremos nossos beneficios pagos ate o fim de nossas vidas.
De resoluçao em resoluçao correremos o risco de sofrer o mesmo que o pessoal do Banerj e do Aerus que foram ROUBADOS na mao grande.Se aceitarmos hoje a resoluçao 26,amanha vira a 27,28....
Nao recebi o renda certa(?),nao ganho R$4.000,00 de Previ + Inss mas penso assim.

Anônimo disse...

Eu fico preocupado com o rumo da história que muitos querem dar ao superávit?

Afinal alguém pode explicar se não havendo distribuição como manda a lei,o que vai acontecer.

Muitos são contra a DIVISÃO COM O PATROCINADOR,eu pergunto em caso de DÉFICIT no futuro irão cobrir 100% do DÉFICIT sem a contribuição do patrocinador.

Alguém poderia me explicar se um governo que nem iniciou seu mandato já esta falando em criar receita extra,vão abrir mão da galinha dos ovos de ouro PREVI.

Ou voces não querem ver a realidade ou estão vivendo no mundo do faz de contas,Gente acorda pra vida pra realidade,sempre historicamente dividimos com o patrocinador os membros do colegiado que nós representa são os mesmos de sempre,ANABB,CONTRAF CUT,FEDERAÇÃO,ELEITOS PARA A PREVI,E QUAL É O OBJETIVO DE UMA REUNIÃO? SER PRODUTIVA,DIZER ISSO PODE ISSO NÃO PODE,TEMOS QUE PARAR DE NOS ENGANAR COM FALSAS EXPECTATIVAS,O QUE TEMOS ATÉ AGORA? ESTUDOS DE UMA POSSIVEL VIABILIDADE DE UMA "ADIN" é o que temos no momento,nada mais e uma ação proposta pela FEDERAÇÃO contra a PREVIC pela EDIÇÃO DA RESOLUSÃO CGPC26.
Eu disse contra a "Previc" não é contra o Patrocinador ou Contra PREVI.
Intão senhores e senhoras vamos parar de ficar em cima do muro,parar de querer ser contra ou a favor da distribuição e vão a luta alguém que não recebeu o RENDA CERTA entrou na justiça mudou alguma coisa?Nada quem recebeu recebeu quem não recebeu não recebeu.
Enquanto a HIPOCRISIA REINAR ENTRE NÓS NUNCA CHEGAREMOS A LUGAR NENHUM.

O DITADO POPULAR SEMPRE DIZ ISSO:

"É MELHOR UM PASSÁRO NA MÃO QUE DOIS VOANDO".

Marco Aurelio Damiano - Guaxupé-MG disse...

Notícias relevantes (Folha de S. Paulo):

"ESTATAIS PAGAM GOLFE PARA JUÍZES EM RESORT.
Caixa, BANCO DO BRASIL e Eletrobrás estão entre os patrocinadores de encontro da Associação dos Juízes Federais do Brasil em resort na Bahia.
.....
A programação inclui palestras e oficinas de golfe e arco e flecha.
.....
Para alguns juízes, pode haver conflito ético."

E aí vem as perguntas: isso aí é legal? isso aí não pode interferir em futuros julgamentos? O que será que a OAB pensa disso?

GILVAN REBOUÇAS disse...

Caro colega Anônimo 13.25

De acordo com os dados divulgados no terceiro trimestre/2010 pela PREVI, temos a seguinte composição no quadro de participantes e assistidos:

ATIVOS: 33.732
APOSENTADOS: 67.722
PENSIONISTAS: 18.875
TOTAL : 120.329

Vamos considerar que o Banco contabilizou apenas 8 bilhões.

DOAÇÃO = 50% SUPERÁVIT
-------------
APOS + PENS

DOAÇÃO = 8 bilhoes
-----------
86.597

DOAÇÃO = R$ 92.381,95

Caro colega anônimo, essa conta não é exata por dois motivos:
1 - O número de participantes vem se reduzindo mês a mês.
2 - O valor contabilizado pelo BB deve ter sido bem maior.

O valor da nossa doação para o Banco supera em muito esse montante de R$ 92.381,95.

Atenciosamente,

Gilvan Rebouças

Vice Presidente Financeiro - AAPPREVI.

GILVAN REBOUÇAS disse...

FATO CURIOSO.


No informativo sobre a composição de ativos e aposentados tem um colega com mais de 90 anos de idade em plena atividade no BB.
Quem será esse colega e onde exerce sua atividade?

Anônimo disse...

Colegas,
Mesmo que seja feita a distribuição da Reserva Especial, ao amparo da Resolução 26, que, só no Brasil se sobrepõe a uma Lei, eis o que pode acontecer se essa obra ditatorial for considerada inconstitucional pelo STF:

1- eficacia erga omnes - beneficia todos que estão sujeitos ao ato normativo ( todos os participantes de fundos de pensão atingidos);
2 - efeito vinculante - retira a Resolução do ordenamento juridico;
3 - efeitos ex tunc - retroage à data de entrada em vigor da Resolução(01/10/2008).

Assim acontecendo, o Patrocinador, juridicamente, se levar a sua parte terá que devolver.

Anônimo disse...

Não concordo com o colega anonimo. Quero receber a minha parte agora enquanto estou VIVO!!!
Abraços

Carlão/Joinville disse...

Caro colega anonimo (00:11), caso aceitemos receber 50% agora, JAMAIS recebermos o restante. Lembre-se de que no ultimo acordo, tivemos de abrir mão das ações judiciais que tramitavam país afora. Não se esqueça de que estamos lidando com gente profissional e negociação. No caso de aceitarmos os 50% proposto (se é qu está sendo proposto), a popria Justiça irá "lavar as mãos".
Concordo plenamente com o colega das 01:49 horas.
Aliás, acho que só deveriamos sentar à mesa p/negociarmos após protocolada a ADIN (onde certamente teremos exito, dada a sua flagrante inconstitucionalidade, ao ferir de morte o principio da hierarquia das leis).
Somente gostaria de saber porque ainda não tomamaos tal medida judicial, se todos sabemos o que o BB quer.

Luis-BH disse...

Gilvan,
Realmente sempre achei curiosa essa estatística da Previ. Eles dizem, no rodapé desses informativos, que são pessoas que ainda não requereram benefícios.
O mais provável é que já tenham ido para o além e os beneficiários nem saibam que existe a Previ. Ou pior: morreram sem herdeiros...

Anônimo disse...

Notícias pós eleições:
-CENSO 2010- Brasil possui 185 milhões de habitantes:
-8,5% (16 milhões) de brasileiros estão na faixa de extrema pobreza;
-Brasil fica em 73% no IDH (Indice de Desenvolvimento Humano)-ALTO.

Anônimo disse...

Estatal pagando mordomias para magistrados? Hotel, golf e sei lá mais o que... Na Itália a Operação Mãos Limpas colocou todo mundo na cadeia

ricardo o.c. de albuquerque disse...

Marcos,
Boa tarde. Acho que nossa paciência tem um limte. Sugiro que V. e todas as outras entidades representativas, que sentam à mesa de negociação, deveriam fazer uma teleconferência e dar uma prazo de 48hs. para a reunião com o BB ser realizada, sob pena de abandonarmos as negociações. Não somos PALHAÇOS. Temos muito tempo de serviços ao BB. e seu comportamento é totalmente a
ético.Cordialemente
Ricardo O.C.de Albuquerque

Anônimo disse...

Esse Brasil tão maravilhoso não merecia estar passando vergonha. Fiquei sabendo que uma bancaria foi conversar com um padre pois estava desesperada e disse o seguinte:
Padre, meu chefe no banco esta pedindo para que eu faça trapaças com os clientes do banco mas minha consciencia não permite! O que faço???
Esperar mais o que ?

Anônimo disse...

Colegas,

O que nos indica o Colega Edgardo é incontestável.
Diz tudo sobre a tremenda ilegalidade cometida por funcionários ditos coleguinhas do bb que inventaram a res. 26, seu raciocínio à luz das clausulas examinadas é verdadeiro.
Salve Edgardo!
Cordiais Saudações

raul avellar disse...

Colega Ricardo Oliveira é isso mesmo que o Banco quer: que desistamos de tudo para que ele
fique com tudo.
Colega Carlão nós já abrimos mão das
ações uma vez o que não impediu que
milhares de outras ações fossem produzidas mais tarde. Temos, sim,
que aceitarmos correndo apenas 50%
agora, para depois levarmos 10 anos
tentando que nossos herdeiros levem
o restante depois de todos mortos.
Raul Avellar.

Anônimo disse...

Colega Ricardo,
E quem disse que estamos com essa bola toda para abandonar a mesa de negociação? Ora... Nós somos a parte fraca e somos nós que estamos doidos para receber uns trocados. Temos ficar pianinho senão é o Banco que nos manda bater em outra porta... Dar um ultimato desses seria um blefe e o BB pagaria para ver.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Caros Colegas.

Uma historinha...

Pouco antes de entrar para o Banco eu trabalhava para uma grande empresa da Capital e tinha sob minhas obrigações cuidar da correspondência. Demonstrando a Volkswagen o interesse em nomear representante na localidade, “minha” firma se credenciou. Durante longos meses houve uma intensa troca de correspondência entre João Pessoa e São Paulo, por conta das tratativas. A coisa evoluiu do zero à aquisição de galpão apropriado e subseqüente aparelhamento para bem servir à montadora. Mas os feitos da pretendente sempre eram sujeitos a mais uma exigência e o desfecho se distanciava permanecendo, no entanto, a troca de mensagens, pois o tempo não era o da internet, nem da telefonia, tudo girava por conta do correio.
Determinado dia, o dono da firma (sócio majoritário) me ordenou, de chofre: Marcos, passe um telegrama urgente para a Volkswagen dizendo “Respondam sim ou não se concedem sua representação para nossa firma”. E a Volks respondeu: “Não”.
Agora, pergunto eu, é isso que desejam para as negociações sobre a distribuição do superávit?
P.S. O nome da empresa era Targino Virgolino & Cia. E a concessionária Volkswagen na capital paraibana é outra – até hoje.

Anônimo disse...

Colega Ricardo,

Quem está com a razão nós ou o BB?

Estamos sendo roubados e se aceitarmos a pressão, o Banco passará como um trator por cima de nós. O BB é especialista em atropelar seres humanos (PDV, NOVO ROSTO,PAQ, PAI ....), só não criaram o MÃE, por vergonha das suas próprias.

Bom, se continuarmos concordando com tudo e não recorremos à Justiça, em breve seremos mais um bando de participantes sem aposentadoria, como já aconteceu com tantos outros fundos de pensão.

CHEGA DE BAIXARMOS A CABEÇA PARA TANTA SAFADEZA.

Ravacci disse...

Gilvan do céu!!!
Doei tudo isso para o BB??? Como sou burro!! Poderia ter pago minhas dívidas.

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Sent: Monday, November 08, 2010 1:56 PM
Subject: Fw: A justiça no Brasil é um achincalhe



E por essa e por outras que nós não ganhamos as ações contra o Banco/Previ ou então elas demoram 20 anos.
Raul Avellar



-------Mensagem original-------

De: F. Tollendal
Data: 8/11/2010 11:46:26
Para: undisclosed-recipients:,
Assunto: A justiça no Brasil é um achincalhe

Enviado por: "Giongo" ggiongo@yahoo.com.br ggiongo
Seg, 8 de Nov de 2010 10:44 am



De: Milton Bertoco - 8 de Novembro de 2010

Bancos estatais patrocinam evento de juízes em resort

Folha de São Paulo


Empresas públicas e privadas patrocinarão nesta semana encontro de juízes federais em luxuoso resort na ilha de Comandatuba, na Bahia, evento organizado pela Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), informa reportagem de Frederico Vasconcelos, publicada pela Folha

Segundo a reportagem, cada magistrado desembolsará apenas R$ 750. Terá todas as despesas pagas, exceto passagens aéreas, e poderá ocupar, de quarta-feira a sábado, apartamentos de luxo e bangalôs cujas diárias variam de R$ 900 a R$ 4.000.

A diferença deverá ser coberta pela Caixa Econômica Federal (com patrocínio de R$ 280 mil), Banco do Brasil (R$ 100 mil), Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (R$ 60 mil), Souza Cruz, Eletrobras e Etco (Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial). Os três últimos não quiseram informar o valor pago pelo patrocínio.



OUTRO LADO

A Ajufe informa que "em todas as oportunidades anteriores adotou o mesmo modelo de encontro, concentrando os seus esforços de organização para proporcionar o debate de temas importantes para o Poder Judiciário e para a sociedade brasileira".

Segundo a diretoria da Associação dos Juízes Federais do Brasil, o encontro é "financiado em grande parte pela própria Ajufe e por seus associados, que arcam com passagens aéreas".
"Serão debatidos desde temas corporativos a matérias de grande relevância para a sociedade, como combate à impunidade", diz a entidade.

"Em toda a sua história a Ajufe sempre se pautou pela ética na obtenção de patrocínios", afirmou o presidente, Gabriel Wedy, numa de suas primeiras entrevistas após assumir o cargo, em junho. "É difícil realizar evento sem patrocínio e precisamos dessas ocasiões para trocarmos ideias, mas não podemos nos curvar a patrocinadores e entender isso como troca de favor, o que é inadmissível", disse, na ocasião.

Alísio Vaz, vice-presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes, diz que a entidade apoia o evento há mais de dez anos. Ele diz que "o Sindicom busca aproximação com juízes para dar esclarecimentos a respeito de ações de empresas que contestam na Justiça normas da ANP [Agência Nacional do Petróleo] e desequilibram o mercado".
A Souza Cruz informa que seu patrocínio, "feito em plena conformidade com a lei, tem o objetivo de contribuir com o debate do pensamento jurídico nacional". O Etco informa que "entende como importante apoiar iniciativas que visem a melhoria dos serviços judiciários no país". A Eletrobras afirma que foi procurada pela Ajufe e "ainda está avaliando a concessão de patrocínio". A Caixa e o Banco do Brasil confirmam as contribuições, mas não comentam o apoio.

Leia a reportagem completa na Folha desta segunda-feira, que já está nas bancas.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/827076-bancos-estatais-patrocinam-evento-de-juizes-em-resort.shtml

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Marcos,

Permito me apresentar: Meu nome é Carlos Augusto Alves da Silva, sou aponsentado PREVI.
A Matéria a seguir foi divulgada no site www.viacomercial.com.br em 01/11/2010.
Como nossa situação é semelhante e havia a expectativa da posição da PREVIC em relação ao superávit da VALIA, segue a publicação.



PREVIC autoriza pagamento do abono do Fundo de Distribuição de Superávit da Valia
Via Comercial





A Superintendência Nacional de Previdência Complementar – PREVIC divulgou no último sábado, dia 30, a aprovação preliminar, em meio eletrônico, da alteração regulamentar que autoriza o pagamento do abono extraordinário do Fundo de Distribuição de Superávit da Valia (Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social).

Com o comunicado a Aposvale – Associação dos Aposentados, Pensionistas e Empregados das Empresas Patrocinadoras da Valia - informa que dará início imediato à coleta das assinaturas dos representantes das 11 empresas patrocinadoras do Plano de Benefício Definido (Vale + 10), necessárias à formação do processo em meio físico (papel). “Tão logo tais assinaturas estejam coletadas, o processo será protocolado na PREVIC para aprovação final e definitiva, bem como para a publicação do ato no Diário Oficial da União, quando a Valia passará a contar o prazo de até 30 dias para o pagamento”, explica nota da Aposvale Itabira divulgada a imprensa.

» PREVIC define distribuição do Superávit do Plano de Benefício Definido Valia
» Superávit: Valia propõe abono no valor de três suplementações após encontro com itabiranos

A expectativa é que aposentados e pensionistas da Valia comecem a receber o abono ainda em 2010.

Anônimo disse...

Licitação do Banco do Brasil repercute mal entre contadores

http://www.cfc.org.br/conteudo.aspx?codMenu=67&codConteudo=5027

Paulo Beno disse...

São os profundos conhecedores e entendedores de BB e PREVI que admiramos neste blog.
Parabéns a ISA MUSA pela divulgação em 07/11/2010 "Noticias Relevantes" dos dados históricos obtidos dos colegas RUI BRITO, Chicão e Faraco.
A mim, particularmente, consegui saber muito sobre o "GRUPO PRÉ-¨67", pois solitava à PREVI, à ANABB e nunca informavam quantos participantes do nosso Plano 1 pertenceram e pertencem HOJE ao citado "GRUPO PRÉ 67". Pelos menos no Oficio do Pres.Caliarri, em fev/1995 informam que remanesciam 2.498 participantes até09/02/1995 e, eram 29.149 integrantes daquele contingente.
Resta-me saber: QUANTOS AINDA SÃO INTEGRANTES DO GRUPO PRÉ-67, Hoje?

Quem souber, favor divulgar...

Anônimo disse...

Hora, hora! Mesmo indo ao judiciário para barrar a 26, temo que o Banco e o dono do Banco não estão nem ai. Simplesmente o Governo zera a posição contábil colocando dinheiro e em seguida com mais recursos na Previ sobrando (sem distribuição de Superavit)ai mesmo é que vamos ser acionistas compulsório de trem-bala, hidreletrica de Deus-me-livre, estádio para abertura da Copa, aquela Vila Olimpica que estava faltando em Xique-Xique e a construção de aeroporto internacional de Taiobeiras etc. etc. Vamos acordar pessoal! Negociação já!

Anônimo disse...

Colegas,

Já estamos esperando há 4 anos, e ainda não recebemos nada dos 50% do superávit que é nossos sem sombra de dúvida, agora se voces querem também os 50% do Banco,vamos morrer sem receber nada, aí é muita burrice nossa.

SOU À FAVOR QUE O BANCO FIQUE COM A PARTE DELE, MAIS DISTRIBUA A NOSSA JÁ.

Anônimo disse...

FICO LEMBRANDO DE QUANDO EU AINDA NÃO CONHECIA ESTE BLOG E NÃO SINTO SAUDADES. QUANDO VIVIA NA DEPENDÊNCIA DAS MIGALHAS DE INFORMAÇÕES DE ANABB, PREVI, BB, CONTRAF-CUT, SINDICATOS, ETC
Tenho certeza que ainda existem milhares de pessoas do PB1 que continuam vivendo na (des) ilusão das mentiras apregoadas por essas instituições. Precisamos acabar com A CONTINUIDADE desse engano URGENTEMENTE. Precisamos de NOVAS idéias para divulgar o blog e a AAPPREVI além das boas idéias já aproveitadas.

Anônimo disse...

VEJO QUE NADA VAI SER DISTRIBUIDO ENTRE OS ASSOCIADOS. E ATÉ PREVEJO QUE, DA FORMA QUE O ATUAL GOVERNO ENROLA PARA NÃO DAR O QUE SOBRA AOS APOSENTADOS, O PRÓXIMO IRÁ É TOMAR O QUE DISTRIBUIU ENTRE UMA MINORIA DE APOSENTAOS E REDUZIR OS BENEFÍCIOS DOS INATIVOS, SOB A ALEGATIVA DE QUE A PREVI É UMA ENTIDADE DEFICITÁRIA, COMO SEMPRE DIZ EM RELAÇÃO AO INSS QUANDO NÃO QUER DAR AUMENTO DE BENEFICIOS A APOSENTADOS E A PENSIONISTAS. ALGUEM DUVIDA?
AS ENTIDADES QUE SUPOSTAMENTE NOS REPRESENTAM, NÃO SÃO COMPOSTAS DE GENTE NECESSITADA FINANCEIRAMETE, NÃO. POR ISSO, UMA DECISÃO PARA SER TOMADA SÓ DAQUI A DEZ ANOS, PARA ELA NAO FAZ DIFERENÇA. POR ISSO, ADEUS SUPERAVIT!

Anônimo disse...

Caros Colegas do Blog, estamos todos com o pé na cova, não sabemos quanto tempo temos de vida, todos os dias morrem vários colegas do banco, uma hora será a nossa e eu quero que quando chegar a minha hora eu já tenha recebido e aproveitado a distribuição do superávit, portanto Srs. mais radicais, poupem-me e caiam na real,é pegar metade ou nada.

Anônimo disse...

Resumindo: Só resta aceitarem a imposição do BB, senão tudo fica para uma decisão judicial, que como disse D. Isa, poderá levar muito tempo.
Mas há o outro lado da questão.

Já pensaram que o BB é o maior interessado em abocanhar sua parte? E quer antes de 31.12. Porque será?

Já pensaram o que o BB fará se a opção for esperar pelo judiciário?

Ora, D.Isa, eles vão ceder, senão ficam sem nada igual aos aposentados.

Anônimo disse...

O Banco quer lucrar com o superavit, além do que já vem lucrando com a suspenão da contribuição à Previ por parte dos funcionários da ativa.

Tem funcionário, se continuar assim vai aposentar pela Previ sem gastar um tostão.

Vai ser tudo por nossa conta.

Nossos benefícios não podem aumentar por conta dessa suspensão da contribuição para os ativos.

Marcos, acho que deveria ser consultado alguém, um especialista, visto que a AAPPREVI esta negociação consultoria com outra consultoria advocatícia, a respeito dessa suspenão. Acho ilegal alguém que participa de um plano de aposentaria e que não contribui para isso.

Os aposentados sim, nós já pagamos por isso. Agora aposentar quem não paga nada é por demais gritante a ilegalidade dessa decisão.

A suspensão venho apenas para beneficiar o Banco, nada mais do que isso.

Esse é o governo mais ético do mundo.

AIRTON disse...

PAULO BENO - CENSO PRE/67 -
Marcos vamos contar!
Eu Airton Portilho Magalhães 15/02/1940, posse no banco em 07/06/1962, aposentado em 05/03/1990,com quase 28 anos de banco só recebo 27/30 de meus vencimentos. NÃO RECEBI NADA DO RENDA CERTA.
Paulo pergunte a PREVI e nos informe quantos somos na realidade.

airton disse...

NOTICIAS RELEVANTES DE 8/11
"A Resolução 26 versus LC 109 por Edgardo Rego."
Pergunto aos participantes da negociação do Superavit - TÁ BÃO OU QUER MAIS?
AIRTON

Anônimo disse...

colegas,


VIVA O BB!

VIVA A PREVI!

VIVA A ANABB!

- O BB pensando na grana da PREVI.

- A PREVI pensando em como agradar o Governo do PT.

- A ANABB pensando qual a melhor opção do momento para levar vantagem em tudo, cert

Anônimo disse...

O fortalecimento da nossa união e organização para discussões futuras frente à Previ e ao BB, passa, sem sombra de dúvidas, pelo crescimento da AAPPREVI. Temos que tentar, de todas as maneiras, orientar os colegas que ainda não conhecem a AAPPREVI. Outra coisa: não podemos nos dispersar. Existem blogs oportunistas que funcionam, exclusivamente, para auto-promoção. Gurus, oráculos, palestrantes, escritores, especialistas na área tal!!! Não precisamos disso!!! Quanto as negociações, sou a favor que o BB leve seus 50% agora. Depois, de posse das opiniões das bancas de advogados, entraremos com a ADIN.

Anônimo disse...

Obrigado Gilvan pelos seus cálculos.
Então, pelo visto, chega próximo dos cem mil reais, o que cada um de nós, estaríamos doando para o banco.É muita caridade, voçê não acha?

Anônimo disse...

Colega de 11:37,voce ainda acredita que o banco nao levou o dele?
Acorda!!!!

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Resposta da PREVIC ao Colega João Rossi Neto.

----- Original Message -----
From: PREVIC - OUVIDORIA
To: João Rossi Neto
Sent: Monday, November 08, 2010 5:03 PM
Subject: RES: Resolução 26/2008.

Prezado Senhor João Rossi Neto,

Em atenção a sua manifestação, por meio da qual V.Sa. faz críticas quanto a atuação da PREVIC em relação à distribuição de superávit da PREVI, e conforme apreciação da referida demanda pela área responsável desta PREVIC, e das demais manifestações enviadas anteriormente a esta Ouvidoria, encaminhamos resposta:

1. O tratamento do superávit dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar - EFPC, assim como do déficit porventura apurado, está previsto na Lei Complementar nº 109, de 20 de maio de 2001, e foi regulamentado pela Resolução CGPC nº 26, de 29 de setembro de 2008, e pela Instrução SPC nº 28, de 30 de dezembro de 2008.
2. A decisão sobre a destinação de superávit ou equacionamento de déficit cabe às EFPC. À Superintendência Nacional de Previdência Complementar – PREVIC cabe autorizar previamente apenas os casos específicos de destinação de superávit que envolvam alteração de regulamento do plano de benefícios (art. 33 da Lei Complementar nº 109/2001) ou reversão de valores, bem como fiscalizar o cumprimento das determinações legais sobre o tema.
3. A PREVIC analisa as propostas apresentadas nos casos sujeitos à autorização prévia, solicitando os ajustes necessários à adequação às normas, no prazo estabelecido na Instrução nº 30, de 19 de março de 2009. Em se tratando de alteração de regulamento o prazo é de 30 dias úteis para manifestação desta autarquia. No entanto, há casos que a destinação de superávit envolve apenas ajustes no plano de custeio, como por exemplo, quando há redução de contribuições, em que não há previsão legal de manifestação prévia da Previc. No caso da Previ/BB, ainda não há processo protocolado nesta autarquia para análise e autorização prévia.
4. Assim sendo, esclarecemos que não cabe a PREVIC sugerir ou decidir sobre as formas mais adequadas a cada plano de benefícios para destinação de eventual superávit, mas autorizar a destinação nos casos em que é prevista manifestação prévia ou atuar na fiscalização rotineira da atuação dos fundos de pensão e da adequação dos procedimentos adotados na gestão dos planos de benefícios que administram.

Sem mais para o momento,
Atenciosamente,

Ouvidoria
Superintendência Nacional de Previdência Complementar - PREVIC
SBN - Quadra 2 - Bloco N - 8º andar - Brasília/DF
CEP 70040-000
previc.ouvidoria@previdencia.gov.br

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

----- Original Message -----
From: João Rossi Neto
To: PREVIC - OUVIDORIA
Sent: Monday, November 08, 2010 6:24 PM
Subject: Re: Resolução 26/2008.

É exatamente com as linhas finais do tópico 4, abaixo, que discordamos cabalmente dessa PREVIC, visto que a Lei nº 12.154, de 23 de dezembro de 2009, estabelece, no seu Capítulol II, DAS COMPETENCIAS, artigo 2º, compete a essa Superintência: I - proceder à fiscalização das atividades das entidades fechadas de previdência complementar e de suas operações; II - apurar e julgar infrações e aplicar as penalidades cabíveis; VIII - promover a mediação e a conciliação entre entidades fechadas de previdência complementar e entre estas e seus participantes, assistidos, patrocinadores ou instituidores, bem como dirimir os litígios que lhe forem submetidos na forma da Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996.
Mesmo sabendo que a PREVI ,há vários anos, vem desobedecendo a Lei Complementar 109/2001, artigo 20, ao deixar de distribuir a Reserva Especial para revisão do plano 1, em melhoria dos benefícios, essa Superintendência nada fez de prático para coibir as irregularidades e punir a infratora. De igual forma, o patrocinador (BB) também deveria ser punido duplamente, uma por fazer contabilizações por conta de futuros recebimentos de superávits e outra por proibir a PREVI de encaminhar qualquer proposta de negociação, num desrespeito também a LC 109/2001, além de tripudir sobre os aposentados, cuidando com menosprezo dos assuntos adstritos à distribuição da Reserva Especial, dificultando reuniões e procrastinando, ao máximo, o recebimento dos nossos direitos. Este é o tipo de litígio que comportava a urgente mediação e conciliação dessa PREVIC, e isto foi feito? Claro, que não.
Alegar desconhecimento de tudo o que está acontecendo, essa Superintendência não pode, uma fez que ao editar a Resolução 26/2008, naquele momento criaram mecanismos para que fosse feita a distribuição, que sabiam, estava pendente. Aliás, essa Resolução que teria como escopo precípuo clarear a LC 109/2001, deixou muito a desejar, a não ser naquele dispositivo mágico de conceder os 50% para o BB, inexistente na LC 109/2001, e como de resto, em toda Legislação que cuida da matéria. Nem nas entrelinhas e nem no aspecto subjetivo, abstrato, do ramo jurídico, é possível vislumbrá-lo. Agora, politicamente falando, poderão justificá-lo.
Por fim, informamos que nada está resolvido, o impasse e o litígio com o BB/PREVI continua. Ainda é tempo dessa Superintendência agir e cumprir as suas funções regimentais.
João Rossi Neto

Marcos Cordeiro de Andrade disse...

Eis as críticas que motivaram a resposta da PREVIC.

De: João Rossi Neto [mailto:jrossineto1@uol.com.br]
Enviada em: sábado, 6 de novembro de 2010 12:41
Para: PREVIC - OUVIDORIA
Assunto: Resolução 26/2008.

Nós, aposentados do BB, estamos muito orgulhosos do trabalho dessa PREVIC, especialmente no tocante a edição da Resolução 26, na qual dão um exemplo para a socidade brasileira, de que é preciso contribuir com a distribuição de renda neste País. Essa atitude de repassar 50% dos superávits da PREVI, para o BB, graciosamente, foi uma medida digna de todos os elogios, porque, afinal de contas, estão ajudando um coitadinho que queria comprar alguns banquinhos comerciais, privados, e estava sem capital para isso.

Ai, como são tão bonzinhos, numa visão magnânima, resolveram tirar de quem tem sobras contábéis, para suprir os pobres necessitados. Estamos negociando com as Revistas IstoÉ e Veja, com o objetivo de conseguir uma publicação para essa façanha, a fim de que ganhe até as manchetes internacionais. Aliás, não estão fazendo mal algum em solapar a Poupança que garantirá à aposentadoria dos idosos, porque mais dia ou menos dia, eles acabam morrendo mesmo e não vão precisar do dinheiro, nem mesmo as suas viúvas, porque elas também vão morrer.

Não interpretem errado, por favor, as nossas atitudes, principalmente o Sr. Ricardo Pena, arquiteto de toda essa Resolução benevolente, mas estudos estão sendo feito para propormos uma ADIN, para dar maior notoriedade a este feito. Também não estou sendo muito bonzinho e gentil em contar-lhes, em primeira mão, estas novidades? Quase esqueci, passamos também, de forma bem explicadinha, essa história para o STF e Ouvidoria Geral da OAB.

João Rossi Neto

luiz carlos disse...

BRIGA POR 500 BILHOES - Alguém leu a materia publicada hoje no Correio Braziliense sobre a "posse" dos "cumpanheiros" aos fundos de pensão das empresas estatais? É bem extensa, porém, extremamente verdadeira quanto ao nosso futuro, não apenas na busca pelo tal superavit quanto pela própria sobrevivencia do PB1 e outros. Vou transcrever apenas o final da matéria, para quem não puder se dar o trabalho de lê-la na integra"

luiz carlos disse...

500 bilhoes - II

"O que preocupa, de fato, diante da guerra fratricida entre os aliados pelo comando dos fundos de pensão, é a destinação que será dada aos recursos e a garantia de aposentadoria complementar de seus associados... Mas o PT, o PMDB e Dilma Rousseff não parecem preocupados com esse aspecto agora"
Nós é que devemos nos preocupar...

Anônimo disse...

Colega anônimo 13.05


Isso não é caridade. Tem um nome mais certo para isso: APROPRIAÇÃO INDÉBITA.
Num país sério essas pessoas já estariam atrás das grades.
Pegue o nosso código penal jogue para cima e deixe cair aberto em qualquer página. Sempre encontraremos um artigo para enquadrar essa corja, seja em qualquer página que for aberta.

Paulo Beno disse...

Pois é, colega Airton :
Tomaste posse no BB com 22 anos de idade, aposentando-se após 28 anos de bancário, com 50 anos de idade, percebendo 27/30 do salário por longos 20 anos. Tens hoje 70 anos de idade e aguardamos algum beneficio especial, por conta da reserva especial, há mais de 3 anos...
Somos 28.800 "cabeças brancas" que nada receberam de melhoria em nosso beneficios, exceto suspensão das nossas contribuições...

Haja saco, prá aguentar esta PREVI!!
E.T.: A Previ (nem a Capec) divulga quantos somos...(ou quantos já eram...)

NÓS SOMOS O PLANO 1, disse...

Extraindo à forceps e comparando com os anteriores( que imprimimos, pois saem fora do site, quando entra um novo...) destrinchando os últimos dados (3º trimestre 2010) dos participantes do Plano 1 da PREVI, por faixa etária (publicado site PREVI):

a)33.732 Participantes ATIVOS:
-são 30.516"mais novos" com 35 até 54 anos de idade, sendo 336 em média que se aposentam por trimestre;

-são 83 "mais velhos",com mais de 65 anos de idade, *ativos*(com asteriscos), que a PREVI informa que NÃO exerceram o direito de requerer aposentadoria ! -São uma incógnita estes 83 velhinhos!!!(eram 80 no trimestre anterior), tem cinco com mais de 80 anos de idade na *ativa*(asteriscos). Creio que estão na Justiça (seus familiares)para receberem de volta suas contribuições e da parte patronal, pois os familiares não se interessam por poucos anos de benefícios, agora,mais ainda, que estão suspensa as contribuições à PREVI, querem o "bolão" todo, corrigido, por "devolução das contribuições"...(este "Grupo só tende a aumentar, pois há 3.133 participantes "ativos" já com idade de 55 a 64 anos de idade, que ainda não requereram aposentadoria e serão mais outros *ativos* com asteriscos na faixa etária da PREVI...

b) 67.722 assistidos APOSENTADOS :

-são 10.492 "mais novos" aposentados, com 35 a 54 anos de idade (diminuiu -837 do 2ºtrimestre 2010);

-são 57.230 "mais velhos" aposentados, com mais de 55 anos de idade,inclusive 70 anciões com 95 a 104 anos de idade !!!(aumentou +923 aposentados neste 3º trimestre ).

c) 18.875 PENSIONISTAS "mal assistidas"
-Infelizmente, nossa PREVI nada divulga deste Grupo, nada por faixa etária, não sabemos quantos homens e menores estão neste Grupo...(Um dia saberemos).